A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
Direito das Coisas - roteiro de estudos

Pré-visualização | Página 1 de 7

Profª Suely Mitie Kusano – DIREITO DAS COISAS 
 
1 
 
1.- NOÇÕES DE DIREITO ROMANO: 
-Propriedade (“dominium”, “proprietas”): relação direta e imediata entre o titular e a 
coisa (objeto ou pessoas livres sujeitas à “patria potestas”, definido como “in re plena 
potestas”. 
 
Propriedade Quiritária 1- Titular cidadão romano 
2- Coisa corpórea “in commercio” (exceto 
terreno provincial) 
3- Aquisição por meio reconhecido pelo “ius 
civile” 
 
Formas de Aquisição 
1- Aquisição originária 
2- Usucapião (ex: vender e não entregar) 
3.a- “Res mancipi” - ”mancipatio” e a “in iuri cessio” 
3.b- “res nec mancipi”- “traditio” 
 
Propriedade 
Pretoriana 
Propriedade bonitária (“in boni esse”), cujo domínio era 
concedido pelo pretor, em contraposição à propriedade 
quiritária. 
Formas e 
meios de 
aquisição 
1- “Exceptio rei venditae et traditae” - proteção do comprador 
contra o antigo proprietário que se recusa a entregar a coisa 
vendida, com intenção de usucapí-la (reivindicatória atual). 
2- “Actio Publiciana”- reconhecimento ficto de usucapião da 
coisa comprada sem as formalidades legais e solenes, mas que 
cuja coisa caiu em mãos de terceiro. 
* Confere a posse definitiva a quem não era proprietário 
quiritário (exemplo:- execução do devedor insolvente, sucessão 
pretoriana, doação). 
Profª Suely Mitie Kusano – DIREITO DAS COISAS 
 
2 
 
-Propriedade de terrenos provinciais- propriedade do povo romano administrado 
pelo Senado ( praedia stipendiaria) e propriedade do Imperador (praedia tributaria), 
cujo gozo era concedido pelo Estado ao particular= “POSSESSIO VEL 
USUSFRUCTUS” ( ususfructus). 
-Propriedade de Pelegrinos-domínio concedido ao estrangeiro (faltava o requisito da 
cidadania e, por isso, não eram passíveis de propriedade)-”DOMINIUM” para permitir 
a defesa processual da coisa, imitando a da propriedade quiritária. 
-Co-Propriedade- propriedade por duas ou mais pessoas (actio communi dividundo) 
ou adjudicação pelo maior pagamento. 
-Posse- é um fato, enquanto que a propriedade é um direito. 
“POSSESSIO NATURALIS”= detenção (corpus) 
“POSSESSIO AD INTERDICTA”= posse (corpus e animus)-fato tutelado pelo “ius 
civile”. 
 
AQUISICÃO DE PROPRIEDADE ROMANA: ORIGINÁRIA e DERIVADA. 
 
-Aquisição Originária - Ocupação 
- Invenção 
- União de coisas 
- Especificação 
- Aquisição dos frutos 
 
-Aquisição Derivada -”mancipatio”(venda) 
-”in iuri cessio” (cessão de direito) 
-”traditio”(tradição) 
 
Profª Suely Mitie Kusano – DIREITO DAS COISAS 
 
3 
-USUCAPIÃO (“usucapio”)- modo especial de aquisição da propriedade quiritária, 
pelo exercício prolongado da posse- terreno= dois anos e outros (coisas, 
paterfamílias)=um ano 
 
REQUISITOS 
PARA 
“USUCAPIO” 
1- “Res in commercio” (não podiam a “res furtivae” e a “res vi 
possessae” (posse violenta) 
2- possessio civilis (posse com ânimo de dono) 
3- “iustus titulus” ou “iusta causa usucapionis” (ato jurídico 
precedente= compra, doação, lote, pagamento de dívidas). 
4- Boa fé inicial do possuidor (irrelevante a má fé superveniente) 
5- “tempus” (prazo=dois ou um ano) 
 
 
 
PRESCRIÇÃO a- “Praescriptio longi temporis (réu possuidor) 
b- “Praescriptio longissimi temporis” (réu proprietário) 
 
 
PRESCRIÇÃO: é meio de defesa processual. 
A- “PRAESCRIPTIO LONGI TEMPORIS”- defesa do réu possuidor, que paralisava a 
pretensão do autor contra o réu, em virtude deste possuir a coisa durante muito 
tempo (dez anos presentes ou vinte ausentes), justo título e boa fé do possuidor. 
B-”PRAESCRIPTIO LONGISSIMI TEMPORIS”- perda do direito do proprietário por 
falta de exercício (o proprietário não merece proteção judicial), pelo prazo de 
quarenta anos (início), alterado para trinta anos, independentemente de boa fé e 
justo título do possuidor = impedia que o proprietário propusesse ação 
reivindicatória, porém não se concedia a propriedade ao possuidor. 
 
