SLIDE
6 pág.

SLIDE


Disciplina<strong>estrutura</strong> <strong>organizacional</strong>4 materiais11 seguidores
Pré-visualização1 página
1
Estrutura Organizacional
do SUS
Profa. Me. Tânia Pires
Aula 1
Contextualização
O SUS \u2013 Proposta Social
e Democrática
\uf0a7 Evolução histórica
\uf0a7 A Reforma Sanitária
\uf0a7 A VIII Conferência Nacional 
de Saúde
\uf0a7 A criação do SUS
E por Falar em Saúde...
\uf0a7 Nem sempre o 
nosso sistema 
foi um sistema 
de saúde
Olhando para Trás
\uf0a7 O que significava adoecer no 
início do século XX no Brasil?
\uf0a7 O que significava adoecer nos 
anos 70 no Brasil?
Instrumentalização
2
\uf0a7 Sanitarismo campanhista
\uf0a7 Médico-assistencial 
privatista
\uf0a7 O INAMPS
Evolução Histórica
Sanitarismo Campanhista
Imagens: Acervo da Fiocruz. Disponíveis 
no site da Bibilioteca Virtual
Disponível em: 
<http://picasaweb.goo
gle.com/dorjoel/FotosA
ntigas>. Acesso em: 07 
abr. 2009.
O INAMPS
\uf0a7 Centralização no 
Governo Federal
\uf0a7 Assistência médica 
curativa
\uf0a7 Financiamento de 
hospitais
\uf0a7 Fraudes
\uf0a7 Ausência de ações de 
prevenção e promoção da 
saúde
\uf0a7 Exclusão e discriminação na 
assistência
O SUS: Proposta Social
e Democrática
3
A Reforma Sanitária
\uf0a7 Insatisfação da sociedade: 
universidades, igrejas, sindicatos
Imagem: Biblioteca Virtual da 
Fiocruz \u2013 Ministério da Saúde
\uf0a7 Propostas do Movimento
Sanitário:
\u2022 política de saúde democrática, 
universal, descentralizada
\u2022 justiça social
\uf0a7 Conferência Internacional de 
ALMA-ATA (1978): atenção 
primária à saúde
\uf0a7 CNBB: Pastoral da Criança 
(Dra. Zilda Arns Neuman): ações 
de cuidado e vigilância à saúde
OMS: ALMA-ATA
\uf0a7 Saúde para todos no ano 
2000
\uf0a7 Principal estratégia: atenção 
primária à saúde
VIII Conferência Nacional
de Saúde (1986)
IPOJUCAN FRAIZ
\uf0a7 Conceitos de 
ALMA-ATA 
(1978)
\u2022 Atenção 
primária à 
saúde
\uf0a7 Conceitos de 
OTAWA (1984)
\u2022 Promoção de 
saúde
Dep. Ulisses Guimarães (à 
esquerda) e Dr. Sérgio Arouca
4
Disponível em: 
<http://www4.ensp.fiocruz.br/radis/72/capa.html>. 
Acesso em: 03 jul. 2009.
Constituição Brasileira 
(1988)
\uf0a7 Art. 6º São direitos sociais a 
educação, a saúde, o trabalho, a 
moradia, o lazer, a segurança, a 
previdência, a proteção à 
maternidade e à infância, a 
assistência aos desamparados, 
na forma desta Constituição
(Constituição Federal, 1988)
\uf0a7 Art. 196 A saúde é direito de 
todos e dever do Estado, 
garantido mediante políticas 
sociais e econômicas que visem à 
redução do risco de doença e de 
outros agravos e ao acesso 
universal e igualitário às ações e 
aos serviços para sua promoção, 
proteção e recuperação
(Constituição Federal, 1988)
Sistema ÚNICO de Saúde 
(SUS)
\uf0a7 Promoção da saúde
\u2022 Cidadania
\uf0a7 Proteção da saúde
\u2022 Prevenção
\uf0a7 Recuperação da saúde
\u2022 Assistência
Aplicação
Um Novo Mundo é Possível
\uf0a7 Atender a todos
\uf0a7 Fazer de tudo
\uf0a7 Atender em todos os lugares
5
\uf0a7 Diminuir as desigualdades
\uf0a7 Ser municipalizado
\uf0a7 Ser regionalizado
\uf0a7 Ter a participação da população
\uf0a7 Priorizar a promoção da 
saúde
\uf0a7 Saúde é resultante das condições 
de alimentação, habitação, 
educação, renda, meio ambiente, 
trabalho, transporte, emprego, 
lazer, liberdade, acesso e posse 
da terra e acesso a serviços de 
saúde
\uf0a7 Saúde deve ser conquistada pela 
população em suas lutas 
cotidianas
(BRASIL, 1987. VIII Conferência 
Nacional de Saúde)
Síntese
\uf0a7 Do Sanitarismo campanhista ao 
SUS
\uf0a7 A conquista do direito à saúde
\uf0a7 Uma nova visão da saúde e da 
doença
Referências de Apoio
\uf0a7 BRASIL. Ministério da Saúde. 
Fundação Oswaldo Cruz. 
Biblioteca Virtual Sérgio 
Arouca. Oitava Conferência. 
Disponível em: 
<http://bvsarouca.cict.fiocruz.
br/sanitarista06p.htm>.
\uf0a7 BRASIL. Ministério da Saúde. 
Fundação Oswaldo Cruz. 
Biblioteca Virtual Sérgio 
Arouca. Reforma Sanitária. 
Disponível em: 
<http://bvsarouca.cict.fiocruz.
br/sanitarista06p.htm>.
6
\uf0a7 BRASIL. Constituição (1988) \u2013
Constituição da República 
Federativa do Brasil. 
BRASÍLIA, DF: Centro Gráfico, 
1988, 292 p.