Buscar

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 85 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 85 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 85 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

0 
 
 
UUUNNNIIIVVVEEERRRSSSIIIDDDAAADDDEEE EEESSSTTTAAADDDUUUAAALLL DDDOOO OOOEEESSSTTTEEE DDDOOO PPPAAARRRAAANNNÁÁÁ 
 CCCAAAMMMPPPUUUSSS DDDEEE TTTOOOLLLEEEDDDOOO 
 
 
 
ALINE ROSSA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TOLEDO 
2011 
 
 
1 
 
ALINE ROSSA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO 
 
 
 
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado 
ao Curso de Serviço Social, Centro de 
Ciências Sociais Aplicadas da Universidade 
Estadual do Oeste do Paraná, como requisito 
parcial à obtenção do grau de Bacharel em 
Serviço Social. 
 
Orientadora: Ms. Carmen Pardo Salata. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TOLEDO 
2011 
 
2 
 
ALINE ROSSA 
 
 
 
 
 
 
SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO 
 
 
 
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado 
ao Curso de Serviço Social, Centro de 
Ciências Sociais Aplicadas da Universidade 
Estadual do Oeste do Paraná, como requisito 
parcial à obtenção do grau de Bacharel em 
Serviço Social. 
 
 
BANCA EXAMINADORA 
 
 
___________________________________ 
 Profª Orientadora: Ms Carmen Pardo Salata 
Universidade Estadual do Oeste do Paraná 
 
___________________________________ 
 Profª 
Universidade Estadual do Oeste do Paraná 
 
___________________________________ 
 Profª 
Universidade Estadual do Oeste do Paraná 
 
Toledo, Novembro de 2011. 
 
 
 
 
 
 
 
3 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Dedico este trabalho á minha família, meu pai Euclides, minha mãe 
Mari e minhas irmãs Jéssica e Gabriela. Também ao meu 
namorado Michel, minha orientadora professora Carmen, aos 
sujeitos de minha pesquisa e a todos que colaboraram para sua 
materialização. 
4 
 
AGRADECIMENTOS 
 
Agradeço primeiramente a Deus por ter me iluminado durante todo o processo de 
graduação e ter possibilitado a concretização deste Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). 
A minha família, meu pai Euclides, minhas irmãs Jéssica e Gabriela e em especial, 
minha mãe Mari, que me apoiou e deu forças nos momentos em que pensei que a única 
alternativa fosse à desistência. É difícil expressar em palavras toda a gratidão que tenho por 
vocês. Talvez a melhor maneira de agradecê-los seja através de um canto intitulado É BOM 
TER FAMÍLIA: 
 
 Como é bom ter a minha família, como é bom! Vale a pena vender tudo mais para 
poder comprar. Esse campo que esconde um tesouro, que é puro dom, é meu ouro, 
meu céu, minha paz, minha vida, meu lar. (Pe: Antônio Maria) 
 
Só tenho a dizer a vocês Muito Obrigada, eu os Amo. 
 
 Ao meu namorado, que foi compreensivo e tolerante para comigo nos períodos de 
crise, me auxiliando sempre que possível. Obrigada por todas as vezes que estudou junto de 
mim, aqueles conteúdos “chatos” dos quais não entendia uma palavra. Por estar comigo em 
todos os momentos da minha vida, nas vitórias, conquistas, nas derrotas e obstáculos. 
Obrigada, Te Amo Muito. 
As minhas amigas: Andréia, Claudete, Fábia, Jéssica e Josiane. Nesses quatro anos 
de curso foram tantos os resumos que fazíamos juntas para estudar para as provas, conversas 
jogadas fora, momentos de diversão, de desabafos e orientações que levarei sempre comigo. 
Obrigada meninas por esses e tantos outros momentos de alegria e muitas vezes de angústia 
que compartilhamos e que me fizeram crescer na vida pessoal e profissional. 
A todos os meus colegas de classe. Todos vocês tem um lugar especial no meu 
coração. Jamais os esquecerei. 
A você Carmen Pardo Salata, que além de orientadora deste TCC, é minha amiga 
que me entendeu e auxiliou da melhor forma possível nos momentos de dificuldade e 
desespero na ânsia de concluir o presente Trabalho. Saiba que você contribuiu 
significativamente para minha formação, não apenas na elaboração deste TCC, mas em todo o 
processo de formação profissional. Foi difícil, mas conseguimos. Muito Obrigada. 
A todos os professores do curso de Serviço Social que, em maior ou menor grau 
fizeram parte da história e da concretização da minha graduação, alguns durante os quatro 
anos de curso, outros por um pequeno espaço de tempo. Jamais esquecerei de vocês que 
5 
 
diziam incansavelmente que a formação profissional em Serviço Social não se esgota na 
graduação, ser Assistente Social requer permanente aprimoramento intelectual. Muito 
Obrigada a todos. 
Estendo meus sinceros agradecimentos aos sujeitos de minha pesquisa, pela 
colaboração e o tempo que disponibilizaram para as entrevistas. Sem seus depoimentos não 
seria possível materializar este TCC. 
A todos que contribuíram para minha formação profissional, expresso aqui minha 
gratidão. Ressalto que este TCC é a primeira de muitas conquistas que ainda estão por vir 
enquanto profissional. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
6 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 “[...] educadores e assistentes sociais são profissionais que 
compartilham desafios semelhantes, ambos têm na escola seu ponto 
de encontro. Dentro desses possíveis espaços de atuação profissional 
apresenta-se como ponto fundamental no contexto da profissão a 
dimensão educativa, procurando direcionar o processo de trabalho 
do assistente social através de ações interdisciplinares de orientação 
e informação, incentivando gestões participativas e contribuindo para 
a construção de novos sujeitos sociais.” (MICHELI KLAUBERG 
FAUSTINO). 
7 
 
ROSSA, Aline. Serviço Social na Educação. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado 
em Serviço Social). Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Universidade Estadual do Oeste do 
Paraná - Campus - Toledo, 2011. 
 
 
RESUMO 
 
 A presente pesquisa tem como tema: Serviço Social na Educação. Como objetivo geral: 
Conhecer os limites e possibilidades da atuação profissional do assistente social na Secretaria 
Municipal da Educação de Toledo - Paraná. Os objetivos específicos são: 1- Contextualizar 
historicamente a atuação profissional do assistente social na Secretaria Municipal da 
Educação de Toledo – Paraná; 2- Caracterizar os recursos materiais, financeiros e humanos 
disponíveis para a educação municipal de Toledo no ano de 2011; 3- Verificar as demandas 
postas para o Serviço Social na Secretaria Municipal da Educação do município de Toledo – 
Paraná no ano de 2011; 4- Identificar limitações e possibilidade da atuação profissional do 
assistente Social na Secretaria Municipal da Educação de Toledo – Paraná, com base na Lei 
de Regulamentação da Profissão, Código de Ética Profissional do Assistente Social e 
Resolução CFESS. O problema da pesquisa é: Como se efetiva a prática profissional do 
assistente social na Secretaria Municipal da Educação de Toledo? Em relação a estrutura do 
trabalho estáassim dividida: 1. Introdução, 2. A inserção de assistentes sociais na educação, 
subitem 2.1: Atribuições específicas do Serviço Social na Educação pelo CFESS. O segundo 
capítulo trata do Serviço Social na Educação no município de Toledo, trazendo a 
caracterização do ambiente da pesquisa. 3. A prática profissional do assistente social na 
Secretaria Municipal da Educação de Toledo; 3.1. Projeto Escola de Pais; 3.2 Projeto 
Sexualidade nas Escolas; 3.3 Caracterização do Ambiente da Pesquisa; 3.3.1 A Secretaria 
Municipal da Educação (SMED); 3.3.2 Histórico do Centro de Atenção Psicossocial 
(Centrinho) ao atual Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação (NEPE); No terceiro capítulo 
apresenta-se os procedimentos metodológicos da pesquisa; 4.1 Contextualização histórica da 
prática profissional do assistente social na SMED Toledo; 4.1.2 Condições éticas e técnicas 
para o exercício profissional do assistente social: limites e possibilidades da SMED; 4.1.3 
Recursos materiais, financeiros e humanos disponíveis versus oferta e demanda dos serviços; 
4.2 . Representação gráfica e análise dos dados coletados da pesquisa de campo. A pesquisa 
foi de natureza bibliográfica e documental e a coleta de dados realizada por meio da entrevista 
mediante roteiro, que foi aplicado com assistentes sociais que atuam ou já atuaram na SMED 
desde a sua criação. 
 
