A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 SEMESTRE DIREITO CIVIL V RESUMO DA MATÉRIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

DIREITO CIVIL V : DIREITOS REAIS
 Direito real: é o poder jurídico do homem sobre determinada coisa.O sujeito ativo é o titular do direito real podendo ser o proprietário ou usufruário.
Direito das coisa : É um conjunto de regras e princípios que disciplinam as relações intersubjetivas, tendo em vista as coisas
PORTANTO: o direito das coisas é um ramo do direito civil que se ocupa dos direitos reais, consiste no conjunto das normas que regem as relações jurídicas referentes à apropriação dos bens corpóreos( td o que tem corpo ou que se possa tocar) do homem.
OBJETO: pressupostos devem ser representados por um objeto capaz de satisfazer interesses econômicos, suscetíveis de gestão econômica autônoma, passível de subordinação jurídica.
DISTINÇÃO ENTRE DIREITOS REAIS E PESSOAIS 
 REAIS PESSOAIS
	Em relação ao sujeito:
	 Sujeito ativo
	Sujeito ativo(credor) e sujeito passivo(devedor)
	Quanto à ação
	No caso de violação, cabe ao titular da ação real contra quem indistintamente detiver a coisa
	Atribuem ao seu titular a ação pessoal que se dirige apenas contra o indivíduo passivo
	Quanto ao objeto
	Coisas corpóreas
	Prestação positiva do devedor(dar ,fazer ou não fazer)
	Em relação ao limite
	Não pode ser objeto livre de convenção, está limitado e regulado pela norma jurídica
	É ilimitado, autonomia de vontade
	Quanto ao modo de gozar os direitos
	É o exercício direto entre o titular e a coisa desde que a mesma possa estar a sua disposição
	Existe sempre um intermediário que está obrigado à prestação
	Em relação ao abandono
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
	
Princípios dos direitos reais diferenciação entre direitos reais e direitos pessoais
1) princípio da aderência, especialização ou inerência:
direitos reais: há um vínculo entre o sujeito e a coisa, não dependendo da
colaboração de nenhum sujeito passivo para existir.
direitos pessoais: há um vínculo entre o sujeito ativo (credor) e o sujeito passivo (devedor), que confere o direito do 1º exigir a prestação prometida pelo 2º.
2) princípio do absolutismo:
direitos reais: exercem-se erga omnes. todos devem abster-se de molestar o
titular. consequências: - direito de sequela: perseguir a coisa e reivindicá-la contra quem quer que esteja; - direito de preferência: o credor com direito real prefere, no pagamento, a outros credores.
direitos pessoais: exercem-se em face dos obrigados. se descumpridos, resolvem-se em perdas e danos.
3) princípio da publicidade ou da visibilidade:
direitos reais: só se adquirem depois da transcrição do título no registro de
imóveis, se imóveis; depois da tradição, se móveis.
direitos pessoais: aperfeiçoam-se com o acordo de vontades (princípio do consensualismo).
4) princípio da taxatividade: direitos reais: são em número limitado. são
somente os enumerados na lei (numerus clausus).
1)cc 1916: art. 674
2)cc 2002: art. 1225.
direitos pessoais: não há limitação. há contratos nominados, mas as partes podem fomular outros contratos (inominados) de acordo com a vontade (numerus apertus) – (princípio da autonomia da vontade).
5) princípio da tipificação ou tipicidade:
direitos reais: só são considerados direitos reais os que preenchem os requisitos exigidos pela lei.
direitos pessoais: admitem um número ilimitado de direitos obrigacionais. não há prévio modelo a ser preenchido.
6) princípio da perpetuidade:
direitos reais: são perpétuos. não se perde um direito real pelo seu não uso, mas somente pelos meios legais (desapropriação, usucapião, etc.).
direitos pessoais: são transitórios. cumprida a obrigação, extinguem-se. não
exigido seu cumprimento dentro de um lapso de tempo, prescrevem.
7) princípio da exclusividade:
direitos reais: não pode haver dois direitos reais com o mesmo conteúdo sobre a mesma coisa. (ex.: usufruto: usufrutuário tem direito aos frutos, nu proprietário conserva o direito à substância da coisa).
8) princípio do desmembramento:
direitos reais: a propriedade pode ser desmembrada, constituindo os direitos
reais sobre coisas alheias. quando estes se extinguem, o poder que residia nas mãos dos titulares retorna novamente às mãos do proprietário