2) Amostra e amostragem
30 pág.

2) Amostra e amostragem

Disciplina:Química Analítica Aplicada72 materiais1.626 seguidores
Pré-visualização2 páginas
1

Profa. Nedja Suely Fernandes

2014.1

Natal/RN

AMOSTRA E AMOSTRAGEM

“Medidas ruins são,na melhor das hipóteses,

caras e inconvenientes,mas, na pior das

hipóteses perigosas ou nocivas à saúde, ...

Não faz sentido ter analistas de primeira

categoria, equipamentos caros e modernos, se

a amostra não for representativa ou se

sofreu alterações antes da análise”.

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

2

- Porção limitada de material tomado do conjunto, ou
seja, o universo, na terminologia estatística,
selecionada de maneira a possuir as características
essenciais no conjunto.
- Então, o processo de amostragem é uma série
sucessiva de etapas operacionais especificadas para
assegurar que a amostra seja obtida com a necessária
condição de representatividade.

AMOSTRA

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

- Os resultados de uma análise quantitativa somente

poderão ter o valor que dela se espera na medida em

que a porção do material submetida ao processo

analítico representar, com suficiente exatidão, a

composição média do material em estudo.

CONSIDERAÇÕES

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

3

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 5

TIPOS DE AMOSTRAS

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 6

CUIDADOS NA COLETA DA AMOSTRA

4

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 7

CUIDADOS NA COLETA DA AMOSTRA

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 8

CUIDADOS NA COLETA DA AMOSTRA

5

Profa. Nedja Fernandes DQ/UFRN 9

AMOSTRAGEM

 AMOSTRAGEM: Série sucessiva de etapas

operacionais especificadas para se obter uma

pequena porção que seja realmente

representativa.

 É o processo de coleta de uma amostra

representativa para análise.

 UNIVERSO: Homogêneo e Heterogêneo

Profa. Nedja Fernandes DQ/UFRN 10

ASPECTOS RELEVANTES NO PROCESSO DE
AMOSTRAGEM

6

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 11

ORGANOGRAMA DA AMOSTRAGEM

Profa. Nedja Fernandes DQ/UFRN 12

AS PERGUNTAS DA AMOSTRAGEM

Quanto coletar

Quando e onde coletar

Química dos materiais

Quantidade suficiente

Higiene e segurança

Quando coletar

100 g, 1L, 1 bag

Do lado, na bomba, a 60 cm

Há reação com o recipiente

Para duplicata. Pelo L/Q

Quais os riscos na coleta e
análise

Estações do ano

7

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 13

REDUÇÃO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA
ANÁLISE

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 14

REDUÇÃO DO TAMANHO DA AMOSTRA
PARA ANÁLISE

8

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 15

REDUÇÃO DO TAMANHO DA AMOSTRA
PARA ANÁLISE

Passagem da amostra bruta para homogênea no
laboratório

ETAPAS DO PROCESSO DE AMOSTRAGEM

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

COLETA DA AMOSTRA BRUTA

PREPARAÇÃO DA AMOSTRA DE

LABORATÓRIO

PREPARAÇÃO DA AMOSTRA

PARA A ANÁLISE

9

- A amostra é obtida por meio de incrementos
recolhidos segundo critérios adequados.
- A reunião dos incrementos forma a amostra bruta.
- A amostra de laboratório é o resultado da redução da
amostra bruta, mediante operações conduzidas de
maneira a garantir a continuidade da condição de
representatividade da amostra.
- A amostra para a análise é uma porção menor da
amostra de laboratório, suficientemente homogeneizada
para poder ser pesada e submetida à analise.

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

ETAPAS DO PROCESSO DE AMOSTRAGEM

TIPOS DE AMOSTRAGEM

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

AMOSTRAGEM AO ACASO

AMOSTRAGEM

REPRESENTATIVA OU

SISTEMÁTICA

10

 - Aplica-se aos materiais com distribuição

inteiramente casual. Então, os incrementos são

tomados ao acaso. Logo, cada porção do universo tem

a mesma probabilidade de ser incluída na amostra.

