Resumo - Historia dos Índios no Brasil (M. Carneiro da Cunha)
4 pág.

Resumo - Historia dos Índios no Brasil (M. Carneiro da Cunha)


DisciplinaHistória dos Povos Indígenas e Afro-descendentes2.087 materiais9.693 seguidores
Pré-visualização1 página
EDGAR NUNES CORRÊA 
 
 
 
 
HISTÓRIA 
DOS ÍNDIOS 
NO BRASIL 
Manuela Carneiro da Cunha 
 
 
 
Este trabalho é um resumo de: História dos 
índios no Brasil, da disciplina Ambiente 
Território e Cultura, ministrada pela 
professora Ana Gomes. FIEI/REUNI \u2013 
Formação Intercultural para Educadores 
Indígenas, Licenciatura Ciências Sociais e 
Humanas, FAE/UFMG inter-módulo 
janeiro de 2010. 
 
 
 
 
 
 
 
BELO HORIZONTE 
2010 
 
RESUMO 
 
O texto nos trás informações, desde a teoria do surgimento das primeiras populações 
da América (os Ameríndios), como foram as suas relações com os invasores e a 
assimilação entre culturas tão diferentes. Como esse contato reduziu drasticamente as 
populações indígenas através de novas doenças, os trabalhos escravos exercidos por 
estes e quais são as políticas indígenas e indigenistas nos dias atuais. 
História dos índios no Brasil nos leva a repensar a história ou a etnografia das 
primeiras populações existentes no \u201cnovo mundo\u201d. 
 
 Quando os portugueses chegaram ao Brasil, se comportaram como verdadeiros 
donos desse território, passando a dar nomes aos lugares como se fosse virgem essa 
terra, nem se quer consideravam humanos os índios que desde sempre aqui viviam. \u201cSó 
então quando o papa reitera em 1537, que são homens\u201d. 
 Desde então houve uma reformulação da mitologia cristã, fazendo com que os 
europeus repensassem a história da existência humana e os indígenas também tiveram 
de reelaborar seus mitos, incluindo os brancos neles. A história do contato não foi de 
forma pacífica, mas ela é vista como \u201catrito\u201d entre dois povos diferentes. 
 A parti daí foram surgindo várias teorias que tentassem explicar a origem desses 
\u201cnovos povos\u201d. A hipótese mais aceita seria a comunicação da Ásia com a América pelo 
estreito de Bering, entre 12 e 14 mil anos atrás. 
 No que diz respeito a presenças da história indígena, não há informações 
suficientes, na sua grande maioria ela é contada a parti da visão dos colonizadores. 
Sendo assim, é comum pensar a história indígena de forma enganosa e cair em certas 
armadilhas; segundo Manuela Carneiro da Cunha, \u201ca maior dessas armadilhas é talvez a 
ilusão de primitivismo\u201d o que leva a pensar em uma sociedade sem evolução, com suas 
culturas paradas no tempo. Como dizia Varnhagen, \u201cpara o índio não há história há 
apenas etnografia\u201d (Vanhagen, 1978 {1854}: 30). O que seria então, uma sociedade sem 
história e também sem estado por não apresentar uma forma hierárquica de se organizar. 
 As mudanças históricas mudam durante o tempo, por ser assim, a história 
indígena está presente de diferentes formas: quando alguns povos resistem ao contato e 
são obrigados a se refugiar, alguns se juntam a outros, aonde daí vão aparecendo novas 
culturas e foram surgindo novos jeitos de se reorganizarem. Está presente a historia 
indígena, quando surge a idéia de \u201cíndios isolados\u201d no qual se deve tomar cuidado ao 
usar esse termo; esses povos não estão necessariamente isolados, pois são muitos na 
verdade, descendente de povos que ao longo do tempo mantinham-se foragidos e já 
sabiam da existência e os perigos do contato com o homem branco. 
 Está presente a história também na divisão étnica, ou seja, os vários povos de 
hoje são na verdade parte de uma sociedade indígena que abrangia o território brasileiro 
como um todo. 
 Está presente a história indígena, sobretudo na relação dos homens com a 
natureza, onde se procurou explicar a existência das populações indígenas por meio 
desta. Mas elas são o que são hoje, pela própria história e não pela natureza. 
 Mortandade e cristandade: foram varias as formas de extermínio dos diversos 
povos indígenas; contaminação, epidemias e processo de homogeneização. As 
epidemias são vista como o principal agente desse processo de mortandade, o que não 
explica \u201cum dos maiores desastre social e biológico do mundo\u201d (Dolbyns). Fatores 
ecológicos como a altitude e o clima também contribuíram para a diminuição das 
populações indígenas, mas principalmente a alta densidade dos aldeamentos religiosos 
que favoreciam as epidemias. Nem se quer conseguiam se reproduzir devido à grande 
população que estava sujeita a doenças e acabavam morrendo, além da exploração dos 
trabalhos indígenas que contribuiu para a sua dizimação. 
 Quanto à densidade das populações indígenas na América invadida em 1492, há 
várias estimativas por diversos autores. Ainda é um assunto de muitas controvérsias, \u201cas 
estimativas variam de 1 a 8,5 milhões de habitantes para as terras baixas da América do 
Sul. Acredita-se que a Amazônia era tão habitada quanto a península Ibérica e que a 
América já era tão populosa quanto a Europa\u201d. Ou seja, o que realmente houve foi um 
despovoamento de um continente muito mais habitado. Por ser assim é certo dizer que, 
\u201ca América não foi descoberta, foi invadida\u201d (Jenning, 1975). 
 Política indigenista: (século XVIII e XIX). As políticas indigenistas eram feitas 
pelos governos europeus e nacionais para os indígenas. No qual tinham o interesse de 
usar os índios contra outros europeus e mais tarde os serviriam de mão de obra. Durante 
os primeiros contatos, alguns indígenas também foram parceiros dos europeus, onde se 
mantinham relações de trocas de alguns objetos de interesses, bem como: foices, 
machados, facas, alguns animais exóticos e o pau-brasil para tinturas de tecidos. 
 Como se não bastasse, no século XIX os europeus passam a tomar interesse não 
só por meros objetos ou de usar os índios como mão de obra, mas sim pela apropriação 
de suas terras e tornar-se donos delas. 
 \u201cNo fim da década de 70 multiplicam-se as organizações não governamentais de 
apoio aos índios e movimentos indígenas na década de 80\u201d. Desde então houve a 
necessidade de uma política indígena, aonde as escolhas são feitas pelos próprios índios. 
 É certo em dizer que ao longo do tempo os índios foram agentes de sua própria 
história. Á várias formas como as sociedades indígenas a pensam, há mitos que contam 
o contato visto a partir deles mesmo. \u201cO home branco é muitas vezes no mito um 
mutante indígena\u201d. Em suma, os grupos indígenas estavam desde sempre tentando 
pacificar o branco. 
 
 
 
 
 
Edgar Nunes Corrêa, graduando, Licenciatura 
Ciências Sócias e Humanas, FIEI/REUNI \u2013 
Formação Intercultural para Educadores 
Indígenas, FAE/UFMG. 
2010
Edgar
Edgar fez um comentário
A História continua...
0 aprovações
Edgar
Edgar fez um comentário
Sempre...
0 aprovações
marta
marta fez um comentário
História dos indígenas é sempre bom rever os grandes desafios enfrentados por nossos antepassados.
2 aprovações
Carregar mais