A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
186 pág.
saude direitos humanos ano7 n7

Pré-visualização | Página 35 de 50

profissional de saúde, é militante da luta anti-
manicomial. Alguns meses depois de seu nascimento, sua mãe foi 
internada em um hospital psiquiátrico. A causa foi relatada por uma 
vizinha como tentativa de assassinato da filha, já que a mãe apresen-
tava sensação de perseguição, delirium, agitação psicomotora. Era a 
primeira vez que Odete fora internada, iniciando, assim, sua trajetória 
psiquiátrica. Negava-se a realizar o tratamento, o que cronificou seu 
quadro psíquico, prejudicando não só sua saúde mental, mas também 
sua vida social. A relação com a vizinhança era dura, já que era internada 
pelo menos duas vezes por mês. Foram longos anos convivendo com essa 
questão, sendo Ruth a irmã mais velha de duas. O marido de Odete não 
aguentava por muito tempo esse sofrimento, o que fazia com que saísse 
de casa e deixasse as crianças com a mãe em crise. Ruth cresceu vendo a 
mãe ser internada nos diversos hospitais do Rio de Janeiro. Era doloroso 
e incompreensível para ela entender aquela situação que vivenciava. Por 
ser a filha mais velha, foi pressionada pela família de Odete que, depois 
de algum tempo, nem mesmo quis ter mais notícia dela, levando Ruth a 
7 Nome fictício para preservar identidade da usuária e dos familiares. Os demais nomes aqui destacados tam-
bém serão fictícios.
Rachel gouveia Passos “De quem é a responsabilidade do cuidado?” O papel das mulheres no processo de 
desinstitucionalização da pessoa em sofrimento psíquico.
117
responsabilizar-se pela mãe, já que o pai também 
não mais conseguia sustentar o quadro psiquiátrico de 
Odete. Era Ruth quem cuidava das responsabilidades da 
mãe quando esta era internada; aos cinco anos, já ia ao 
banco efetuar pagamentos. E, assim, cresceu, assumindo 
a responsabilidade da organização da casa. Coube a ela, 
diversas vezes, organizar a vida financeira da mãe, já que 
a mesma, em várias ocasiões, embaraçava-se pela suces-
são de crises psíquicas. Nos momentos em que se sentia 
senhora de si, encontrava organizada a vida. Era Odete 
quem cuidava de Ruth e de sua outra filha, exercendo seu 
papel de cuidadora e de mãe, papel de que se orgulhava 
e a fazia feliz. Entretanto, quando tomada pelas crises, era 
Ruth quem exercia o papel de cuidadora, quem tentava cui-
dar dela, tendo, muitas vezes, na sua infância e adolescência, 
que internar Odete para que fosse cuidada, já que a mãe se 
negava a submeter-se a tratamento e cuidado. Diversas vezes, 
Ruth teve que contar com o auxílio do corpo de bombeiros e/ou 
da polícia para poder levar a mãe para internação, já que não 
dispunha do auxilio de mais ninguém, e Odete negava-se a ir 
para o hospital. Situações complicadas como essa se repetiram 
em várias ocasiões. Apenas uma vez, houve um suporte para 
Odete de um psicólogo, profissional de referência no Hospital 
Manfredini, o que não durou muito tempo, vendo-se a família so-
zinha com esse cuidado. Assim sendo, durante 26 anos da vida de 
Ruth, não houve nenhum acompanhamento familiar por parte dos 
serviços de saúde mental para Odete, ficando o cuidado à mercê, 
inúmeras vezes, da criança de outrora, agora uma jovem mulher. 
Tais circunstâncias só começam a alterar-se a partir do momento 
em que Ruth ingressa na universidade e inicia o estágio. O primeiro 
foi na antiga Colônia Juliano Moreira, onde passara quase a vida 
inteira, vivenciando as internações de sua mãe; esse vai ser no início 
de sua carreira profissional e, nesse mesmo lugar, enxergará a loucura 
de outra forma. Então, aprofunda-se em estudos acerca da loucura, 
compreendendo o que ela e sua identidade social, incorporando a 
questão do transtorno mental, tanto em sua luta ideológica, como na 
sua carreira acadêmica e na sua militância. Ruth, nessa experiência, 
encontrará saídas para o cuidado de sua mãe, que, aos poucos, inicia 
seu tratamento ambulatorial, não passando mais por internações. Numa 
nova construção da rede familiar, todos os seus membros se conscientizam 
da necessidade do tratamento com medicação; isso se faz e fortalece o 
cuidado com Odete.
