A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AINEs

Pré-visualização | Página 1 de 2

O que é um processo inflamatório? Resposta de tecidos às agressões de diferentes origens: infecção microbiana, queimadura, radiação, traumatismo mecânico, toxinas, substâncias causticas, tecido necrótico, hipóxia celular....Com a finalidade de destruir, diluir ou limitar a disseminação e consequências do agente agressor
COX1: fisiologica e tromboxano (você não quer inibir)
COX2: patologica, não pode inibir 100% pois o cerebro e rim precisam como proteção mas em pequenas quantidades, quer inibir mas não tudo)
COX 3 (DIPIRONA/PARACETAMOL): cerebral, relacionada com febre e dor (por comunicação entre medula e cérebro e não por proc inflamatório), EXPRESSAO CONSTITUTIVA, PGE2
FUNÇÕES FISIOLOGICAS:
PGI2 (prostaciclina) - Febre, dor, inibe agregacao plaquetaria, regulacao PA e fluxo renal, citoprotecao gastrica, vasodilatacao
PGF2α - Pressao IO, luteolise, contracao uterina, ovulacao, broncoconstricao
PGD - Inibe agregacao plaquetaria, vasodilacao, vigilia, temperatura corporal, quimiotaxia
PGE2 - Contracao uterina, febre, dor, regulacao PA e fluxo sanguineo, citoprotecao gastrica, reacao inflamatoria
LTB4 - Nocicepcao, quimiotaxia, resposta imunologica
LTC4/LTD4/LTE4 - Aumento permeabilidade vascular, broncoconstricao, reacao anafilatica
AINEs (analgésicos não imunossupressores) : controle da dor de origem inflamatoria (presenca de PGs). O processo inflamatorio implica em mudanca do limiar de ativacao das fibras nociceptivas presentes do local (terminacoes nervosas livres), sendo que a resposta inflamatoria decorrente de estimulo lesivo sao capazes de aciona-los. Lesao tecidual = sintese de liberacao de mediadores inflamatorios dentre eles citocinas, bradicinina e PGs. Receptores de PGs sao acionados nessas terminacoes e promovem mudanca bioquimica gerando potencial de acao que em SNC e percebido como dor. Eles diminuem /previnem a sensibilizacao periferica relacionada a producao de PGs geradas pelo processo inflamatorio.
Indicação: Inflamacao: vasodilatacao, edema (bra/hista)
Dor (leve, moderada, intensa) – (COMPONENTE INFLAMATÓRIO): AINES ou inibidores de cox3
Dor aguda: Trauma, pós-operatório, cólica renal, lesão muscular e articular, afecções inflamatórias, AINEs, i cox3, opioide moderado
Dor crônica: artrite, tendinite, lombo/ciatalgia, osteartrite, AINEs, icox3, opioide forte
Antiplaquetario (inibicao COX1 – TX nas plaquetas) ex:aas ação antitrombotica
Cancer (anti carcinogênico) – (PG: carcinogênese – COX2) pois processo inflamatório consecutivo induz câncer
DICLOFENACO DE NA/K: FATAL!!!!!!! CATAFLAM E VOLTAREM
Função dos AINEs: Inibem a acao da COX na producao de prostanoides (prostaglandinas, prostaciclina e tromboxano). Reduzem os componentes da resposta inflamatoria (COX2) x componentes da resposta fisiologica (COX1)
Farmacocinetica/farmacodinamica: Ácidos orgânicos fracos de estrutura química variada, Metabolização (biliar em cães)/excreção renal, Ligação proteica, Lipossolúvel, Via de administração: vo, iv, sc, im, sublingual .......
CONTRA-INDICAÇÕES DOS AINES: Insuficiencia renal, Sangramentos (principalmente os que agem sobre COX1 – diminuicao de plaquetas), Disturbios gastrointestinal, Hipotensao/Hipertensao/hipovolemia, Sensibilidade anterior ao componente da formulacao do AINE, ASSOCIACOES MEDICAMENTOSAS (IECA, Diureticos, AIEs, AINEs)
Inibidores de Cox1-2: mais antigos inibem as duas, tem muitos efeitos colaterais e tem que usar por pouquissimo tempo (dose unica ou até 5 dias). São: fenilbutazina (cavalo), ibuprofeno (dose baixa, extremamento toxico para animais)
Inibidores de COX2 preferencial: mais usados e melhores, menos efeitos colaterais podem ser usados por mais tempo
Inibidores de COX2 seletivos ou coxibes: só inibe a cox 2 é o que tem de mais moderno mas muitos pacientes tem intolerância e vomitam com sangue por isso não são tão usados.
Inibidores cox+lox: mais potente, único que também inibe lox, ex: cetoprofeno não usar mais de 5 dias
SALICILATOS (AAS): AINE – padrão ouro, antitrombótico (dose baixa), Inibe produção de Tromboxano A2 (TXA2) na COX1 (plaqueta), IRREVERSIVEL 10-100 vezes sobre COX1 com relação COX2. Principal uso: Prevencao de tromboembolismo: inibicao plaquetaria – Tromboxano: (doses baixas) ACAO IRREVERSIVEL SOBRE A COX1 DA PLAQUETA SEM ACAO PGI 2 (ANTI-AGREGANTE ENDOTELIO)
Cavalos = uveite/laminite/trombose
Baixa concentração de glicuroniltransferase (GLICURONIDAÇÃO) Cuidado com o uso !!!!!!!!!
