A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
68 pág.
Resumo_da_disciplina_Teoria_Geral_do_Processo_-_TGP_Ada,_Cintra_e_Dinamarco

Pré-visualização | Página 11 de 25

sob pena de nulidade do processo); 
b)- Não pode ser prorrogada – Significa que a Competência Absoluta não pode ser prorrogada, nem mesmo por vontade das partes, ou seja, se o juiz não tem competência não pode ele passar a ter a competência para julgar a matéria diferente daquela para a qual ele recebeu competência(Ex.: num litígio em razão de um acidente de carro as partes não podem, por qualquer razão, levar a ação para ser julgada pelo Juiz do Trabalho);
c)- Pode(deve) ser declarada de ofício(Art.113, CPC) – Significa que o juiz deve reconhecer sua incompetência mesmo que as partes não alegue, sem requerimento de nenhum a das partes. Sob pena de nulidade do processo, o Juiz DEVE declarar sua incompetência(ex.: se uma questão relacionada a um acidente de carro for levada para julgamento na justiça do trabalho o juiz tem a obrigação de declarar sua incompetência);
e)- Pode ser argüida em qualquer momento processual(Art.113, CPC) – Em qualquer grau de jurisdição, em qualquer momento processual e sem formalidade específica, podendo ser alegada até mesmo juntamente com a defesa, na própria contestação(Preliminar de Contestação) o réu pode alegar a Incompetência do juiz. Não há prazo para isso, mas o réu responde pelas custas em razão da demora para a alegação(pode o réu ter interesse em demorar alegar a incompetência);
f)- É estabelecida em razão da matéria - Concessão de competência especializada ao juiz(ex.: competência outorgada ao juiz de Família), da Pessoa envolvida na lide (ex.: o Governador do Estado obrigatoriamente tem que ser julgado pelo STF em caso de crime comum) e em razão da Função do Juiz no Processo(ex.: não se pode protocolar uma ação relativa a uma batida de carro diretamente no Tribunal).
g)- Permite o ingresso de ação rescisória(Art. 485) – A Ação Rescisória tem por objetivo rescindir uma ação(só para os casos previstos no Art. 485 do CPC) já transitada em julgado(ex. se uma ação foi julgada por juiz incompetente). O prazo para ingressar com a Ação Rescisória é de 2 anos após ser proferida a sentença.
2)- COMPETÊNCIA RELATIVA – Tem as seguintes características:
a)- Leva em conta o interesse privado – Leva em conta os interesses das partes envolvidas no processo(A lei dispõe que o réu, em regra, tem que ser demandado em seu local de domicilio, levando em conta o Princípio da Ampla Defesa, mas em alguns casos ele pode não querer ser demandado no local do seu domicílio);
b)- Não pode ser declarada de ofício – Diferentemente da Competência Absoluta, a Competência Relativa não pode ser declarada de ofício(sem requerimento das partes), ou seja, somente pode ser declarada a Incompetência se for por requerimento das partes(ex.: a mulher tem foro privilegiado, mas se ela desejar pode requerer que seja julgada fora do local do seu domicilio). O réu tem prazo(que é o prazo de defesa) e forma para alegar a Incompetência(chamada de Exceção de Incompetência), ou seja, o réu tem que alegar a incompetência dentro do seu prazo de defesa e tem que fazer por meio de Exceção de Incompetência(Art. 112. CPC) que é uma peça Processual própria e separada da contestação e da defesa(ex. : se o marido entrou com ação de separação na Bahia e a mulher quiser ser demandada fora do seu local de domicílio ela terá que argüir a exceção em uma peça processual própria). 
c)- É estabelecida por meio do critério territorial(competência do juiz para julgar dentro da sua jurisdição), e do Valor da Causa.
d)- Prorroga-se a cometência se o réu não opuser exceção(Art,114, CPC) – O juiz que a princípio era incompetente passa a ser competente porque o réu nada alegou. Se o réu não quiser ou perder o prazo. Uma vez prorrogada a exceção não pode mais ser alegada.
DIFERENÇA DA ARGÜIÇÃO NA COMPETÊNCIA RELATIVA PARA A ABSOLUTA
Na Competência Absoluta a Incompetência pode ser argüida em qualquer grau de jurisdição, em qualquer momento processual(não há prazo) e sem formalidade específica, podendo ser alegada até mesmo juntamente com a defesa, na própria contestação(Preliminar de Contestação), enquanto na Relativa o réu tem prazo(que é o prazo de defesa) e forma para alegar a Incompetência(chamada de Exceção de Incompetência), ou seja, o réu tem que alegar a incompetência dentro do seu prazo de defesa e tem que fazer por meio de Exceção de Incompetência, que é peça processual própria.
