Endocardite infecciosa - Questões resolvidas
3 pág.

Endocardite infecciosa - Questões resolvidas


DisciplinaInfectologia1.231 materiais6.919 seguidores
Pré-visualização3 páginas
QUESTÕES
2017 - FHEMIG
1. Um paciente de 68 anos foi internado para investigação de febre. Após a propedêutica, confirmou-se o
diagnóstico de endocardite infecciosa. À hemocultura, isolou-se Streptococcus bovis. Esse paciente
apresenta risco aumentado de apresentar qual das seguintes condições?
a) câncer de cólon
b) câncer de próstata
c) leucemia linfocítica crônica
d) mielodisplasia
2017 - SANTA CASA-BH
2. A endocardite infecciosa é uma doença cardiovascular e infecciosa adquirida, de gr ande relevância. O
diagnóstico precoce e o tratamento adequado são responsáveis pela diminuição da mortali dade na infância,
principalmente. São fatores relacionados à patogênese de endocardite infecciosa, exceto:
a) a presença de anomalias estruturais do coração e das grandes artérias, com um gradiente pressórico
significativo na área lesionada do endotélio
b) a lesão endotelial que induz à formação de trombos com a deposição de agregados de plaquetas e fibrina,
oferecendo uma base para a adesão bacteriana
c) o histórico de doença cardíaca congênita ou adquirida que ocorre na totalidade dos casos de endocardite
infecciosa
d) os defeitos cardíacos mais frequentemente causadores da endocardite infecciosa, que são a tetralogia de
Fallot, comunicação interventricular, doença valvar aórtica e transposição de grandes v asos, além de próteses
valvares
2016 - SANTA CASA-BH
3. Você trabalha em uma clínica que tem serviço de odontologia e endoscopia. Certo dia, o dentista e o
endoscopista s olicitaram uma i nterconsulta pré-procedimento odontológico de limpeza simples dos dentes
e de endoscopia por quadro de disfagia, devido à paciente ter relatado que já tivera endocardite bacteriana
no passado e lido na internet que se deve usar antibiótico para prevenir a recorrência. A paciente, além
desse passado mórbido, não apresentava nenhuma outra comorbidade. Os colegas aguardam sua resposta
para definir se farão ou não a antibioticoprofilaxia. Dessa forma, assinale a alternativa que apresenta a
melhor resposta a dar ao paciente e aos colegas:
a) a antibioticoprofilaxia deve ser feita nesse caso, pois se trata de paciente de alto risco para recorrência e
que será submetida a procedimento odontológico de risco
b) a antibioticoprofilaxia não deve ser feita nesse caso, porque, apesar de a paciente ser do grupo de alto risco
de recorrência, não será submetida a procedimentos de risco
c) a antibioticoprofilaxia não deve ser feita nesse caso, porque somente pacientes com disfunção valvar grave
ou com prótese valvar são de alto risco para recorrência e se beneficiam da profilaxia
d) a antibioticoprofilaxia deve ser feita nesse caso, devido à paciente ser de alto risco e necessitar de
endoscopia digestiva
2016 - HEVV
4. As endocardites bacterianas em prótese valvar que ocorrem entre 2 e 12 meses após a cirurgia de troca
valvar têm, como principais agentes etiológicos:
a) enterococos
b) bactérias do grupo HACEK
c) bacilos Gram negativos
d) estafilococos coagulase-negativos
e) estreptococos do grupo A
2016 - UESPI
5. Não é critério maior para o diagnóstico de endocardite infecciosa:
a) abscesso cardíaco
b) nova deiscência de prótese valvar
c) nova insuficiência valvar
d) evidência sorológica por Gram negativos
e) fenômenos imunológicos
RESPOSTAS
Questão 1. Analisando as alternativas:
a) Correta. As endocardites por S. bovis estão intensamente ligadas ao câncer de cólon, e os pacientes que
tiverem diagnóstico por essa bactéria devem ser investigados com colonoscopia. Atualmente, subdivisão
dessa bactéria, e o nome da espécie relacionado ao câncer de cólon é S treptococcus gallolyticus.
b) Incorreta. O câncer de próstata não tem relação com bactérias da endocardite.
c) Incorreta. A leucemia linfocítica crônica tem a ver com a infecção por HTLV e pelo vírus EBV, não por
bactérias que causam endocardite.
d) Incorreta. A mielodisplasia não tem relação com bactérias que causam endocardite.
