A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
87 pág.
APOSTILA DE PONTES

Pré-visualização | Página 1 de 11

Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
1
 
 
1. DEFINIÇÕES GERAIS 
 
 PONTE É UMA ESTRUTURA EXECUTADA PARA VENCER ALGUM OBSTÁCULO SEM INTERROMPÊ-
LO TOTALMENTE. ESSE OBSTÁCULO PODE SER UMA VIA, UMA DEPRESSÃO OU UM CURSO D’ÁGUA. 
 QUANDO NA PARTE INFERIOR DA ESTRUTURA, PREDOMINANTEMENTE TIVERMOS UM LAGO OU 
UM CURSO D’ÁGUA, A ESTRUTURA É CHAMADA, DE UM MODO GERAL, DE PONTE. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
OS NÚMEROS DESTA PONTE SÃO FANTÁSTICOS. EM CONCRETO SUBMERSO FORAM 
UTILIZADOS MAIS DE 40.000 M3. ISSO REPRESENTA 33 PRÉDIOS RESIDENCIAIS DE SEIS PAVIMENTOS. 
 FORAM CONSUMIDAS 18.000 TONELADAS DE AÇO, DUAS VEZES E MEIA A TORRE EIFFEL, EM PARIS. 
 A PROFUNDIDADE MÉDIA DAS ESTACAS FOI DE 58 METROS. TREZE TIPOS DIFERENTES DE SOLO 
FORAM ENCONTRADOS, DA TURFA (QUE NÃO TEM RESISTÊNCIA NENHUMA), ATÉ O QUARTZITO, 
TERCEIRO MINERAL MAIS RESISTENTE DA NATUREZA. 
 
A PONTE MAIS BELA DO MUNDO: PONTE JK - BRASÍLIA 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
2
 DADOS DA PONTE JK: 
• COMPRIMENTO TOTAL: 1.200 M. 
• LARGURA TOTAL: 26 M (6 PISTAS) 
• TABULEIRO A 18 M DO NÍVEL DE ÁGUA DO LAGO 
• 3 ARCOS COM 240 M CADA UM 
• ALTURA: 61 M EM RELAÇÃO AO NÍVEL DE ÁGUA DO LAGO 
• 1300 TRABALHADORES ENVOLVIDOS 
• CUSTO APROXIMADO DA OBRA: R$ 160 MILHÕES 
 
QUANDO NA PARTE INFERIOR DA ESTRUTURA UMA VIA OU UMA DEPRESSÃO SEM EXISTIR A 
PRESENÇA DE ÁGUA, ESSA ESTRUTURA É CHAMADA DE VIADUTO. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VIADUTO SOBRE A PRAÇA GENERAL DALLE COUTINHO – OSASCO, SP. 
 
NO QUE SEGUE, USAREMOS O TERMO “PONTE” PARA EXPRESSAR UM VIADUTO OU UMA PONTE 
PROPRIAMENTE DITA. 
 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
3
 
2. PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS 
 
2.1. FUNCIONALIDADE 
 
 TODAS AS PONTES DEVEM SATISFAZER ÀS CONDIÇÕES DE USO PARA AS QUAIS FORAM 
PROJETADAS E EXECUTADAS. 
 DESSE MODO DEVE-SE ADAPTAR ÀS CONDIÇÕES DE ESCOAMENTO SATISFATÓRIO DE 
VEÍCULOS E DE PEDESTRES. 
 POR OUTRO LADO, CONVÉM MENCIONAR O PRAZO PREVISTO PARA A UTILIZAÇÃO DA PONTE 
TENDO EM VISTA A EVENTUALIDADE DE SE TORNAR INADEQUADA EM UM PRAZO MUITO CURTO. NESTA 
SITUAÇÃO, A AMPLIAÇÃO, NA MAIOR PARTE DOS CASOS, TORNA-SE ONEROSA. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 VIADUTO NO JAPÃO 
 
