Paper Cultura dos Países que Falam a Língua Inglesa
5 pág.

Paper Cultura dos Países que Falam a Língua Inglesa


DisciplinaProjeto Acadêmico Interdiciplinar I22 materiais62 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Acadêmico: Edinásio Junior Rodriguês 
Tutor Externo: Mozara Schadeck 
Centro Universitário Leonardo da Vinci \u2013 UNIASSELVI \u2013 Curso Letras - Inglês (Código da Turma) \u2013 Prática do 
Módulo IV \u2013 26/11/2018 
 
Acadêmico: Edinásio Junior Rodriguês 
Tutor Externo: Mozara Schadeck 
 
RESUMO 
 
O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre a formação da cultura dos povos de língua 
inglesa, a fim de esclarecer dúvidas e atrelar maior autoridade quando tratarmos de conversas 
acerca deste tema. Discutiremos sobre os aspectos sócio culturais e históricos dos países de língua 
inglesa, bem como caracterizar os principais pontos para um bom discernimento da história e suas 
mudanças. Vamos fazer um ponto que liga os primórdios da língua e cultura inglesa até suas 
transmutações e sua imagem nos dias atuais, tratando da cultura como alvo e esclarecendo todos 
os meios e fins que comtemplam a cultura dos povos de língua inglesa. 
 
Palavras-chave: miscigenação, língua-cultura, anglo-saxão, processo cultural e contexto-histórico. 
 
1. INTRODUÇÃO 
 
A língua inglesa é fruto de uma vasta e por vezes ainda complexa história, que quando 
estudada percebe-se que está enraizada por um passado distante. 
Ao estudarmos o processo de cultura dos povos de língua inglesa, percebemos que já havia 
presença humana nas ilhas britânicas desde antes da última era do gelo, este recente fenômeno que 
separou as ilhas britânicas do continente, também serviu para isolar os povos que lá vivam dos 
processos conturbados e desorientados que afligiam os primórdios da idade média na Europa, 
continente de origem da língua inglesa. 
Esta história começou a muito e muito tempo, como podemos perceber em conformidade 
com Schutz (2013), temos indícios de vida humana antes mesmo da era do gelo \u2013 nada menos do 
que 8000 anos atrás \u2013 nas ilhas britânicas. Neste período tão distante, essas ilhas ainda não haviam 
se separado da Europa e tampouco os oceanos formavam o Canal da Mancha. Essa separação 
geológica aconteceu há cerca de7000 anos. De acordo com sítios arqueológicos encontrados, essas 
terras que os romanos denominaram \u201cBritannia\u201d já abrigava cultura. 
É necessário entender e aprofundar-se na história da cultura dos países de língua inglesa, 
pois, quando nos apropriarmos nesse assunto que vamos poder transitar entre as literaturas, tanto a 
literatura americana, quando a literatura britânica. O conhecimento de como a língua inglesa veio a 
transformar-se no que vemos nos dias atuais de uma sociedade capitalista, passa necessária e 
irrevogavelmente pelos povos que iniciaram o inglês nas ilhas da Inglaterra. 
Tal processo de estudo da cultura dos povos de língua inglesa, vai desde os Celtas até o 
século atual, desde a formação da cultura inglesa em seus primórdios até o seu retrato em meio ao 
mundo globalizado. 
 
 
 
 
 
 
Povos de Cultura e Língua Inglesa 
2 
 
 
 
