A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 6 de 50

à	
   união	
   estável;	
   a	
   ‘contrario	
   sensu’,	
   as	
   doações	
   feitas	
   antes	
  
disso	
  são	
  nulas”.	
  
A	
  ação	
  a	
  ser	
  proposta	
  é	
  a	
  anulatória	
  de	
  doação,	
  porque	
  se	
  trata	
  de	
  nulidade	
  relativa	
  e	
  
não	
  absoluta.	
  Logo	
  o	
  ato	
  não	
  é	
  nulo,	
  mas	
  anulável.	
  
	
   A	
  legitimidade	
  para	
  propor	
  a	
  ação	
  é	
  do	
  cônjuge,	
  mas	
  se	
  ele	
  já	
  faleceu,	
  é	
  dos	
  herdeiros	
  
necessários.	
  
	
   O	
  prazo	
  para	
  a	
  propositura	
  da	
  ação	
  anulatória	
  de	
  doação	
  é	
  de	
  dois	
  anos,	
  contados	
  da	
  
dissolução	
   da	
   sociedade	
   conjugal,	
   que	
   pode	
   se	
   dar	
   pela	
   morte	
   de	
   um	
   dos	
   cônjuges,	
   pela	
  
anulação	
  do	
  casamento,	
  pela	
  separação	
  ou	
  divórcio.	
  	
  
17	
  
	
   Este	
  prazo	
  é	
  decadencial,	
  isto	
  porque,	
  esclarece	
  Sanseverino,	
  o	
  Código	
  Civil	
  de	
  2002,	
  
com	
  boa	
   técnica	
   legislativa,	
  estabeleceu	
  critérios	
  claros	
   	
  e	
  pragmáticos	
  para	
  a	
  distinção	
  dos	
  
prazos	
   de	
   prescrição	
   e	
   decadência.	
   Na	
   parte	
   geral	
   (art.	
   189	
   e	
   SS.),	
   listou	
   os	
   prazos	
  
prescricionais,	
   deixando	
   para	
   a	
   parte	
   especial	
   a	
   indicação,	
   casão	
   a	
   caso,	
   das	
   hipóteses	
   de	
  
decadência.	
  
	
   Para	
   caracterizar	
  o	
  adultério	
  não	
   se	
  exige	
  que	
  a	
   relação	
  mantida	
  pelo	
   cônjuge	
   seja	
  
com	
  pessoa	
  de	
   sexo	
  diverso,	
  podendo	
   ser	
   com	
  pessoa	
  do	
  mesmo	
  sexo.	
   “Assim,	
  as	
  doações	
  
feitas	
  por	
  doador	
  casado	
  ao	
  seu	
  parceiro	
  homossexual,	
  na	
  constância	
  da	
  sociedade	
  conjugal,	
  
também	
  afronta	
  o	
  disposto	
  no	
  art.	
  550	
  do	
  CC/2002”,	
  assevera	
  Sanseverino.	
  
Art.	
   550.	
  A	
   doação	
   do	
   cônjuge	
   adúltero	
   ao	
   seu	
   cúmplice	
   pode	
   ser	
   anulada	
  
pelo	
  outro	
  cônjuge,	
  ou	
  por	
  seus	
  herdeiros	
  necessários,	
  até	
  dois	
  anos	
  depois	
  de	
  
dissolvida	
  a	
  sociedade	
  conjugal.	
  
	
  
9.5.	
  Doação	
  de	
  ascendente	
  a	
  descendente	
  	
  
	
   A	
  doação	
  feita	
  por	
  ascendente	
  a	
  descendente	
  importa	
  em	
  adiantamento	
  de	
  legítima,	
  
ou	
  seja,	
  adiantamento	
  do	
  que	
  cabe	
  ao	
  donatário	
  na	
  herança.	
  Com	
  efeito,	
  falecendo	
  o	
  doador,	
  
o	
  donatário	
  deve	
  levar	
  o	
  bem	
  recebido	
  à	
  colação	
  para	
  que	
  sejam	
  igualados	
  os	
  quinhões	
  dos	
  
herdeiros	
   necessários	
   (CC,	
   art.	
   2004,	
   §	
   1º).	
   Todavia,	
   como	
   diz	
   Carlos	
   Roberto	
   Gonçalves,	
   o	
  
herdeiro	
  donatário	
  fica	
  liberado	
  da	
  colação	
  se	
  o	
  bem	
  doado	
  não	
  excede	
  à	
  parte	
  disponível	
  do	
  
doador,	
  o	
  qual	
  expressamente	
  o	
  dispensou	
  (CC,	
  art.	
  2005).	
  	
  
	
   Para	
  o	
  pai	
  beneficiar	
  um	
  filho	
  em	
  detrimento	
  dos	
  outros,	
  na	
  lição	
  de	
  Silvio	
  Rodrigues,	
  
“é	
  mister	
   que	
   o	
   doador	
   a	
   inclua	
   em	
   sua	
   quota	
   disponível,	
   com	
   expressa	
  menção	
   de	
   que	
   o	
  
donatário	
  fica	
  dispensado	
  da	
  colação.	
  Caso	
  isso	
  não	
  ocorra,	
  entende-­‐se	
  que	
  a	
  doação	
  do	
  pai	
  
ao	
   filho	
   nada	
  mais	
   é	
   do	
   que	
   adiantamento	
   daquilo	
   que	
   por	
  morte	
   do	
   doador	
   o	
   donatário	
  
recebera”.	
  	
