AUAL DA BIOENERGETICA EXERCICIO 01 09

AUAL DA BIOENERGETICA EXERCICIO 01 09


DisciplinaAlterações Orgânicas e Fisiológicas do Exercício Físico12 materiais144 seguidores
Pré-visualização1 página
AULA FISIOLOGIA 
DIA DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FISICA 
OBJETIVOS
Pequena revisão
Exigências energéticas
Limiar de lactato
Estimativa da utilização de substrato durante o exercicio 
Quociente respiratório
Intensidade do exercicio
Duração do exercicio
voleibol
100 metros
800 metros
CORRIDA DE RUA
TIPOS DE FONTE DE ENERGIA 
Anaeróbia alática
Anaeróbia lática
Aeróbia 
Contribuição de fontes de energia aeróbia e anaeróbia para a produção total de energia em diferentes eventos, de durações variadas, que envolvam trabalho máximo
Distância
Duração
% Aeróbia
% Anaeróbia
100 m
9,84 s
10
90
400 m
43,29 s
30
70
800 m
1 min 41,47 s
60
40
1500 m
3 min 27,37 s
80
20
5000 m
12 min 44,39 s
95
5
10.000 m
26 min 38,08 s
97
3
42,2 km
126 min 50s
99
1
Interação entre as fontes de energia 
REPOUSO EXERCÍCIO REPOUSO 
Contribuição do sistemas
GLICOLISE COMPLETA
Exigências energéticas 
Durante os exercícios 
O gasto energético do organismo pode aumentar em até 25 vezes os valores de repouso. 
Principalmente para fornecer ATP aos músculos esqueléticos, 
Que podem aumentar em 200 vezes sua utilização, em comparação aos níveis de repouso.
Início / durante do exercício
VO2(l/min)
As alterações metabólicas no início são necessárias para continuar a atividade.
Utilizando-se o consumo de O2 como índice metabólico, 1 a 4 minutos.
Até que se atinja o estado estável, outras vias bioeneréticas são ativadas (ATP-CP, Glicólise) 
O metabolismo (VO2) permanece elevado por vários minutos, fator preponderante INTENSIDADE 
EPOC= excesso de consumo de O2 após o exercício, excess post-exercise oxygen consumption), acima repouso
Após o exercício
RESPOSTAS METABÓLICAS AO EXERCÍCIO
CURTA DURAÇÃO
 - de 2 a 20 seg a produção energia e controlada pela ATP-CP
a partir de 20 seg depende da glicose para produzir ATP
mais de 45 seg - combinação dos vários sistemas
EXERCÍCIO PROLONGADO
mais de 10 min, predomínio do metabolismo aeróbio
estado de equilíbrio, em baixa intensidade
Intensidades maiores ou ambientes quentes e úmidos, tem-se um aumento no consumo de O2 (estado de não equilíbrio).
EXERCÍCIO PROGRESSIVO
Captação máxima de O2
Testes progressivos ou de exercício progressivo (graduado), utilizados para diagnostico de doenças cardíacas e nível de condicionamento físico
Captação máxima de O2 aumenta de forma linear até que se atinja o VO2 máx
LIMIAR ANAERÓBIO 
Limiar de lactato
Limiar ventilatorio 
Limiar de lactato
É utilizado para identificar o nível de desempenho e indicação das áreas funcionais do treinamento
Depende do grau de treinamento do indivíduo
 Treinados só elevam os níveis de lactato sangüíneo 10 x VO2 de rep
Sedentários 4 x VO2 rep
Cardíacos 2 x VO2 rep
Produção de NADH e falha no sistema de lançadeira
Característica da enzima LDH (lactato desidrogenase)
Concentração = entrada - remoção
Estimativa da utilização de Substrato durante o exercício
Quociente Respiratório - QR
Técnica não invasiva 
utilizada para estimar a % de contribuição de gorduras e carboidratos no metabolismo energético durante o exercício
é a relação entre o débito de dióxido de carbono (VCO2) e o volume de oxigênio consumido (VO2) 
R = VCO2
 VO2
\u201cQR não protéico\u201d 
QR GORDURAS
oxidada combina-se com o C forma CO2 e ao H forma H2O
Gordura (ácido palmítico) C16 H32 O2
Oxidação: C16 H32 O2 + 23 O2 \uf0de16CO2 + 16 H2O
 VCO2	 16CO2
 	 VO2 23 O2 
				
somente durante o exercício estável é que reflete a troca respiratória ( p.ex. hiperventilação)
=
= 0,70
R=
QR CARBOIDRATOS
Glicose C6 H12 O6
Oxidação: C6 H12 O6 + 6 O2 \uf0de6CO2 + 6 H2O
 
