A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
RESUMO MEMBRO INFERIOR MAYARA ossos

Pré-visualização | Página 1 de 2

MEMBRO INFERIOR
Os membros inferiores são extensões do tronco especializadas para sustentação de peso do corpo, locomoção e manutenção do equilíbrio. Dividido em seis regiões:
Região glútea: Nadegas + Quadril
Região da coxa
Região do joelho
Região crural (ou melhor, perna).
Região talocrural (tarso) (ou melhor, tornozelo).
Região do pé
OSSOS E ARTICULAÇÕES
OSSOS DO QUADRIL
Formado pela fusão de três ossos primários- ílio, ísquio e púbis – no fim da adolescência . Ao nascimento esses osso são unidos por cartilagem hialina, e em crianças são incompletamente ossificados. Na puberdade são unidos por cartilagem trirradiada. 
ACETÁBULO
Grande cavidade na face lateral do quadril que se articula com o fêmur. Os três ossos primários que constituem o osso do quadril contribuem para formar o acetábulo.
Incisura do acetábulo: região inferior incompleta
Fossa do acetábulo
Limbo do acetábulo
Face semilunar do acetábulo: face articular que recebe a cabeça do fêmur
FORAME OBTURADO
Grande abertura oval /triangular . limitado púbis, ísquio e seus ramos. É fechado pela membrana obturadora, exceto por uma pequena passagem para o nervo e vasos obturatórios – canal obturatório. 
ÍLIO
Forma a maior parte do osso do quadril e a parte superior do acetábulo.
Corpo do ílio : se une ao púbis e ao ísquio para formar o acetábulo.
Linha Arqueada : divide o ílio em corpo e asa
Asa do ílio: proporcionam superfícies delgadas e largas para fixação de músculos.
Espinhas ilíacas anterossuperiores (EIAS) e anteroinferiores (EIAI): proporcionam fixação para ligamentos e tendões dos músculos do membro inferior.
Espinha ilíaca posteroinferior (EIPI): marca a extremidade superior da incisura isquiática maior.
Espinha ilíaca posterossuperior (EIPS): limite posterior da crista ilíaca, e serve de sustentação para ligamentos.
Crista ilíaca: serve como “para-choque” e é local de fixação aponeurótica de músculos finos e da fáscia muscular. Na crista ilíaca ainda temos, o tubérculo ilíaco – uma proeminência do lábio externo- e a linha intermediária 
Fossa ilíaca: localizada medialmente, é uma depressão da asa do ílio, que é local de fixação proximal do músculo ilíaco. 
Face glútea: superfície lateral da asa do ílio, tem três linhas curvas e ásperas – Linhas glúteas anterior, posterior e inferior- que demarcam as fixações proximais dos três grandes músculos glúteos.
Face sacropelvica : face medial do ílio, apresenta a face auricular e a tuberosidade ilíaca, para articulação sinovial e sindesmótica com as superfícies recíprocas do sacro na articulação sacroilíaca. 
ÍSQUIO
Forma a parte posteroinferior do osso do quadril . A margem posterior do ísquio forma a parte inferior da incisura isquiática maior ( a margem superior é feita pela espinha ilíaca posteroinferior).
Corpo do ísquio: Funde-se ao púbis e ao ílio, formando a face posteroinferior do acetábulo. 
Espinha isquiática: local de fixação para ligamentos.
Incisura isquiática menor: seu limite superior é a espinha isquiática. Atua como tróclea ou polia para um músculo que emerge da pelve óssea. ( ainda amos descobrir que músculo é esse, cenas do próximo capítulo...)
Ramo do ísquio: forma com o ramo inferior da púbis, o ramo isquiopúbico .
Túber isquiático: local de fixação tendínea proximal dos músculos posteriores da coxa.
PÚBIS
Forma a parte anteromedial do osso do quadril, contribuindo para a parte anterior do acetábulo. 
Corpo do púbis
Face sinfisal : articula-se com a face correspondente do corpo do púbis contralateral por meio da sínfise púbica. 
Crista púbica: local de fixação dos músculos abdominais. Corresponde a margem anterossuperior dos corpos unidos e da sínfise.
Tibérculo púbico: são projeções nas extremidades laterias da crita. Pontos de fixação para o ligamento inguinal.
