A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 10 de 50

por	
   vezes,	
   a	
   extinção	
   da	
   doação	
   decorre	
   de	
   causas	
   anormais,	
   diversas	
   do	
  
adimplemento,	
  tais	
  como,	
  por	
  ingratidão	
  do	
  donatário	
  e	
  por	
  inexecução	
  do	
  encargo,	
  tratadas	
  
como	
  causas	
  de	
  revogação	
  (CC,	
  art.	
  555),	
  e	
  por	
  causas	
  comuns	
  a	
  todos	
  os	
  contratos.	
  
27	
  
	
  
11.1.	
  Extinção	
  por	
  causas	
  comuns	
  a	
  todos	
  os	
  contratos.	
  
	
   São	
   as	
   causas	
   de	
   nulidade	
   ou	
   anulabilidades,	
   decorrentes	
   dos	
   vícios	
   dos	
   negócios	
  
jurídicos,	
  tais	
  como,	
  erro,	
  dolo,	
  coação,	
  estado	
  de	
  perigo,	
  fraude	
  a	
  credores,	
  agente	
  incapaz,	
  
objeto	
  ilícito,	
  impossível	
  ou	
  indeterminado,	
  não	
  observância	
  da	
  forma	
  prescrita,	
  (Gonçalves).	
  	
  
	
   Ainda,	
   há	
   extinção	
   por	
   causas	
   não	
   comuns	
   a	
   todos	
   os	
   contratos,	
   mas	
   por	
   vícios	
  
exclusivos	
   do	
   contrato	
   de	
   doação,	
   como	
   nas	
   hipóteses	
   de	
   inoficiosidade	
   (art.	
   549),	
   doação	
  
feita	
  pelo	
  cônjuge	
  adúltero	
  ao	
  seu	
  cúmplice,	
  etc.	
  
	
  
11.2.	
  Extinção	
  (revogação)	
  da	
  doação	
  pelo	
  não	
  cumprimento	
  do	
  encargo.	
  	
  
Art.	
  562.	
  A	
  doação	
  onerosa	
  pode	
  ser	
  revogada	
  por	
  inexecução	
  do	
  encargo,	
  se	
  
o	
   donatário	
   incorrer	
   em	
  mora.	
   Não	
   havendo	
   prazo	
   para	
   o	
   cumprimento,	
   o	
  
doador	
   poderá	
   notificar	
   judicialmente	
   o	
   donatário,	
   assinando-­‐lhe	
   prazo	
  
razoável	
  para	
  que	
  cumpra	
  a	
  obrigação	
  assumida.	
  
	
  
	
   Exige-­‐se	
  a	
  mora	
  do	
  donatário.	
  
	
   Não	
  havendo	
  prazo	
  para	
  o	
  cumprimento	
  do	
  encargo,	
  há	
  que	
  se	
  notificar	
  o	
  donatário,	
  
fixando-­‐lhe	
  prazo	
  razoável	
  (CC,	
  art.	
  397,	
  §	
  ún.).	
  
	
   A	
  força	
  maior	
  afasta	
  a	
  mora.	
  
	
   O	
  encargo	
  pode	
  ser	
  em	
  benefício	
  do	
  doador,	
  de	
  terceiro,	
  ou	
  do	
  interesse	
  geral	
  (CC,	
  
art.	
  553).	
  
	
   A	
   legitimidade	
   para	
   exigir	
   o	
   cumprimento	
   do	
   encargo	
   é	
   do	
   doador,	
   do	
   terceiro	
  
(beneficiado)	
  e	
  do	
  Ministério	
  Público.	
  	
  
	
   A	
   legitimidade	
   do	
   Ministério	
   Público	
   é	
   apenas	
   para	
   doações	
   com	
   encargos	
   que	
  
beneficiem	
  o	
  interesse	
  geral.	
  	
  
28	
  
	
   Estando	
  vivo	
  o	
  doador,	
  somente	
  ele	
  tem	
  legitimidade	
  para	
  exigir	
  o	
  cumprimento	
  do	
  
encargos;	
  não	
  a	
  tem	
  o	
  Ministério	
  Público,	
  nem	
  o	
  beneficiário,	
  mesmo	
  que	
  o	
  encargo	
  seja	
  no	
  
interesse	
  geral	
  (Gonçalves)	
  
	
   No	
   caso	
   de	
   serem	
   vários	
   os	
   donatários,	
   e	
   o	
   encargo	
   ser	
   indivisível,	
   basta	
   o	
  
descumprimento	
   de	
   um	
   deles	
   para	
   que	
   haja	
   a	
   revogação,	
   mas	
   se	
   o	
   ônus	
   for	
   divisível,	
   a	
  
revogação	
  da	
  doação	
  deve	
  atingir	
  apenas	
  aqueles	
  donatários	
  que	
  não	
  cumpriram	
  com	
  a	
  sua	
  
parte	
  no	
  encargo	
  (Gonçalves).	
  