Odete deixa de ser cuidadora por ser louca? Nesse caso, a loucura 
a distancia, por períodos de sua vida, para oferecer cuidado à suas filhas 
ainda crianças. Embora para tentar manter uma organização familiar, 
a filha mais velha vá procurar assumir, nas fases em que essa mãe fica 
“ausente”, pelas crises, das responsabilidades maternas. 
Rachel gouveia Passos “De quem é a responsabilidade do cuidado?” O papel das mulheres no processo de 
desinstitucionalização da pessoa em sofrimento psíquico.
118
Artigo
E sempre que retorna das internações, a mãe 
assume seu papel de cuidadora, e a filha volta a seu 
papel de filha a ser cuidada. Como o anseio pelo cui-
dado fez com que esta família se reorganizasse, a fim 
de delegar a cada membro o desvelo que fosse possível? 
Isso se deu assim porque, talvez, fosse a única alterna-
tiva de sobrevivência grupal. E, dando-se dessa forma, 
talvez já não houvesse outra maneira. Nessa experiência, 
a filha mais nova era quem cuidava da casa, enquanto 
a mais velha organizava as responsabilidades de rua da 
mãe, no período das internações, traduzindo que essa de-
legação de cuidados efetivava a maternidade transferida, 
modo de cobrir a deficiência dessas estruturas assistenciais 
(Costa, 2002:206). O caso de Ruth traduz uma regularidade 
de práticas sociais de longa duração histórica. As ações de 
desinstitucionalização têm recriado a tradição dos cuidados 
femininos, e são muitos os exemplos existentes no país. 
Por tudo isso, reafirmo que a rede de saúde mental tem 
deixado muito a desejar, quando fixa responsabilidades para 
famílias e, principalmente, para mulheres, por vezes ainda crian-
ças, não importa em que situações de precariedades existenciais, 
quando restringe prestação de cuidados ou mesmo se exime de 
prestá-los. Ampliam-se, assim, os sofrimentos dos doentes e dos 
familiares pela ausência de cuidados e tratamento dos usuários 
de saúde mental. Deixo aqui indagações iniciais para pensar a 
importância da avaliação do processo de implantação da RPB, 
nas circunstâncias que estabelecem tanto a ausência de investi-
mento por parte do Estado em serviços substitutivos e comunitários 
e de profissionais capacitados, como também a falta de cuidados 
ao familiares/cuidadores e a sobrecarga subsequente. Além disso, 
desvenda-se, nessa experiência, a atualização de novas formas de 
opressão das mulheres. 
Nota: As opiniões expressas neste artigo são da inteira respon-
sabilidade da autora.
Referências Bibliográficas 
ALVES, Domingos Sávio. Integralidade nas Políticas de Saúde Mental. 
In: PINHEIRO, R. e MATTOS, R. A. (orgs.) Os sentidos da integralidade 
na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ, IMS/ABRASCO, 
2001.
________ e GULJOR, Ana Paula. O Cuidado em Saúde Mental. In: PINHEI-
RO, R. e MATTOS, R. A. (orgs.) Cuidado: as fronteiras da integralidade. 
Rio de Janeiro: Hucitec/ABRASCO, 2004.
Rachel gouveia Passos “De quem é a responsabilidade do cuidado?” O papel das mulheres no processo de 
desinstitucionalização da pessoa em sofrimento psíquico.
119
Artigo
AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho (org.). Loucos 
pela Vida: A Trajetória da Reforma Psiquiátrica no 
Brasil. Rio de Janeiro: SNE/ENSP, 1995.
________ e GULJOR, Ana Paula. Reforma Psiquiátrica e 
desinstitucionalização: a (Re)construção da Demanda do 
Corpo Social. In: PINHEIRO, R. & MATTOS, R. A. (orgs.). 
Construção Social da Demanda: direito à saúde – trabalho 
em equipe e espaços públicos. Rio de Janeiro: IMS/UERJ/
CEPESC/ABRASCO, 2005. 
ÁVILA, Maria Betânia. Textos e Imagens do Feminismo: 
Mulheres Construindo a Igualdade. Recife: SOS CORPO-
Gênero e Cidadania, 2001.
BADINTER, Elisabeth. Um Amor Conquistado: o mito do amor 
materno. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Ed. 
Nova Fronteira S/A, 1985.