  
	
   Salienta-­‐se,	
  como	
  ensina	
  Carlos	
  Roberto	
  Gonçalves,	
  “	
  os	
  efeitos	
  de	
  adiantamento	
  de	
  
legítima	
  são	
  exclusivamente	
  decorrentes	
  de	
  doação	
  de	
  ascendentes	
  para	
  descendentes.	
  Entre	
  
estes	
   não	
   se	
   distinguem	
   os	
   havidos	
   dentro	
   ou	
   fora	
   do	
   casamento	
   de	
   seus	
   pais	
   por	
   origem	
  
biológica	
  ou	
  adotiva.”	
  
18	
  
	
   Ainda,	
  a	
  doação	
  feita	
  pelo	
  avô	
  ao	
  neto	
  não	
  configura	
  adiantamento	
  de	
  legítima.	
  Mas	
  
pode	
  ocorrer	
  de	
  o	
  neto	
  donatário	
  suceder	
  representando	
  o	
  pai,	
  por	
  estirpe	
  ou	
  representação.	
  
Nessa	
  hipótese,	
  o	
  neto	
  não	
  vai	
   levar	
  o	
  bem	
  recebido	
  à	
  colação,	
  porque,	
  por	
   força	
  do	
  artigo	
  
2.005,	
  §	
  único,	
  do	
  Código	
  Civil,	
  que	
  presume	
  estaria	
  a	
  doação	
  contida	
  na	
  parte	
  disponível	
  do	
  
doador	
   (Sanseverino).	
   Anota-­‐se,	
   este	
   não	
   é	
   o	
   entendimento	
   de	
   Carlos	
   Roberto	
   Gonçalves.	
  
Citando	
  Paulo	
  Lôbo,	
  ele	
  afirma	
  que	
  “o	
  neto	
  somente	
  estará	
  obrigado	
  à	
  colação	
  se	
  suceder	
  no	
  
lugar	
  do	
  pai,	
  por	
  estirpe	
  ou	
  representação”.	
  
Art.	
   544.	
   A	
   doação	
   de	
   ascendentes	
   a	
   descendentes,	
   ou	
   de	
   um	
   cônjuge	
   a	
  
outro,	
  importa	
  adiantamento	
  do	
  que	
  lhes	
  cabe	
  por	
  herança.	
  
Art.	
   2.002.	
   Os	
   descendentes	
   que	
   concorrerem	
   à	
   sucessão	
   do	
   ascendente	
  
comum	
   são	
   obrigados,	
   para	
   igualar	
   as	
   legítimas,	
   a	
   conferir	
   o	
   valor	
   das	
  
doações	
  que	
  dele	
  em	
  vida	
  receberam,	
  sob	
  pena	
  de	
  sonegação.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Para	
   cálculo	
   da	
   legítima,	
   o	
   valor	
   dos	
   bens	
   conferidos	
   será	
  
computado	
  na	
  parte	
  indisponível,	
  sem	
  aumentar	
  a	
  disponível.	
  
Art.	
   2.003.	
   A	
   colação	
   tem	
  por	
   fim	
   igualar,	
   na	
   proporção	
   estabelecida	
   neste	
  
Código,	
  as	
   legítimas	
  dos	
  descendentes	
  e	
  do	
  cônjuge	
  sobrevivente,	
  obrigando	
  
também	
   os	
   donatários	
   que,	
   ao	
   tempo	
   do	
   falecimento	
   do	
   doador,	
   já	
   não	
  
possuírem	
  os	
  bens	
  doados.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Se,	
   computados	
   os	
   valores	
   das	
   doações	
   feitas	
   em	
  
adiantamento	
   de	
   legítima,	
   não	
   houver	
   no	
   acervo	
   bens	
   suficientes	
   para	
  
igualar	
   as	
   legítimas	
   dos	
   descendentes	
   e	
   do	
   cônjuge,	
   os	
   bens	
   assim	
   doados	
  
serão	
  conferidos	
  em	
  espécie,	
  ou,	
  quando	
  deles	
   já	
  não	
  disponha	
  o	
  donatário,	
  
pelo	
  seu	
  valor	
  ao	
  tempo	
  da	
  liberalidade.	
  
Art.	
   2.004.	
   O	
   valor	
   de	
   colação	
   dos	
   bens	
   doados	
   será	
   aquele,	
   certo	
   ou	
  
estimativo,	
  que	
  lhes	
  atribuir	
  o	
  ato	
  de	
  liberalidade.	
  
§	
  1o	
  Se	
  do	
  ato	
  de	
  doação	
  não	
  constar	
  valor	
  certo,	
  nem	
  houver	
  estimação	
  feita	
  
naquela	
   época,	
   os	
   bens	
   serão	
   conferidos	
   na	
   partilha	
   pelo	
   que	
   então