Palavras-chave: Atuação profissional, Educação, Serviço Social. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
8 
 
LISTA DE GRÁFICOS 
 
Gráfico 1 - Tempo de trabalho de assistentes sociais prestado na Secretaria Municipal da 
Educação de Toledo 38 
Gráfico 2 - Receitas e despesas da educação municipal de Toledo para o ano de 2011 50 
Gráfico 3- O Projeto ético-político profissional do Serviço Social: efetividade na área 
educacional 54 
Gráfico 4 - Limites na atuação profissional 55 
Gráfico 5 - Possibilidades na atuação profissional 56 
Gráfico 6 - Existência de autonomia dos assistentes sociais na educação pública 57 
Gráfico 7 - Demanda dos serviços sociais na educação municipal de Toledo 58 
Gráfico 8 - Oferta dos serviços sociais na educação municipal de Toledo 58 
Gráfico 9 - Disponibilidade dos recursos materiais 59 
Gráfico 10 - Disponibilidade de recursos financeiros 60 
Gráfico 11 - Disponibilidade de recursos humanos 60 
Gráfico 12 - Existência de condições administrativas, éticas e técnicas para o exercício 
profissional do assistente social na SMED 61 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
9 
 
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 
 
AIDS – Síndrome de Deficiência Imunológica Adquirida 
BPC – Benefício de Prestação Continuada 
CAIC – Centro de Atenção Integral a Criança 
CBAS – Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais 
CENTRINHO – Centro de Atenção Psicossocial 
CEP – Comitê de Ética e Pesquisa 
CFESS – Conselho Federal de Serviço Social 
CMEIs – Centros Municipais de Educação Infantil 
CRAS - Centro de Referência de Assistência Social 
CREAS – Centro de Referência Especializada de Assistência Social 
CRESS – Conselho Regional de Serviço Social 
DSTs – Doenças Sexualmente Transmissíveis 
ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente 
ENPESS – Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social 
ES – Espírito Santo 
IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Social 
LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação 
LOAS – Lei Orgânica da Assistência Social 
MEC – Ministério de Educação 
NEPE - Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação 
PDT – Partido Democrático Trabalhista 
PETI – Programa de Erradicação do Trabalho Infantil 
PEC - Proposta de Emenda à Constituição 
PL – Projeto de Lei 
PLC – Projeto de Lei da Câmara 
PME – Plano Municipal de Educação 
PNE – Plano Nacional de Educação 
SMED – Secretaria Municipal da Educação 
TCC - Trabalho de Conclusão de Curso 
TCLE – Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 
10 
 
SUMÁRIO 
 
1 INTRODUÇÃO ................................................................................................................... 11 
2 A INSERÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ....................................13 
2.1 ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO PELO 
CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL - CFESS .................................................. 17 
 3 A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SECRETARIA 
MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE TOLEDO .................................................................. 21 
3.1 PROJETO ESCOLA DE PAIS..........................................................................................22 
3.2 PROJETO SEXUALIDADE NAS ESCOLAS ................................................................. 24 
3.3 CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE DA PESQUISA ............................................... 26 
3.3.1 A Secretaria Municipal da Educação (SMED) ............................................................... 29 
3.3.2 Histórico do Centro de Atenção Psicossocial (Centrinho) ao atual Núcleo de Estudo e 
Pesquisa em Educação (NEPE) ............................................................................................... 30 
4.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA .......................................... 35 
4.1CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA DA PRÁTICA PROFISSIONAL DO 
ASSISTENTE SOCIAL NA SMED TOLEDO........................................................................38 
4.1.1 Condições éticas e técnicas para o exercício profissional do assistente social: limites e 
possibilidades da SMED...........................................................................................................44 
4.1.2Recursos materiais, financeiros e humanos disponíveis versus oferta e demanda dos 
serviços sociais..........................................................................................................................49 
4.2 Representações gráfica e análise dos dados coletados da pesquisa de campo....................54 
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS.............................................................................................62 
REFERÊNCIAS......................................................................................................................64 
APÊNDICES............................................................................................................................67 
APÊNDICES A-Formulário de entrevista................................................................................68 
APÊNDICES B-Termo de consentimento livre e esclarecido..................................................71 
ANEXOS..................................................................................................................................73 
ANEXO A-Quadro das escolas municipais de Toledo.............................................................74 
ANEXO B-Quadro de identificação dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) 
2011...........................................................................................................................................76ANEXO C-Orçamento 2011 - Aplicação dos recursos na política municipal de educação de 
Toledo.......................................................................................................................................78 
ANEXO D-Quadro de recursos humanos disponíveis para a educação municipal de Toledo 
2011...........................................................................................................................................81 
ANEXO E-Relatório de aprovação do CEP.............................................................................83 
 
 
 
 
 
 
 
 
11 
 
1 INTRODUÇÃO 
 
O tema da pesquisa é: Serviço Social na Educação. Este tema se justifica pela 
experiência do Estágio Supervisionado em Serviço Social I e II realizado no Núcleo de 
Estudo e pesquisa em Educação (NEPE), junto à Secretaria Municipal da Educação de Toledo 
(SMED). 
Em se tratando da SMED de Toledo, a bibliografia e quantidade de material produzido 
sobre Serviço Social na Educação é escasso. Por isso, se deu a busca pela produção de novos 
conhecimentos que possibilitem instrumentalizar a atuação profissional do assistente social 
neste campo interventivo e dar maior visibilidade à sua atuação em equipes 
multiprofissionais. 
Pretende-se através deste Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dar visibilidade a 
atuação do Serviço Social, particularmente na política de educação para a comunidade escolar 
(diretores, professores, funcionários, famílias) para que estes adquiram conhecimento e 
compreendam a importância das competências e atribuições profissionais do assistente social 
no espaço educacional. 
O problema da pesquisa é: como se efetiva a prática profissional do assistente social 
na Secretaria Municipal da Educação de Toledo? Para dar respostas ao problema proposto foi 
definido como Objetivo geral: conhecer os limites e possibilidades da atuação profissional do 
assistente social na Secretaria Municipal da Educação de Toledo - Paraná. Os objetivos 
específicos são: 1 - Contextualizar historicamente a atuação profissional do assistente social 
na Secretaria Municipal da Educação de Toledo – Paraná; 2 - Caracterizar os recursos 
materiais, financeiros e humanos disponíveis para a educação municipal de Toledo – Paraná 
no ano de 2011; 3 - Verificar as demandas postas para o Serviço Social na Secretaria da 
Educação do Município de Toledo – Paraná no ano de 2011; 4 - Identificar limitações e 
possibilidades da atuação profissional do assistente social na Secretaria Municipal da 
Educação de Toledo – Paraná, com base na Lei de Regulamentação da Profissão, Código de 
Ética Profissional do Assistente Social e Resolução CFESS. 
A pesquisa foi de natureza bibliográfica e documental e a coleta de dados foi 
realizada por meio da entrevista mediante roteiro, conforme apêndice A. 
As entrevistas foram aplicadas a sete1 profissionais assistentes sociais que atuam ou 
 
1
 Inicialmente seriam entrevistadas oito assistentes sociais para o presente trabalho, não havendo seleção de 
amostra entre as profissionais. Mas, uma das Assistentes Sociais não pôde participar da entrevista por motivos de 
saúde. 
12 
 
atuaram junto a SMED – Toledo no período de 1991 a 2011. A entrevista mediante roteiro 
permite um contato maior entre entrevistador e entrevistado, não se perdendo o foco do 
objetivo a ser atingido. Através da entrevista, podem ser verificadas algumas reações dos 
sujeitos da pesquisa, possibilitando uma contribuição na análise e interpretação dos dados. 
A fundamentação teórica deste trabalho teve como base alguns autores principais, 
dentre eles: Almeida (2003 e 2011), Souza (2005), Salata (2007) que contribuíram na 
contextualização histórica do Serviço Social na Educação. 
Quanto à estrutura do trabalho, está assim organizada: Capítulo 2 A inserção de 
assistentes sociais na Educação, subitem 2.1: Atribuições específicas do Serviço Social na 
Educação pelo Conselho Federal de Serviço Social – CFESS. Em relação ao segundo 
capítulo, trata especificamente do Serviço Social na Educação no município de Toledo, além 
de traçar um contexto geral do ambiente da pesquisa. Capítulo 3. A prática profissional do 
assistente social na Secretaria Municipal da Educação de Toledo; 3.1. Projeto Escola de Pais; 
3.2 Projeto Sexualidade nas Escolas; 3.3 Caracterização do ambiente da pesquisa; 2.3.1 A 
Secretaria Municipal da Educação (SMED); 3.3.2 Histórico do Centro de Atenção 
Psicossocial (Centrinho) ao atual Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação (NEPE). No 
capítulo 4 Procedimentos metodológicos da pesquisa; 4.1 Contextualização histórica da 
prática profissional do assistente social na SMED Toledo; 4.1.2 Condições éticas e técnicas 
para o exercício profissional do assistente social: limites e possibilidades da SMED; 3.1.3 
Recursos materiais, financeiros e humanos disponíveis versus oferta e demanda dos serviços 
sociais. No capítulo 5. Análise gráfica dos dados coletados junto aos sujeitos da pesquisa para 
possibilitar a compreensão e visualização da totalidade dos dados obtidos. 
Neste TCC foi possível concluir com especial destaque a relevância social que tem o 
Serviço Social na área da Educação. Ainda quanto à necessidade do acompanhamento por 
parte do profissional assistente social junto às equipes multiprofissionais em processo de 
trabalho interdisciplinar, atendendo as expressões da “questão social” que se particularizam 
nesse campo. Observou-se que na área educacional existem entraves e possibilidades para o 
desenvolvimento do trabalho profissional, os quais são originados na relação entre os 
profissionais da equipe, bem como pelos recursos materiais, financeiros e humanos 
disponíveis para a área da educação, em específico no município de Toledo. 
 
