A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
43 pág.
PDF - o que e arquitetura

Pré-visualização | Página 1 de 2

O que é arquitetura? 
Arquitetura: 
partes articuladas num todo ordenado 
Arquitetura: 
volumes mais simples ou mais complexos 
Arquitetura: 
volumes mais simples ou mais complexos 
“O volume se percebe de fora: não há espaços a serem 
penetrados.” 
Arquitetura: 
volumes mais simples ou mais complexos 
“O volume se percebe de fora: não há espaços a serem 
penetrados.” 
“O volume é a essência da escultura.” 
Arquitetura é outra coisa! 
A qualidade arquitetônica também depende dos volumes. 
 
Arquitetura é outra coisa! 
A qualidade arquitetônica também depende dos volumes. 
 
“Na arquitetura os volumes são os meios que definem os 
espaços em que vivemos.” 
Arquitetura é outra coisa! 
A qualidade arquitetônica também depende dos volumes. 
 
“Na arquitetura os volumes são os meios que definem os 
espaços em que vivemos.” 
“O espaço que nos envolve é a essência da arquitetura.” 
Espaço e forma 
 
 
“O que vemos são piso, teto, planos opacos, translúcidos, 
transparentes.” 
Espaço e forma 
 
 
“Contudo, arquitetura é espaço de dimensões absolutas e 
relativas, barreiras e permeabilidades ao movimento do nosso 
corpo, opacidades a bloquearem a visão, transparências a 
permitirem apreender o mundo ao redor, luz e sombra, ruído e 
silêncio, movimento, temperatura e umidade do ar, aromas.” 
“Elementos materiais, inclusive mobiliário, são os meios para obter 
esses efeitos no espaço.” 
Espaço e forma 
 
 
“Elementos materiais, inclusive mobiliário, são os 
meios para obter esses efeitos no espaço.” 
Os atributos do lugar 
Os atributos do lugar 
 
Espaços privados - Edifício 
Os atributos do lugar 
 
Espaços privados - Edifício 
Espaços públicos – Rua, praça 
Os atributos do lugar 
 
Espaços privados - Edifício 
Espaços públicos – Rua, praça 
Espaços naturais – Praia, Cachoeira, Mata 
Os atributos do lugar 
 
Espaços privados - Edifício 
Espaços públicos – Rua, praça 
Espaços naturais – Praia, Cachoeira, Mata 
Dimensões, forma, direção, fluxo, função, escala, acessos. 
Os atributos do lugar 
 
Espaços privados - Edifício 
Espaços públicos – Rua, praça 
Espaços naturais – Praia, Cachoeira, Mata 
Dimensões, forma, direção, fluxo, função, escala, acessos. 
Os atributos do lugar 
 
Espaços privados - Edifício 
Espaços públicos – Rua, praça 
Espaços naturais – Praia, Cachoeira, Mata 
Dimensões, forma, direção, fluxo, função, escala, acessos. 
Relações entre espaços exteriores e interiores. 
Relações entre espaços abertos e fechados. 
Relações de proximidade ou distância. 
FORMA E ESPAÇO 
 
FORMA E ESPAÇO 
 
“Sempre que alguma coisa é projetada e feita, esboçada e pintada, desenhada, 
rabiscada, construída, esculpida ou gesticulada, a substância visual da obra é 
composta a partir de uma lista básica de elementos.” (p. 51) 
 
 
“Para analisar e compreender a estrutura total de uma linguagem visual, é 
conveniente concentrar-se nos elementos visuais individuais, um por um, para 
um conhecimento mais aprofundado de suas qualidades específicas.” (p. 53) 
O PONTO 
 
• É a unidade de comunicação visual mais simples e irredutivelmente mínima. 
• Na natureza, a rotundidade é mais comum, sendo a reta ou o quadrado uma 
raridade. 
• Tem grande poder de atração visual. 
 
O PONTO 
 
• Dois pontos: instrumentos úteis para medir o espaço no meio ambiente ou no 
desenvolvimento de qualquer tipo de projeto visual 
• Quanto mais complexa forem as medidas, maior número de pontos serão 
utilizados. 
 
