A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
RELATORIO DE COMPOSTAGEM DOMESTICA

Pré-visualização | Página 1 de 1

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CIÊNCIAS
COMPOSTAGEM DOMÉSTICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS
				 
AMANDA DE SOUZA PAPA RIBEIRO
Feira de Santana - BA
4
2016.1
SUMÁRIO
1 RESUMO	4
2 INTRODUÇÃO	5
3 DESENVOLVIMENTO TEÓRICO	6
4 ANALISE DOS RESULTADOS.................................................................................8
5 CONCLUSÃO	9
6 ANEXOS..................................................................................................................10
7 REFERÊNCIAS	11
1 RESUMO
Este trabalho foi realizado como atividade proposta pela disciplina Tecnologias Limpas e Gestão de Resíduos, desenvolvido com a finalidade de envolver o aluno com as questões ambientais, principalmente com a problemática que envolve a inadequada disposição de resíduos sólidos.
2 INTRODUÇÃO
A compostagem é um processo de produção de composto fertilizante, ou húmus, em que os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis pela degradação de matéria orgânica. A técnica de compostar ajuda na redução das sobras de alimentos, tornando-se uma solução fácil para reciclar os resíduos gerados. Esse processo é bastante simples e se constitui apenas no favorecimento do processo natural de decomposição da matéria orgânica. Para que haja esse favorecimento é necessário o controle de três fatores fundamentais: tipo e quantidade de matéria orgânica, água e ar.
A compostagem é uma forma de diminuir a quantidade de resíduos gerada pela população e que vai para aterros ou mesmo lixões. Eliminando assim, os impactos causados no meio ambiente, uma vez que o produto da compostagem é totalmente benéfico para o solo e com valor comercial.
Poucas pessoas percebem que a compostagem ajudaria a resolver boa parte dos problemas ambientais atuais e diminuir os custo com a coleta e varrição desses resíduos. 
De nada adianta depositarmos todos os milhares de toneladas de restos orgânicos nos lixões da cidade, poluindo a água do subsolo e deixar fermentando anaerobicamente gerando metano na atmosfera que é muito mais danoso para o efeito estufa do que uma fermentação aeróbica através de compostagem.
Além disso, através da reciclagem e compostagem dos nossos resíduos orgânicos de cozinha por exemplo, evitamos perder muito dinheiro sendo que todos estes resíduos orgânicos contém ótimos nutrientes para manterem vasos, canteiros, jardins e hortas em perfeito estado de funcionamento.
Os resíduos vegetais que sobram de toda a nossa atividade, se devidamente compostados, ficam disponíveis para as plantas e microrganismos do solo de maneira ideal, equilibrada e rica em nutrientes.
Além de aumentar a capacidade de retenção de água no solo, a matéria orgânica compostada equilibra o pH, melhoram a estrutura do solo, tornando-o mais arejado, contem nitrogênio, fósforo e potássio e micronutrientes numa proporção ideal para as plantas (fica a função da serapilheira nas florestas- camada de folhas que cobre o solo e libera lentamente nutrientes as raízes das plantas). 
Com todas estas vantagens as plantas ficam mais saudáveis, resistentes a doenças e crescem melhor.
3 DESENVOLVIMENTO
Compostagem Doméstica:
Fase 1:
Seleção dos Resíduos.
Os resíduos utilizados na execução do trabalho foi recolhido em residências. Ao começar o trabalho de coleta, pôde-se notar a quantidade considerável que é gerado de resíduo orgânico e que, na maioria das vezes, não são depositados de forma correta.
Foi coletado restos de vegetais, cascas de verduras e frutas, cascas de ovos, borra de café e areia para construção.
Fase 2
Separação dos resíduos coletados em “secos e molhados”.
Secos: Casca de ovos, borra de café e areia;
Molhados: Restos de vegetais, cascas de legumes e frutas.
Fase 3
Reserva e preparação do recipiente.
Foi reservado um balde de 10 litros e o mesmo teve seu fundo furado para escoamento do chorume.
Fase 4
Montagem das camadas.
A primeira camada colocada no recipiente foi 5cm de areia, seguidas de 5cm de material orgânico, revezando assim as demais camadas (uma de areia, seguida de uma de material orgânico).
Por ultimo foi acrescentado uma camada de borra de café já utilizado para fechar o recipiente.
Fase 5 
Acompanhamento da compostagem.
O revolvimento foi efetuado de dois em dois dias.
1ª Semana 
Os resíduos não apresentavam odor forte, era possível sentir o aroma dos itens ali presentes.
2ª Semana 
Nesta semana já começou a compostagem já começou a apresentar um certo odor, mas que só era sentido ao revirar o material. Foi notado a presença de larvas de mosca.
3ª a 5ª Semana 
O odor ainda só era sentido ao revirar o material.
Nestas semanas já era notável a presença do chorume, que já estava deixando úmido o local onde foi alocado.
Foi retirado cerca de 2L de chorume.
6 ª a 7ª Semana
A partir da sexta semana o material já começou a ficar mais seco e o odor sumiu quase que completamente.
4 ANÁLISE DOS RESULTADOS
Ao final do processo pôde-se notar que o composto tinha as partículas soltas, possuía cor escura, cheiro de terra e aparência quase seca.
5 CONCLUSÃO 
Nos últimos anos tem-se verificado um aumento acentuado da produção de resíduos sólidos, devido a uma vida exageradamente consumista, fruto do avanço tecnológico. Isso, lamentavelmente, se afasta de um modelo de desenvolvimento sustentável. Como consequência desse fenômeno, o tratamento e destino final dos resíduos sólidos tornou-se um processo de grande importância nas políticas sociais e ambientais dos países mais desenvolvidos. Regra geral, a maior fração destes resíduos é ocupada pela matéria orgânica e um dos processos mais utilizados para lidar com esse material é a compostagem.
A compostagem é um processo biológico, através do qual os microrganismos convertem a parte orgânica dos resíduos sólidos urbanos num material estável tipo húmus, conhecido como composto. A compostagem, embora seja um processo controlado, pode ser afetada por diversos fatores físico-químicos que devem ser considerados, pois, para se degradar a matéria orgânica existem vários tipos de sistemas utilizados.
Ao final de todo o processo pôde-se concluir que esta técnica é de grande importância para a preservação do meio ambiente, oferecendo uma alternativa para a destinação do resíduo orgânico, além de se apresentar como uma fonte de renda alternativa a venda desse adubo.
 
6 ANEXOS
BIBLIOGRAFIA
FERNANDES, P.; Estabilização e Higienização de Biossólidos. In: BETTIOL. W e CAMARGO, O.A. Impacto Ambiental do Uso Agrícola do Lodo de Esgoto.Jaguariúna, SP. Embrapa Meio Ambiente, 2000. 312p.
KIEHL, E.J.; Fertilizantes Orgânicos. Piracicaba. Editora Ceres, 1985. 492.
.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.