 
 
 
13 
 
2 A INSERÇÃO DE ASSISTENTES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO 
 
A presença do/a assistente social na área da educação
2
 é anterior à década de 1930, 
originando-se nos processos sócio-históricos que constituíram a profissão Serviço Social. Mas 
foi a partir da década de 1990 que se realizou o adensamento da discussão sobre as políticas 
sociais
3
 como um lócus de trabalho específico do Serviço Social. A partir daí, o 
amadurecimento do Projeto ético-político profissional
4
 foi fundamental para o crescimento do 
espaço do Serviço Social na Educação e frente a essa nova realidade, é que a requisição desse 
profissional obteve uma considerável demanda. 
Em 2001, no 30º Encontro Nacional do Conselho Federal e Conselhos Regionais de 
Serviço Social é que se constituiu o primeiro grupo de estudos sobre o Serviço Social na 
Educação. Entre janeiro a setembro de 2011, o trabalho do conjunto CFESS/CRESS produziu 
um relatório
5
 específico a partir de uma pesquisa nacional junto aos assistentes sociais 
inseridos no campo educacional, estando sob a responsabilidade e coordenação dos CRESS, 
os grupos de estudos a respeito desta área de trabalho. 
 
2
 Conforme o artigo 205 da Constituição Federal de 1988: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da 
família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da 
pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”. Para Gadotti (1983), a 
educação é considerada, um processo cultural, que faz parte do conteúdo global da sociedade. É uma prática 
social em intensa relação com o contexto sócial-político-econômico, e somente a partir deste, pode ser 
interpretada, uma vez que é ali que ela obtém seu significado e tornam-se inteligíveis suas finalidades e métodos,por ser um fenômeno intimamente ligado às situações histórico-culturais. A educação deve ser compreendida 
como um processo político, exatamente por traduzirem objetivos e interesses de grupo social economicamente 
diferente”. 
3
 De acordo com Vieira (1992, p.19), a política social aparece no capitalismo construída a partir das 
mobilizações operárias sucedidas ao longo das primeiras revoluções industriais na Inglaterra, a partir de 1848. A 
política social compreendida com estratégia governamental de intervenção nas relações sociais, unicamente pôde 
existir com o surgimento de movimentos populares do século XIX. E para Behring (2006, p.37), “ [...] pelo 
ângulo político, as políticas sociais são vistas como mecanismos de cooptação e legitimação da ordem 
capitalista[...]” 
4
 Trata-se de uma projeção coletiva que envolve sujeitos individuais e coletivos em torno de uma determinada 
valoração ética que está intimamente vinculada a determinados projetos societários presentes na sociedade que 
se relacionam com os diversos projetos coletivos (profissionais ou não) em disputa na mesma sociedade. 
5
 Mapear as experiências e práticas profissionais existentes e promover a reflexão sobre o Serviço Social na 
Educação, visando possibilitar a qualificação da inserção profissional nesta política; Apresentar produções 
teóricas sobre a Política Social de Educação e sobre as particularidades da inserção do Serviço Social nesta 
política que subsidiem a pesquisa e o trabalho profissional na área: apresentações de trabalho no ENPESS, 
CBAS, publicações na revista “Serviço Social e Sociedade” e outras revistas acadêmicas vinculadas ao debate da 
profissão, dissertações, teses e livros publicados; Apresentar orientação para a proposição de projetos de Lei 
sobre a inserção do Serviço Social na Educação; Contribuir para a intensificação da luta pela Educação como 
direito social e a consolidação do Serviço Social nesta Política Pública, a partir da participação em Conferências, 
Conselhos de Educação e Conselhos da Criança e do Adolescente e articulação com os Conselhos profissionais, 
sindicatos, executivo, legislativo, Ministério Público e outras forças políticas; Apontar as reflexões teóricas e 
políticas que permearam a constituição e história do Grupo de Trabalho do Conjunto CFESS/CRESS sobre o 
Serviço Social na Educação. (CFESS/CRESS – setembro de 2011) 
 
 
14 
 
Particularmente para este trabalho, foi realizada uma pesquisa com base na atuação 
de assistentes sociais na Educação municipal de Toledo entre os anos de 1991 a 2011 para, 
conhecer os limites e possibilidades da atuação profissional do assistente social na Secretaria 
Municipal da Educação de Toledo – Paraná. Este é, portanto o objetivo deste trabalho. Para 
isso buscou-se em Almeida (2003 e 2011), o embasamento teórico para a discussão deste 
tópico. Conforme o autor, nos últimos anos se intensificaram os encontros e demandas para 
discutir a inserção do assistente social no campo educacional. O interesse pela inserção do 
profissional na Educação não é exclusivamente deste, mas, também, das Secretarias 
Municipais de Educação, professores dos diversos níveis de ensino, Conselhos Regionais de 
Serviço Social e os acadêmicos de graduação deste campo de atuação. A necessidade de 
inserção do assistente social no campo educacional se coloca na última década como foco de 
rediscussão: 
 
[...] Caudatária dos avanços e acúmulos teóricos da profissão nas discussões em 
torno das políticas sociais como lócus privilegiado da ação profissional, assim como 
da própria organização política da categoria e das estratégias de articulação aos 
movimentos sociais que atuam na construção de um novo projeto societário, onde a 
luta pela conquista da cidadania se tornou um componente fundamental para sua 
unidade. (ALMEIDA, 2003)
6
. 
 
Ainda, conforme Almeida (2003) em sua palestra proferida no I Encontro de 
Assistentes Sociais na área da Educação em 28 de março do mesmo ano em Belo Horizonte, o 
campo de atuação do assistente social que abrange as políticas sociais passa a ser foco de 
interesse teórico e político deste profissional. Assim, as possibilidades de atuação do Serviço 
Social no campo educacional é mediado por movimentos inerentes às relações políticas e 
institucionais, travadas pela categoria profissional enquanto sujeito coletivo na própria 
dinâmica social. 
As contradições existentes na relação público-privado colocam a necessidade de 
inserção do assistente social na política educacional, este terá a possibilidade de garantir o 
direito a educação para a cidadania, que vá para além do cotidiano, das ações repetitivas e 
impensadas, que se caracterize como uma educação transformadora das relações e da 
dinâmica posta. De modo que o aluno se reconheça como sujeito escritor e construtor de sua 
própria história diante da educação recebida. Além disso, sendo a educação um direito 
 
6
 ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Serviço Social e política educacional: um breve balanço dos avanços e 
desafios desta relação. Palestra apresentada no 1° Encontro de Assistentes Sociais na Área da Educação. Belo 
Horizonte, 2003. 
 
15 
 
garantido em lei, esta deve ser ofertada pela esfera pública, e com qualidade, o que deve ser 
motivo de luta da categoria profissional dos assistentes sociais e da sociedade como um todo. 
Cabe reforçar o comentário acima, à luz de Ney Almeida, (2011, p.26)
7
, conforme o 
autor as desigualdades sociais é o que vem dificultando o acesso a educação em nosso país, 
deixando de ser uma “política efetivamente pública”. 
Outros autores dão sua contribuição, como Souza (2005), que afirma que, o 
assistente social tem na realidade social o foco de suas ações as quais variam de acordo com 
as múltiplas representações e linguagens. Neste sentido, o profissional possui competências 
dispostas em seu Código de Ética - (CFESS Resolução 273/93) para planejar, propor, elaborar 
e executar projetos sociais em defesa do respeito à diversidade, fortalecimento da cidadania e 
democracia. 
 
 O assistente social se fortalece no campo da educação por atuar em um espaço 
onde a diversidade humana, cultural e econômica estão presentes, as relações 
interpessoais estão em constante processo de ruptura e aliança, a competição, o 
individualismo, a dualidade de poderes reclamam ações que transformem o ser 
humano enquanto autor e ator de uma história com posturas éticas. Apesar de a 
educação escolar ainda não ser um campo fértil de trabalho dos assistentes sociais 
são as próprias alterações processadas no mundo educacional, da informação e da 
tecnologia que demandam a sua inserção em articulação com os demais 
profissionais. (SOUZA, 2005, p. 38-39). 
 
Neste sentido, verifica-se que o assistente social é requisitado para atuar na política 
educacional devido à dinâmica social posta pelo capitalismo (mudanças trabalhistas e 
culturais) e não unicamente pelo desejo da categoria profissional em conquistar novos espaços 
de trabalho. E, retornando a Almeida (2003), além das mudanças do mundo do trabalho e 
culturais que deflagram rebatimentos significativos na política educacional, também outros 
fenômenos são alvos de preocupações em especial dos assistentes sociais. Por isso, tem 
aumentado a presença desses profissionais na política educacional, como ressalta este autor: 
 
 O primeiro fenômeno relaciona-se a uma tendência no campo das políticas 
governamentais voltadas para o enfrentamento da pobreza e para a garantia de uma 
renda mínima que tomam a inserção e a participação no ensino regular das criançasdas famílias atendidas. [...] O que tenho observado é que a própria diversificação e 
ampliação dos programas e projetos sociais sejam eles de corte municipal, estadual 
ou federal, voltados para o enfrentamento da pobreza acabam reforçando esta 
tendência e criando vínculos institucionais entre as diversas secretarias e instâncias 
as quais se subordinam com a rede de ensino fundamental por todo o país. 
(ALMEIDA, 2003). 
 