Fenilbutazona: cox 1-2, EQUINOS DESDE 1950, Inflamacoes osseas e articulares, colicas agudas (choque septico), afeccoes tecidos moles. 2 METABOLITOS: OXIFENBUTAZONA (ATIVO) + HIDROXIFENILBUTAZONA, Acao sobre COX (IRREVERSIVEL) e radicais livres
Efeitos adversos: discrasias sanguineas/ ulceracao oral e/ou gastrintestinal, apatia, anorexia, diarreia, dor abdominal, perda de peso, morte. Felinos: NAO. Caninos ?
FLUNIXIN MEGLUMINE: COX1-2, VO/injetável (Boa disponibilidade oral) MUITO USADO EM EQUINOS: CHOQUE SEPTICO (colica equina), dist. Musculo-esqueletico. BOVINOS: AFECCOES PULMONARES, ENDOTOXEMIA, MASTITE E ARTROPATIAS. CAO: CIRURGIA DE CATARATA. GATOS: NAO
IBUPROFENO: COX1,2,3 Inibe agregação/ativação neutrófilos, produção radicais livres e liberação de enzimas lisossomais. Bovinos (endotoxemia/mastite/po), Cao/gato: longa meia vida (intensos efeitos adversos TGI e renais)
FLURBIPROFENO: catarata/glaucoma (tópico)
CARPROFENO: SELETIVO COX 2, 129 X MAIS SELETIVO PARA COX2 < OCORRENCIA LESAO GASTRICA. Uso em caes e GATOS (DOSE UNICA (IV/SC). MEIA VIDA MUITO VARIAVEL) Inflamacao (edema/ Dor aguda x cronica), Animal idoso
MELOXICAN: Preferencial COX2, 43% COX1 e 90% COX2, Analgesico /antiinflamatorio (aguda x cronica), Uso em caes (12-26h -mv) e gatos, Equinos 3h (meia vida), Animal idoso
COXIBES: Inibição seletiva sobre COX2, Anti-inflamatório, antitérmico < efeito adversos gástricos (cuidado: COX2 está envolvida em cicatrização mucosa gástrica)
Firocoxibe (Previcox®): Cão OA (90d); PO (3d) Previcox 57 mg e 227 mg (caixas com 10 comp.) – 5mg/SID
Mavacoxib (Trocoxil®): Cão. Melhor absorvido com alimento (87%) Meia vida longa. 6,20,30,75 e 95mg, melhor e mais usado em dose unica mensal
CETOPROFENO: cox+lox, modulam a biossintese de prostaglandinas atraves de inibição de cox 1 e cox 2 em niveis variados de seletividade, Muito potente: acao celular e vascular, Antagoniza bradicinina/estabiliza membranas, Alta biodisponibilidade oral em cao e gato, Equinos: inflamacao/dor – (musculo-esq./colica) Cao/gato: inflamacao/dor/dor pos-operatorio 50-100 + potente analgesico que a fenil
Dipirona (metamizol): Antipirético, analgésico, COX-3, Efeito adverso: Discrasias sanguíneas ( agranulocitose e aplasia medular, trombocitopenia) Equinos: cólica. Cão/gato. Associação: antiespasmódico (escopolamina – Buscopan composto/adifenina - Lisador) Dor aguda x crônica. Pode ser associado aos AINEs convencionais e outros analgésicos
Paracetamol (acetaminofen) Ação sobre Pg sintetase cerebral = bloqueio da ação de pirógenos endógenos no centro hipotalâmico regulador de temperatura – COX3. Efeitos adversos: principalmente hepático – Hepatite Aguda, vomitos, salivacao, cianose (4h apos
exposicao). Edema facial, anorexia (3 dias). Coma e Morte
Tratamento: acetilcisteina – ate 8h (fornece fonte de glicuronideos)
EFEITOS ADVERSOS:
GASTROINTESTINAL
LEVES Dispepsia, Erosoes GI (estomago > bulbo duodenal)
MODERADOS Ulceras GI (estomago/intestino)
GRAVES Sangramento GI intenso, Perfuracao aguda
PREVENCAO DE LESOES GASTRODUODENAIS: Inibidores da bomba de protons: + eficazes na prevencao e tratamento, antagonista H2 (ranitidina)
RENAL: FUNCAO: PRESERVA FLUXO RENAL E TGF (<RESISTENCIA GLOMERULAR) (PGI e PGE2 – doencas Glomerulares, IR). Efeito adverso: Diminuicao da perfusao sanguinea PG
dependentes, absorcao de agua e sodio. FATORES PREDISPONENTES > RISCO DE DOENCA RENAL, HIPOVOLEMIA, HIPOTENSÃO ARTERIAL, IDOSO, ASCITE,
HIPERTENSÃO ARTERIAL, ICC, CIRROSE, ASSOC. DE AINES (AIEs, Anti hipertensivos)
AINEs classicos < COXIBES: