A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Atividades economia

Pré-visualização | Página 1 de 6

Atividade 2 economia
PERGUNTA 1
Vasconcellos e Garcia ensinam que “cada produto tem uma sensibilidade específica com relação às variações dos preços e da renda. Essa sensibilidade ou reação pode ser medida por meio do conceito de elasticidade. Genericamente, a elasticidade reflete o grau de reação ou sensibilidade de uma variável quando ocorrem alterações em outra variável, coeteris paribus. Trata-se de um conceito econômico que pode ser objeto de cálculo a partir de dados do mundo real, permitindo-se, desse modo, o confronto das proposições da teoria econômica com os dados da realidade. O conceito de elasticidade representa uma informação bastante útil tanto para as empresas como para a administração pública. Nas empresas, a previsão de vendas é de extrema importância, pois permite uma estimativa da reação dos consumidores em face das alterações nos preços da empresa, dos concorrentes e em seus salários. Para o planejamento macroeconômico, a elasticidade é de igual importância, pois pode-se prever, por exemplo, qual seria o impacto de uma desvalorização cambial sobre o saldo da balança comercial, ou qual a sensibilidade dos investimentos privados a alterações na tributação ou na taxa de juros.
Fonte: VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de Economia. 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 68
Vamos supor que você é diretor financeiro da Kellogs e está diante de uma situação na qual ocorrerá aumento dos preços dos insumos. Como primeira e mais lógica solução para evitar uma eventual redução das margens de lucro, a sua solução seria o aumento imediato dos preços de seus produtos ou haveria outras opções? Justifique seu posicionamento com argumentos de seu aprendizado sobre elasticidade e inelasticidade-preço.
Eu promoveria o aumento imediato dos preços dos meus produtos, pois , uma vez que congelar os preços pode fazer com que o produto sofra modificações bruscas na frente.
Comprando uma quantidade de insumos, é possível diluir o custo de produção e com isso iria compensar a perda das margens de lucro.
Eu também iria investir em estoque, afim de ter um controle do mercado quando os preços começassem a aumentar.
Eu no cargo de diretor financeiro da Kellogs, estando diante do aumento dos preços de insumos, promoveria o aumento imediato dos preços dos meus produtos, e que também seria possível pensar no aumento dessa escala com o objetivo da manutenção das margens de lucro.
Conclusão que ao aumentar a compra da quantidade de insumos, é possível diluir o custo unitário de produção, e compensaria as perdas nas margens de lucro. Há duas formas básicas de aumentar a lucratividade:
Preço dos produtos.
Aumentar a escala.
O aumento imediato é necessário, uma vez que congelar os preços pode fazer com que o produto sofra modificações bruscas na frente.
 Nesse sentido, deve - se investir também em estoque, a fim de controlar o mercado quando os preços começarem a oscilar.
 Nesse contexto, poderá se fazer com que os lucros aumentem mesmo com o mercado oscilando.
 Dessa forma, pode - se fazer com que se eleve a margem de lucro empresarial.
Atividade 3 economia
PERGUNTA 1
A economia pós-guerra do Japão desenvolveu-se a partir dos resquícios de uma infraestrutura industrial que sofreu destruição generalizada durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1952, ao final da ocupação dos aliados, o Japão era um “país menos desenvolvido”, com um consumo per capita de cerca de um quinto do consumo dos Estados Unidos. Ao longo de duas décadas, o Japão alcançou um crescimento anual médio de 8%, possibilitando que o país se tornasse o primeiro a passar do status de “menos desenvolvido” para “desenvolvido” na era pós-guerra. As razões para isso ter acontecido incluem altas taxas tanto de poupança individual como de investimentos em iniciativas do setor privado, uma força de trabalho com grande ética laboral, o amplo fornecimento de petróleo a baixo custo, tecnologias de inovação, e uma intervenção governamental efetiva nas indústrias do setor privado. O Japão foi o principal beneficiário do rápido crescimento atrelado à economia do mundo pós-guerra segundo os princípios de livre comércio promovidos pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Acordo Geral de Tarifas e Comércio. Em 1968, a economia japonesa já havia se tornado a segunda maior do mundo, depois da economia dos Estados Unidos.
Entre 1950 e 1970, a porcentagem de japoneses que viviam nas cidades passou de 38% para 72%, aumentando expressivamente a força de trabalho industrial. O potencial competitivo da indústria japonesa cresceu de forma robusta, com um aumento médio de 18,4% ao ano nas exportações durante os anos 60. Depois da segunda metade da década de 60, o Japão alcançou anualmente um superávit na balança de transações correntes, com exceção de alguns poucos anos depois da crise do petróleo de 1973. Nessa fase, o crescimento econômico teve o apoio de fortes investimentos em iniciativas do setor privado, os quais eram baseados na alta taxa de poupança individual. Ao mesmo tempo, ocorreram mudanças significativas na estrutura industrial do Japão, com uma mudança de foco nas principais atividades econômicas, passando da agricultura e indústria de pequeno porte para a indústria de grande porte. As indústrias de ferro e aço, construção de navios, maquinário, veículos motorizados e dispositivos eletrônicos passaram a dominar o setor industrial.
Em dezembro de 1960, o Primeiro-Ministro Ikeda Hayato anunciou um plano para dobrar a renda, estabelecendo a meta de 7,8% de crescimento anual durante a década de 1960-1970. O planejamento econômico do governo direcionado para a expansão da indústria de base se provou extremamente bem sucedido e, em 1968, a renda nacional havia dobrado, alcançando um crescimento anual médio de 10%. 
Fonte: < https://www.br.emb-japan.go.jp/cultura/economia.html > Acesso em 11/04/2019 às 16:05
 
A partir do texto, avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre elas.
 
I.  O crescimento da economia japonesa desde o pós-guerra até os dias atuais se dá em função da capacidade de gerar poupança e pela intensificação da produção de bens de alto valor agregado.
 
PORQUE 
 
II. Quanto mais trabalho se incorpora a um bem, mais valioso se tornará, aumentando a riqueza de quem o produz, o que está alinhado ao pensamento de Adam Smith, que dizia ser o trabalho a verdadeira fonte de riqueza das nações.
 
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta.
	
	
	As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa correta da I.
	
	
	A asserção I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira.
	
	
	As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da I.
	
	
	As asserções I e II são proposições falsas.
	
	
	A asserção I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa.
0,25 pontos   
PERGUNTA 2
Por definição, temos que a inflação se constitui de “um aumento contínuo e generalizado no índice de preços, ou seja, os movimentos inflacionários são aumentos contínuos de preços, e não podem ser confundidos com altas esporádicas de preços. O aumento de um bem ou serviço em particular não constitui inflação, que ocorre apenas quando há um aumento generalizado da maioria dos bens e serviços.” VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de 
Economia. 4º ed. São Paulo: Saraiva, 2008, p. 262.
 
Consideremos uma situação em que a inflação está sobre controle e o governo precisa realizar ações para estimular o desenvolvimento econômico. Entre as ações possíveis, o governo pode:
	
	
	cortar gastos e novos concursos públicos, dentro de uma política de austeridade fiscal, que traria resultados positivos no longo prazo.
	
	
	realizar ajustes nas taxas de câmbio no sentido de depreciar a moeda local, no caso o Real.
	
	
	aumentar as taxas de juros, estimulando dessa maneira o crédito ao consumo, o que elevaria a produção
	
	
	criar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.