7
 ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Apontamentos sobre a política de educação no Brasil hoje e a inserção dos 
assistentes sociais. In: CAMPOS, Edival Bernardino et al. Subsídios para o debate sobre Serviço Social na 
educação.: Brasília: CFESS/CRESS, jun. 2011a, p.12-27. 
 
16 
 
O assistente social enquanto profissional inserido na política de educação tem a 
possibilidade de garantir o acesso aos direitos de crianças e famílias em vulnerabilidade 
social, desde que atendidas as condicionalidades exigidas para recebimento dos benefícios 
sociais. Um segundo fenômeno que exige a presença cada vez maior dos profissionais de 
Serviço Social na Educação de acordo com Almeida (2003), se relaciona às manifestações da 
“questão social” 8 que se apresentam no cotidiano escolar e neste sentido colocam a 
necessidade de dialogo e aproximação do professor com as demais áreas profissionais e 
serviços sociais como estratégias de enfrentamento das problemáticas que se manifestam no 
cotidiano escolar. 
 
 [...] A escola pública e, mesmo, a particular, na esfera do ensino fundamental, se 
vê atravessada, hoje, por uma série de fenômenos que, mesmo não sendo novos ou 
estranhos ao universo da educação escolarizada, hoje se manifestam de forma muito 
mais intensa e complexa: a juventude e seus processos de afirmação e 
reconhecimento enquanto categoria social, exacerbadamente, mediado pelo 
consumo; a ampliação das modalidades e a precoce utilização das drogas pelos 
alunos; a invasão da cultura e da força do narcotráfico; a pulverização das estratégias 
de sobrevivência das famílias nos programas sociais; a perda de atrativo social da 
escola como possibilidade de ascensão social e econômica; a desprofissionalização 
da assistência no campo educacional com a expansão do voluntariado; a gravidez na 
adolescência tomando o formato de problema de saúde pública e a precarização das 
condições de trabalho docentes são algumas das muitas expressões da questão 
social. (ALMEIDA, 200-?, p.4-5)
9
. 
 
A atuação do assistente social em qualquer área de intervenção profissional tem 
como objeto as expressões da “questão social”, as quais estão se apresentando cada vez mais 
complexas devido às transformações oriundas do modo de produção capitalista e que exigem 
articulação profissional com as diversas áreas do saber. Mas para Almeida, “[...] a 
complexificação da “questão social” tem sido acompanhada da fragmentação de uma de suas 
principais estratégias de enfrentamento: as políticas sociais”. (ALMEIDA, 2003). 
As políticas sociais nos moldes capitalistas se apresentam fragmentadas, ou seja, a 
interlocução entre elas (saúde, educação, assistência social) é mínima, o que dificulta uma 
intervenção de totalidade com vistas à ampliação dos direitos sociais e transformação da 
 
8Segundo Netto (2001, p, 42), a expressão “questão social”, surge como denominação do fenômeno do 
pauperismo da população trabalhadora na Europa Ocidental que vivia os impactos da Revolução Industrial que 
teve início na Inglaterra por volta do século XVIII. Netto afirma, que pela primeira vez na história registrada, a 
medida que aumentava a capacidade social de produzir riquezas, crescia a pobreza, tornando-se claro para os 
observadores da época, independente de sua posição ídeo - política, que tratava-se de um novo fenômeno. 
9
ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. A educação como direito social e a inserção dos assistentes sociais em 
estabelecimentos educacionais. In: QUINTÃO, André. O Serviço Social e a política pública de educação. Belo 
Horizonte,[200?].Disponívelem:<http://docentes.ismt.pt/~eduardo/supervisao_estagio/documents/13_ServicoSoc
ialnaEducacao.pdf> Acesso em: 12 de abr. 2011. 
. 
17 
 
realidade social. Voltando a Almeida (2003), “existem nítidos sinais de estrangulamento e 
redimensionamento deste relacionamento indicando novos espaços ocupacionais, assim como 
novas dinâmicas interinstitucionais estão sendo forjadas à nova realidade social.” Para o 
autor, os espaços educacionais demandam “novos aportes sociais e profissionais” para 
desenvolver seu trabalho. Assim, “[...] as instituições e os profissionais da rede de proteção 
social passam a formular projetos e ações exclusivamente dirigidas para as escolas” 
(ALMEIDA, 2003). Vale ressaltar que, para que o trabalho profissional do assistente social 
ganhe visibilidade, particularmente na política de educação, é necessário que este envolva em 
sua execução a capacidade crítica, criativa e propositiva. 
Assim, poderá propor, elaborar, implementar e executar programas e projetos que 
visem o enfrentamento das expressões da “questão social”. A atuação do profissional na 
referida área requer além do enfrentamento das problemáticas postas, é preciso que este 
também se antecipe aos encaminhamentos e, neste sentido realize um trabalho de prevenção 
para que determinadas situações não se apresentem. Certamente as ações profissionais não 
trarão resultados imediatos no sentido de transformar a realidade, mas por meio da 
cooperação e articulação entre os profissionais e políticas sociais será possível. Após conhecer 
e analisar realidade social até modificar ou transformar a vida de alunos e famílias demanda 
um longo espaço de tempo, já que exige conhecimentos, habilidades e competência técnica de 
assistentes sociais. 
 
2.1 ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO PELO 
CONSELHO FEDERAL DE SEVIÇO SOCIAL - CFESS 
 
A inserção do profissional assistente social na política de educação é também tratada 
pelo Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) - em seu livro intitulado “O Serviço Social 
na Educação” (2001). De acordo com este órgão de defesa e fiscalização da profissão o 
assistente social na área educacional pode atuar na: 
 
 Pesquisa de natureza sócio–econômica e familiar para a caracterização da 
população escolar; 
 Elaboração e execução de programas de orientação sócio familiar visando prevenir a 
evasão escolar e melhorar o desempenho e rendimento do aluno e sua formação para 
o exercício de cidadania; 
 Participação em equipe, da elaboração de programas que visem prevenir a violência, 
o uso de drogas e o alcoolismo, bem como que visem prestar esclarecimentos e 
informações sobre doenças infecto-contagiosa e demais questões de saúde pública; 
 Articulação com instituições públicas, privadas, assistenciais e organizações 
comunitárias locais, com vistas ao encaminhamento de pais e alunos para 
18 
 
atendimento de suas necessidades; 
 Realização de visitas sociais com o objetivo de ampliar o conhecimento acerca da 
realidade sócio-familiar do aluno, de forma a possibilitar assisti-lo e encaminhá-lo 
adequadamente; 
 Elaboração e desenvolvimento de programas específicos nas escolas onde existam 
classes especiais; empreender e executar as demais atividades pertinentes ao Serviço 
Social, previstas pelos artigos 4º e 5º da Lei 8662/93, segundo Parecer Jurídico 
23/00 de vinte e dois de outubro de 2000, do Conselho Federal de Serviço Social 
(CFESS, 2001, p.13). 
 
É necessário que o assistente social inserido no espaço educacional ou escolar,conheça a dinâmica da instituição, dos alunos e das famílias para os quais é solicitado a 
prestar atendimento. Pois, só conhecendo a totalidade das relações sociais que envolvem o 
aluno será possível intervir na realidade de forma a transformá-la. 
Para uma atuação profissional mais abrangente é preciso que o assistente social 
mantenha interlocução com as demais políticas setoriais. Deste modo, o profissional pode 
fazer encaminhamentos quando for necessário, para que alunos e famílias tenham acesso aos 
direitos sociais que por vezes desconhecem. 
A partir das atribuições reconhecidas pelo CFESS, o assistente social inserido na 
política de educação não deve deixar de se embasar em seu Código de Ética Profissional e 
realizar a prática de acordo com os princípios
10
 nele dispostos. 
Os assistentes sociais têm como objeto de intervenção em sua atuação profissional as 
mais variadas expressões da “questão social”, e trabalham no sentido de esclarecer a 
população no que diz respeito ao usufruto dos direitos sociais, proporcionando mediações de 
acesso aos mesmos. Para atender a demanda que se manifesta no cotidiano profissional, o 
assistente social formula propostas, programas e projetos de intervenção para minimizar os 
conflitos sociais existentes. O Código de Ética Profissional, a Lei de Regulamentação da 
 
10
 “Reconhecimento da liberdade como valor ético central e das demandas políticas a ela inerentes - autonomia, 
emancipação e plena expansão dos indivíduos sociais; Defesa intransigente dos direitos humanos e recusa do 
arbítrio e do autoritarismo; Ampliação e consolidação da cidadania, considerada tarefa primordial de toda 
sociedade, com vistas à garantia dos direitos civis sociais e políticos das classes trabalhadoras; Defesa do 
aprofundamento da democracia, enquanto socialização da participação política e da riqueza socialmente 
produzida; Posicionamento em favor da eqüidade e justiça social, que assegure universalidade de acesso aos 
bens e serviços relativos aos programas e políticas sociais, bem como sua gestão democrática; Empenho na 
eliminação de todas as formas de preconceito, incentivando o respeito à diversidade, à participação de grupos 
socialmente discriminados e à discussão das diferenças; Garantia do pluralismo, através do respeito às correntes 
profissionais democráticas existentes e suas expressões teóricas, e compromisso com o constante aprimoramento 
intelectual; Opção por um projeto profissional vinculado ao processo de construção de uma nova ordem 
societária, sem dominação exploração de classe, etnia e gênero; Articulação com os movimentos de outras 
categorias profissionais que partilhem dos princípios deste Código e com a luta geral dos trabalhadores; 
Compromisso com a qualidade dos serviços prestados à população e com o aprimoramento intelectual, na 
perspectiva da competência profissional; Exercício do Serviço Social sem ser discriminado, nem discriminar, por 
questões de inserção de classe social, gênero, etnia, religião, nacionalidade, opção sexual, idade e condição 
física”. (CFESS, 1993). 
 
