Anatomia da tireoide e paratireoide
2 pág.

Anatomia da tireoide e paratireoide


Disciplina<strong>analisadores</strong>8 materiais2 seguidores
Pré-visualização1 página
Módulo III									05.10.2017
Anatomia da tireoide e paratireoide \u2013 Evandro Moraes
O pescoço possui dois triângulos principais divididos pelo esternocleidomastóideo. O que nos interessa é o triângulo muscular formado pelo músculo omo-hioideo e esternocleidomastóideo que é onde se encontra a loja tireoidiana, na região anterior do pescoço. 
A tireoide é dividida em dois lobos e um eixo central que comunica esses dois, o istmo. Esses dois lobos têm polo superior, terço médio e polo inferior. Nesse trajeto fica uma pequena porção de tecido tireoidiano que é chamado de lobo piramidal, que fica superiormente. Esse trajeto permanece e se fecha formando um ducto da língua até a tireoide, o ducto tireoglosso. Se esse ducto não se fecha pode ocorrer a entrada de alimento e como secreta muco pode formar um cisto, o cisto tireoglosso, na altura do osso hioide. Esse cisto pode inflamar e formar fístulas. 
Posteriormente a ela tem-se a traqueia e esôfago, lateralmente a carótida e jugular e anteriormente a musculatura pré-tireoidiana, o omo-hioideo e o esternocleidomastóideo. O nervo que passa lateralmente à tireoide é o nervo vago que gera um ramo, o laríngeo recorrente que tem função de inervar os músculos das cordas vocais, responsáveis pela voz. Numa tireoidectomia deve-se observar toda a extensão desse nervo antes de retirar a glândula para que não haja lesão e a pessoa não saia rouca. O nervo recorrente passa entre os ramos da artéria tireoidiana inferior.
A tireoide se encontra presa às estruturas do pescoço através de ligamentos: o ligamento suspensor da tireoide (azul e verde) liga a cartilagem cricóide e a traqueia na tireoide, na parte anterior e mais atrás o ligamento que liga a tireoide à cartilagem cricóide (vermelho), o ligamento de Berry. Um nódulo no pescoço que se movimenta com a deglutição provavelmente é da glândula tireoide por causa dos ligamentos que a fixam, e além disso pode causar disfagia e comprimir as estruturas ao redor; se não se movimenta ou não é da tireoide ou é um tumor que está aderido a planos profundos. Um bócio mergulhante é um que entra para dentro do mediastino. 
Vascularização: a tireoide possui duas artérias, a tireoidiana superior (ramo da carótida externa) e a tireoidiana inferior (ramo do tronco tireocervical). Em relação a drenagem venosa é feita por três: as veias tireoidiana superior, média e inferiores. As superiores e médias vão para a jugular interna e as inferiores podem ir para a jugular interna ou para a veia braquiocefálica. 10% das pessoas tem uma artéria que se origina do tronco braquiocefálico e vai até o istmo, a artéria tireoidiana ima e corre por cima da traqueia.
Drenagem linfática: a linfa primeiro vai para os linfonodos pré e para-traqueais, depois linfonodos cervicais profundos indo para o ducto linfático direito ou ducto torácico principal.
As paratireoides são pequenas bolinhas de gordura que se alojam posteriormente aos lobos tireoidianos esquerdo e direito mas podem estar difusamente no pescoço e podendo ir para o mediastino com a migração do timo. Tem função de produzir o PTH cuja função é regular os níveis de cálcio no sangue. As paratireoides superiores se originam da 4ª bolsa faríngea e as inferiores se origem da 3ª bolsa.
Vascularização: artéria tireoidiana superior e inferior, principalmente a inferior.