A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
40 pág.
SAUDE DA CRIANÇA E DOADOLECENTE E SAUDE DA MULHER

Pré-visualização | Página 1 de 3

Enf. Esp. Tailma Silva Lino de Souza 
• O que é Climatério? 
• Quais são os efeitos no corpo da 
mulher? 
 
 
Climatério X Menopausa 
Compreende a transição 
entre o período reprodutivo 
e não reprodutivo na vida 
da mulher. 
Consiste na 
interrupção dos 
ciclos menstruais 
regulares (12 meses 
sem um período 
menstrual). 
Essa fase marca o declínio: 
 
• Produção de óvulos para a fecundação 
• Síntese hormônios que garantem o desenvolvimento 
do embrião em seus estágios iniciais. 
 
Alterações nos ciclos menstruais causando oscilações na 
duração, intensidade e periodicidade das menstruações, 
culminando com a menopausa, que é o último sangramento. 
Fisiologia 
 
 da produção ovariana dos hormônios: Estrogênio 
e Progesterona. 
 FSH provocando uma hiperestimulação folicular 
ocorrendo ovulação precoce. 
 
Resultando no encurtamento da fase folicular 
 
Alguns Conceitos 
 
Menarca: 1ª menstruação da mulher. 
Menopausa precoce: ocorre antes dos 40 anos. 
Menopausa tardia: ocorre após os 50 anos. 
Pré-menopausa: utilizado geralmente para referir a 1 a 2 anos 
imediatamente antes da menopausa. 
Perimenopausa: inclui o período imediatamente anterior à menopausa, 
quando as alterações endócrinas, biológicas e o aparecimento dos 
sintomas ocorrem e o primeiro ano após a menopausa. 
Pós-menopausa: período que se segue à menopausa e se prolonga até a 
velhice. 
 
 
Estrogênio 
• Aumento da vagina e desenvolvimento dos lábios. 
• Desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários como 
crescimento das mamas, controle do ciclo menstrual e 
regulação da ovulação. 
• Estimula o crescimento dos ossos longos e sua calcificação. 
• Manutenção dos tecidos do organismos, garantindo a 
elasticidade da pele e dos vasos sanguíneos. 
• Proliferação do epitélio do trígono vesical e da uretra 
Sinais e Sintomas 
 
Sistema Nervoso Central 
• Irritabilidade 
• Humor depressivo 
• Choro Fácil 
• Baixa autoestima 
• Diminuição do libido 
• Falta de memória e de concentração 
 
Sinais e Sintomas 
 
 Sintomas vasomotores 
 
 
• Fogachos: rubores súbitos de calor principalmente na 
cabeça que pode acompanhar de suor noturno (causam 
insônia). 
 
Disfunção do centro termorregulador do hipotálamo 
 
 
 
Sinais e Sintomas 
 
Pele e Anexos 
• Diminuição das secreções endócrinas 
• As camadas da pele estão mais finas, vulneráveis e 
desprotegidas. 
• Diminuição do colágeno da pele com perda da elasticidade, 
que torna-se enrugada e seca. 
• Os pelos diminuem em número e volume e embranquecem. 
• Aumento de pelos faciais 
Sinais e Sintomas 
 
Ossos 
• Encurtamento dos ossos longos 
• Osteopenia 
• Osteoporose 
• Fraturas 
 
 Obesidade 
 Baixa autoestima 
 Insulinorresistência 
Sinais e Sintomas 
 
Aparelho Urinário 
• Disúria 
• Aumento da frequência e urgências urinárias 
• Incontinência urinária 
• Dificuldade de esvaziamento vesical 
• Maior propensão a ITU 
Sinais e Sintomas 
 
Órgãos Urogenitais 
 
 
Vulva: pelos pubianos mais finos, grandes lábios com menos 
tecido elástico e gordura subcutânea, pequenos lábios 
proeminentes e glândulas de Bartholin atrofiadas. 
 
Vagina: atrofia da mucosa vaginal, perda da rugosidade, 
aumento do número de infecções, dispaurenia. 
Sinais e Sintomas 
 
Útero: redução do corpo uterino e da cérvice, estreitamento 
do canal vaginal, estenose do orifício externo do colo. 
 
Tubas uterinas: redução do lúmen, ausência de secreção e 
motilidade. 
 