19 
 
Profissão e o Projeto ético-político determinam uma direção à atuação profissional. 
Retornando especificamente para a política de educação enquanto espaço de atuação 
do Serviço Social, para Salata (2007), a maior fonte empregadora pública de assistentes 
sociais no campo educacional tem sido as creches municipais, com uma recente abertura das 
Secretarias Estaduais de Educação. É nesse espaço que se encontra a adoção do Programa 
Bolsa Família que viabiliza vários benefícios sociais para famílias em situação de pobreza, 
desde que seus filhos tenham frequência no ensino fundamental. As demandas por assistentes 
sociais na perspectiva profissional têm se ampliado e o Serviço Social na Educação está sendo 
estruturado com maior legitimidade também nas Secretarias Municipais de Educação, atuando 
junto a outros profissionais em equipes multidisciplinares. 
Outra autora que trás sua contribuição para o Serviço Social na Educação, 
ressaltando a função sócio-educativa do trabalho do assistente social nesta área interventiva é 
Marilda Iamamoto, segundo seu entendimento, o assistente social têm funções de intelectual e 
de um educador político que o caracteriza como um profissional da coerção e do consenso. 
Assim, sua atuação se dá em organizações públicas e privadas dos quadros dominantes da 
sociedade. E o assistente social através da prestação de serviços sociais exerce uma ação 
"educativa" e "organizativa" das classes trabalhadoras. 
Os autores trabalhados até o momento mencionam a necessidade cada vez maior da 
inserção profissional do assistente social na política de educação e a importância deste 
profissional realizar seu trabalho interagindo com os demais profissionais de áreas diversas, 
(pedagogos, psicólogos), que atuam na equipe multidisciplinar. O assistente social deve 
também manter articulação com as demais políticas setoriais para a garantia efetiva dos 
direitos sociais de alunos e de suas famílias. 
Interpretando Souza (2005), a educação escolar ainda não se constitui em um campo 
legitimado da atuação do assistente social, porém, as alterações processadas na área da 
educação com alterações da tecnologia e da informação demandam um trabalho articulado de 
equipes multidisciplinares e com capacidade ética para tornar o aluno autor e sujeito de sua 
própria história. A necessidade de se “criar vínculos institucionais e com as diversas 
Secretarias” é também mencionada por Almeida (2003), como forma de minimizar as 
conseqüências causadas pelas expressões da “questão social” na vida de crianças e famílias. 
Mas, para o mesmo autor, está se perdendo a articulação entre as políticas sociais setoriais 
(educação, assistência e saúde) o que aumenta a demanda por um profissional capaz de 
restabelecer essas relações. 
É importante ressaltar ainda a visão apresentada pelo CFESS (2001), com relação às 
20 
 
atribuições profissionais do assistente social na educação. Como os demais autores, menciona 
a importância de o profissional conhecer o contexto que envolve os educandos e 
posteriormente, “elaborar e executar programas de orientação sócio-familiar”. Além de 
realizar trabalho multidisciplinar para prevenir manifestações da “questão social”, tais como: 
“violência, uso de drogas e alcoolismo, evasão escolar, entre outras”. O que pode se destacar 
como ponto positivo e que diverge dos outros autores, é que o CFESS, aponta para a 
importância e necessidade do profissional ter como base para nortear suas ações o Código de 
Ética Profissional dos assistentes sociais, além do Parecer Jurídico 23/00 específico para a 
prática do profissional na política de educação. 
Atualmente o conjunto CFESS/CRESS está aprofundando a luta política para o 
avanço de mais espaço de trabalho na área da educação. Na realidade há um movimento 
profissional em torno do Serviço Social nessa área iniciado em 2000. Nesse âmbito há 
projetos de lei encaminhados pelo CFESS desde 2000, ou seja, PL 3688/2000 (transformado 
em PLC 060/2007 no Senado), PEC 13/2007, PL 6478/2009 e PL 6874/2010 o PL 6874/2010. 
Propõe a alteração da LDB para garantir a criação de um núcleo psicossocial, formado por 
assistente social e psicólogo nas escolas públicas de ensino fundamental para atendimento às 
vítimas de violência doméstica, maus tratos e dependência química e foi apresentado na 
Câmara dos deputados em março de 2010 pela deputada Sueli Vidigal (PDT/ES). Finalmente 
em 7/4/2011, o PL 060/2011 está recebendo nova designação pelo novo relator quanto à 
obrigatoriedade dos serviços de psicologia e Serviço Social na própriarede pública de 
educação básica. Assim, pela morosidade do processo formal-legal, a categoria profissional 
dos assistentes sociais aguarda que o senado federal aprove finalmente. Neste sentido, o 
trabalho dos assistentes sociais na educação aguarda o reconhecimento legal. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
21 
 
3. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SECRETARIA 
MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE TOLEDO 
 
No capítulo anterior foi apresentada a atuação profissional do assistente social num 
contexto geral. A partir deste capítulo, passaremos a uma abordagem particularizada da sua 
atuação no município de Toledo, com enfoque na SMED-NEPE. 
 Atualmente a assistente social vinculada a SMED que atua no NEPE, juntamente 
com a equipe multidisciplinar que o compõe atende a demanda de tinta e cinco escolas 
mmunicipais relacionadas em anexo A. Além das trinta e cinco escolas, a equipe 
multidisciplinar da SMED através do NEPE presta atendimento a vinte e dois Centros 
Municipais de Educação Infantil (CMEIs), também vinculado à SMED. A relação dos CMEIs 
de Toledo com os respectivos nomes estão dispostos em anexo B. 
De acordo com a assistente social da SMED de Toledo que atua no NEPE, as 
atribuições do assistente social neste espaço profissional são: atendimento individualizado 
para família, a criança, o professor, o coordenador, o diretor das escolas e o psicopedagogo; 
capacitações; desenvolvimento e execução de projetos, palestras; elaboração de cartilhas e 
revistas para realização do trabalho de assistentes sociais; participação nos conselhos de 
direitos como: Assistência Social, Criança e Adolescentes, Antidrogas, Comissões do 
Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e Benefício da prestação Continuada 
(BPC) na escola. 
Além das atribuições dispostas acima, a assistente social realiza ainda: “Treinamento 
avaliação e supervisão direta de estagiários de Serviço Social” (Inciso VI, art.5º - Lei – 
8662/93. Sendo responsável também por: “Coordenar, elaborar, executar, supervisionar e 
avaliar estudos, pesquisas, planos, programas e projetos na área de Serviço Social” (inciso I, 
art.5º - Lei– 8662/93). 
Em sua atuação profissional, a assistente social da SMED – NEPE busca 
embasamento no Código de Ética Profissional do assistente social vigente desde 1993, além 
de legislações tais como: Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB – Lei nº 
9394/96), Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA – Lei nº 8069/90 com alterações em 
2010). Ainda, Lei 8742/93 – Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) para realizar os 
atendimentos e encaminhamentos dos usuários. 
Nas escolas municipais e CMEIs, são realizadas visitas institucionais para 
atendimento de crianças e famílias de acordo com as solicitações do psicólogo, coordenação 
ou direção das instituições de ensino. As expressões da “questão social” que mais se 
22 
 
apresentam no cotidiano escolar são: violência física, violência psicológica, violência sexual e 
negligência em sua maioria originária da família. 
Além do atendimento realizado nos CMEIs, o assistente social e a equipe 
multidisciplinar da SMED desenvolvem alguns programas e projetos os quais são ofertados 
visando prevenir as expressões manifestadas pela “questão social”. Os programas e projetos 
de maior destaque para o Serviço Social são: o Projeto Escola de Pais e o Projeto Sobre 
Sexualidade, os quais abrangem a totalidade das escolas e CMEIs do município. 
 
