A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
80 pág.
Responsabilidade Socioambiental

Pré-visualização | Página 9 de 14

pelo voluntariado, 
realizando práticas de filantropia, proteção à natureza e diversas ações que visam a alcançar 
objetivos sociais e públicos, como por exemplo, serviços de saúde, campanhas educacionais, 
eventos culturais, ações de proteção ao meio ambiente e várias atividades que contribuam 
para melhorar a qualidade de vida da população. Enfim, as ONGs participam da resolução de 
problemas sociais, econômicos, ambientais, políticos, entre outros.
Re
sp
on
sa
bi
lid
ad
e 
So
ci
oa
m
bi
en
ta
l
49
Voluntariado: 
quando alguém re-
aliza uma atividade 
própria do exercício 
de cidadania, de 
maneira espontâ-
nea e não remu-
nerada, em prol 
de solução para 
os problemas que 
afetam a sociedade 
em geral.
Nesse contexto, podemos citar como exemplos de entidades não governamentais: 
• As Fundações, que financiam o 3º setor fazendo doações às entidades beneficentes 
(temos também, no Brasil, as fundações mistas que doam para terceiros e ao mesmo 
tempo executam projetos próprios);
• As Organizações Não Governamentais (ONGs), que, como vimos, são as organizações 
sem fins lucrativos e visam a preencher as lacunas deixadas pelo estado em prol do 
bem-estar social; 
• As Entidades Beneficentes, que cuidam da população carente, ajudam a preservar o 
meio ambiente e promovem projetos educativos, como as fundações, as instituições 
religiosas, os centros sociais, os clubes, os serviços etc. 
É interessante que você perceba que a própria sociedade (e a sociedade é formada por 
cada um de nós), pode contribuir para desenvolver ações colaborativas com o 3º setor. Não 
podemos somente reivindicar direitos, o que é bastante correto, mas devemos, também, 
exercer nossos deveres. E colaborar para o bem-estar de todos faz parte dos nossos deve-
res, concorda?
Atividade 01
Você conhece alguma instituição do Terceiro Setor que atue no seu bairro, ou 
em sua cidade? Procure a que estiver mais próxima de você, faça uma visi-
ta, liste as principais atividades que a instituição desenvolve e procure saber 
como são financiados os projetos em execução, ou seja, se tem parcerias com 
o Primeiro Setor (Órgão Público) ou Segundo Setor (Iniciativa Privada).
A contribuição das ONGs nas lutas socioambientais
A crescente importância dada às questões ambientais, segundo Dias (2011), resultou 
no aumento do número de organizações ecológicas que se ocuparam de diversos temas 
da agenda ambiental. 
Talvez você não soubesse, mas desde o início da década de 1960 as Organizações Não 
Governamentais (ONGs) passaram a se destacar na história das lutas socioambientais, 
apresentando propostas e exercendo pressão sobre governos, empresas e órgãos de finan-
ciamento em prol da sustentabilidade.
Re
sp
on
sa
bi
lid
ad
e 
So
ci
oa
m
bi
en
ta
l
50
Nesse cenário, Guimarães (1998 apud DIAS, 2011) afirma que as organizações não 
governamentais incluíram definitivamente a interação homem-natureza na agenda pública 
mundial e alteraram a forma e o conteúdo das relações e negociações internacionais.
Entre os atores não governamentais ambientais de maior expressão mundial, está o Gre-
enpeace. Fundada no Canadá, em 1971, a ONG tem como ideal a defesa incessante do 
meio ambiente. Expandiu-se rapidamente por diversos países, fato que originou a criação do 
Greenpeace Internacional, em Amsterdã – Holanda. Sua principal função é iniciar e gerenciar 
campanhas e programas a serem realizados em escala mundial, repassando-os aos escri-
tórios nacionais. Definiu como escopo de seu trabalho os seguintes temas: florestas, clima, 
A aproximação do setor privado com o 3º Setor tem auxiliado na melhoria da 
reputação das empresas diante da opinião pública e resultado na implemen-
tação de práticas sustentáveis. Talvez você ainda não saiba, mas em nosso 
país, empresas do agronegócio deixaram de adquirir soja cultivada na região 
amazônica após uma campanha organizada pelo Greenpeace.