 
UM OUTRO EXEMPLO É O CANAL-PONTE SOBRE O RIO ELBA, (WASSERSTRASSENKREUZ, 
OU CRUZ DE RUAS DE ÁGUA) QUE UNE A REDE DE CANAIS DA EX-ALEMANHA ORIENTAL COM A DA 
ALEMANHA OCIDENTAL, COMO PARTE DO PROJETO DE REUNIFICAÇÃO DE AMBAS DESDE A CAÍDA DO 
MURO DE BERLIN. 
 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
4
 
 
CANAL-PONTE SOBRE O RIO ELBA 
 
COM SEUS 918 METROS DE COMPRIMENTO, A PONTE-CANAL É TIDA COMO OBRA DOS 
SUPERLATIVOS E UM PRIMOR DA ENGENHARIA, TENDO CONSUMIDO 68.000 METROS CÚBICOS DE 
CONCRETO E 24.000 TONELADAS DE AÇO. COMPORTA 132 MIL TONELADAS DE ÁGUA EM SUA CALHA 
DE 34 METROS DE LARGURA E 4,25 METROS DE PROFUNDIDADE E DEVE RESISTIR MESMO A 
TERREMOTOS. 
ESTE É O MAIOR VIADUTO 
ARTIFICIAL DA EUROPA, QUE 
CONECTA A PARTE LESTE DO CANAL 
MITTELLANDKANAL COM A PARTE 
OESTE DO CANAL ELBE-HAVEL-KANAL 
SOBRE O RIO ELBA. 
ANTES DESTA MAGNÍFICA 
OBRA, OS NAVIOS PRECISAVAM DAR 
UMA VOLTA DE 12 KM PELO PRÓPRIO 
RIO, ATRAVESSANDO ECLUSAS 
ANTIQUADAS, O QUE SIGNIFICAVA 
PERDA DE HORAS NAS VIAGENS. 
CRUZAMENTO DE HIDROVIAS 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
5
DEPENDENDO DO NÍVEL D’ÁGUA NO ELBA, OS NAVIOS MAIS CARREGADOS PRECISAVAM SE 
LIVRAR DE PARTE DA MERCADORIA EM MAGDEBURG, PARA PODER PROSSEGUIR. ATUALMENTE, 
EMBARCAÇÕES COM ATÉ 1350 TONELADAS DE CARGA PODERÃO NAVEGAR SEM INTERRUPÇÃO DAS 
BACIAS DO WESER E RUHR, NO OESTE, ATÉ BERLIM, E VICE-VERSA. 
DEMOROU 5 ANOS PARA SER CONCLUÍDO. 
 
 A OBRA, QUE TEM TRÁFICO 
DURANTE TODO O ANO DE BARCOS 
MOTORIZADOS E MANUAIS, DE 
CARGAS E PASSAGEIROS, 
CONSISTE DE UMA PONTE 
PRINCIPAL DE 228 METROS DE 
COMPRIMENTO, CONSTRUÍDA EM 3 
SEÇÕES DE 57.1, 106.2 E 
57.1METROS RESPECTIVAMENTE E 
DE UM ENORME CANAL DE 
APROXIMAÇÃO DE 690 METROS 
DIVIDIDO EM 16 SEÇÕES. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PONTE CUJA FORMA LEMBRA O CASCO DE UM NAVIO 
PONTE SOBRE O RIO ELBA – UMA ATRAÇÃO TURÍSTICA 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
6
PODEMOS MENCIONAR AINDA, A PONTE SUBMARINA, ILUSTRADA A SEGUIR, ENTRE KASTRUP 
(NA COSTA DINAMARQUESA) E LERNACKEN (NO LITORAL SUECO). UMA PONTE QUE VIRA TÚNEL OU UM 
TÚNEL QUE VIRA PONTE: A GREAT BELT BRIDGE (PONTE DO GRANDE CINTURÃO), INAUGURADA EM 
JULHO DE 2000. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PONTE ESTAIADA: GREAT BELT BRIDGE, TENDO COM EXTREMOS 
ESTOCOLMO (SUÉCIA) E COPENHAGUE (DINAMARCA) 
 
PARA A CONSTRUÇÃO DESTA PONTE, FOI NECESSÁRIA A CRIAÇÃO DE UMA ILHA ARTIFICIAL, 
COM 4,055 M DE EXTENSÃO QUE ABRIGA A BOCA DOS TÚNEIS SUBMARINOS QUE LIGAM A PONTE À 
PLANÍCIE DINAMARQUESA. 
 