3.1 PROJETO ESCOLA DE PAIS 
 
Desde o ano de 2010 vem sendo desenvolvido pelos profissionais da SMED o 
Projeto Escola de Pais. Este é um projeto criado pelas assistentes sociais Inês Terezinha 
Pastório e Íres Damian Scuzziato, mas, conta com a colaboração de todos os profissionais 
envolvidos no NEPE dentre eles, além da assistente social, pedagogas com especialização em 
psicopedagogia, psicólogas e fonoaudióloga. 
A Escola de Pais tem por objetivo: “[...] integrar a escola, a família e a comunidade, 
oportunizar discussões e instrumentos para pais e educadores que auxiliem o processo do 
educar fortalecendo o vínculo família e escola.” (REVISTA ESCOLA DE PAIS, 2009, p.2). 
A Escola de Pais se constitui em um espaço aberto e permanente de reflexão. A efetivação 
deste projeto dependerá do desejo e do esforço individual e coletivo. 
Conforme a mesma revista, a proposta da Escola de Pais vem de encontro com a 
proposta do Ministério de Educação (MEC) de mobilização social pela educação visando 
aproximar a família do espaço escolar para uma educação de qualidade. 
A demanda deste projeto se deu em razão da necessidade de se atender as famílias, 
considerando as transformações sociais e culturais na última década. A responsabilidade de 
educar está se tornando cada vez mais difícil e se tem a impressão de que os pais perderam a 
autoridade sobre seus filhos. Não conseguem impor limites e não há respeito no 
relacionamento. A finalidade da Escola de Pais é a de orientar e oferecer subsídios aos pais e 
responsáveis na atividade de educar, oportunizando o relacionamento entre pais e filhos, 
procurando conscientizá-los de sua responsabilidade e do seu papel específico. 
 
 O projeto prevê o envolvimento da comunidade escolar em temas de interesse dos 
alunos e da escola. Neste ano serão trabalhados seis temas com os pais das tinta e 
cinco escolas municipais de Toledo e incluída uma programação específica para os 
23 
 
pais dos vinte e dois Centros de Educação Infantil (CMEIs).
11
 
 
 Conforme a revista Escola de Pais (2009, p.4), a palestra de abertura da Escola de 
Pais foi ofertada no dia 14 de maio 2009, no Centro Cultural Ondy Hèlio Nyederauer tendo 
como palestrante a assistente social Dilce Claudino da Silva Lisowiski 
Atualmente (ano de 2011), conforme disposto no site oficial do município de Toledo, 
as oficinas ofertadas pelo Projeto Escola de Pais nas escolas, abordam as seguintes temáticas: 
Violência contra criança e adolescente embasado no Estatuto da Criança e do Adolescente – 
ECA; Influência da mídia e da internet no comportamento da criança; A importância da 
alimentação saudável no desempenho escolar; A importância dos pais no desenvolvimento da 
criança; Drogas: uma preocupação dos pais e escola; Bullying: consequências para o 
desenvolvimento da criança. (TORRES, 2011) 
Com os pais dos CMEIs, as temáticas tratadas serão diferentes: “Serão abordadas 
questões relacionadas à psicomotricidade, negligência e as suas conseqüências no 
desenvolvimento infantil, alimentação saudável e desenvolvimento da criança nos primeiros 
anos de vida.” (TORRES, 2011) 
 No ano de 2010, os pais dos alunos dos CMEIs eram convidados a participar das 
Oficinas na Escola mais próxima. Já em 2011, as atividades relacionadas à Escola de Pais 
tiveram início na Escola Ivo Welter e terão continuidade no decorrer do ano, abrangendo as 
tinta e cinco escolas municipais e vinte e dois CMEIs. 
O projeto Escola de Pais visa uma maior integração entre os pais, a escola e a creche. 
Dessa forma os pais têm a possibilidade de acompanhar o desenvolvimento dos filhos no 
processo de aprendizagem e conhecerem as problemáticas postas no cotidiano escolar que 
necessitam serem encaminhadas e/ou tratadas. 
A cada semana, a equipe multidisciplinar da SMED visita uma escola ou creche para 
apresentar e debater uma ou mais das temáticas propostas de acordo com a demanda das 
escolas e CMEIs. “A equipe também se dispõe a discutir temáticas diferenciadas de acordo 
com as necessidades que se apresentam no cotidiano das instituições de ensino. 
Conforme a assistente social coordenadora do Projeto, “a experiência apresentou 
bons resultados com uma participação ativados pais entre 2010-2011”. 
 
11
 TORRES, Eliane Cargnelutti. Escola de Pais. Portal Municipal. Disponível em: < 
http://www.toledo.pr.gov.br/?q=noticia/palestra-na-ivo-welter-marca-inicio-da-programacao-de-2011-da-escola-
de-pais >. Acesso em: 14 de maio 2011. 
 
 
24 
 
3.2 PROJETO SEXUALIDADE NAS ESCOLAS 
 
De acordo com Cimarostti, Linhares, Pastório, Scuzziato ( 2009), as questões que 
envolvem a sexualidade são alvo de tabus e preconceitos por parte da sociedade. Como 
conseqüência, na escola esse preconceito também se manifesta por ser tradicionalmente 
conservadora, verifica-se em seus discursos preconceitos, pudores e temores. 
 Já que estamos inseridos em uma sociedade que mascara o assunto utilizando apenas 
a informação, quando o que se faz necessário é a orientação. Orientar significa mostrar um 
caminho que leve a um determinado objetivo. 
Para Cimarostti, et al. 2009, apesar de a temática sexualidade ser de suma 
importância para a construção do sujeito, este tema passa a ser muitas vezes excluído das 
discussões do cotidiano escolar. Porém, este assunto deve ser tratado em conjunto com as 
disciplinas tradicionalmente conhecidas, já que a escola não pode criar uma disciplina 
especifica para discutir sexualidade. 
Tratar da sexualidade não é uma tarefa fácil, pois a ação pedagógica deve respeitar o 
limite e não invadir a intimidade do aluno. Devem ser fornecidas orientações com o objetivo 
de identificar através do posicionamento do aluno, o seu comportamento e as identidades 
sexuais. 
Dessa forma, a educação sexual fornecida pela escola passa a ser uma ação 
complementar na educação familiar, possibilitando o auxilio na orientação sobre este tema. 
Sexo nas instituições escolares é assunto proibido. Conforme Cimarostti, et al. 2009, as várias 
questões que envolvem a sexualidade: o conhecimento do corpo, a curiosidade sobre gravidez 
precoce, o erotismo, o uso de métodos anticoncepcionais, são reprimidos e silenciados. Para 
responder às suas inquietações os alunos buscam “lugares” reservados para mergulhar no 
campo da sexualidade, de forma que as instituições, tais como, a escola e a família, não 
possam saber o que está sendo discutido pelos mesmos. 
Quando a escola discute sexualidade, muitas vezes é vista como incentivadora do 
sexo ou de pornografias. Ao trabalhar o tema no ambiente escolar a família logo se manifesta 
muitas vezes rejeitando as discussões e a interferência escolar e familiar no desenvolvimento 
sexual das crianças, e esse fato acaba por provocar um sentimento de aversão por parte dos 
educadores e da escola. 
 Como a escola trás pouca ou nenhuma discussão referente à sexualidade, os alunos 
buscam informações sobre o assunto na internet, onde dificilmente encontramos algo que 
oriente as crianças de forma correta. 
25 
 
“Considerando que a família é a base na qual os sujeitos recebem as primeiras 
informações sobre a sexualidade é a partir dela homens e mulheres passam a construir 
socialmente as suas identidades sexuais”. (CIMAROSTTI, et al. 2009). 
Na família é que surgem as bases das atitudes sexuais, e que as contradições 
acontecem de forma mais intensa, tornando-se formadora das primeiras experiências 
referentes à sexualidade da criança. Por isso, os discursos promovidos na escola passam a 
incomodar os pais, que em sua maioria, entendem a sexualidade como algo que não deve ser 
discutido, pois a compreendem como um assunto que não deve ser refletido no contexto 
escolar, mas pela própria família. Porém, não é o que acontece, pois a maioria dos núcleos 
familiares não se sente a vontade, não têm conhecimento para conduzir tais assuntos dentro de 
seus lares. 
Portanto, a educação sexual deve ser desenvolvida em um processo educativo 
positivo, de valorização humana, com uma intervenção pedagógica adequada que possibilite à 
criança compreender a sua sexualidade através das mais diversas formas de aprendizagem. 
Este projeto tem como objetivo geral: “Instrumentalizar educadores e pais ou 
responsáveis a respeito do desenvolvimento da sexualidade da criança.” E seus objetivos 
específicos são: 
 
Levar o educador a refletir a respeito de seus conceitos sobre o tema sexualidade; 
Fornecer à instituição escolar subsídios a respeito da orientação sexual para o 
educando; 
Orientar o educador responsável de sua escola para que dissemine tais saberes e 
conhecimentos para todos os profissionais da escola bem como pais, responsáveis e 
comunidade; 
Desenvolver temas que tragam aos professores subsídios sobre sexualidade, 
possibilitando-os desenvolver a oficina; 
Conhecer e compreender as fases de desenvolvimento da criança (fases da 
sexualidade); 
Promover o envolvimento da comunidade escolar, para que todos possam contribuir 
para o desenvolvimento deste projeto; 
Trabalhar conceitos tais como: sexo e sexualidade, gênero, métodos contraceptivos, 
DST, outros. 
Conhecer a anatomia do corpo humano para melhor trabalhar com os educandos; 
Orientar para a prevenção das DSTs/AIDS; 
Trabalhar com o educador sinais e atitudes que possibilitem ao mesmo a percepção 
em relação à criança que esteja sofrendo abuso sexual; 
Orientar a criança a fim de que esta possa proteger-se de relacionamentos sexuais 
coercitivos e exploradores; 
Reconhecer como determinações culturais, as características socialmente atribuídas 
ao masculino e feminino, posicionando-se contra discriminações a eles associadas. 
(CIMAROSTTI, et al. 2009). 
 