Profª Suely Mitie Kusano – DIREITO DAS COISAS 
 
4 
 
-DIREITOS REAIS SOBRE A COISA ALHEIA:- (“iura in re aliena”) 
 
A-DIREITOS REAIS DE GOZO Servidões prediais e pessoais, enfiteuse e 
superfície. 
 
B-DIREITOS REAIS DE GARANTIA Fidúcia, penhor e hipoteca. 
 
-SERVIDÕES PREDIAIS (“servitutes praediorum”) = servidão entre dois prédios 
(mudando o titular, permanece a servidão ao novo titular): servidão de passagem, de 
trânsito, de canais de fontes, de esgoto, de não construir acima de certa altura etc.) 
-SERVIDÕES PESSOAIS (“servitutes personarum”) = estabelecidos um favor de 
determinadas pessoas:- usufruto, uso, habitação e o trabalho de escravos. 
-SUPERFÍCIE- direito de usar as construções introduzidas em terreno alheio, cuja 
propriedade pertencia ao proprietário do terreno, por longuíssimo tempo (direito 
alienável gratuito ou oneroso e transmissível aos herdeiros) 
-ENFITEUSE- direito de usar e gozar de púdio rústico alheio, por tempo ilimitado, 
mediante pagamento de foro anual. 
-FIDÚCIA- (“Fiducia cum creditore”) - transferência da propriedade, com a obrigação 
de o credor devolver a coisa quando recebesse o pagamento da dívida (o credor era 
dono da coisa, podia usar/gozar) 
-PENHOR-(“pignus”)-transferência da posse ao credor até pagamento de dívida, 
sem formalidades e seguido de entrega. Se o acordo previa que os frutos da coisa 
pertencessem ao credor, dava-se a anticrese (“antichresis”); se não, configurava 
furto (penhor). 
-HIPOTECA- (“hypotheca”)- a coisa dada ficava vinculada ao pagamento da dívida, 
sem que houvesse a transferência da propriedade ou da posse da coisa. A posse e 
domínio somente seria transferida ao credor no caso de não haver pagamento da 
dívida. 
Profª Suely Mitie Kusano – DIREITO DAS COISAS 
 
5 
2.- INTRODUÇÃO AO DIREITO REAL – O direito das coisas é a parte do Direito 
Civil que por mais longo tempo se manteve fiel à tradição romana e aos princípios 
individuais que traçaram a história da humanidade, proclamando a intangibilidade do 
domínio- verdadeiro resquício da propriedade quiritária do direito romano 
(propriedade absoluta). Inicialmente, a propriedade do solo compreendia, além da 
superfície, também a de seus acessórios, o espaço aéreo e o subsolo. Alterações: 
 
CÓDIGO 
DE 
MINAS 
Decreto 24642/34 
DL 1985/40 
Lei 2004/53 
Lei 3924/61 
- separaram a propriedade do solo e das jazidas 
(monopólio da União) 
- pesquisa e lavra do petróleo, hidrocarbonetos e 
gases raros – monopólio da União 
 
DL 227/67 - jazidas arqueológicas ou pré-históricas distintas 
da propriedade particular 
 
 -deu nova redação ao Código de Minas - DL 
1985/40 
 
CÓDIGO DE ÁGUAS Decreto 
24643/34 
quedas de água, fontes de energia elétrica 
não integram a propriedade da terra 
 
CONSTITUIÇÕES 
FEDERAIS 
CF/69 e 
CF/88 
mantiveram a distinção da propriedade da 
superfície da das jazidas, fontes de energia, 
estabeleceu a função social da propriedade 
(CF/88) 
 
IMÓVEIS Compromisso de compra e venda sem cláusula expressa de 
arrependimento confere direito real que permite a Ação de 
Adjudicação Compulsória, caso o vendedor se recuse a outorgar a 
escritura definitiva (Lei 649/49, Lei 6014/73; DL 58/37 e Decreto 
3079/38). 
 
 
Profª Suely Mitie Kusano – DIREITO DAS COISAS 
 
6 
DIREITOS 
REAIS DE 
GARANTIA 
Penhor não só dos bens móveis rural, agrícola ou pecuário, 
mas estendido também à caução de títulos de créditos, 
máquinas e aparelhos industriais, sal, salina, créditos 
hipotecários, pignoratícios (Decreto 24.778/34) e 
estabelecimentos de ensino (DL 7780/45) - DL 413/69 
 
 
CLASSIFICAÇÃO 
DO DIREITO DAS 
COISAS 
-CIENTÍFICO - Direito Romano ampliado pela Doutrina 
-LEGAL - direito atual, conforme situação jurídica regulada 
pela legislação - OBJETO DE NOSSOS ESTUDOS