OBS.: Se a Incompetência Absoluta for argüida através de Exceção de Incompetência ela pode ser reconhecida porque não há formalidade própria, mas se ela for relativa só pode ser argüida por meio da Exceção de Incompetência.
PRORROGAÇÃO DE COMPETÊNCIA
Significa a outorga de competência ao juiz, quando este, em princípio, era incompetente para o julgamento.Ocorre somente em alguns casos. A Prorrogação ocorre de duas formas:
1)- VOLUNTÁRIA – Ocorre por vontade das partes. A Prorrogação Voluntária ocorre nas seguintes hipóteses:
a)- Foro de eleição(Art. 111, CPC) – Quando as partes elegem um foro para o julgamento de um conflito. Tem quer ser expressa(por meio de Contrato escrito). Só pode ocorrer se a Competência for Relativa(ex. não posso em uma questão sobre batida de carro escolher o Foro de Eleição) e normalmente Eleição de Foro trata-se de Competência Territorial. Competência em razão da Matéria e da Hierarquia Funcional é inderrogável(não pode ser negociada) entre as partes, mas em razão do Valor e Território pode ser estabelecida entre as partes.
b)- Aisência de oposição(Art.114. CPC) – Se o réu não opuser exceção a Competência é prorrogada(ex. o juiz em uma ação de separação só vai se tornar competente se a mulher voluntariamente não opuser exceção)
2)- LEGAL – Ocorre por força de lei, ou seja, a lei determina qual o juiz será competente para determinado julgamento.
a)- Art. 108, do CPC - Estabelece que a Ação Assessória e a Ação Cautelar têm que ser propostas no mesmo foro da Ação Principal.
b)- Art. 800, do CPC - Estabelece que a Ação Assessória e a Ação Cautelar têm que ser propostas no mesmo foro da Ação Principal. 
AÇÃO ASSESSÓRIA E AÇÃO CAUTELAR
São ações que pré-existem à ação principal, ou seja, elas antecedem a ação principal. Duas ações têm que ser propostas no mesmo foro. Exemplo: A mulher quer separar do marido e ingressa com a ação de separação, só que o marido é violento, a agride fisicamente, por isso ela precisa de uma proteção e isso pode se dá com a separação de corpos. Assim, a mulher ingressa com uma Ação Cautelar pedindo uma Medida Liminar para que o marido seja retirado da casa e essa Ação Cautelar tem que ser proposta no mesmo foro da Ação de Separação que é a ação principal.
COMPETÊNCIA(CONTINUAÇÃO)
�
CONEXÃO
Um dos Princípios básicos do Processo é o da Economia Processual no sentido de que o Processo tem que ser julgado o mais rápido possível. Baseado nesse Princípio, algumas causas são julgadas conjuntamente para evitar julgamentos divergentes e também evitar que os Processos se perpetuem através do tempo, assim, ações que de alguma forma têm relação entre elas, quando alguns Elementos da Ação são coincidentes, o julgamento das ações passa a ser em conjunto.
ELEMENTOS DA AÇÃO
- O Pedido(Objeto) – É aquilo que a parte espera obter do Judiciário.
- Causa de Pedir – É o fundamento jurídico do pedido.
- Partes – O autor e réu.
CAUSAS DE REUNIÇÃO DAS AÇÕES
1)- CONEXÃO(ART. 103, CPC) - Para serem conexas, as Ações têm que ter apresentar os seguintes requisitos:
a)- Comum o objeto ou a causa de pedir - São Conexas duas Ações quando for em comum o Objeto ou a Causa de Pedir. Portanto, toda vez que o Pedido ou a Causa de Pedir forem iguais essas Ações são anexadas para um só julgamento. Exemplo: em um contrato de Locação há um conflito de interesses. O Locador entra com uma Ação de Despejo e o Locatário entra com uma Ação de Consignação em Pagamento. São duas Ações que têm em comum o Objeto(Pedido), portanto serão julgadas em conjunto.
b)- Ambas as ações têm que estar no mesmo grau de jurisdição. 
OBS.: As Ações conexas são distribuídas por