DISCRIMINAÇÃO E GENERALIZAÇÃO DE ESTÍMULOS
12 pág.

DISCRIMINAÇÃO E GENERALIZAÇÃO DE ESTÍMULOS


DisciplinaPsicologia e Análise do Comportamento I17 materiais483 seguidores
Pré-visualização1 página
FAZENDO O CERTO NO MOMENTO E NO LOCAL CERTO: DISCRIMINAÇÃO E GENERALIZAÇÃO DE ESTÍMULOS
\u201cQualquer comportamento só tem valor se ocorrer nos momentos certos e em situações adequadas.\u201d 
Skinner 
Discriminação de estímulos é quando há diferentes consequências para o mesmo estímulo, dependendo da situação.
O estímulo é eliciado e sua resposta é inconstante, levando em conta o ambiente (social, natural etc). 
Por isso, um determinado estímulo pode gerar tanto uma resposta positiva quando negativa
Tríplice contingência: \u201cSd \u2013 R \u2013 C\u201d ou \u201cS\u2206 \u2013 R \u2013 C\u201d
1. Os estímulos discriminativos \u201cSdS\u201d, marcam que uma resposta será reforçada se determinado comportamento ocorra.
2. Os estímulos discriminativos \u201cS\u2206s\u201d, apontam que uma resposta será não reforçada (inibida ou até extinta) se determinado comportamento ocorra. 
Borges Moreira
Discriminação 
Comportamentos operantes discriminados - comportamento emitidos, através de um contexto possibilitador.
 Estímulos Discriminativos;
 Estímulos Delta;
 Treino Discriminativo.
Generalização 
 Respondente; 
 Operante;
 Gradiente de generalização - alternância dos aspectos de resposta em decorrência das semelhanças físicas entre os estímulos.
Aprendizagem de discriminação de estímulos
 Quando João brinca com seus amigos, dizer palavrões é reforçado com risadas e atenção. 
 Entretanto, quando João está com seus avós, o comportamento de dizer palavrões não é reforçado e pode até ser punido. 
 Depois de várias experiências como essa, os estímulos passam a servir de deixas para o comportamento. 
 Portanto, João aprende que não deve dizer palavrões na presença de seus avós, mas que pode dizer na presença de seus amigos. 
Aprendizagem de discriminação de estímulos
Observa-se 
 S \u2013 R \u2013 Sr 
 Estímulos antecedentes;
 Comportamento;
 Consequências do comportamento.
Portanto
 Quando um comportamento é reforçado na presença de um estímulo e não de outros, os estímulos passam a exercer um controle sobre a ocorrência daquele comportamento.
 A resposta de dizer palavrões tem mais probabilidade de ocorrer na presença dos amigos do que na presença dos avós, logo o estímulo controla o comportamento. 
5
Treino de discriminação de estímulos 
 Ensina-se através do reforço a emitir um comportamento na presença de um determinado estímulo, mas a extinguir o mesmo comportamento na presença de outro estímulo. 
 Reforça um comportamento na presença de um estímulo Sd e extingue-o na presença de um estímulo S\u2206. 
 Estímulos controladores.
Estímulos controladores
 Estímulo Discriminativo (Sd): estímulo para reforçamento:
 João diz palavrões na rua com seus amigos \u2013 o Sd reforça o comportamento de xingar.
 Estímulo Delta (S\u2206): estímulo para extinção:
 João não diz palavrões na presença de seus avós \u2013 o estímulo S\u2206 extingue a resposta de xingar. 
 Um estímulo pode ser um Sd e um S\u2206 ao mesmo tempo. 
Portando, discriminação de estímulo significa que um comportamento ocorre na presença de um Sd, mas não na presença de um S\u2206. 
Generalização de estímulos
O comportamento ocorre da mesma maneira na presença de estímulos diferentes.
 
 Classe de estímulos de elementos em comum: quanto maior a semelhança física entre dois estímulos, maior a probabilidade de generalização entre esses dois estímulos. 
Classe de equivalência de estímulos (classe de equivalência): alguns estímulos não são muito semelhantes, porém fazem parte da mesma classe de estímulos, ou seja, conceito.
 
Generalização de estímulos não aprendida devido à considerável semelhança física;
Generalização de estímulos aprendida envolvendo semelhança física mínima;
Generalização de estímulos aprendidos devido a classes de equivalências de estímulos.
 
 Comportamento conceitual: um indivíduo emite uma resposta correta diante de todos os elementos de um conceito e não emite uma resposta diante de estímulos que não pertencem ao conceito. 
Contudo nem todos os casos de generalização são favoráveis. 
8
Fatores que determinam a eficácia do treino de discriminação de estímulos
Escolha de Sinais Claros 
 Uma criança aprende a atender o telefone quando ele toca. 
 Telefone tocando: deixa clara (sinal claro)
2. Redução das oportunidades de erro
 Atender o telefone quando não estiver tocando: erro \u2013 resposta a um S\u2206. 
Fatores que determinam a eficácia do treino de discriminação de estímulos
3. Maximização do número de tentativas 
 Quando estamos adquirindo novas discriminações, são necessárias várias tentativas reforçadas para o desenvolvimento de comportamentos. 
 Depois de várias ocorrências de reforçamento e extinção, os Sd e S\u2206 irão controlar a resposta nas ocorrências subsequentes.
4. Utilização de regras: descrição das contingências
 \u201cO desenvolvimento de controle de estímulo quase sempre envolve tentativa e erro\u201d. 
 No caso do João: comportamento modelado pelas contingências 
 Em contraste, há comportamentos governados por regras \u2013 controlado pelo enunciado de uma regra. 
Ciladas Do Treino de Discriminação de Estímulos 
\u201cQualquer método eficiente pode ser mal aplicado, e o treino de discriminação de estímulos não é um exceção.\u201d
As vezes as pessoas ensinam as outras a responder inadequadamente diante de determinadas deixas. 
Referências 
 MARTIN, Garry; PEAR, Joseph. Modificação de comportamento: o que é e como fazer. 8. ed. São Paulo: Roca, 2009.