Ovários: volume reduzido, tornam-se duros e enrugados, 
redução da fertilidade. 
 
Sinais e Sintomas 
 
Assoalho pélvico: atrofia musculoesqueléticas e conjuntivas 
 
Mamas: diminuição do parênquima glandular, tornam-se mais 
flácidas. 
 
Aparelho Cardiovascular 
• Aumento de risco para doença cardiovascular 
• Elevação do colesterol total 
 
 
 
 
O Climatério não é uma doença e sim uma fase natural da vida 
da mulher. Muitas passam por ele e não apresentam queixas. 
 
Atividades de apoio à mulher no climatério direcionadas à 
promoção, à proteção e à recuperação da saúde envolvendo 
uma equipe multidisciplinar são estratégias que podem ser 
oferecidas rotineiramente pelos serviços de saúde. 
 
Anamenese 
 
• Colher toda a história da mulher (menarca, irregularidade 
menstrual). 
• Avaliar ao antecedentes pessoais, familiares, menstruais, 
sexuais e obstétricos. 
• Investigar os métodos de anticoncepção utilizados a 
vulnerabilidade da mulher a DST/aids . 
• Investigar a frequência da realização de exames preventivos 
do câncer do colo do útero e de detecção precoce do câncer 
de mama. 
 
• Hábitos alimentares (ingesta de fibras, gorduras, alimentos 
com cálcio e carboidratos simples) 
• Atividades físicas (tipo, regularidade e duração) 
• Além da existência de patologias concomitantes, uso de 
medicações, alergias. 
• Problemas pessoais, do relacionamento amoroso ou 
familiar. 
Exame Físico 
 
• Verificação do peso e altura para cálculo do Índice de Massa 
Corpórea – IMC (peso/altura²). 
• A verificação da pressão arterial. 
• medida da circunferência abdominal (> 80 cm nas 
mulheres). 
• Inspeção deve iniciar pela face, aspecto da pele e mucosas. 
• avaliação mamária, com inspeção e palpação cuidadosa das 
mesmas, culminando na expressão papilar, na procura de 
descarga patológica. 
• Realizar palpação abdominal e da pelve é direcionada à 
investigação de anormalidades na parede e na cavidade. 
• inspeção cuidadosa da vulva com atenção para a ocorrência 
de alterações do trofismo, coloração ou adelgaçamento da 
pele e mucosa, observar com prolapsos genitais nos mais 
variados graus e naturezas, acompanhados ou não de 
roturas perineais. 
• Ao exame especular realizar avaliação da rugosidade da 
mucosa e da lubrificação do colo e vagina. 
Exames Complementares 
• Avaliação laboratorial 
• Mamografia e ultra-sonografia mamária (de acordo com as 
diretrizes de rastreamento para o câncer de mama) 
• Exame Preventivo do câncer do colo do útero 
• Ultrassonografia transvaginal 
• Densitometria óssea 
Tratamento 
 
Terapia de reposição hormonal (TRH) 
 
A substituição dos hormônios, que antes eram produzidos pelos 
ovários, por hormônios administrados através da pele (adesivos 
transdérmicos), por via oral (comprimidos) e, mesmo, por injeções 
intramusculares ou por cremes vaginais. 
 
 
Deve ser iniciada para alívio dos sintomas desagradáveis 
relacionados à redução dos esteróides sexuais, como as 
alterações menstruais, fogachos/sudorese e aqueles 
consequentes à atrofia urogenital. A dose ministrada deve ser 
a mínima eficaz para melhorar os sintomas, devendo ser 
interrompida assim que os benefícios desejados tenham sido 
alcançados ou os riscos superem os benefícios. 
 
 
Tratamento não hormonal 
Pode ser utilizado: 
• Para mulheres que não desejam a hormonioterapia; 
• Para mulheres que apresentam efeitos colaterais durante a 
TH; 
• Contra-indicação à TH; 
• Para mulheres sintomáticas em que a resposta à terapia 
hormonal é insatisfatória. 
• Considere terapias não-hormonais ( bifosfanatos e 
moduladores seletivos de receptores de estrogênio. 
• Considere os exercícios de sustentação de peso, cálcio, 
vitamina D, abandono do tabagismo e do álcool para tratar 
ou evitar a osteoporose.