Adm Licitacoes Aula 2
3 pág.

Adm Licitacoes Aula 2


DisciplinaDireito Administrativo I40.247 materiais894.317 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\uf041\uf075\uf06c\uf061\uf020\uf032\uf020\uf02d\uf020\uf050\uf052\uf049\uf04e\uf043\uf0cd\uf050\uf049\uf04f\uf053\uf020\uf020
 
 
SUPRA PRINCÍPIOS (implícitos) - supremacia e INDISPONIBILIDADE do Interesse Público. Esta indisponibilidade 
significa que a atuação do agente público, mesmo valendo-se da supremacia do interesse público, deve observância 
às regras e princípios. 
 
PRINCÍPIOS BÁSICOS (ler art. 3°, caput): 
 
Mnemônico dos princípios básicos: 5 + 4 
 
LIMPE 
(Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência) \u2013 art. 37, CF 
 
IGUALDADE (parece Isonomia, mas não é) + Pode VIr JUnto 
Probidade Administrativa 
VInculação ao Instrumento Convocatório 
JUlgamento Objetivo 
 
 
Publicidade: todos os atos que compõem o procedimento licitatório devem ser públicos; e as sessões, realizadas 
de portas abertas (ler art. 4°). O princípio da publicidade se desdobra, ainda, na obrigatoriedade de realização de 
audiência pública, antecedendo licitações e envolvendo objetos de grande valor (ler art. 39), e no dever de 
publicação do resumo do instrumento convocatório na imprensa (ler art. 40). A ampla divulgação dos atos da 
licitação encontra importante exceção no dever de manutenção do sigilo das propostas (ler art. 3º, § 3º). 
 
Constituem princípios específicos aplicáveis ao procedimento licitatório: 
 
a) princípio da isonomia: impõe que a comissão de licitação dispense tratamento igualitário a todos os 
concorrentes. Em decorrência do princípio da isonomia, o art. 3º, § 1º proíbe preferências ou distinções em 
razão da naturalidade, da sede ou do domicílio dos licitantes ou de qualquer outra circunstância impertinente 
ou irrelevante para o específico objeto do contrato. 
 
b) princípio da competitividade: a busca pela melhor proposta é uma das finalidades da licitação. Por isso, não 
podem ser adotadas medidas que comprometam decisivamente o caráter competitivo do certame. Assim, as 
exigências de qualificação técnica e econômica devem se restringir ao estritamente indispensável para 
garantia do cumprimento das obrigações (art. 37, XXI, CF). 
 
c) princípio da vinculação ao instrumento convocatório: a Administração Pública e os participantes do certame, 
além de cumprirem as regras legais, não podem desatender às normas e condições presentes no instrumento 
convocatório (art. 41). Daí falar que o edital é a lei da licitação. 
 
d) princípio do julgamento objetivo: o edital deve apontar claramente o critério de julgamento a ser adotado 
para determinar o licitante vencedor. Assim, a análise de documentos e a avaliação das propostas devem se 
pautar por critérios objetivos predefinidos no instrumento convocatório, e não com base em elementos 
subjetivos. O edital deve estabelecer de forma clara e precisa qual o critério de seleção (TIPOS DE LICITAÇÃO). 
 
e) princípio da inalterabilidade do edital: em regra, o edital não pode ser modificado após sua publicação. 
Porém, havendo necessidade de alteração de algum dispositivo, tornam-se obrigatórias a garantia de ampla 
publicidade e a devolução dos prazos para não prejudicar os potenciais licitantes que eventualmente tenham 
deixado de participar do certame em razão da cláusula objeto da modificação. 
 
f) Sigilo de proposta: as propostas devem vir em envelopes lacrados, as propostas são sigilosas e só devem ser 
conhecidas em sessões públicas previamente designadas para isso (43, § 1º). A fraude ao sigilo configura 
crime (art. 93 e art. 94) e improbidade administrativa (art. 11 da Lei nº 8.429/92). A única modalidade que 
não observa o sigilo de proposta é o leilão, pois os lances são verbais. 
 
g) princípio do formalismo procedimental (ler art. 4°): as regras aplicáveis ao procedimento licitatório são 
definidas diretamente pelo legislador, não podendo o administrador público descumpri-las ou alterá-las 
livremente. Importante enfatizar, no entanto, que o descumprimento de uma formalidade só causará nulidade 
se houver comprovação de prejuízo. Desse modo, segundo a jurisprudência, o postulado pas de nullité sans 
grief (não há nulidade sem prejuízo) é aplicável ao procedimento licitatório. 
 
h) Competitividade, obrigatoriedade de licitação, etc. 
 
