estagio 3 ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO – III 5º  SEMESTRES – OBSERVAÇÃO E INTERVENÇÃO PRÁTICA NO ENSINO MÉDIO
27 pág.

estagio 3 ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO – III 5º SEMESTRES – OBSERVAÇÃO E INTERVENÇÃO PRÁTICA NO ENSINO MÉDIO


Disciplina5º Semestre História Unopar5 materiais38 seguidores
Pré-visualização5 páginas
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
HISTÓRIA \u2013 5º e 6º SEMESTRES
NATIANE TAVARES FERREIRA
ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO \u2013 III
5º E 6º SEMESTRES \u2013 OBSERVAÇÃO E INTERVENÇÃO PRÁTICA NO ENSINO MÉDIO
Macapá
2018
NATIANE TAVARES FERREIRA
ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO \u2013 III
5º E 6º SEMESTRES \u2013 OBSERVAÇÃO E INTERVENÇÃO PRÁTICA NO ENSINO MÉDIO
Trabalho apresentado ao Curso de História da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina Estágio Curricular Obrigatório III \u2013 5º e 6º Semestres (150 horas)
Tutor eletrônico: 
Tutor de sala: Raphael de Morais Dias
Pólo de Apoio Presencial: MACAPÁ
MACAPÁ
2018\ufffd
ESTUDO DE ARTIGO
É evidente que nem todo conhecimento que os seres humanos produzem sobre a história tem as características de conhecimento científico. Pode - se falar também de um conhecimento ideológico da realidade histórica, fundamentado em afirmações que enquadram a realidade.
 Como é o caso de todos os pensamentos de fundo teológico e esotérico. Contudo, para que possamos qualificar como científico um determinado conhecimento, social neste caso específico, devemos considerar que esse conhecimento foi construído em um determinado caminho, o qual não pode ser outro a não ser a aplicação de um método científico. 
Várias surpresas nos são possíveis quando olhamos com interesse e seriedade a um assunto problematiza-se seu ensino relembrando que além das dificuldades hermenêuticas que são inerentes a todo processo de transmissão de conhecimentos, seja qual for a sua natureza, a História reúne características que a transformam em um campo de aprendizagem com dificuldades especiais. Indica-se a necessidade de ensinar a História. 
 Utilizando os instrumentos do historiador, derivando daí os métodos e técnicas de trabalho, que apontam para atividades que devem estar presentes em todo o processo didático, resumidas nos seguintes pontos, aprender a formular hipóteses, aprender a classificar fontes históricas, aprender a analisar fontes, aprender a analisar a credibilidade das fontes, e, por último, a aprendizagem da causalidade e a iniciação na explicação histórica.
 Todavia, estabelecida ao longo do tempo e do desenvolvimento do sistema educacional brasileiro. Assim, faz-se relevante conhecer o passado do ensino de historia nas escolas regulares no período da ditadura e a situação em que este se encontra atualmente, no intuito de fornecer subsídios para a reflexão e o debate acerca de novas propostas de ensino para a educação básica, já que, a partir desta, podem-se desenvolver melhores métodos que têm acesso à escola, disseminando as para a comunidade, as raízes e verdades na historia. Nesse sentido, a investigação histórica escola mostra a desvalorização e violação da história no período da ditadura, sendo que faz - se necessário destacar, que mesmo com o fim da ditadura não mudou muito e continuam velhos e novos problemas ocorrendo dentro do ensino de História. Como processo multidisciplinar em que conhecimentos diversos se inter-relacionam, gera conceitos qualitativos na visão da história, coloca que a tentativa para se reconstituir o passado cada vez mais analogamente à sua realidade revela a intensa procura por respostas.
2- ANALISE DO TEXTO DOS PARAMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO 
O PCN passa sobre a disciplina de História nas escolas que tem por necessidade uma transformação possível a ser realizada e mudança ocorrerá quando os profissionais repensarem sua postura de ensino e passarem a desenvolver práticas mais estimulantes e participativas  capazes de situar o estudante no processo histórico. O professor  deve  sempre  ter  em  mente  que  o  ensino  de  História  tem  como  uma  de suas finalidades mais significativas a ampliação do horizonte de referencia temporal dos alunos, de suas capacidades de explicação histórica e de suas atitudes de respeito e  compreensão  à  diversidade  cultural  das  sociedades  e  da  sociedade  brasileira  em particular,  o  novo  olhar  sobre  o  ensino  de  História  tem  melhorado não o esperado mas com certeza tem  avançado  muito. 