- Ex.: Amostragem de peixes.

A AMOSTRAGEM AO ACASO

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

AMOSTRAGEM AO ACASO

Fonte: http://www.quimlab.com.br

11

ESQUEMA DE AMOSTRAGEM AO ACASO
EM UMA ÁREA

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

- Aplica-se, particularmente, aos universos
caracterizados por variações sistemáticas.
- Neste caso, universo é dividido em um certo número
real ou imaginário de cada estrato ou seção.
- De cada estrato ou seção, deve-se tomar um número
proporcional de incrementos ao acaso, segundo um
plano sistemático.
- Ex.: Amostragem de solo para fins de fertilidade.

A AMOSTRAGEM REPRESENTATIVA

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

12

A AMOSTRAGEM REPRESENTATIVA

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Fonte: http://rehagro.com.br

DIVISÃO DE UM PROPRIEDADE EM GLEBA PARA
UMA EFICIENTE AMOSTRAGEM

13

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Fonte: http://rehagro.com.br

PÁ DE CORTE E DIFERENTES MODELOS DE
TRADO UTILIZADOS PARA REALIZAR A

AMOSTRAGEM

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Fonte: http://rehagro.com.br

POSIÇÃO ADEQUADA PARA COLETA DAS
AMOSTRAS EM CULTURAS ANUAIS E PERENES

14

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

SEQUÊNCIA DE OPERAÇÕES NA COLETA DE
AMOSTRA DO SOLO

Fonte: http://rehagro.com.br

MATERIAIS /
EQUIPAMENTOS DE APOIO

UTILIZADOS PARA
AMOSTRAGENS.

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

15

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Fonte: http://www.agrolink.com.br

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

16

TIPOS DE MATERIAIS UTILIZADOS NA
AMOSTRAGEM

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

TIPOS DE MATERIAIS UTILIZADOS NA
AMOSTRAGEM

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

17

- O caso típico é o de minérios, geralmente extraídos
na forma de fragmentos de diferentes tamanhos e
composição variável.
- O processo de amostragem é relativamente difícil. Os
incrementos para formar a amostra bruta são
geralmente tomados do material em movimento.
- uma certa fração das pazadas ou cargas de carrinhos
de mão do material a amostrar são separados e
reunidos.

MATERIAIS SÓLIDOS EM FRAGMENTOS
GROSSEIROS

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

MINÉRIOS

18

AMOSTRAGEM DE MATERIAIS SÓLIDOS

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Fonte: http://www.mecanicaindustrial.com.br

AMOSTRAGEM DE MATERIAIS
SÓLIDOS GRANULADOS

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

19

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

AMOSTRAGEM DE METAIS E LIGAS

Em geral, os materiais são perfurados com brocas.
Alguns podem ser cortados ou serrados. As
ferramentas usadas devem operar sem a aplicação de
água, óleo ou outro líquido.

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 38

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS SÓLIDAS

Britador de mandíbula

20

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 39

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS SÓLIDAS

Moinho de recipiente vibratório

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 40

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS SÓLIDAS

QUARTEADOR

21

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 41

GRANULOMETRIA

Escala ASTM e TYLER

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 42

GRANULOMETRIA

Escala ASTM e TYLER

22

Barco principal (Flôr do Lôdo), utilizado para amostragens de
água, peixes e sedimentos no Reservatório de Ibitinga-SP - Rio
Tietê.

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 44

AMOSTRAGEM DE SEDIMENTOS

23

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 45

AMOSTRAGEM DE SEDIMENTOS

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 46

AMOSTRAS DE SEDIMENTOS

24

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 47

AMOSTRAS DE SEDIMENTOS

Profa. Nedja Fernandes IQ/UFRN 48

 Amostragem na superfície e diferentes
profundidades

 Influência na concentração

 Luz
 Calor

 Solubilidade dos gases
 Contato com o leito
 Estações do ano

AMOSTRAGEM DE LÍQUIDOS

25

- A amostragem de um líquido homogêneo é,