 
\uf043\uf04f\uf04e\uf054\uf052\uf041\uf054\uf041\uf0c7\uf0c3\uf04f\uf020\uf044\uf049\uf052\uf045\uf054\uf041 
 
1. Nem sempre a realização de uma licitação é a melhor maneira de se atender ao interesse público (falta o 
PRESSUPOSTO JURÍDICO). 
 
2. Nem sempre a realização de uma licitação é possível, em razão das características do objeto e dos fornecedores 
(falta o PRESSUPOSTO LÓGICO). 
 
3. Nem sempre a realização de uma licitação é possível, em razão de não haver concorrentes interessados (falta o 
PRESSUPOSTO FÁTICO) 
 
A CONTRATAÇÃO DIRETA ocorre em situações que, com observância da lei, conclui-se pela DISPENSA (prescinde) ou 
INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. Quando isso ocorrer, o procedimento de contratação será o fundamento da não 
realização da licitação, substituindo o procedimento licitatório. O ADMINISTRADOR PÚBLICO NÃO PODE CONCLUIR 
QUE A LICITAÇÃO É INADEQUADA SEM AMPARO LEGAL!!! 
 
Mesmo a licitação sendo viável (presentes os pressupostos lógicos e fáticos) a lei pode AUTORIZAR ou DETERMINAR a 
sua não realização. 
 
LICITAÇÃO DISPENSADA 
 
Hipóteses (ROL TAXATIXO/EXAUSTIVO) em que a Administração Pública dispõe de bens e a própria lei determina que 
a licitação não deve ocorrer. 
 
Para alienar bens IMÓVEIS da Administração é preciso: (1) autorização legislativa, (2) avaliação prévia do valor do bem, 
(3) licitação na modalidade CONCORRÊNCIA. (ler art. 17, I). A licitação será DISPENSADA nos casos de: 
a) Dação em pagamento; 
b) Doação; 
c) Permuta (justificada por necessidades de instalação e localização, ler art. 24, X); 
d) Investidura (ler art. 17, § 3°); 
e) Venda a outro órgão ou entidade da Administração Pública; 
f) Alienação gratuita ou onerosa (...) para programas habitacionais ou de regularização fundiária de interesse 
social; 
g) Alienação gratuita ou onerosa (...) de bens de uso comercial de âmbito local com área de até 250 m2; 
h) Legitimação de posse. 
 
Os bens IMÓVEIS também poderão ser licitados na modalidade LEILÃO quando: o imóvel for adquirido em PROCESSO 
JUDICIAL ou DAÇÃO EM PAGAMENTO, desde que comprovada a necessidade ou a utilidade da alienação (ler art. 19). 
 
Para alienar bens MÓVEIS da Administração é preciso apenas: (2) a avaliação prévia do valor do bem, não estando 
definida a modalidade de licitação e não sendo necessária autorização legislativa (ler art. 17, II): 
a) Doação, permitida exclusivamente para fins e uso de interesse social; 
b) Permuta, entre órgãos e entidades da Administração Pública; 
c) Venda de ações; 
d) Venda de títulos. 
e) Venda de bens produzidos ou comercializados por órgãos ou entidades da Administração Pública; 
f) Venda de materiais e equipamentos para outros órgãos ou entidades da Administração Pública. 
 
LICITAÇÃO DISPENSÁVEL 
 
Hipóteses (ROL TAXATIXO/EXAUSTIVO) em que a Administração Pública geralmente quer adquirir bens ou serviços e 
a lei oferece margem de discricionariedade ao administrador que dispensará a licitação se julgar OPORTUNO e 
CONVENIENTE (ler art. 24): 
a) Obras e serviços de engenharia no valor de até 10% do limite do Convite (R$ 150.000,00, agora R$ 330.000,00, 
Decreto 9.412/18), isto é, 33 mil reais, e outras compras e serviços (R$ 80.000,00, agora R$ 176.000,00), isto 
é 17,6 mil reais. O valor de sobe para 20% do Convite nos casos de contratação de consórcio público (chegando 
até 30% para os casos em que há mais de 3 entes), Sociedade de Economia Mista, Empresas Públicas e 
Autarquias e Fundações qualificadas como Agência Executiva (Contrato de Gestão) (ler art. 24, § 1°). 
b) Guerra ou grave perturbação da ordem (III). 
c) Emergência ou calamidade pública, desde que os serviços possam ser concluídos em 180 dias (IV). 
d) LICITAÇÃO DESERTA (tem que justificar o prejuízo em repetir a licitação e tem que manter as condições 
preestabelecidas) (V). 
e) União tiver que intervir