A metodologia do projeto compreende a realização de oficinas nas quais são 
26 
 
desenvolvidas atividades como: elaboração de materiais didáticos, confecção de materiais, 
leituras e discussões sobre temáticas específicas de sexualidade e suas diferentes realidades. 
O público preferencial para participar são: um educador indicado pela instituição 
escolar – ensino fundamental; um educador indicado pelo CMEI – Educação Infantil; de 
preferência que tenha carga horária de 40 horas. O projeto abrange as escolas públicas 
municipais e CMEIs de Toledo - PR. 
 
3.3 CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE DA PESQUISA 
 
O ambiente escolhido para realizar a pesquisa e concretizar este TCC, foi a 
SMED/NEPE localizada no município de Toledo – PR. Neste sentido é pertinente fazer uma 
breve contextualização histórica do Município de Toledo, situar dados atuais de 2011 e para 
em seguida falar sobre a SMED – Toledo e o NEPE. 
De acordo com o Plano Municipal de Educação de Toledo
12
, (Lei nº 2.004/2009 p. 
23-24), a Fazenda Britânia era uma grande extensão de terra pertencente aos ingleses que 
necessitou ser vendida devido às grandes dificuldades políticas e econômicas geradas pela 
passagem da coluna prestes em 1924. Assim houve a revenda das terras para um grupo de 
pessoas ligadas ao comercio atacadista gaúcho, que introduziu a Indústria Madeireira 
Colonizadora Rio Paraná S/A – MARIPÁ, com o objetivo de transformar o grande latifúndio 
em pequenas propriedades de dez alqueires. Colonizando a região com o objetivo de explorar 
as riquezas naturais ali existentes principalmente a madeira. Foi neste período que a área da 
Fazenda Britânia foi efetivamente povoada. 
 
Os primeiros diretores da colonizadora Maripá foram: Alfredo Paschoal Ruaro, 
diretor-gerente; e os diretores comerciais Egon Werner Bercht, encarregado da 
representação política da empresa e representação comercial para venda de madeiras 
no exterior e Julio Gertum de Azevedo Bastian, engenheiro civil responsável pela 
organização das medições das subdivisões das terras. Impossibilitado de residir em 
Toledo, Alfredo Paschoal Ruaro delegou a tarefa ao seu irmão ZulmiroAntônio 
Ruaro, que veio a Toledo comandando o primeiro caminhão com 14 trabalhadores, 
que chegaram às margens do Arroio Toledo em 27 de março de 1946. 
(PASTÓRIO;SALVADOR, 2009, p. 24). 
 
Em virtude de doença o diretor-geral Alfredo Paschoal Ruaro deixa o cargo, sendo 
substituído por Zulmiro Antônio Ruaro, que administrou os serviços por três anos. Em 25 de 
 
12
PASTÓRIO, Inês Terezinha; SALVADOR, Janice Aparecida de Souza (Coord.). Plano municipal de 
educação: Lei nº 2004/2009. 1º Readequação do Plano Municipal de Educação Toledo: Secretaria Municipal da 
Educação, 2009. 275 p. Quando no texto aparecer a referência do Plano Municipal de Educação ou Pastório e 
Salvador, refere-se ao mesmo documento. 
27 
 
março de 1949, ocorreu a Assembléia Geral da Maripá que elegeu como novo diretor gerente 
Willy Barth. 
 
Anos mais tarde, o Conselho Municipal de Cultura de Toledo como consequência de 
vários estudos realizados, deliberou considerar Fundador de Toledo, o pioneiro 
Zulmiro Antonio Ruaro, desbravador que enfrentou os primeiros e mais difíceis anos 
da implantação da colonizadora, a construção da cidade, as primeiras estradas, as 
primeiras exportações e início efetivo da colonização. (PASTÓRIO; SALVADOR, 
2009, p. 25). 
 
O município teve como seus primeiros moradores trabalhadores que vieram com 
finalidade de trabalhar na fazenda Colonizadora MARIPÁ. Segundo Pastório e 
Salvador(2009), a chegada desses trabalhadores ao Arroio Toledo se deu no “dia 27 de março 
de 1946”, data que se comemora a fundação da cidade que passou a ser chamada de Toledo. O 
nome Toledo provém do Arroio Toledo, um rio que atravessa a cidade. Segundo relato dos 
pioneiros, este rio recebeu o nome de Toledo muitos anos antes da colonização do município, 
quando haviam pousos instalados na região para extração da erva-mate, um destes pousos, 
localizado a beira do rio, era administrado por um senhor chamado Toledo, que deu origem a 
este nome. 
Não se pretendia naquela época criar uma cidade, mas os trabalhadores da 
Colonizadora MARIPÁ/AS formaram próximo ao Arroio Toledo um povoado que não era 
sequer distrito. Começaram a se instalar no local paraguaios e poloneses vindos de São João, 
próximo a Cascavel estes vieram em busca de trabalho e constituíram mão-de-obra 
indispensável para a Colonizadora. 
 
A Colonizadora fez então a planta de uma pequena vila logo a Oeste da margem 
direita do Arroio Toledo. As ruas foram traçadas no sentido norte-sul e leste-oeste, 
com praças e logradouros, tendo, desde logo, sido fixados alguns pontos, como 
igrejas, escritório da empresa, casa comercial, hotel, etc. Os trabalhadores que 
pretendiam fixar-se na sede adquiriam um lote, tendo este apenas um valor 
simbólico, a ser pago em parcelas. Ao longo das estradas que foram sendo 
estendidas para o interior foram fundadas outras vilas, distando, mais ou menos, 20 
quilômetros uma da outra. A Colonizadora fundou diversas vilas, das quais, 
atualmente, algumas são Distritos e sete são Municípios. Dentro da mesma área da 
antiga Fazenda Britânia, existem hoje duas Comarcas: Toledo e Marechal Cândido 
Rondon. (PASTÓRIO; SALVADOR, 2009, p. 25-26). 
 
O Plano Municipal de Educação (2009) ainda aponta que, Toledo, antes de tornar-se 
município pertencia a Foz do Iguaçu, sua emancipação político - administrativa ocorreu com a 
Lei nº 790, de 14 de novembro de 1951, a qual foi sancionada pelo governador Bento Munhoz 
da Rocha Neto. A primeira eleição ocorreu em 9 de novembro de 1952, porém a 
28 
 
Administração Municipal teve inicio com a posse do primeiro Prefeito Ernesto Dall‟ Óglio e 
Câmara dos Vereadores composta por nove vagas, para o cargo foram eleitos: José Ayres da 
Silva, Clécio Zenni, Ondy Helio Niederauer, Leopoldo João Schimidt, Rubens Stresser, 
Alcebíades Formighieri, Waldi Winter, Willibaldo Finkler e Güerino Antônio Viccari, este 
último sendo eleito o primeiro presidente da Câmara de Toledo. Assim, no dia 14 de 
dezembro de 1952, ocorreu à posse do prefeito e vereadores e Toledo foi elevado à condição 
oficial e solene de município. Nesta data, atualmente é comemorado o aniversário da Cidade. 
Atualmente o município de Toledo, conforme dados do IPARDES (2011) possui um 
território 1.198,607 km
2,
 altitude que corresponde a 547 metros e a distância da capital é de 
536,60 km. Além disso, o município conta com um total de distritos, são eles: Bom Princípio, 
Concórdia d‟Oeste, Dez de Maio, Dois Irmãos, Novo Sarandi, Novo Sobradinho, São Luiz 
d‟Oeste, São Miguel, Vila Ipiranga e Vila Nova. 
 No que tange ao aspecto político, ainda de acordo com o mesmo site, em 2010 o 
número de eleitores do município correspondia a 85.846 pessoas e o prefeito do município 
José Carlos Schiavinato. 
Informações extraídas do Plano Municipal de Assistência Social (JUNHO DE 2011) 
apontam que a taxa de pobreza é de 14,26% e o total de famílias nessa situação é de 4.190, 
além de que são 19 as pessoas em situação de Rua no Município
13
. 
No que se refere à área da educação no município de Toledo, no ano de 2009, as 
matrículas na Creche eram de 1872 alunos, já na Pré-Escola o número de matrículas era de 
2.653. No ensino fundamental, eram 18.476 alunos, o ensino médio contava com 5.917 
matrículas e o ensino superior 6.786. 
Ainda em relação à área da educação, a SMED através dos profissionais que 
elaboraram o Plano Municipal de Educação realizou um diagnóstico da educação em Toledo 
abrangendo as instituições de ensino públicas e privadas. Dos aspectos constantes neste 
diagnóstico vale destacar que, de acordo com o Plano Municipal de Educação (2009, p.106), 
as instituições que ofertam a educação infantil na modalidade creche 0 a 3 anos realizam esses 
serviços em período integral e a pré–escola 3 a 5 anos também é ofertada em algumas 
instituições de ensino em tempo integral, porém nas escolas esta ainda é uma experiência 
recente que se iniciou na Escola Municipal Vereador Waldyr Luiz Becker. No ano de 2009, a 
experiência se ampliou pra as Escolas Municipais Vereador José Pedro Brum (CAIC) e São 
Francisco de Assis, em 2010 para a Escola Ivo Welter. 
 
