Aula GlandulasEndocrinas
51 pág.

Aula GlandulasEndocrinas


DisciplinaBioquímica I49.505 materiais1.130.407 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Glândulas Endócrinas 
Profa Dra Luciana Pugliese 
EPITÉLIOS 
GLANDULARES 
- Estruturas especializadas na produção e secreção de 
substâncias específicas. Elas se originam a partir dos 
epitélios de revestimento; 
Glândulas 
Tipos 
- Exócrinas (mamária, sudorípara, sebácea, salivar, ácinos 
pancreáticos, etc); 
- Endócrinas (tireoide, paratireoide, adrenal, hipófise, etc); 
- GLÂNDULAS ENDÓCRINAS: não possuem ductos e 
suas secreções são lançadas no sangue e transportadas 
para o local de ação pela circulação sanguínea. 
 
 
- GLÂNDULAS EXÓCRINAS: secretam seus produtos, 
através de ductos, para a superfície do corpo ou para 
uma cavidade. 
GLÂNDULAS EXÓCRINAS 
Origem das glândulas exócrinas \u2013 Tecido Epitelial de 
Revestimento 
As glândulas são sempre formadas a partir de epitélios de revestimento 
cujas células proliferam e invadem o tecido conjuntivo. Isto em geral 
ocorre durante a vida fetal. 
Classificação das glândulas exócrinas quanto à 
morfologia da porção secretora e número de ductos 
MODO DE EXTRUSÃO 
Merócrina Apócrina Holócrina 
Ácinos pancreáticos - Secreção merócrina 
Somente o produto de 
secreção deixa a glândula 
Glândula mamária: Secreção apócrina - porção lipídica 
Parte do citoplasma apical é perdida com a secreção 
Glândula sebácea 
secreção holócrina 
(células saem junto) 
D= DUCTO 
\u201cGLÂNDULAS\u201d UNICELULARES 
 Forma mais simples de glândula exócrina. 
 Ex: célula caliciforme presente no revestimento do intestino 
delgado. 
Epitélio Colunar Simples do intestino delgado 
com presença de glândulas unicelulares 
exócrinas (liberação de muco). 
conjuntivo 
Glândula mucosa (secreção 
densa) Ex: esôfago 
ducto 
ducto 
Ácino seroso (secreção 
fluída) Ex: pâncreas 
Tipo de secreção 
Glândula com Secreção mucosa 
 Núcleos voltados para a base da célula e citoplasma pouco corado 
Glândulas salivares: 
Secretam saliva que umedece e lubrifica a boca e os alimentos (células 
mucosas). 
Secretam amilase salivar cuja função é digerir o amido (células serosas) 
Glândula mista \u2013 secreções mucosa e serosa 
Glândula mista \u2013 secreções mucosa e serosa 
Ex. glândula submandibular 
 Secreção mucosa 
Secreção 
serosa 
Glândulas Endócrinas 
Não possuem ductos e suas secreções são lançadas 
no sangue e transportadas para o seu local de ação 
pela circulação sanguínea. - HORMÔNIOS 
Origem das Glândulas Endócrinas \u2013 TE de revestimento 
Cordonal vesicular 
Glândulas Endócrinas 
Cordonal: ex. 
adrenal, hipófise, 
paratireoide, etc 
Vesicular: 
ex. tireoide 
O produto (hormônio) é secretado para o meio extracelular e 
transportado até o tecido/orgão-alvo pela corrente sanguínea 
Paratireoide Tireoide 
Gl. Endócrina cordonal Gl. Endócrina vesicular 
Ilhota pancreática 
A ilhota pancreática tem arranjo cordonal 
Secreta hormônios: insulina, glucagon, 
somatostatina e polipeptídeo pancreático 
 
\uf0a7 Sinalizadores químicos \u2013 se ligam em receptores nas células-alvo 
 
\uf0a7 Liberados pelas células endócrinas 
 
\uf0a7 As células endócrinas se unem formando glândulas sem ductos na 
forma de cordões \u2013 CORDONAL ou esferas \u2013 FOLICULAR OU VESICULAR 
 
\uf0a7 Há células endócrinas isoladas, como as do trato digestivo e formando 
grupos dentro de órgãos 
Hormônios 
Modo de SECREÇÃO \u2013 \u201cdistância\u201d 
 
\uf0a7 ENDÓCRINA \u2013 longa distância, distribuído pelo sangue 
 
\uf0a7 PARÁCRINA \u2013 curta distância, podem usar o sangue 
 
\uf0a7 AUTÓCRINA \u2013 na própria célula ou do mesmo tipo 
 
\uf0a7 Localiza-se na sella turcica \u2013 cavidade do osso esfenoide 
 
\uf0a7 Ligada ao hipotálamo (SNC) por um pedículo 
 
\uf0a7 Tem origem dupla: 
\uf0a7 nervosa 
\uf0a7 ectodérmica 
Duas glândulas unidas anatomicamente com funções distintas mas inter-
relacionadas: 
 