 Os autores falam dessa nova  perspectiva  que  é  de  fazer  com  que  o  aluno  pense,  em  vez  de  apenas  memorizar. Isso vai  ao  encontro  do  novo  pensamento  de  um  estudo  com  mais  significados  e  que  tenha mais abrangência naquilo que é estudado, O novo ensino também leva em consideração o que os  alunos  pensam e  como  as  suas  criticas  podem  ser  aproveitadas.  Estes  aspectos  são fundamentais para que nossos alunos se tornem críticos  e capazes de desenvolver a compreensão  sobre  os  fatos  ocorridos  no  passado. Assim  possam  influenciar  no futuro levando-os a indagações que provocarão a consciência da natureza desse saber.
 O que se  quer  com  o  ensino  de  História,  hoje  é  que  os  alunos  sejam  capazes  de  reconhecer  a diversidade cultural existente promovendo conhecimentos que eles possam usar no seu dia a dia,  fazendo  com  que  busquem  compreender  conceitos,  tendo  perspectivas  teóricas  diversas  em  vários  estados  brasileiros,  foram  organizadas reestruturações  curriculares.  Esse  momento  foi  marcado  por  diversas  discussões  e debates  em  torno  do  ensino  da  história  os  quais  giravam  principalmente,  sobre  as novas  concepções  que  deveriam  servir  de  referencia  para  os  conteúdos  e  as  metodologias de ensino. Estas  concepções  não foram  tão  aceitas  logo  no  inicio, Mas as mudanças  nos currículos já deram um grande salto, Tais mudanças deveriam observar novos  pensamentos  históricos,  atendendo  à  sociedade  contemporânea  com  temas  mais significativos. 
O passado deve estar associado ao presente. A história local deve ser uma forma de compreensão da história de outros lugares. Deve-se sair do local para ter-se uma compreensão do global.  Com essa reformulação dos currículos pode-se pensar numa forma mais abrangente de inserir o novo pensamento sobre essa forma de como aprender História que venha surgindo.
A ideia básica da reformulação era de transformação do conteúdo, Os eixos temáticos seriam organizados de uma forma linear para que assim pudesse observar que realmente a mudança começava vagarosa, mas já se tinha um pensamento formado diante da ideia. Com certeza a disciplina começaria a ser objetiva e vista de forma diferenciada e os alunos começariam a entender que eles fazem parte dessa história.
Dessa  forma  o  conceito  do  novo  ensino  de  História  é  apresentado com medodologia de uma oportunidade  para  a  formação  crítica  do  cidadão.  Quando  o  aluno  é  provocado  a interpretar um fato histórico, ele começa a perceber-se como ser que faz parte de sua história. Percebe-se  um  ser  capaz  de  pensar  e  falar  o  que  pensa  sobre  determinado  fato  que  muitas vezes é repassado como verdade absoluta, este novo ensino oferece a oportunidade ao aluno de  ver  que  ele  pode  sim  ser  transmissor  de  sua  própria  história  assim  como  as  das  demais, dessa  forma  o  professor  acaba  ajudando  os  alunos  a  adquirirem  as  ferramentas  necessárias atraves de recursos e avaliaçoes rque possam aprender a pensar historicamente.
 
ANÁLISE DA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA
A escola Estadual Rivanda de Nazaré Silva Guimarões está localizada no bairro novo horizonte, ela funciona nos três turnos, oferecendo educação voltada para o Ensino Fundamental, Ensino Médio Regular, Ensino Médio Inovador e Educação de Jovens e Adultos (EJA Médio), nos períodos diurno, vespertino e noturno. 
Este Projeto tem como finalidade orientar o trabalho/vivência escolar, entrelaçando as Vidas através de relações interpessoais e com outros seres de vida que, de alguma forma, sejam significativos na construção do conhecimento-ação. Indica, também, as concepções gerais e as visões de mundo que orientam o trabalho/vivência escolar,