A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
Apostila FDDJ - DS9 - 1 semestre 2013

Pré-visualização | Página 6 de 12

• auxílio doença: 91% do salário de benefício
• aposentadoria por invalidez: 100% do salário de benefício
• aposentadoria por tempo de contribuição: 100% do salário de benefício
• aposentadoria especial: 100% do salário de benefício
• aposentadoria por idade: 70% do salário de benefício, mais um por cento deste 
por grupo de doze contribuições mensais, até o máximo de trinta por cento
• auxílio acidente: 50% do salário de benefício que deu origem ao auxílio doença
• pensão por morte: 100% do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou 
daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de 
seu falecimento
A renda mensal do benefício de prestação continuada que substituir o salário de 
contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado não terá valor inferior ao do 
salário mínimo nem superior ao limite máximo do salário de contribuição, exceto no 
caso da aposentadoria por invalidez do segurado que necessitar da assistência 
permanente de outra pessoa em que o valor será acrescido de 25%.
A renda mensal dos benefícios por totalização, concedidos com base em acordos 
internacionais de previdência social, pode ter valor inferior ao do salário mínimo. Isso o 
19
recorre quando o segurado recebe parte do seu benefício pelo regime brasileiro 
(RGPS) e outra parte por regime estrangeiro.
BENEFÍCIOS EM ESPÉCIE
1. Auxílio Doença - artigos 59 ao 64 da Lei 8.213/91 e artigos 71 ao 80 do Decreto 
3.048/99 - Será devido ao segurado que, após cumprida, quando for o caso, a 
carência exigida (12 contribuições mensais), ficar incapacitado para o seu trabalho ou 
para a sua atividade habitual por mais de quinze dias consecutivos.
Trata-se de uma incapacidade temporária, verificada mediante exame médico pericial 
a cargo do INSS. 
Não será devido auxílio doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de 
Previdência Social já portador de doença ou lesão invocada como causa para a 
concessão do benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de 
progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.
A data do início do benefício será:
- para segurado empregado: a contar do décimo sexto dia do afastamento da 
atividade, se requerido no prazo de 30 dias ou a contar da data de entrada do 
requerimento, se requerido após 30 dias do afastamento da atividade;
- para os demais segurados: a contar da data do início da incapacidade, se requerido 
no prazo de 30 dias ou a contar da data de entrada do requerimento, se requerido 
após 30 dias do afastamento da atividade.
O segurado empregado em gozo de auxílio doença é considerado pela empresa como 
licenciado. Durante os primeiros quinze dias consecutivos de afastamento da atividade 
por motivo de doença, incumbe à empresa pagar ao segurado empregado o seu 
salário.
O auxílio doença do segurado que exercer mais de uma atividade abrangida pela 
previdência social será devido mesmo no caso de incapacidade apenas para o 
exercício de uma delas. Se nas várias atividades o segurado exercer a mesma 
profissão, será exigido de imediato o afastamento de todas.
Se o segurado empregado, por motivo de doença, afastar-se do trabalho durante 
quinze dias, retornando à atividade no décimo sexto dia, e se dela voltar a se afastar 
dentro de sessenta dias desse retorno, em decorrência da mesma doença, fará jus ao 
auxílio doença a partir da data do novo afastamento.
Se o segurado requerer novo benefício decorrente da mesma doença no prazo de 60 
dias contados da cessação do benefício anterior, a empresa fica desobrigada do 
20
pagamento relativo aos quinze primeiros dias de afastamento, prorrogando-se o 
benefício anterior e descontando-se os dias trabalhados, se for o caso. Tratando-se de 
outra doença, será um novo benefício.
O segurado em gozo de auxílio doença está obrigado, independentemente de sua 
idade e sob pena de suspensão do benefício, a submeter-se a exame médico a cargo 
da previdência social, processo de reabilitação profissional por ela prescrito e 
custeado e tratamento dispensado gratuitamente, exceto o cirúrgico e a transfusão de 
sangue, que são facultativos.
O auxílio doença cessa pela recuperação da capacidade para o trabalho, pela 
transformação em aposentadoria por invalidez ou auxílio-acidente de qualquer 
natureza, e pela transformação em aposentadoria por idade, desde que haja carência 
e que seja requerida pelo próprio segurado.
2. Aposentadoria por Invalidez - artigos 42 ao 47 da Lei 8.213/91 e artigos 43 ao 80 
do Decreto 3.048/99 - Será devida ao segurado que, após cumprida, quando for o 
caso, a carência exigida (12 contribuições mensais) e estando ou não em gozo de 
auxílio doença, for considerado incapaz para o trabalho e insuscetível de reabilitação 
para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga 
enquanto permanecer nessa condição. Trata-se de uma incapacidade permanente, 
verificada mediante exame médico-pericial a cargo do INSS. 
Não será devido quando o segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência 
Social já portador de doença ou lesão invocada como causa para a concessão do 
benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou 
agravamento dessa doença ou lesão.
A data do início do benefício será:
- para segurado empregado: a contar do décimo sexto dia do afastamento da 
atividade, se requerido no prazo de 30 dias ou a contar da data de entrada do 
requerimento, se requerido após 30 dias do afastamento da atividade ou ainda a 
contar do dia imediato ao da cessação do auxílio doença;
- para os demais segurados: a contar da data do início da incapacidade, se requerido 
no prazo de 30 dias ou a contar da data de entrada do requerimento, se requerido 
após 30 dias do afastamento da atividade, ou ainda a contar do dia imediato ao da 
cessação do auxílio doença.
Durante os primeiros quinze dias de afastamento consecutivos da atividade por motivo 
de invalidez, caberá à empresa pagar ao segurado empregado o salário.
A concessão de aposentadoria por invalidez, inclusive mediante transformação de 
auxílio doença, está condicionada ao afastamento de todas as atividades. Quando o 
21
segurado que exercer mais de uma atividade se incapacitar definitivamente para uma 
delas, deverá o auxílio doença ser mantido indefinidamente, não cabendo sua 
transformação em aposentadoria por invalidez, enquanto essa incapacidade não se 
estender às demais atividades.
O segurado aposentado por invalidez está obrigado, a qualquer tempo, e 
independentemente de sua idade, a submeter-se a exame médico a cargo da 
previdência social, processo de reabilitação profissional por ela prescrito e custeado e 
tratamento dispensado gratuitamente, exceto o cirúrgico e a transfusão de sangue, 
que são facultativos, sob pena de suspensão do benefício. 
O aposentado por invalidez fica obrigado a submeter-se a exames médico periciais, a 
realizarem-se bienalmente, sob pena de sustação do pagamento do benefício.
Cessa o benefício: a) quando o segurado retornar voluntariamente à atividade; b) 
quando o segurado se julgar apto a retornar à atividade, devendo solicitar a realização 
de nova avaliação médico-pericial, que concluindo pela recuperação da capacidade 
laborativa, cancelará o benefício. O segurado que retornar à atividade poderá 
requerer, a qualquer tempo, novo benefício, tendo este processamento normal.
3. Auxílio Acidente – artigo 86 da Lei 8.213/91