270733426 Livro Qualidade de Vida No Trabalho Como Medir Para Melhorar Eda Fernandes
83 pág.

270733426 Livro Qualidade de Vida No Trabalho Como Medir Para Melhorar Eda Fernandes


DisciplinaGestão de Pessoas I15.373 materiais115.364 seguidores
Pré-visualização23 páginas
===
QUALIDADE DE VIDA NO 
TRABALHO 
Como Medir para Melhorar 
EDA FERNANDES 
Copyright © 1996, by Casa da Qualidade Editora Ltda. Salvador: Rua 
Teófilo Braga, 02 \u2014 Pituba CEP 41810.300 \u2014 Tel/Fax: (71) 452-7045 / 
451-2023 Atendimento ao cliente: 0800 717555 e-mau: 
casa_qualidade@uol.com.br Depósito Legal na Biblioteca Nacional 
conforme Decreto N° 1.825, de 20 de dezembro de 1907 Direitos 
reservados e protegidos. Lei n° 5.988 de 14 de dezembro de 1973. 
Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida por qualquer meio, 
sem autorização prévia da editora por escrito. Autor(a): Eda Conte 
Fernandes Editor: Sérgio Almeida Coordenação Editorial: Deborah 
Moreira Editoração: Éder Jorge Santos Ayres Capa: Bahia Bureau Revisão:
Linda Coutinho Impressão: Lis Gráfica Editora Ltda. Dados Internacionais
de Catalogação na Publicação ( CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, 
Brasil) Fernandes, Eda Conte Qualidade de Vida no Trabalho / Eda Conte 
Fernandes \u2014 Salvador, BA: CASA DA QUALIDADE, 1996. ISBN 85-85651-
l3-X 1. Administração de pessoal 2. Mudança organizacional 3. Qualidade
de vida no trabalho 4. Satisfação no Trabalho 1. Título 95-3308 CDD-
658.31422 Índice para catálogo sistemático: 1. Qualidade de vida no 
trabalho: Administração de pessoal: Administração de empresas 
658.31422 
Apresentação Convidado a fazer a apresentação deste livro, restou-nos
uma dúvida, sobre qual a ênfase a ser dada, sobre o que deveria ser 
explorado: o tema, a obra ou o autor. Em função da importância e da 
riqueza de todos os aspectos envolvidos, resolvemos exp\u2019orar os três. 
Em primeiro lugar, o tema: Qualidade de Vida no Trabalho é, sem 
dúvida, uma preocupação crescente e fundamentada, de todas as 
empresas que buscam ser altamente competitivas, em mercados cada 
vez mais globalizados. Hoje, há uma unanimidade na certeza de que o 
homem é o principal elemento diferenciador, e o agente responsável 
pelo sucesso de todo e qualquer negócio. Aqui cabe a seguinte questão: 
se isto é verdade, como poderão as empresas ser bem sucedidas sem a 
satisfação dos seus funcionários? Será possível se obter a satisfação dos
clientes, a partir de funcionários desmotivados e/ou insatisfeitos? Todas 
as organizações e os profissionais que têm visão de futuro já tem esta 
resposta de forma muito clara: Qualidade de Vida no Trabalho é uma 
questão de competitividade! Em segundo lugar, a obra: \u201cQualidade de 
Vida no Trabalho - Como medir para melhorar\u201d é uma contribuição 
oportuna para as empresas. Não trata apenas de uma fundamentação 
do tema e \u201cdo que fazer\u201d, mas principalmente, do \u201ccomo fazer\u201d. Mais 
que um livro, temos um livro-consultoria, escrito de forma simples e 
objetiva. Uma contribuição inédita! E, por último, a autora: Dra Eda 
Fernandes. Trata-se da maior autoridade brasileira no tema em questão, 
incluída entre as maiores do mundo. Nos últimos anos dedicou-se ao 
estudo e à criação de um método - \u201cAuditoria Operacional de RH para 
Melhoria da Qualidade de Vida\u201d - trabalho vencedor do primeiro Prêmio 
Ser Humano, concedido pela ABRH Nacional, em 1995. 
Após a aplicação bem-sucedida em empresas, com resultados 
extraordinários, a autora desenvolve, em parceria com a CETTA - fato 
aliás que nos deixa orgulhosos - um intenso trabalho de difusão desta 
metodologia por todo o país. Este é o lado técnico da autora. Quanto ao 
seu lado humano, bastam alguns minutos de contato com a Profa Eda 
para perceber que sua maneira de ser demonstra que Qualidade se faz 
principalmente com ações, com o próprio exemplo de ser, de viver. Fred 
Lima Diretor-Presidente CETTA Excelência Empresarial 
SUMÁRIO Apresentação. 11 Introdução. 13 Capítulo 1 - A Gestão da 
Qualidade Total e os Recursos Humanos. 21 1.1 O Desafio da Qualidade. 
