A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
102 pág.
Apostila Teorias da Comunicacao

Pré-visualização | Página 24 de 24

as funções da linguagem. 
Mas não basta analisar as potencialidades de cada código e texto. É preciso 
também levar em conta outros aspectos da linguagem. O russo Roman 
Jakobson (1969) diz que todo processo comunicativo engloba seis aspectos, 
sendo que a cada um desses aspectos corresponde uma diferente função da 
linguagem: 
Para Jakobson, no processo comunicativo, há sempre ênfase em um 
desses aspectos, mesmo que eles se alternem ao longo do tempo e do 
enunciado. Alguns autores criticam a visão de Jakobson do processo 
comunicativo, ainda fortemente influenciada pelo paradigma de Lasswell. 
Outros autores, porém, concordam que o esquema jakobsoniano é 
aplicável à análise de diversos produtos e mensagens comunicativos. 
função emotiva 
função conativa 
função referencial 
função poética 
função fática 
função metalingüística 
emissor 
receptor 
referente (ou contexto) 
mensagem 
canal (ou contato) 
código 
Voltando à discussão inicial do tópico, percebe-se que: 
1) análise das linguagens, até aqui, foca-se em suas capacidades de 
significação (semióticas), mas atreladas ao código (texto, imagem); 
conseqüentemente, por sua incompletude, todas são passíveis de uma 
ambigüidade interpretativa (a polissemia), ou seja: um signo pode ser 
interpretado de mais de um modo ou significar algo diferente do esperado 
(ver Semiótica e Pós-Estruturalismo, por exemplo); 
2) várias teorias da comunicação buscaram o “verdadeiro” [ideológico] 
sentido das mensagens (estruturalismo, Escola de Frankfurt, por exemplo). 
3) de ambas as hipóteses acima, percebe-se uma outra coisa: que seria 
(é) preciso se alfabetizar (textualmente, visualmente, sonoramente) diante 
de um código/linguagem para tentar interpretá-lo de modo “correto” (seja 
em termos de sentido, de ideologia ou de ambos); 
4) comprender um texto é compreender as diferentes matérias (códigos, 
sinais, textos) de que ele é feito; 
5) se linguagem é incompleta/inadequada, textos dela derivados também 
têm potencialmente essas mesmas características. 
 
 
: 
PARA LER MAIS 
AGUIAR, Vera Teixeira de. O Verbal e o Não Verbal. São Paulo, Unesp, 
2004. 
BARTHES, Roland. “A Mensagem Fotográfica”. In: BARTHES, Roland. O 
Óbvio e o Obtuso. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1990. 
CHAPPÉ, Jean-Marie. L’Infographie de Presse. 2. ed., Paris, Victoires 
Éditions, 2005. 
DUBOIS, Philippe. El Acto Fotográfico - de la representación a la recepción. 
Barcelona, Paidós,1986. 
ECO, Umberto. Lector in Fabula - a cooperação interpretativa nos textos 
narrativos. São Paulo, Perspectiva, 1986. 
GAUDREAULT, André & JOST, François. Le Récit Cinématographique. 
Paris, Éditions Nathan, 1990. 
GAUTHIER, Guy. Veinte Lecciones Sobre la Imagen y el Sentido. 3. ed., 
Madri, Cátedra, 1996. 
GENETTE, Gérard. Palimpsestes - la littérature au second degré. Paris, 
Seuil, 1992. 
GENETTE, Gérard. Paratexts - thresholds of interpretation. Cambridge, 
Cambridge University Press, 1997. 
JAKOBSON, Roman. Lingüística e Comunicação. São Paulo, Cultrix, 1969. 
JOUVE, Vincent. La Lecture. Paris, Hachette, 1993. 
KRISTEVA, Julia. Introdução à Semanálise. São Paulo, Perspectiva, 1974. 
McCLOUD, Scott. Desvendando os Quadrinhos. São Paulo, M.Books, 2005. 
PANOFSKY, Erwin. Estudos de Iconologia - temas humanísticos na arte 
do renascimento. Lisboa, Editorial Estampa, 1986. 
PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo, Perspectiva, 1995. 
PELTZER, Gonzalo. Jornalismo Iconográfico. Lisboa, Planeta Editora, 1992. 
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral. São Paulo, Cultrix, 
1969. 
SCHAEFFER, Jean-Marie. A Imagem Precária. Campinas, Papirus, 1996. 
VERÓN, Eliseo. Ideologia, Estrutura e Comunicação. 2. ed., São Paulo, 
Cultrix, 1977. 
 
 
AUSTIN, J.L. Quando Dizer é Fazer - palavras e ação. Porto Alegre, Artes 
Médicas, 1990. 
 
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação – a comunicação dos marginalizados. 
São Paulo, Cortez, 1980. 
 
BOUGNOUX, Daniel. Introdução às Ciências da informação e da Comunica- 
ção. Petrópolis, Vozes, 1994. 
 
CANEVACCI, Massimo. Antropologia da Comunicação Visual. São Paulo, 
Brasiliense, 1990. 
 
MCQUAIL, Denis. Introducción a la Teoría de la Comunicación de Masas. 
Paidós, Barcelona, 1985. 
 
MIÈGE, Bernard. O Pensamento Comunicacional. Petrópolis, Vozes, 2000. 
 
RODRIGUES, Adriano Duarte. Comunicação e Cultura - a experiência cultu- 
ral na era da informação. Lisboa, Editorial Presença, 1994. 
 
SILVERSTONE, Roger. Por Que Estudar a Mídia? São Paulo, Loyola, 2002. 
 
SODRÉ, Muniz. O Monopólio da Fala. Petrópolis, Vozes, 1977. 
 
THOMPSON, John B. A Mídia e a Modernidade. Petrópolis, Vozes, 1998. 
 
VERÓN, Eliseo. Efectos de Agenda. Gedisa, Barcelona, 1999. 
 
 
BIBLIOGRAFIA CITADA