A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Anaeróbios

Pré-visualização | Página 1 de 1

Anaeróbios
São divididos em esporulados (ex: clostridium spp.) e não-esporulados (ex: bacteroides fragilis, Fusobacterium nucleatum, Prevotella melaninogenica, Porphyromonas gingivalis, Peptostreptococcus spp.), sendo que o segundo tipo faz parte da microbiota normal humana. 
Vivem em ambientes entre 0 e 18% de Oxigênio, realizam processos fermentativos e tem poucas concentrações de superóxido dismutase e catalase (já que produzem poucos radicais livres de oxigênio). São exigentes nutricionais.
Infecções por anaeróbios estão associados a tecidos necrosados e abscessos.
Anaeróbios não esporulados
Estão associados a sinusites, otite média crônica, abscessos de tecidos moles, abscessos dentários, doença periodontal, abscesso pulmonar, peritonite, abscesso pélvico, sepse e pé diabético.
São presentes na microbiota humana normal.
Diversos aspectos clínicos são indicativos de infecções por anaeróbios: secreção com odor fétido (devido aos produtos do metabolismo anaeróbio), infecção localizada próxima à superfície de mucosa e tende a ser associada a mordidas ou arranhões por animais.
De importância clínica, destaca-se o Bacteroides fragilis.
Anaeróbios esporulados
Clostridium tetani
È um bacilo Gram(+), anaeróbio obrigatório. Normalmente, habita solo e fezes de animais.
A infecção por C. tetani normalmente depende de uma porta de entrada, como ferimentos, queimaduras, coto umbilical, extração dentária ou fraturas expostas. Daí, o bacilo pode chegar ao SNC através do sangue ou por nervos periféricos – devido ao segundo meio é que a presença de anticorpos contra este micro-organismo não impossibilita a doença.
A virulência do C. tetani reside, principalmente, nas suas exotoxinas: tetanospasmina e tetanolisina. Elas agem inibindo a liberação de mediadores inibitórios (ex: glicina, GABA) a nível de sinapses e junções neuromusculares, de forma que causa hiperexcitabilidade do SNC e intensa contração muscular. A morte normalmente ocorre em decorrência a espasmos dos músculos respiratórios.
No recém-nascido, nota-se dificuldade para mamar e cólicas. No adulto, forte indicador do tétano é a contração dos músculos dos lábios, causando impressão de que o paciente estar rindo (risus sardonicus).
O tratamento para o tétano inclui o uso de Soro antitetânico (SAT) ou Gamaglobulina antitetânica Humana (TIG) via endovenosa, associados à aplicação de substâncias oxidantes (ex: H2O2, permaganato de potássio, etc.) à ferida e ao uso de Penicilina.
Clostridium botulinum
È um bacilo Gram(+), anaeróbio obrigatório. Normalmente, habita solo e intestino de animais.
Há três formas de botulismo: clássica, por infecção de ferimentos e infantil.
Existem várias toxinas botulínicas, com várias estruturas antigênicas, o que dificulta o tratamento por anticorpos. Os tipos A, B, E e F são os mais frequentes causadores de doenças nos seres humanos.
A patogenia da toxina botulínica reside na inibição da liberação de mediadores excitatórios (ex: acetilcolina) a nível de sinapses e junções neuromusculares, causando paralisia flácida.
Indicações clínicas do botulismo incluem: diplopia, boca seca, disfagia, disfonia, fraqueza muscular que pode evoluir para paralisia respiratória, podem haver tremores e vômitos. Não há febre.
A porta de entrada do C. botulinum é a cavidade oral ou ferimentos. São muito encontrados em enlatados ou conservas de vegetais, carnes ou peixes.