AP 1 nova   Prática de Ensino do Turismo 3 Maria da Conceição e Talyta Cristina
8 pág.

AP 1 nova Prática de Ensino do Turismo 3 Maria da Conceição e Talyta Cristina


DisciplinaPraticas do Ensino do Turismo4 materiais9 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro
Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro
PRÁTICA DE ENSINO DO TURISMO
COORDENADORA DA DISCIPLINA: 
AVALIAÇÃO EM GRUPO \u2013 AP1
Período \u2013 2018/1º
Disciplina: Prática de Ensino do Turismo
Coordenadora: Carlyle Falcão
Tutora: Bárbara Teles
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O TURISMO
Maria Conceição Silva\u2013 Matrícula: 14115100174
 Talyta Cristina\u2013 Matrícula: 14115100175
PÓLO: Resende
2018.1
1. Definição do tema;
A região das Agulhas Negras, região onde residimos, já é consagrada turisticamente e ainda tem grande potencialidade para ampliação desenvolvimento dos mais variados segmentos da atividade. Para tanto, pretendemos introduzir através das grades curriculares das escolas e de maneira interdisciplinar, se possível, com a participação de todas as disciplinas, um projeto de Educação Ambiental onde buscaremos educar nossos jovens para o turismo, para melhor entender e atender as demandas da atividade na nossa região. Optamos por esse tema por nos encontrarmos inseridos onde a atividade turística já é constituída e também para desenvolver um trabalho criando novos conceitos nos alunos das escolas públicas da nossa região, estruturando suas mentalidades e percepção para a preservação e conservação de modo sustentável das áreas em que residem e seus entornos. Tudo alicerçado sobre as estruturas do planejamento!
2. Definição dos objetivos gerais;
Pretendemos despertar nos nossos jovens a importância da educação ambiental associada a atividade turística e a relevância desse projeto para toda nossa região, principalmente no que tange ao respeito à natureza, à importância que cada um de nós tem dentro dos conceitos de preservação e conservação e sustentabilidade, preparar novos cidadãos compromissados com o desenvolvimento das suas localidades dentro de uma lógica que se preocupe com as futuras gerações, seres formadores de opiniões com consciência cívica e política, cidadãos que valorizem e fortaleçam suas identidades, sentimento de pertencimento a essas localidades, com respeito e ética às suas raízes culturais e sociais, para que não sejam aculturados, para que tenham relações amistosas com visitantes e turistas, onde ambos possam aprender e ensinar uns aos outros, gerando um intercambio social e cultural, além de emprego e renda.
 
Que impacto o projeto terá sobre o meio o qual será executado?
O projeto deverá ter impactos para as localidades onde será implantado, trazendo benefícios a médio e longo prazo no referente à infraestrutura, desenvolvimento, planejamento, emprego e renda, inclusão social, entre outros, uma vez que, além disso, este projeto impactará no melhoramento e no conhecimento dos autóctones com suas localidades e adjacências, também nas relações com turistas, visitantes e nas formas de sobreviver da atividade turística com responsabilidade e respeito. 
Quanto ao impacto, este pode ser positivo ou negativo e seus reflexos são sentidos quase que imediatamente a implementação do projeto. O fator positivo é que o turismo é um dos setores que mais crescem e geram emprego e renda, infraestrutura, entre outros, em todo o mundo, mas para obter o sucesso deve ser bem planejado e executado. Já entre os pontos negativos podemos citar a falta de planejamento, a massificação do local, a insatisfação dos moradores da localidade, a falta de infraestrutura, a exclusão, dentre outras. Deste modo, entendemos que para se minimizar os impactos negativos seja necessário um estudo cuidadoso por profissionais capacitados, de um bom planejamento na elaboração do projeto onde haja a participação de todos, a começar pela comunidade e entorno que serão os mais beneficiados ou prejudicados com implantação das atividades turísticas pretendidas, do poder público e sociedade em geral, de onde será implementado o projeto.
3. Definição dos objetivos específicos;
A ação educativa promovida pela educação ambiental contribui efetivamente na formação de cidadãos mais conscientes em relação à preservação e conservação do meio ambiente, capazes de agir em coletividade tomando decisões sobre questões ambientais necessárias em prol da sociedade e seu desenvolvimento de modo sustentável. Devemos ressaltar que esse modelo de aplicabilidade não se restringe às salas de aulas e aos universos escolares, mas devem estar inseridos neste contexto, atuando como um facilitador no entendimento das atuais e futuras gerações, temas sobre questões ambientais e suas formas de utilização em nosso dia a dia.
Parafraseando Capra (2003), acreditamos que ao desenvolvermos no ambiente escolar o tema ambiental atrelado ao turismo por meio de projetos, estaremos alinhando o processo de aprendizagem a contemporaneidade, que apontam estratégias e métodos de ensino que necessitam de uma maior adaptação denotando a importância do currículo composto que acrescente no conhecimento contextual, onde à interdisciplinaridade estejam disponibilizadas como meios, e a disposição dos objetivos centrais.
Para melhor ilustrarmos a importância da educação ambiental introduzida nas escolas citamos a Conferência Sub-regional de Educação Ambiental para a Educação Secundária:
\u201cA educação ambiental, é a ação educativa permanente pela qual a comunidade educativa tem a tomada de consciência de sua realidade global, do tipo de relações que os homens estabelecem entre si e com a natureza, dos problemas derivados de ditas relações e suas causas profundas. Ela desenvolve, mediante uma prática que vincula o educando com a comunidade, valores e atitudes que promovem um comportamento dirigido a transformação superadora dessa realidade, tanto em seus aspectos naturais como sociais, desenvolvendo no educando as habilidades e atitudes necessárias para dita transformação\u201d.
Conferência Sub-regional de Educação Ambiental para a Educação Secundária \u2013 Chosica/Peru (1976)
- Oportunizar aos alunos o conhecimento da biodiversidade e das culturas que cercam a nossa região, sendo este um convite à reflexão através da interdisciplinaridade. 
- Incentivar nesses discentes seus sensos críticos no que tange a importância da escola para a sua formação enquanto aluno e cidadão, como multiplicadores e futuros formadores de opinião, principalmente no que se refere à conscientização das comunidades e sociedades onde estão inseridos sobre preservação e conservação do meio ambiente de modo sustentável, na preservação da nossa cultura e hábitos, para que sejam também disseminadores dos saberes. 
- Evidenciar também que já somos um polo turístico reconhecido, mas que, ainda temos muito por fazer para o enriquecimento e melhoramento da atividade em nossa região, reconhecer a importância da educação na atividade turística e o quão é importante o comprometimento e envolvimento de todos, do poder público, dos alunos, dos professores, da sociedade, da população local, entre outros. 
4. Justificativa;
Por que é importante fazer o projeto? O grupo deve refletir sobre o motivo que faz valer a pena realizar esse projeto.
O projeto de Educação Ambiental nas escolas de nível fundamental e Médio foi pensado com a intenção de expandir o conhecimento e apontar novas ferramentas de trabalho nos ambientes escolares no que refere o tema. A importância de sua implementação nos ambientes de salas de aulas, para as crianças neste nível de faixa etária, se dá pela capacidade de absorção desses alunos e da importância que estes terão nos meios em que vivem e em nossa sociedade. Uma vez que, serão formadores de opiniões e disseminadores de conhecimento e, poderão através deste, planejar melhor e fazer alterações significativas em benefícios de todos, das comunidades onde estão inseridos, valorização de suas identidades culturais, melhoria das suas relações com a natureza, localidades próximas e melhora dos seus relacionamentos com os turistas, visitantes,