13
 Estes dados foram obtidos por meio da análise de documentos sobre os beneficiários do Cadastro Único, da 
Política de Saúde, da Política de Educação, dados estaduais disponíveis e dados da rede SUAS. 
29 
 
Conforme o Plano Municipal de Educação de Toledo, (2009, p.108) quarenta e seis 
instituições em âmbito municipal ofertam educação infantil na modalidade Pré- Escola, 
porém, não todas em tempo integral e conforme análise dos profissionais da SMED, no 
período de 2005 -2008, a procura por vagas para crianças de 4 a 5 anos vem crescendo 
significativamente tanto nas instituições públicas quanto privadas. 
Com relação aos aspectos sócio–econômicos de Toledo, vale destacar que, de acordo 
com o Plano Municipal de Educação (2009, p.37), a produção agrícola e a pecuária foram e 
são os mais importantes elementos que mantém sua economia. A agricultura em consonância 
com a agroindústria são as principais fontes de renda do município, isto é, devido às 
tecnologias e às técnicas empregadas na produção, sendo estas derivadas da mecanização 
agrícola a partir do plantio de conservação de solo através do sistema de microbacias. 
Os produtos agrícolas que se destacam em âmbito municipal são soja e milho. De 
acordo com dados do IPARDES, a produção de soja em Toledo no ano de 2009 correspondeu 
a um total de 145.120 toneladas enquanto a produtividade do milho no mesmo ano foi de 
236.400 toneladas. 
Ainda no âmbito econômicoe conforme o mesmo Instituto e ainda baseado em dados 
da SMED do ano de 2009, no que tange as receitas municipais estas tinham um valor de 
165.964.157,05. No mesmo ano as despesas do município chegaram ao montante de 
160.648.579, com pouca diferença entre receita e despesa. Mantendo o município em 
equilíbrio. 
 
3.3.1 A Secretaria Municipal da Educação (SMED) 
 
A SMED de Toledo é o órgão gestor da política de educação. Sendo pessoa jurídica 
de direito público interno. De acordo com o site
14
 oficial do município de Toledo, são 
atribuições da SMED: coordenar, orientar, assistir, acompanhar, gerenciar a educação no 
município nos seguintes níveis de ensino: educação infantil, ensino fundamental, educação 
especial e educação de jovens e adultos. Neste sentido, a SMED responsabiliza-se com a 
qualidade do ensino público das escolas e CMEIs. 
Ainda conforme o mesmo site, a preocupação dos profissionais da SMED não é 
unicamente com o ensino, mas também com a infra-estrutura das escolas e CMEIs além da 
 
14
TOLEDO. Secretaria Municipal da Educação. Disponível em: 
<http://www.toledo.pr.gov.br/?q=portal/portal-municipal-da-educacao/secretaria-da-educacao > Acesso em: 
27/maio /2011> 
30 
 
capacitação continuada de forma a proporcionar o “fortalecimento da gestão democrática” e 
“atualização dos recursos didático-metodológicos” visando uma maior qualidade do ensino. 
A SMED através de sua equipe tem como meta: 
 
Assessorar continuamente as escolas e CMEIS. Os coordenadores de área e o setor 
administrativo procuram estar o maior tempo possível, apoiando, acompanhando, 
discutindo, fornecendo material teórico – prático de modo a intervir imediatamente 
nas dificuldades encontradas. (TOLEDO, 2011) 
 
A SMED conhece a necessidade de permanente inovação e implementação de 
programas e a demanda pela produção de material de apoio pedagógico e por isso vem se 
empenhando para alterar de forma positiva a organização das escolas e CMEIs, além de 
intervir na relação dos profissionais com a comunidade, (nas escolas especificamente na 
relação pais, professores e alunos). 
 
A educação tem sofrido alterações significativas em função de mudanças na 
estrutura social, na organização das famílias, na educação dos filhos, da forte 
influência dos meios de comunicação e dos recursos tecnológicos, fatores que 
indicam a necessidade de se investir tanto na formação profissional, quanto na 
formação pessoal do professor. 
É de consenso que o profissional da educação sofre um acentuado desgaste 
emocional, o que impõe a necessidade de propor alternativas que fortaleçam o 
professor, sua capacidade de administrar conflitos, dificuldades e diferenças, 
atendendo os alunos nas suas especificidades, sem perder de vista o fim último da 
educação: A formação ética, intelectual e social do cidadão. (TOLEDO, 2011) 
 
A equipe da SMED em sua intervenção profissional utiliza como base as seguintes 
legislações: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96 - LDB), Lei Orgânica 
do Município de Toledo, Plano Nacional de Educação (2001-2010) (PNE) e Plano Municipal 
de Educação 2009 (PME). 
De acordo com o site do município, as preocupações centrais da equipe SMED são: 
“a paixão de ensinar, o prazer de aprender e o dever de investir, assim assumindo o lema: 
Plantando Conhecimento, Colhendo Educação.” 
 
3.3.2 Histórico do Centro de Atenção Psicossocial (Centrinho) ao atual Núcleo de Estudo e 
Pesquisa em Educação (NEPE) 
15
 
 
 Para dar um atendimento educacional especializado a crianças com deficiência, 
 
15
 As assistentes sociais desde 1991 até 2009 atuaram na SMED, mas a partir de 2009, com a criação do NEPE, 
as mesmas foram incluídas a este, sendo que o espaço físico do NEPE está instalado junto a SMED, e vinculado 
ao Departamento de Ensino da SMED. 
31 
 
déficit de aprendizagem ou com superdotação, a SMED de Toledo criou no ano de 2007, o 
Centro Multidisciplinar de Atendimento à Criança – Centrinho, visando proporcionar o 
intercâmbio entre a família e a escola. Este Centro, de acordo com o Plano Municipal de 
Educação tinha por objetivo geral: 
 
Atender alunos com problemas de agressividade, dificuldades de relacionamento 
com a equipe escolar, com acentuados problemas de aprendizagem ou limitações no 
processo de desenvolvimento, que dificultam o acompanhamento das atividades 
escolares. (PASTÓRIO; SALVADOR, 2009, p. 178) 
 
Conforme o Plano Municipal de Educação (2009, p. 179), para serem atendidas pelos 
profissionais do “Centrinho”, as crianças deveriam ser encaminhadas pela coordenação ou 
direção das escolas municipais. O trabalho era desenvolvido tanto com as crianças 
encaminhadas quanto com suas famílias em busca da inserção das mesmas nas relações 
sociais mais amplas, participando da formulação, execução e controle dos programas e ações 
que eram desenvolvidos, exercendo suas funções de afeto, socialização, e educação. 
Procurando sempre resgatar nas famílias e nas crianças uma qualidade de vínculo com a 
equipe que pudesse permitir o atendimento com qualidade e dignidade. 
O Centrinho contava com uma equipe multiprofissional, composta por assistente 
social, psicólogo e fonaudiólago e um funcionário do quadro geral de servidores para realizar 
os atendimentos ao público e agendamento de horários. 
Com o desenrolar das discussões sobre a inclusão, e a necessidade de dar conta de 
situações inerentes à educação especial no município e nas escolas que faziam o atendimento 
especializado, compreendeu-se que não se estava dando conta da demanda da rede. E, ainda 
havia as diversas situações que se apresentavam no cotidiano de atendimento na rede em sua 
integralidade. Isso foi atribuído à insuficiente formação docente para alcançar competência 
profissional, sendo necessário maior conhecimento sobre o processo de aprendizagem, o 
desenvolvimento, os modos de se ensinar e aprender. 
 Ao proceder a uma análise atual, observa-se que estas são questões que não 
silenciavam no cotidiano docente e, apesar de possuir aparato teórico, a demanda busca por 
um saber que compreenda a dimensão de totalidade das relações e a dinâmica social. Isto 
exige que o profissional esteja sempre buscando aprimorar-se de acordo com as exigências 
postas pela sociedade e proporcione o diálogo entre a teoria e a prática já que só assim será 
possível dar acesso aos direitos sociais para estas crianças e famílias. 
E, na ânsia de dar conta destas situações ou poder auxiliar os profissionais das 
32 
 
escolas, em 2009, o Centrinho transformou-se em Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação 
- NEPE, para aprofundarem-se os estudos e formas de intervenção junto às crianças que 
freqüentavam as classes especiais, salas de recursos e salas de conduta típicas. Cabe destacar 
que este projeto busca superar a educação como uma visão tradicional de transmissão de 
conteúdos e torná-la um núcleo de produção e multiplicação de conhecimento. 
O NEPE visa promover o diálogo entre a teoria e a prática na busca por construir 
uma educação de qualidade para todos. Em sua constituição, de acordo com o projeto de 
implantação, (TOLEDO, 2008, p.7) 
16
 tem por objetivo: 
 
Assegurar o conjunto de recursos teórico-práticos organizados institucionalmente, a 
partir da pesquisa, estudo e aplicação para apoiar, complementar, potencializar os 
serviços educacionais comuns, de modo a garantir uma educação de qualidade para 
todos em detrimento à classificação e exclusão. 
 
De acordo com a Revista Escola de Pais (2009, p.28), o NEPE é um espaço de