AULA DE RADIOTERAPIA.pdf
41 pág.

AULA DE RADIOTERAPIA.pdf


DisciplinaPrincipios de Radioterapia2 materiais224 seguidores
Pré-visualização2 páginas
RADIOTERAPIA 
Procedimentos
\uf070 Procedimentos Clínicos: A avaliação clinica e decisões 
terapêuticas devem ser obtidas e registradas no 
prontuário do paciente antes do início do 
tratamento (nome completo, idade, cor, profissão e 
tudo que julgar necessário).
\uf070 Histórico: início a doença, época, sintomas, se faz uso 
de medicamentos, hábitos, doenças anteriores, 
tratamentos anteriores.
\uf070 Exames: exame físico completo para 
acompanhamento posterior, exames laboratoriais e 
exames complementares, tais como, RNM, TC, 
cintilografias, Rx.
\uf070 Tratamento: tem finalidade variada, como: 
curativa, paliativa, pré-operatória, pós-
operatória, exclusiva, antiálgica e anti-
hemorrágica. 
Lembrando que o tratamento pode ser 
combinado com a quimioterapia para maior 
eficiência. A contra indicação a 
hipersensibilidade à radiação.
\uf070 Radioterapia Curativa: Visa à cura do paciente. 
A dose é a máxima permitida que possa ser 
aplicada na área.
\uf070 Radioterapia Paliativa: O objetivo é o controle 
local do tumor primário ou de metástase(s) 
sem influenciar a taxa da sobrevida global do 
paciente. Geralmente a dose aplicada é menor 
que a dose máxima permitida para a área.
\uf070 Radioterapia Pré-operatória: É a radioterapia 
que antecede a cirurgia, e tem a finalidade de 
reduzir o tumor e facilitar a ressecção tumoral. 
A dose total é menor que a dose máxima 
permitida para a área.
\uf070 Radioterapia Pós-operatória: Segue-se 
imediatamente após a cirurgia e tem a 
finalidade de esterilizar possíveis focos 
microscópicos do tumor. A dose total como 
nas anteriores não alcança a dose máxima 
permitida para a área.
\uf070 Radioterapia Exclusiva: Significa que não é 
associada a outra(s) modalidade(s) 
terapêutica(s). Pode ter finalidade curativa 
ou paliativa, e pode ter doses máximas ou 
menores.
\uf070 Radioterapia Antiálgica: Com finalidade 
especifica de melhora ou diminuição das 
dores. Pode ser aplicada diariamente ou 
doses fracionárias maiores semanais. A dose 
total geralmente é menor que a dose 
máxima permitida para a área.
\uf070 Radioterapia Anti-hemorrágica: Usada nos 
sangramentos, hemorragias tumorais. 
PRESCRIÇÃO ESCRITA
a) Plano de dose;
b) Irradiação;
c) Definição do irradiador;
d) Campos;
e) Acessórios;
f) Simulação;
g) Dosimetria Clínica;
h) Revisão Médica.
Plano de dose
- A dose prescrita no volume alvo;
- O fracionamento de dose;
- A dose de cada campo;
- Dose total de tratamento;
- O tempo total de tratamento;
Irradiação
- Teleterapia;
- Braquiterapia;
Definição do irradiador
- Cobalto;
- Acelerador Linear;
Campos 
- Antero-posterior;
- Látero-laterais;
- Angulados;
- Tangenciais;
- Número de campos;
Acessórios
- Deve haver uma oficina para a confecção de 
blocos de proteção individual, moldes, 
máscaras de imobilização, filtros 
compensadores e demais acessórios 
utilizados no tratamento.
- deve dispor de dispositivos de segurança 
próprios relativos a produtos tóxicos 
manipulados.
Simulação
- Todo tratamento de radioterapia deve ser 
antecedido de simulação;
- Toda simulação que usa imagem radiológica 
deve ser documentada;
- Os filmes de simulação devem conter o nome do 
paciente, nº do prontuário e data da simulação;
- Na simulação a imobilização deve ser feita da 
mesma forma com o qual o paciente será tratado;
- O equipamento de simulação deve satisfazer a 
Portaria SVS-MS-453/98 ou que vier substituí-la.