O PONTO 
 
• Quando vistos, os pontos se ligam, sendo 
capazes de dirigir o olhar 
• A capacidade única que uma série de 
pontos têm de conduzir o olhar é 
intensificada pela maior proximidade dos 
pontos. 
• Em grande numero e justapostos, criam a 
ilusão de tom ou de cor 
A LINHA 
 
• Quando os pontos estão tão próximos entre si que se torna impossível identificá-los 
individualmente, aumenta a sensação de direção e a cadeia de pontos se 
transforma em outro elemento visual distintivo: a linha. 
 
 
• Também podemos definir a linha como um ponto em movimento, ou como a história 
do movimento de um ponto, pois quando fazemos uma marca contínua (uma linha), 
nosso procedimento se resume a colocar um marcador de pontos sobre uma 
superfície e movê-lo segundo uma determinada trajetória, de tal forma que as 
marcas se convergem num registro. 
A LINHA 
• Nas artes visuais, a linha tem, por sua própria natureza, uma enorme energia. 
Nunca é estática. É o elemento visual inquieto e inquiridor do esboço. 
• Onde quer que seja utilizada, é o elemento fundamental da pré-visualização, o meio 
de apresentar, de forma palpável, aquilo que ainda não existe, a não seu na 
imaginação. 
• Sua natureza linear e fluida reforça a liberdade de experimentação. Contudo, 
apesar da sua flexibilidade e liberdade, a linha não é vaga: é decisiva, tem 
propósito e direção, vai para algum lugar, faz algo de definitivo. 
A LINHA 
• A linha é também um instrumento nos sistemas de notação. A escrita, a criação de 
mapas, os símbolos elétricos e a música são exemplos de sistemas simbólicos nos 
quais a linha é o elemento mais importante. 
• Na arte, a linha é o elemento essencial do desenho, um sistema de notação que, 
simbolicamente, não representa outra coisa, mas captura a informação visual e a 
reduz a um estado em que toda informação visual supérflua é eliminada, e apenas 
o essencial permanece. 
A LINHA 
A linha pode assumir formas muito diversas para expressar uma grande variedade de 
estados de espírito. Pode ser muito imprecisa e indisciplinada, como nos esboços 
ilustrados, para tirar proveito de sua espontaneidade de expressão. Pode ser muito 
delicada e ondulada, ou nítida e grosseira, nas mãos do mesmo artista. Pode ser 
hesitante, inquieta e inquiridora, quando é simplesmente uma exploração visual em 
busca de um desenho. Pode ser ainda tão pessoal quanto um manuscrito de rabiscos 
nervosos, reflexo de uma atividade inconsciente sob a pressão do pensamento, ou um 
simples passatempo. Mesmo no formato frio e mecânico dos mapas, nos projetos de 
uma casa, ou nas engrenagens de uma máquina, a linha reflete a intenção do artífice 
ou artista, seus sentimentos e emoções mais pessoais e, mais importante que tudo, 
sua visão. 
A FORMA 
• A linha descreve uma forma. Na linguagem das artes visuais, a linha articula a 
complexidade da forma. 
• Existem três formas básicas: o quadrado, o círculo e o triângulo equilátero. 
 
 
 
 
 
• Cada uma delas tem suas características específicas, e a cada uma se atribui uma 
grande quantidade de significados, alguns por associação, outros por vinculação 
arbitrária, e outros, ainda, através de nossas próprias percepções psicológicas e 
fisiológicas. 
Enfado 
Honestidade 
Retidão 
Esmero 
Infinitude 
Calidez 
Proteção 
Ação 
Conflito 
Tensão 
A FORMA 
• Todas as formas básicas são figuras planas e simples, fundamentais, que podem 
ser facilmente descritas e construídas, tanto visual quanto verbalmente. 
figura de quatro lados, com 
ângulos retos rigorosamente 
iguais nos cantos, e cujos 
lados que têm exatamente o 
mesmo comprimento 
figura continuamente 
curva, cujo contorno 
é, em todos os 
pontos, equidistante 
do seu ponto central. 
figura de três lados cujos 
ângulos e lados são todos 
iguais 
A FORMA 
• A partir de combinações e variações infinitas dessas três formas básicas, 
derivamos todas as formas físicas da natureza e da imaginação humana.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.