A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 3 de 50

da	
  celebração	
  da	
  promessa,	
  e	
  a	
  sentença	
  proferida	
  
na	
  ação	
  intentada	
  pelo	
  promissário-­‐donatário,	
  apenas,	
  busca	
  o	
  cumprimento	
  daquilo	
  que	
  foi	
  
convencionado.	
   Essas	
   questões	
   aparecem	
   com	
   mais	
   freqüência	
   nas	
   separações	
   judiciais	
  
consensuais,	
   onde	
   há	
   promessa	
   de	
   doação	
   de	
   bens	
   aos	
   filhos.	
   Discute-­‐se	
   se	
   pode	
   haver	
  
arrependimento.	
  	
  
	
   Yussef	
  Said	
  Cahali	
  alerta	
  de	
  que	
  se	
  deve	
  distinguir	
  a	
  doação	
  definitiva	
  da	
  promessa	
  de	
  
doação.	
  Quando,	
  nestes	
   feitos	
  da	
  área	
  de	
   família,	
  houver	
  homologação	
   judicial,	
  a	
  promessa	
  
de	
   doação	
   se	
   torna	
   consumada,	
   não	
   podendo	
  mais	
   haver	
   retratação.	
   Por	
   outro	
   lado,	
   até	
   a	
  
homologação,	
  pode	
  o	
  doador	
  arrepender-­‐se	
  (Gonçalves).	
  O	
  STJ	
  firmou	
  posição	
  no	
  sentido	
  de	
  
que,	
   na	
   ação	
   de	
   dissolução	
   da	
   sociedade	
   conjugal,	
   o	
   acordo	
   homologado	
   que	
   contém	
  
promessa	
  de	
  doação	
  de	
  bens	
  aos	
  filhos	
  é	
  exigível	
  por	
  ação	
  cominatória	
  (REsp	
  125859/RS,	
  2ª	
  
Seção.,	
  rel.	
  Min.	
  Ruy	
  Rosado,	
  j.	
  26/06/2002,	
  DJ	
  24/03/2002;	
  REsp	
  742.048/RS,	
  3ª	
  T.,	
  rel.	
  Min.	
  
Sidnei	
  Beneti,	
  j.	
  14.04.2009,	
  DJ	
  24.04.2009).	
  
	
  
	
  
	
  
8	
  
6.	
  Capacidade	
  
6.1.	
  Capacidade	
  ativa	
  
	
   O	
  doador,	
  em	
  regra,	
  deve	
  ter	
  capacidade	
  civil,	
  exigida	
  nos	
  contratos	
  em	
  geral.	
  
	
   Se	
   o	
   donatário	
   for	
   um	
   descendente	
   ou	
   o	
   outro	
   cônjuge	
   (CC,	
   art.	
   544),	
   o	
  
consentimento	
   dos	
   outros	
   descendentes	
   ou	
   do	
   cônjuge,	
   diferentemente	
   da	
   venda	
   ou	
  
permuta,	
   não	
   é	
   exigido,	
   porque	
   a	
   doação,	
   neste	
   caso,	
   é	
   considerada	
   adiantamento	
   de	
  
legítima	
  (Rizzardo).	
  
	
  
6.1.1.	
  Cônjuge	
  casado	
  
	
   No	
  casamento,	
  exceto	
  se	
  o	
  regime	
  for	
  de	
  separação	
  absoluta,	
  um	
  cônjuge	
  não	
  pode	
  
doar	
  sem	
  o	
  consentimento	
  do	
  outro,	
  mas	
  esta	
  proibição	
  não	
  subsiste	
  se	
  a	
  doação	
  for	
  de	
  um	
  
para	
  o	
  outro	
  (Rizzardo).	
  
	
   No	
  regime	
  de	
  separação	
  obrigatória	
  (CC,	
  art.	
  1641),	
  diz	
  Rizzardo,	
  apoiado	
  em	
  Serpa	
  
Lopes,	
  as	
  doações	
  recíprocas	
  são	
  proibidas.	
  
	
   Na	
  separação	
  parcial,	
   são	
  permitidas	
  as	
  doações	
  dos	
  bens	
  particulares	
  de	
  cada	
  um,	
  
desde	
  que	
  alienáveis.	
  	
  
	
  
6.1.2.	
  Aquestos	
  
	
   No	
  regime	
  de	
  participação	
  final	
  nos	
  aquestos	
  (todos	
  os	
  bens	
  do	
  casal	
  adquiridos	
  na	
  
vigência	
  do	
  casamento),	
  as	
  doações	
  podem	
  recair	
  sobre	
  os	
  bens	
  que	
  cada	
  um	
  possuía	
  ao	
  casar	
  
e	
   sobre	
   os	
   bens	
   adquiridos	
   pelo	
   cônjuge	
   doador,	
   a	
   qualquer	
   custo,	
   na	
   constância	
   do	
  
casamento.	
  
	
  
6.1.3.	
  Menor	
  
	
   O	
  menor	
  não	
  pode	
  doar,	
  exceto	
  se	
  já	
  está	
  autorizado	
  a	
  se	
  casar	
  (Rizzardo).	
  