	
   Se	
   houver	
   pluralidade	
   de	
   doadores	
   e	
   um	
   só	
   donatário,	
   sendo	
   o	
   direito	
   divisível,	
  
havendo	
   descumprimento	
   do	
   encargo,	
   se	
   uns	
   quiserem	
   revogar	
   o	
   benefício	
   e	
   outros	
   não,	
  
aqueles	
  que	
  pretenderem	
  poderão	
  fazê-­‐lo	
  em	
  relação	
  às	
  suas	
  quotas,	
  mas	
  não	
  sobre	
  a	
  coisa	
  
toda	
  doada.	
  
	
  
11.3.	
  Revogação	
  por	
  ingratidão	
  do	
  donatário.	
  	
  
Art.	
  557.	
  Podem	
  ser	
  revogadas	
  por	
  ingratidão	
  as	
  doações:	
  
I	
   –	
   se	
   o	
   donatário	
   atentou	
   contra	
   a	
   vida	
   do	
   doador	
   ou	
   cometeu	
   crime	
   de	
  
homicídio	
  doloso	
  contra	
  ele;	
  
II	
  –	
  se	
  cometeu	
  contra	
  ele	
  ofensa	
  física;	
  
III	
  –	
  se	
  o	
  injuriou	
  gravemente	
  ou	
  o	
  caluniou;	
  
IV	
   –	
   se,	
   podendo	
  ministrá-­‐los,	
   recusou	
   ao	
   doador	
   os	
   alimentos	
   de	
   que	
   este	
  
necessitava.	
  
	
  
	
   O	
  rol	
  é	
  exemplificativo	
  (Sanseverino).	
  
	
   O	
  homicídio	
  deve	
  ser	
  doloso.	
  
	
   A	
   ação	
   revocatória	
   pode	
   ser	
   intentada,	
   independentemente	
   de	
   ter	
   havido	
  
condenação	
  no	
  juízo	
  criminal,	
  mas	
  há	
  que	
  se	
  observar	
  os	
  casos	
  em	
  que	
  a	
  sentença	
  penal	
  faz	
  
coisa	
  julgada	
  no	
  cível	
  (CC,	
  art.	
  935).	
  A	
  legitimidade	
  para	
  propor	
  a	
  ação	
  é	
  dos	
  herdeiros	
  (CC,	
  art.	
  
561).	
  
29	
  
	
   A	
  ofensa	
  física	
  deve	
  ser	
  concreta.	
  Não	
  se	
  amolda	
  ao	
  dispositivo	
  a	
  ameaça,	
  porém,	
  diz	
  
Sanseverino,	
   a	
   ameaça	
   séria	
   e	
   grave	
   de	
   mal	
   injusto	
   ao	
   doador	
   ou	
   seus	
   familiares	
   pode	
  
caracterizar	
  hipótese	
  ingratidão.	
  	
  
	
   As	
  condutas	
  culposas	
  –	
  não	
  dolosas	
  –	
  não	
  configuram	
  ingratidão.	
  
	
   Com	
   relação	
   há	
   honra,	
   a	
   ingratidão	
   não	
   se	
   funda	
   apenas	
   na	
   injúria	
   e	
   calúnia,	
  mas	
  
abrangem	
   também	
   a	
   difamação,	
   embora	
   o	
   dispositivo	
   seja	
   omisso	
   (Sanseverino;	
   Rizzardo).	
  
Relembrando:	
  Calúnia	
  é	
  a	
  imputação	
  falsa	
  de	
  fato	
  definido	
  como	
  crime	
  (CP,	
  art.	
  138);	
  a	
  injúria	
  
é	
  a	
  ofensa	
  à	
  honra	
  subjetiva	
  da	
  vítima,	
  como	
  a	
  dignidade,	
  o	
  decoro	
  (CP,	
  art.	
  140);	
  a	
  difamação	
  
é	
  a	
  imputação	
  de	
  fato	
  ofensivo	
  à	
  reputação	
  da	
  vítima,	
  não	
  tipificado	
  como	
  crime,	
  que	
  atinge	
  a	
  
sua	
  honra	
  objetiva,	
  por	
  ex.,	
  afirmar	
  que	
  a	
  vítima	
  é	
  mau	
  pagador	
  de	
  contas	
  (CP,	
  art.	
  139).	
  
	
   Quanto	
  à	
   ingratidão	
  por	
   recusa	
  do	
  donatário	
  na	
  prestação	
  de	
  alimentos	
  ao	
  doador	
  
necessitado,	
   a	
   hipótese	
   não	
   se	
   confunde	
   com	
   a	
   doação	
   com	
   encargo	
   de	
   prestar.	
   Nesta	
  
circunstância,	
  a	
  recusa	
  constitui	
  descumprimento	
  do	
  encargo.	
  	
  
	
   Aqui,	
   conforme	
   Rizzardo,	
   exige-­‐se	
   que	
   o	
   doador	
   se	
   encontre	
   em	
   situação	
   de	
  
necessidade;	
   não	
  haja	
  parentes	
  próximos;	
   e	
  o	
  donatário	
   esteja	
   em	
  condições	
  de	
  prestar	
  os	
  
alimentos.	
  
	
   Também,	
   constitui	
   ingratidão	
  a	
  ofensa	
  ao	
   cônjuge,	
   ao	
  ascendente,	
   ao	
  descendente	
  
ou	
  irmão	
  do	
  doador	
  (CC,	
  art.	
  558).	
  
	
   O