acao declarato ria simples
2 pág.

acao declarato ria simples


DisciplinaDireito Tributário e Processo Tributário584 materiais7.946 seguidores
Pré-visualização1 página
Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da ... Vara( Única/Especializada/Cível/Fazenda Pública) da Comarca do Município de 
Meritíssimo Juízo Competente da 1ª Instância.
(10 Linhas)
 XXXXXX, nacionalidade..., estado civil...,arquiteto, CPF nº..., identidade..., endereço...,endereço eletrônico..., vem por meio de seu advogado, procuração anexa, com qualificação e endereço profissional para os fins do art. 77,V c/c art. 105,§ 2º, ambos do CPC, respeitosamente perante Vossa Excelência, nos termos do art. 19,I , art. 20, art. 294 a 302 e art. 319 todos do CPC, art. 150 § 6º da CRFB/88 e arts. 176, § único e art 179 do CTN, ajuizar a presente
AÇÃO DECLARATÓRIA PREVENTIVA c/c TUTELA PROVISÓRIA
em face do Município de Juíz de Fora, pessoa jurídica de direito público interno,CNPJ nº ..., endereço...,endereço eletrônico..., e sua respectiva Fazenda Pública Municipal, diante dos fatos e fundamentos a seguir aduzidos:
DOS FATOS
O ajuizamento da presente ação se dá em razão do Município de Juíz de Fora ter editado lei que concede isenção nas taxas de localização para os profissionais arquitetos inscritos no município como prestadores de serviços há pelo menos 5 (cinco) anos. É exatamente o que ocorre com o Autor, profissional arquiteto que tem sua inscrição devidamente feita como prestador de serviços no município de Juiz de Fora há 20 ( vinte anos). Entretanto ao requerer junto a autoridade administrativa o direito a isenção teve seu pleito denegado por entender a autoridade administrativa que seu cadastro não foi regularmente feito, e somente sendo regularizado há 03 três anos atrás. Por entender ser indevido o posicionamento da Fazenda Pública e perceber que ficará prejudicado é que preventivamente ajuíza a ação em tela, apresentando os fundamentos e pedidos a seguir narrados.
DO DIREITO
No caso em tela o Autor almeja proteger o seu direito de gozo da isenção tributária sobre o patrimônio, direito esse que o proponente da ação faz jus a usufruir, já que cumpre a condição a ela peculiar, conforme preceitua o art.176 § único c/c 179, do CTN. O autor é arquiteto no Município de Juíz de Fora, comprovadamente inscrito como prestador de serviços a 20 anos, e obedece aos requisitos da lei de isenção municipal, conforme se comprova nos documentos...
Face todo o exposto e na certeza inarredável de estar no bom direito, formaliza pedidos adiante.
III)DA TUTELA PROVISÓRIA
Requer o autor seja concedida em caráter incidental, a tutela provisória, fundada na urgência, com natureza de tutela antecipada, concedendo liminarmente no início da ação, a antecipação dos efeitos da tutela jurisdicional que se pretende obter em definitivo ao final, já que todos os requisitos necessários estão presentes, conforme art 294 a 302 do CPC.
Existe o risco do dano grave para o autor caso a declaração do bom direito somente seja feita ao final. O perigo da demora é visível vez que, o Autor pode sofrer a tributação do ISS.
Assim presentes os requisitos do art. 300 do CPC, quais sejam, a probabilidade do direito, perigo de dano ou perigo ao resultado útil do processo, o contribuinte faz juz a concessão da tutela provisória de urgência a fim de, suspender a exigibilidade do crédito tributário conforme previsto no art. 150,V do CTN.
IV)DOS PEDIDOS
 Diante de todo o exposto requer