9	
  
	
   “O	
   menor,	
   absoluta	
   ou	
   relativamente	
   incapaz,	
   não	
   pode	
   realizar	
   doação	
   sem	
   a	
  
representação	
  ou	
  assistência	
  de	
  seu	
  representante	
  legal”	
  (Sanseverino).	
  
	
  
6.1.4.	
  Mandatário	
  
	
   É	
  possível	
  a	
  doação	
  por	
   intermédio	
  de	
  mandatário,	
  podendo,	
  no	
  caso,	
  o	
  mandante	
  
(doador),	
   no	
   próprio	
   instrumento,	
   designar	
   o	
   beneficiário	
   ou	
   deixar	
   a	
   escolha	
   a	
   cargo	
   do	
  
mandatário	
  (Rizzardo).	
  
	
  
6.1.5.	
  Cônjuge	
  adúltero	
  
	
   A	
   doação	
   de	
   cônjuge	
   adúltero	
   ao	
   seu	
   cúmplice	
   sofre	
   objeção	
   legal,	
   podendo	
   ser	
  
anulada	
  pelo	
  outro	
  cônjuge	
  ou	
  os	
  herdeiros	
  no	
  prazo	
  de	
  até	
  dois	
  anos	
  depois	
  de	
  dissolvida	
  a	
  
sociedade	
  conjugal	
  
Art.	
   550.	
   A	
   doação	
   do	
   cônjuge	
   adúltero	
   ao	
   seu	
   cúmplice	
   pode	
   ser	
   anulada	
  
pelo	
  outro	
  cônjuge,	
  ou	
  por	
  seus	
  herdeiros	
  necessários,	
  até	
  dois	
  anos	
  depois	
  de	
  
dissolvida	
  a	
  sociedade	
  conjugal.	
  
Art.	
   1.642.	
   Qualquer	
   que	
   seja	
   o	
   regime	
   de	
   bens,	
   tanto	
   o	
  marido	
   quanto	
   a	
  
mulher	
  podem	
  livremente:	
  
[...]	
  
	
  
IV	
  -­‐	
  demandar	
  a	
  rescisão	
  dos	
  contratos	
  de	
  fiança	
  e	
  doação,	
  ou	
  a	
  invalidação	
  
do	
  aval,	
  realizados	
  pelo	
  outro	
  cônjuge	
  com	
  infração	
  do	
  disposto	
  nos	
  incisos	
  III	
  
e	
  IV	
  do	
  art.	
  1.647;	
  
[...]	
  
	
  
	
   Não	
  se	
  deve	
  confundir	
  a	
  condição	
  de	
  união	
  estável	
  envolvendo	
  pessoas	
  casadas,	
  mas	
  
separadas	
  de	
  fato,	
  com	
  a	
  de	
  amantes.	
  O	
  que	
  a	
  lei	
  proíbe	
  é	
  a	
  doção	
  de	
  uma	
  pessoa	
  (homem	
  ou	
  
mulher),	
  casada	
  ao	
  amásio,	
  mas	
  não	
  é	
  aplicada	
  ao	
  cônjuge	
  separado	
  de	
  fato	
  que	
  mantém	
  uma	
  
convivência	
   pública	
   e	
   duradoura	
   com	
   outra,	
   incidindo,	
   neste	
   caso,	
   o	
   artigo	
   226,	
   §	
   3º,	
   da	
  
Constituição	
  Federal,	
  e	
  artigo	
  1.723	
  do	
  Código	
  Civil	
  (Rizzardo).	
  
10	
  
6.2	
  Capacidade	
  passiva	
  	
  	
  	
  
	
   Por	
   óbvio,	
   todas	
   as	
   pessoas	
   capazes	
   para	
   os	
   atos	
   da	
   vida	
   civil	
   podem	
   receber	
  
doações.	
  
	
   Mas	
  o	
  Código	
  Civil	
   faculta	
  esse	
  direito	
  também	
  a	
  pessoas	
  sem	
  capacidade	
  civil,	
   tais	
  
como:	
  ao	
  nascituro;	
  aos	
  incapazes;	
  a	
  pessoas	
  indeterminadas	
  ou	
  não	
  identificadas.	
  
	
  
6.2.1.	
  Nascituro	
  
	
   O	
  nascituro,	
  embora	
  despido	
  de	
  personalidade,	
  tem	
  seus	
  direitos	
  assegurados	
  por	
  lei,	
  
bastando	
  nascer	
  com	
  vida.	
  Assim,	
  são	
  representados	
  pelos	
  pais,	
  que	
  aceitam	
  ou	
  não	
  a	
  doação	
  
(Rizzardo).	
   Se	
   aceita,	
   basta	
   haver	
   o	
   nascimento	
   com	
   vida	
   para	
   que	
   a	
   doação	
   se	
   torne	
  
definitiva.	
  Porém,	
  se	
  não	
  houver	
  nascimento	
  com	
  vida,	
  a	
  doação	
  torna-­‐se	
  ineficaz.	
  	
  
Art.	
   542.	
   A	
   doação	
   feita	
   ao	
   nascituro	
   valerá,	
   sendo	
   aceita	
   pelo	
   seu	
  
representante	
  legal.	
  
	
   Além	
  do	
  nascituro,	
  pode	
  haver	
  doação	
  em	
  benefício	
  da	
  prole	
  eventual	
  (CC,	
  art.