Gabarito = A
Questão 2. Analisando as alternativas:
a) Correta. As anomalias estruturais de base são as principais causas de turbilhonamento de sangue ao passar
pelo coração com maior facilidade de fixar a bactéria em valvas ou estruturas cardíacas.
b) Correta. Sempre que algum mecanismo favorece a lesão valvar, o t rombo acumula fibrina e plaquetas,
piorando o turbilhonamento, fazendo acumular mais bactérias no local e produzindo novos trombos, como
um mecanismo em cascata.
c) Incorreta. Nem toda endocardite é por conta de doença congênita, assim como nem toda doença congênita
cardíaca predispõe a endocardite.
d) Correta. As grandes síndromes congênitas cardíacas com cianose são os principais predisponentes de
endocardite, como citado na alternativa “d”.
Gabarito = C
Questão 3. Endocardite prévia é condição de risco para nova endocardite. A seguir, a lista de doenças que
fazem aumentar o risco de endocardite:
- Valvas protéticas;
- Endocardite prévia de valva nativa;
- Cardiopatias congênitas não corrigidas (apenas as que envolvem cianose complexa):
· Transposição de grandes vasos;
· Tetralogia de Fallot;
· Ventrículo único.
- Coarctação de aorta;
- Transplante cardíaco que desenvolve defeito valvar;
- Cardiopatias congênitas totalmente corrigidas com material protético (primeiros 6 meses após a cirurgia);
- Cardiopatias congênitas parcialmente corrigidas com defeito residual no local ou próximo a material
protético.
O procedimento especificado terá manipulação de gengiva, por isso deverá ser feita a profilaxia. A seguir, as
indicações de procedimentos:
- Procedimentos odontológicos com manipulação de gengiva;
- Procedimentos invasivos e cirurgias do trato respiratório;
- Cirurgias de pele e partes moles infectadas.
Gabarito = A
Questão 4. Até 1 ano da troca valvar, em próteses valvares, o Staphylococcus epidermidis e outros coagulase-
negativos são os mais frequentes. Portanto, é im portante pensar em coagulase-negativos nesses casos.
Candida spp., S. aureus e Gram negativos também podem acometer, mas com menos frequência. Portanto, a
resposta está na alternativa “a”. Enterococos e estreptococos do grupo A são causadores em pacientes com
endocardite subaguda. A Tabela a seguir exemplifica os principais causadores:
Perfis da endocardite
Agentes causadores esperados
Endocardite aguda de valva
nativa, em usuário de drogas
- Streptococcus do grupo viridans (mais frequente);
- Enterococcus spp.;
- Streptococcus bovis;
- Grupo HACEK;
- Staphylococcus aureus (mais frequente);
- Streptococcus pneumoniae;
- Bactérias enterofermentadoras (Klebsiella, Enterobacter, Serratia) e outros
Gram negativos habitantes intestinais: Salmonella;
- P seudomonas aeruginosa (aliás, entre os Gram negativos, é a m ais
prevalente);
- Candida spp.
Endocardite em valva protética
- Até 1 ano da troca valvar: Staphylococcus epidermidis (ou outros coagulase-
negativos) é o mais frequente. Candida spp., S . aureus e Gram negativos
também podem acometer;
- Após 1 ano da troca valvar: mesmas bactérias da subaguda na valva nativa.
Endocardite nosocomial
- Staphylococcus aureus (mais frequente);
- Enterococcus spp.;
- Staphylococcus epidermidis.
Gabarito = D
Questão 5. Os 2 critérios maiores para diagnóstico de endocardite são: presença de cultura positiva com
bactéria típica e vegetação em ecocardiograma. Variações estão relacionadas a estes 2 critérios maiores:
- Abscesso cardíaco (lembre-se: qualquer infecção, o apenas em valva, mas em qualquer parte do miocárdio,
é considerada endocardite);
- Nova deiscência de prótese valvar (piora de regurgitação está relacionada a infecção, na ausência de uma
explicação anatômica alternativa).
Evidência sorológica de Gram negativos tem o mesmo peso que crescimento em culturas, caso haja bactérias
que costumam causar endocardite. E os fenômenos imunológicos (causados por im uno complexos) são
critérios menores.
Gabarito = E