Ramo superior do púbis
Linha pectínea do púbis: forma parte da abertura superior da pelve
Eminencia iliopúbica: é meio que a junção dos dois ossos
Crista obturatória
Ramo inferior do púbis: faz junção com o ísquio
FACE SACROPELVICA (MEDIAL)
FACE GLÚTEA (LATERAL)
PELVE ÓSSEA ( CÍNGULO DO MEMBRO INFERIOR)
Anel ósseo formado pelo sacro e pelos ossos do quadril direito e esquerdo unidos anteriormente pela sínfise púbica. Fixa o membro inferior livre ao esqueleto axial. Suas funções de proteção e suporte servem ao abdome, pelve e períneo e também aos membros inferiores. 
CONTEUDO ABSTRATO DEMAIS MUITAS MEDIDA E DIAMETROS!!! NÃO TINHA NADA SOBRE ISSO NO MOORE OU NO NETTER, SO NO ROTEIRO DE ABRAHÃO!!!!
FÊMUR
É o osso mais longo e mais pesado do corpo. 
EPÍFISE PROXIMAL
A região proximal do fêmur forma um ângulo de inclinação obtuso que é maior ao nascimento e diminui gradativamente ate ser alcançado o ângulo de adulto ( media de 126°), o ângulo de inclinação é maior nas mulheres ( consequência de uma pelve menor, mais larga, o que leva a uma maior largura entre os acetábulos).
Cabeça do fêmur: coberta por cartilagem articular, exceto na fóvea da cabeça do fêmur. 
Colo do fêmur
Trocanter maior: grande massa óssea que oferece fixação e alavanca para abdutores e rotadores da coxa. Projeta-se sobre uma depressão prufunda medialmente, a fossa trocantérica.
Trocanter menor: serve de local de fixação tendínea para o flexor primário da coxa ( musculo iliopsoas, isso me lembra um certo caso clinico...).
Linha intertrocantérica (anterior): local de união do colo e do corpo
Crista intertrocantérica (posterior): assemelha-se ao linha intertrocantérica, porem é mais proeminente e mais lisa. A elevação arredendada na crista é o tubérculo quadrado.
CORPO DO FÊMUR
Linha áspera: situada posteriormente, proporciona fixação aponeurotica para os adutores da coxa. Aprsenta lábos (margens) medial e lateral. Superiormente o lábio lateral funde-se com a tuberosidade glútea. O lábio medial segue como uma linha espiral que estende-se em direção ao trocanter menor , e segue ate a superfície anterior do fêmur, onde é contínua com a linha intertrocantérica. Inferiormente a linha áspera separa-se em linha supracondilares medial e lateral, que levam aos condilos medial e lateral.
Linha pectínea: estende-se da parte central da linha áspera até a base do trocanter menor.
Face poplítea 
EPÍFISE DISTAL
Côndilos medial e lateral
Articulam-se com os meniscos e os côndilos tibiais para formar a articulação do joelho.os condilos são separados posterior e inferiormente por uma fossa intercondilar., mas se fundem anteriormente formando uma depressão longitudinal rasa, chamada de face patelar.
Epicondilo medial
Tubérculo do adutor : local de fixação tendínea.
Epicondilo lateral
Obs.: os epicôndilos são os locais de fixação proximal dos ligamentos colaterais medial e lateral da articulação do joelho.
TÍBIA E FÍBULA
São os ossos da perna. A tíbia articula-se com os côndilos do fêmur superiormente e o tálus inferiormente. A fíbula atua principalmente como fixação para músculos mas também é importante para estabilidade da articulação do tornozelo. São unidas pela membrana interóssea.
TÍBIA
Localizada na face anteromedial da perna, é o segundo maior osso do corpo. A extremidade proximal alarga-se para formar os côndilos medial e lateral, esse ultimo contem a face artiicuar fibular para a cabeça da fíbula. 
EPÍFISE PROXIMAL
Côndilo medial
Côndilo lateral
Eminência intercondilar: formada pelos tubérculos intercondilares medial e lateral ladeados por áreas intercondilares anterior e posterior. Os tubérculos de encaixam na fossa intercondilar entre os condilos do fêmur. Os tubérculos e áreas intercondilares são locais de fixação dos meniscos.
CORPO DA TÍBIA
Tem três faces e três margens: medial, lateral ( interóssea) e posterior. É mais fino na junção de seus terços médio e distal. A extremidade distal é menor do que aproximal.
Tuberosidade da tíbia: local de fixação distal do ligamento da patela.
Margem interóssea: local de fixação da membrana interóssea.
Linha do músculo sóleo: essa linha é formada em relação a origem aponeurótica do musculo