Dosimetria clínica
- Todos os parâmetros de cálculos devem ser 
registrados;
- A ficha técnica de tratamento os cálculos 
para todos os campos e as informações 
relacionadas ao tratamento;
- Todo cálculo deve ser verificado até a 3ª 
aplicação ou até a dose acumulada de 10% da 
dose total;
Revisão médica
- O exame de revisão médica deve ser realizado 
semanalmente com a finalidade de acompanhar a 
evolução do tratamento e de prevenir ou tratar as 
possíveis toxicidades;
- Ao final do tratamento deve ser realizada uma 
avaliação pelo radioterapêuta para verificar a 
aplicação total da dose prescrita e a resposta ao 
tratamento;
- Os pacientes tratados são revisados periodicamente a 
fim de avaliar a resposta ao tratamento aplicado, os 
efeitos agudos e tardios, além de evolução ou controle 
da doença;
- Todos os resultados das avaliações são registrados no 
prontuário do paciente;
CÂNCER E SEUS TRATAMENTOS
Neoplasias:
- É entendida como proliferações anormais de 
células que têm crescimento autônomo e 
tendem a perder sua diferenciação;
- As neoplasias são chamadas de tumores;
- Cancerologia ou Oncologia é a parte da 
Medicina que estuda os tumores;
CÂNCER
- O câncer é caracterizado por um crescimento 
autônomo, desordenado e incontrolado de células que ao 
alcançarem uma certa massa, comprimem, invadem e 
destroem os tecidos normais vizinhos;
- O câncer é uma doença única, mas aproximadamente 
200 doenças distintas, cada uma com suas próprias 
causas, história natural e tratamento;
- Os fatores ambientais (macro e micro) são responsáveis 
por 80% dos tumores malignos, e os fatores genéticos 
pelos outros 20%;
- A cura do câncer é definida como: ausência de tumor 
após o tratamento, por um período de vida tão longo 
como daquele que não teve câncer;
- A cura do câncer depende de um tratamento 
multidisciplinar.
Neoplasias Benignas Neoplasias Malignas
- Em geral não apresentam grandes
problemas para seus portadores;
- Podem causar vários transtornos:
obstrução de órgãos ou estruturas ocas,
compressão de órgãos, produção de
substâncias em maior quantidade;
- As células crescem unidas entre si;
- Não infiltram tecidos vizinhos;
- Formam uma massa geralmente esférica;
- Forma-se uma cápsula fibrosa em torno
do tumor;
- Pode ser removida completamente por
cirurgia;
- Em geral não recidivam após ressecção
cirúrgica;
- As células apresentam alterações
importantes na membrana plasmática,
tornando-as menos aderente entre si;
- Podem se movimentar;
- Infiltram os tecidos adjacentes;
- Penetram em vasos sanguíneos e
linfáticos;
- Podem ser levadas para locais distantes
pelas correntes sanguíneas;
- A remoção completa do tumor é muito
mais complexa e difícil;
- Têm tendência à recidiva local;
Aspecto Morfológico dos tumores:
- Nodulares: forma de uma massa esférica 
expansiva (benigno ou maligno);
- Vegetantes: crescem em superfícies (benigno 
ou maligno);
- Infiltrativos: infiltração maciça da região 
acometida (maligno);
- Ulcerados: forma uma cratera em geral com 
bordas endurecidas, elevadas e irregulares.
Metástases
- É a formação de uma nova lesão tumoral a 
partir da primeira, mas sem continuidade 
entre as duas;
- Metástases só se formam em tumores 
malignos;
- Quando surgem metástases, quase sempre o 
tumor é incurável;
- A primeira manifestação clínica de um 
câncer pode ser uma metástase.
Estadiamento
- Avalia a extensão da neoplasia, onde se 
considera o tamanho do tumor, a existência de 
metástase em linfonodos e em órgãos 
distantes;
- Baseado no Sistema TNM (tumor primário, 
metástase em linfonodos regionais e 
metástase à distância).
Tumor - T
T \u2013 tumor primário, caracterizado pela 
extensão da neoplasia no sítio primário e pelo 
envolvimento de estruturas adjacentes:
a) Tx \u2013 tumor primário, não pode ser avaliado.
b) T0 \u2013 sem evidência de tumor.
c) Tis \u2013 tumor in situ.
d) T1-T4 \u2013 de acordo com o diâmetro e a 
extensão local.
Metástases em linfonodos regionais - N
a) Nx \u2013 linfonodos regionais não podem ser 
avaliados.
b) N0 \u2013 sem evidência de metástases regionais.
c) N1-N3 \u2013 de acordo com o envolvimento de 
linfonodos.
Metástase à distância - M
a) Mx \u2013 não pode ser avaliado.
b)