21 1.2 O Fator Humano como Diferenciador de Competitividade. 22 1.3 
Qualidade e Participação. 24 1.4 Participação e Qualidade de Vida no 
Trabalho. 27 1.5 Impactos na Gestão dos Recursos Humanos. 30 Capítulo
2 - A Qualidade de Vida no Trabalho - de que se trata, afinal? 35 2.1 O 
Interesse por Qualidade de Vida no Trabalho (QVT). 35 2.2 QVT - Uma 
Tentativa de Conceituação. 40 Capítulo 3 - Modelos e Fatores 
Determinantes de QVT. 47 Capítulo 4 - Etapas para Implantação de 
Programas de Qualidade de vida no Trabalho (QVT). 59 Capítulo 5 - QVT -
Medindo para Melhorar - Como Fazer? 65 5.1 Auditoria Operacional de 
Recursos Humanos: Objetivos e Conceitos Básicos. 65 5.2 Auditoria 
Operacional de Recursos Humanos como Instrumento de Gestão. 68 5.3 
O Processo de Auditoria: a Busca de uma Metodologia. 75 5.4 Guia para 
Auditoria de RH. 78 Capítulo 6 - Aplicação da Metodologia: Auditoria 
Operacional de Recursos Humanos - Relato de Caso. 83 6.1 Metodologia 
para Mensurar a Qualidade de Vida no Trabalho. 83 
6.2 Análise e Interpretação dos Resultados. 89 6.2.1 Posicionamento 
Pessoal Sobre QVT. 90 6.2.2 Condições de Trabalho. 92 6.2.3 Avaliação 
Global dos Fatores de QVT. 96 6.2.4 Avaliação dos Fatores por 
Posto/Cargo. 98 6.2.5 Análise dos fatores Determinantes de QVT. 100 
Considerações Finais. 103 Anexo 1 - Modelo da Pesquisa: Qualidade de 
Vida no Trabalho. 110 Anexo 2 - Roteiro Básico de Entrevista. 112 
Bibliografia.117 
INTRODUÇÃO \u201cNão se pode falar em qualidade de produtos e serviços 
se aqueles que vão produzi-los não têm qualidade de vida no trabalho \u201c. 
Eda Fernandes 
O texto deste livro trata, de modo especial, da qualidade de vida no 
trabalho, considerada indispensável à produtividade e à 
competitividade, cruciais à sobrevivência para toda e qualquer\u2019 
émpresa. Partindo-se desta convicção, mensurar os níveis de satisfação 
dos empregados sobre suas condições de trabalho é também uma 
questão-chave para o sucesso empresarial. Presentemente, mais do que 
nunca, observa-se uma movimentação intensa na busca de novas 
formas de gerir as empresas e seus recursos de toda ordem, 
principalmente os recursos humanos, visando aumentar sua 
rentabilidade. Muitas dessas tentativas, em termos do gerenciamento da
força de trabalho, não são mais que paliativos e campanhas panfletárias 
ou estratégias patemalistas, não modificando em profundidade as 
práticas administrativas tradicionais, com reflexos pouco significativos 
nos resultados globais das organizações e menos ainda no que tange ao 
atendimento das necessidades e expectativas das pessoas. Esta 
tendência que pode ser observada em todos os países do mundo, 
indusive no Brasil, é decorrência da necessidade de atender-se a um 
mercado cada vez mais acirrado pela concorrência e, ao mesmo tempo, 
a tentativa de satisfazer consumidores cada vez mais exigentes. Em 
conseqüência, impõe-se a necessidade de um gerenciamento mais 
eficiente da força de trabalho 13 
que, cada vez mais conscientizada e instruída, não aceita com facffidade
trabalhar em condições pouco adequadas e satisfatórías. 
Assim sendo, discussões sobre Produtividade, Competitividade e 
Qualidade têm atraído a atenção de pesquisadores, profissionais de 
todas as áreas e, evidentemente, dos próprios empresários. Tal questão 
abre espaço para reflexões sobre novas formas de organização do 
trabalho e de implantação de tecnologias direcionadas para a Qualidade 
Total, exigindo maior comprometimento e participação por parte dos 
empregados, para a consecução de suas metas, refletindo-se no 
gerenciamento dos recursos humanos. 
Sabe-se que, em última análise, tais tendências são decorrentes dos 
avanços tecnológicos e da própria evolução da sociedade, levantando 
tópicos que estão na base da eficácia organizacional, como Democracia 
Industrial, Novas Formas de Organização do Trabalho, Qualidade Total de
Vida no Trabalho e Qualidade Total, o que implica em profundas 
mudanças nas estratégias de gestão empresarial, demandando, em 
decorrência, mudanças no papel gerencial dos executivos e dirigentes 
das empresas, bem como no envolvimento dos próprios trabalhadores.