 VCO2	 6CO2
 	 VO2 6 O2 
				
=
= 1,0
R=
CURIOSIDADES
Oxidação das gorduras exige mais O2 que a de CHO
Quanto maior o R maior a utilização de CHO como substrato
QR dos exercícios pode estar entre 0,7 e 1,0
Percentagem de Gorduras e Carboidratos Metabolizados
Determinados pela Razão de Troca Respiratória -R Não-protéica 
QR
KCAL/L
NUTRIENTES
LIP (%)
CHO (%)
0,70
4,60
100,0
0,0
0,71
4,62
96,7
3,3
0,72
4,63
93,3
6,7
0,73
4,64
90,0
10,0
0,74
4,66
86,7
13,3
0,75
4,68
83,3
16,7
0,76
4,69
80,0
20,0
0,77
4,71
76,7
23,3
0,78
4,72
73,3
26,7
0,79
4,74
70,0
30,0
0,80
4,75
66,7
33,3
0,81
4,77
63,3
36,7
0,82
4,78
60,0
40,0
0,83
4,80
56,7
43,3
0,84
4,81
53,3
46,7
0,85
4,83
50,0
50,0
0,86
4,84
46,7
53,3
0,87
4,86
43,3
56,7
0,88
4,87
40,0
60,0
0,89
4,89
36,7
63,3
0,90
4,90
33,3
66,7
0,91
4,92
30,0
70,0
0,92
4,93
26,7
73,3
0,93
4,95
23,3
76,7
0,94
4,96
20,0
80,0
0,95
4,98
16,7
83,3
0,96
4,99
13,3
86,7
0,97
5,01
10,0
90,0
0,98
5,02
6,7
93,3
0,99
5,04
3,3
96,7
1,00
5,05
0,0
100,0
QR
KCAL/L
NUTRIENTES
LIP (%)
CHO (%)
Não esquecer
FATORES QUE CONTROLAM A UTILIZAÇÃO DO SUBSTRATO
Dieta - (Nutrição)
60 carboidratos 
25 de gorduras
15 de proteínas 
Proteínas de 5 a 15% nos min finais dos exercícios acima de 180 min.
 Por esta razão discutiremos a utilização das gorduras e carboidratos
Intensidade do exercício
Duração do exercício
Fatores que controlam a utilização 
do substrato
Intensidade do exercício
Exercícios < 30% VO2 máx gorduras 	 >70% VO2 máx carboidratos
1-aumento dos níveis de adrenalina
2-recrutamento de fibras rápida
ADRENALINA E NORADRENALINA
Fatores que controlam a utilização do substrato
Duração 
1-aumento da lipólise 
2-aumento dos AGL (sangüíneo e muscular)
3- este processo e lento, portanto ocorre após alguns minutos
4-baixos níveis de insulina
Manutenção Glicose Plasmática
Interação entre o Metabolismo das Gorduras e dos Carboidratos
Exercícios acima de duas horas
Redução, da concentração nos músculos de ácido pirúvico oriundo da glicólise
Redução dos intermediários do ciclo de Krebs`(oxaloacetato, malato,...)
estoque adequado e glicogênio aumenta em nove vezes os valores de repouso
quando estoques de carboidratos são depletados é reduzida a oxidação de gorduras
\u201ca gordura queima na chama dos carboidratos\u201d
CHO
Porcentagem de energia derivada das quatro principais fontes de substrato durante o exercício submáximo
Atletas de endurance (65 a 75% do VO2 máx)
R
% de gorduras
% de carboidratos
0.70
100
0
0.75
83
17
0.80
67
33
0.85
50
50
0.90
33
67
0.95
17
83
100
0
100