Curiosidade
Várias Organizações Não Governamentais, entre elas algumas internacionais, como o 
Greenpeace e o World Wildlife Fund (WWF), surgiram com o propósito de chamar a atenção 
da opinião pública para os efeitos da exploração irresponsável dos recursos naturais, da 
destruição do habitat de inúmeras espécies e da poluição registrada em diversos ambien-
tes do planeta.
Re
sp
on
sa
bi
lid
ad
e 
So
ci
oa
m
bi
en
ta
l
51
Nesses links você terá acesso às duas ONGs, conhecendo e até participan-
do dos seus projetos:
Greenpeace: <http://www.greenpeace.org/brasil/pt/?gclid=CjgKEAjwq_
qcBRDZPeZ7NGQiVwSJAATT7q2ROHaRMt4K89HUZJMBGcqfA9-ASu-
d0b7TMbBx98NDFPD_BwE>.
World Wildlife Fund: <http://www.wwf.org.br/>.
Internet
Fonte: <http://koopvaardijfoto.files.wordpress.com/2013/01/arctic-sunrise-2jan2013-mc.jpg>. Acesso em: 18 jul. 2014.
O MV Arctic Sunrise é um navio quebra-gelo adquirido pela ONG Greenpeace. É um dos 
quatro barcos de investigação e pesquisas da ONG.
Atividade 02
Pesquise no site do Greenpeace <http://www.greenpeace.org/brasil/pt/O-
que-fazemos/#tab=0&gvs=false&page=3>; quais as campanhas que a ONG 
promove no Brasil. Escreva suas impressões sobre pelo menos dois projetos 
e troque ideias sobre o que escreveram seus colegas no Fórum Virtual (AVA).
A legislação que norteia o Terceiro Setor
energia, oceanos, agricultura sustentável (transgênicos), tóxicos e desarmamento/promoção 
da paz. Conta, atualmente, com 2,8 milhões de colaboradores, em 41 países, entre eles o 
Brasil. O Greenpeace se destaca entre os demais atores não governamentais, principalmente 
por promover estratégias de ação diretas, bem como pressionar os Estados durante con-
ferências internacionais (Disponível em: http://www.fca.pucminas.br/omundo/a-influencia-
-das-ongs-no-cenario-internacional-o-caso-do-greenpeace/>. Acesso em: 15 jun. 2014.)
Para regulamentar a atuação do Terceiro Setor e distribuir o poder que antes era con-
centrado apenas no Estado, criou-se uma legislação específica para nortear as relações 
entre o Estado e a sociedade civil. Várias leis e decretos foram criados para atender o 3º 
setor. Observe algumas:
Re
sp
on
sa
bi
lid
ad
e 
So
ci
oa
m
bi
en
ta
l
52
• Lei nº 9.790/99 - dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado 
sem fins lucrativos, como Organização Civil de interesse Público (OSCIP). Também é 
conhecida como a Lei do Terceiro Setor;
• Lei Orgânica da Assistência Social - organiza e providencia outros direitos sociais a um 
indivíduo;
• Decreto que trata das Entidades e Organizações de Assistência Social - decreto que 
dá abertura ao processo de seleção dos representantes do Conselho Nacional de Assis-
tência Social; 
• Certificado das Entidades Beneficentes - concedida às pessoas jurídicas de direito 
privado, sem fins lucrativos, reconhecidas como entidades beneficentes de assistência 
social, com a finalidade de prestação de serviços nas áreas de assistência social, saúde 
ou educação.
• Decreto de Regulamentação da lei 12.101/2009 - fala sobre o processo de certifica-
ção das entidades beneficentes de assistência social, para isenção das contribuições 
para a seguridade.
A Constituição Federal (CF), em seus artigos 203 e 204 reza que a assistência social, a 
ordem social e a seguridade social devem ser prestadas a qualquer indivíduo que necessite 
de ajuda.
De acordo com Drucker (1999), o Terceiro Setor possui conhecimento das necessida-
des da comunidade que o Estado não consegue atingir, uma vez que atua de maneira cen-
tralizadora e burocrática. Assim, requer o envolvimento de novos atores com competência 
e agilidade para identificar oportunidades e assumir responsabilidades. Deste modo,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.