FORAM USADOS NESSA OBRA 1,6 MILHÃO DE METROS CÚBICOS DE PEDRAS E 7,5 MILHÕES DE 
METROS CÚBICOS DE AREIA. AS PEDRAS FORAM USADAS PARA FORMAR O CONTORNO DA ILHA, 
FORMANDO UM ENROCAMENTO PROTETOR CONTRA AS MARÉS. 
 ALÉM DA ILHA, FOI TAMBÉM CRIADA UMA PENÍNSULA ARTIFICIAL EM KASTRUP, COM 900 M2, 
DESTINADA A ACOMODAR O PORTAL DO TÚNEL SUBMARINO. 
PARA CRUZAR A BAÍA, ATRAVESSANDO O CANAL DE NAVEGAÇÃO FLINTRAENNAN, FOI 
CONSTRUÍDA UMA PONTE PRINCIPAL ESTAIADA, SUPORTADA POR QUATRO PILARES (204 M ACIMA DO 
NÍVEL DO MAR), CADA PAR APOIADO SOBRE UM CAIXÃO PNEUMÁTICO COMPARTILHADO. ESSES 
CAIXÕES SÃO DE CONCRETO, APOIADOS EM PILARES ENTERRADOS DE 13 A 28 M ABAIXO DO NÍVEL DO 
MAR E COM ILHAS ARTIFICIAIS PROTETORAS, DESTINADAS A PREVENIR COLISÕES DE NAVIOS. 
O TRECHO DO VÃO PRINCIPAL É SUSPENDIDO POR 80 PARES DE CABOS, LIGADOS AOS 
PILARES A INTERVALOS DE 12 METROS. O MAIOR VÃO LIVRE É DE 490 M DE COMPRIMENTO E 55 M DE 
ALTURA, PARA O CANAL DE NAVEGAÇÃO. 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
7
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O FORMATO CURVO DA PONTE É O RESULTADO DE MUDANÇAS GRADUAIS NOS ÂNGULOS 
DAS JUNTAS ENTRE OS VÃOS DA PONTE. 
AS PISTAS SÃO SUPORTADAS POR 51 
PILASTRAS, ENTERRADAS UNS 15 M SOB 
O NÍVEL DO MAR E CERCADAS POR ILHAS 
PROTETORAS. 
 
É O MAIS COMPRIDO TÚNEL 
SUBMERSO PARA TRÁFEGO RODO-
FERROVIÁRIO DO MUNDO, CONSISTINDO 
DE 20 ELEMENTOS. 
 
 
 
 
 
 
A ILHA ARTIFICIAL, POUCO ANTES DO FINAL DAS OBRAS 
TÚNEL SUBMERSO 
Universidade Presbiteriana Mackenzie – PONTES - APOSTILA 1 
Engenharia Civil – Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto 
 
8
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CORTE DE UMA SEÇÃO DO TÚNEL PRÓXIMO À COSTA DINAMARQUESA 
 
 
É FORMADO POR QUATRO TUBOS, INCLUINDO OS TÚNEIS RODOVIÁRIO E FERROVIÁRIO, UMA 
GALERIA PARA EVACUAÇÃO DE EMERGÊNCIA, DUTOS E OUTRAS INSTALAÇÕES. POSSUI ZONAS DE 
TRANSIÇÃO E PORTAIS PARA ACOSTUMAR O VIAJANTE À LUZ DIURNA AO EMERGIR. AS PAREDES DO 
TÚNEL SÃO À PROVA DE FOGO E HÁ SAÍDAS DE EMERGÊNCIA A INTERVALOS DE