\uf0a7 NEURO-HIPÓFISE (posterior) \u2013 de origem nervosa dividida em: 
\uf0a7 pars nervosa 
\uf0a7 infundíbulo (pedículo que continua até o hipotálamo) 
 
\uf0a7 ADENO-HIPÓFISE (anterior)\u2013 de origem ectodérmica 
\uf0a7 pars distalis ou lobo anterior 
\uf0a7 pars tuberalis que envolve o infundíbulo 
\uf0a7 pars intermedia (+ pars nervosa = lobo posterior) 
 
Hipófise (ou pituitária) 
Revestida por 
CÁPSULA de tecido 
conjuntivo; fibras 
reticulares susten-
tam as células do 
órgão 
Área de Aplicação de Imagem 
Sistema Hipotálamo-Hipofisário 
 
folículos 
Adeno-Hipófise (hipófise anterior) 
Pars Distalis (lobo anterior) 
\uf0a7 75% da massa da hipófise 
 
\uf0a7 cordões de células epiteliais que produzem e armazenam os hormônios em grânulos 
de secreção 
 
\uf0a7 capilares sanguíneos fenestrados entremeados aos cordões celulares 
 
\uf0a7 poucos fibroblastos secretores de fibras reticulares 
 
\uf0a7 3 tipos de células podem ser reconhecidas por colorações rotineiras: 
 
\uf0a7 Cromófobas (fracamente coradas) - função não totalmente conhecida 
\uf0a7 Acidófilas (avermelhadas, coram-se com Eosina) 
\uf0a7 Basófilas (arroxeadas, coram-se com Hematoxilina) 
Pars Tuberalis 
Pars Intermedia 
\uf0a7 região em forma de funil que cercam o 
infundíbulo; formam cordões e a maioria 
de suas células secretam FSH e LH 
\uf0a7 região rudimentar composta de cordões 
e folículos de células fracamente 
basófilas com pequenos grânulos de 
secreção; a função não é conhecida 
Células secretoras da pars distalis \u2013 adeno-hipófise 
Tipo celular Afinidade 
corante 
Hormônio Atividade principal 
Somatotrópica Acidófila 
avermelhadas 
Somatotropina (GH) Crescimento ossos longos 
Mamotrópica Acidófila Prolactina Secreção do leite 
Gonadotrópica Basófila 
arroxeadas 
Folículo estimulante 
(FSH); 
 
Luteinizante (LH) 
Crescimento de folículos ova-
rianos, secreção de estrógenos 
e espermatogênese; ovulação 
e secreção de progesterona e 
andrógenos 
Tireotrópica Basófila Tireotropina 
(TSH) 
Síntese e secreção de hormônio 
tireoidiano 
Corticotrópica Basófila Corticotropina 
(ACTH) 
Secreção de hormônios do 
córtex adrenal 
Área de Aplicação de Imagem 
Neuro-hipófise (hipófise posterior) 
\uf0a7 Formada por pars nervosa e infundíbulo (continuação do hipotálamo) 
 
\uf0a7 Pars nervosa não possui células secretoras e sim um tipo de célula glial 
muito ramificada chamada pituícito e muitos (100.000) axônios não 
mielinizados de neurônios secretores situados nos núcleos supra-ópticos e 
paraventriculares 
 
\uf0a7 VASOPRESSINA (ADH ou anti-diurético) \u2013 aumenta a permeabilidade dos 
túbulos coletores dos rins e promove contração da musculatura lisa de 
vasos sanguíneos 
 
\uf0a7 OCITOCINA \u2013 contração da musculatura lisa do útero e céls mioepiteliais 
da gl. mamária 
 
Adrenais ou Supra-renais 
\uf0a7 Duas glândulas achatadas em forma de meia lua situadas acima dos rins 
 
\uf0a7 Órgão encapsulado com duas regiões de origens embriológicas distintas: camada 
cortical e camada medular 
 
\uf0a7 CÓRTEX \u2013 surge do epitélio celomático (mesodérmica) 
 
\uf0a7 MEDULA \u2013 se origina de céls da crista neural (neuroectodérmica) 
 
\uf0a7 As duas camadas têm funções e morfologias diferentes, mas histologicamente, as 
duas são típicas de glândulas endócrinas formadas por células dispostas em 
cordões cercados por capilares sanguíneos 
 
\uf0a7 As adrenais são revestidas por cápsula de tecido conjuntivo denso que envia 
delgados septos para o interior da glândula, e muito tecido adiposo 
 
\uf0a7 O estroma é rico em fibras reticulares que sustentam as células secretoras 
 
\uf0a7 O endotélio capilar é fenestrado e muito delgado, com lâmina basal 
Córtex Adrenal 
\uf0a7 Ultraestrutura típica de céls secretoras de esteroides 
 
\uf0a7 As células do córtex não armazenam seus produtos de secreção \u2013