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 
 
A história da cultura inglesa começa com os Celtas, de 700 a.C. a 100 a. D., as ilhas da 
Inglaterra eram povoadas pelos Celtas, um grupo que habitou o que é hoje conhecido 
principalmente como França, Alemanha e a Inglaterra. Eram esses povos que detinham o controle 
da cultura, conhecimentos da língua, dos costumes e da religião. Segundo Godinho (2001), os celtas 
não eram muito acostumados a organizar-se política e militarmente, esse talvez tenha sido o motivo 
pelo qual os inimigos os derrotaram e muito ou quase tudo da língua e cultura deles ter sido extinta 
pelo Império Romano. Os celtas até chegaram a invadir e conquistar o Norte da Itália, Macedônia e 
Tessália, além de saquear Roma em 390 a.C. A partir do século II a.C. a sorte começou a mudar 
para eles, assim que os romanos os expulsaram do norte da Itália. Júlio César, em 55 e 54 a.C., 
começa a sua invasão. Em 44 a.D. a ilha britânica é incorporada ao Império Romano até os limites 
da Caledônia, hoje Escócia. Essa ocupação durou cerca de 400 anos, tempo suficiente para que 
hábitos e costumes fossem aos poucos sendo substituídos. Vem deste acontecimento histórico o fato 
de muitas palavras se assemelharem com a língua portuguesa, pois juntamente com os romanos o 
latim veio junto (GODINHO, 2001). 
Em 420 a.D., os romanos retiraram-se da Inglaterra e voltaram a Roma, que passava por 
dificuldades. Foi a partir deste momento que outras tribos que cobiçavam a ilha britânica já estavam 
de olho para invadirem também a tão cobiçada terra. Ao sul da Alemanha, os frisões, que, segundo 
Godinho (2001), ainda mantêm o idioma frisão, falado na província de Friesland, na Holanda, e é 
um dos que mais se assemelha com o inglês, além de oferecer informações sobre o inglês anglo-
saxão e inglês antigo e subsídios de semelhança com os idiomas alemão, holandês e dinamarquês. 
Os jutos, mais ao norte, faziam fronteira com os saxões, e assim, invadiriam juntos as Ilhas 
Britânicas, mas os saxões eram os mais fortes e valentes. A origem da palavra \u201cEngland\u201d (1000 
d.C.) foi dada aos anglos, embora os saxões tenham sido a tribo predominante na ilha. England 
deriva-se de \u201cAngle-land\u201d, ou seja, terra dos anglos. E é a partir deste período também que 
começamos com a história dos períodos do inglês e começamos e desvendar fatos e receber 
informações sobre o processo histórico-cultural dos povos de língua inglesa e sua cultura. 
Aqui, percebemos que os dialetos são elementos da cultura que se miscigena entre os celtas 
e os até mesmo os romanos, a cultura é uma entrelace de aspectos e ela pode-se descrever como um 
fato concreto para atender a necessidade de comunicação e vivência diária dos povos de língua 
inglesa. Em estudos encontramos o termo Old English que podemos exemplificar e resumir como 
irreconhecível tanto na pronuncia quanto na gramatica, também nos deparamos com o Middle 
English, que sem dúvida seu traço mais marcante é a influência de traços da do francês no inglês 
como língua. Todas as interferências que aqui constatamos, sem dúvida foram essenciais e 
moldaram a cultura inglesa. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
3 
 
 
 
3. MATERIAIS E MÉTODOS 
 
 Na construção do presente artigo científico, buscou-se em primeiro instante diretamente o 
assunto que aborda o tema, mas não obtendo dados e questões relevantes, formulou-se a seguinte 
indagação: Qual a origem da língua e da cultura inglesa? 
Despois de tal norte definido, é chegada a vez de procurar pensadores e informações que 
sejam deveras relevantes para nosso paper, para tanto é necessário fazer uma adequação das 
informações obtidas. Leva-se me conta uma ordem cronológica dos dados. 
O portal de pesquisa foi nosso maior aliado do mundo moderno e globalizado, a internet, 
mas não podemos de forma alguma deixar de fora os livros e artigos que já existem de estudiosos da 
área e que são de grande valia, depois fazendo uma seleção dos elementos que nos apropriamos, dá-
se início ao nosso trabalho de pesquisa, elencando e refletindo sobre os povos e a formação da 
cultura e da língua inglesa. 
No artigo analisamos fatos e imagens históricas que de forma ou outra nos transportam para 
o processo de construção da cultura dos povos de língua inglesa. 
 
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 
 
Percebe-se que ao estudar a cultura dos países de língua inglesa, tudo é cultural, cada coisa 
que rodeia esse contexto de formação da língua dos povos ingleses é uma manifestação cultural, a 
cultura dos povos desde os celtas até os romãs e anglo-saxões é nada mais que uma miscigenação, 
uma mistura de contrastes de diferentes pensares e formas de viver. 
Segundo o dicionário informal on-line (2017), cultura é defendida como: 
 
[...] conjunto de manifestações artísticas, sociais,