A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
43 pág.
Aula 03 - ESCOLHA E AVALIAÇÃO DE OVINOS E CAPRINOS

Pré-visualização | Página 1 de 7

Ovinocaprinocultura – Aula 03							2015
AVALIAÇÃO E ESCOLHA DE OVINOS E CAPRINOS
Prof. José Antonio A. Cutrim Junior
INTRODUÇÃO
Para que o objetivo da criação de ovinos e caprinos possa ser alcançado, o entendimento das características externas do animal se faz necessário.
Conhecer as partes do corpo do animal, para então, realizar uma avaliação comparativa, se faz de suma importância para termos na mão critérios possíveis de seleção dos melhores animais.
Tais avaliações servem para realizar possíveis descartes de animais indesejados, além de introduzir no rebanho, animais que venham agregar valor genético e econômico.
O julgamento do aspecto exterior do animal sempre foi considerado uma ciência e uma arte, sendo hoje mais ciência (Ezoognózia) do que arte, permitindo assim:
Selecionar animais a serem mantidos ou descartados no rebanho
Selecionar animais que irão participar de exposições
Escolher animais que irão participar de provas zootécnicas
Adquirir animais para formação do rebanho, que na maioria das vezes, a avaliação da aparência é o único recurso disponível para o comprador
Inscrever animais em sociedades de registro genealógico
Financiar a compra de animais
O objetivo da avaliação do exterior do animal é selecionar animais o mais próximo possível do ideal, aumentando-se com o passar do tempo, o rigor da avaliação e do padrão de exigência.
ESQUELETO E EXTERIOR DE OVINOS E CAPRINOS
Para facilitar a compreensão do funcionamento do organismo dos animais, é importante conhecer as regiões e as partes que o compõem, sua localização, características e funções. 
Esqueleto
Cabeça
Compreende ossos do crânio e face, entre os quais citamos o frontal, em que há dois processos ósseos (os cornos), sobre os quais se fixam os chifres e a mandíbula, onde encontramos os principais músculos da mastigação.
O incisivo e o nasal, em que observamos as narinas e estão inclusas as conchas nasais, responsáveis pelo aquecimento e filtração do ar respirado.
A órbita ocular é composta pelos ossos frontal, lacrimal e zigomático.
Coluna vertebral
Forma a linha dorsal, que deve ser retilínea, as pode apresentar desvios em função de lordose, sifose ou escoliose (defeitos).
Compreende 42 a 44 vértebras
Sete vértebras cervicais, a primeira denominada atlas e a segunda, áxis que permite todos os movimentos da cabeça
Treze vertebras torácicas, sobre as quais se articulam as costelas e que possuem a particularidade de terem a apófise espinhosa mais desenvolvida do que outras vértebras. As primeiras, aproximadamente na direção vertical dos apêndices torácicos anteriores (patas), têm as apófises espinhosas mais largar e constituem a região denominada de cruz. Nessa região que se mede a altura do animal.
Seis vértebras lombares para os caprinos e de seis a sete para ovinos, que determinam a região dos flancos.
Quatro a cinco vértebras sacrais para os caprinos e quatro para os ovinos, fusionadas, que se articula com a região coxal.
Entre onze a treze vértebras coccígeas para caprinos e dezesseis a vinte quatro para ovinos, que constituem a cauda.
Tórax
Caixa que contém, entre outros órgãos, o coração e os pulmões, limitada lateralmente pelas costelas, em número de treze pares, dorsalmente pelas vértebras torácicas e ventralmente pelo esterno, onde os nove primeiros pares de costelas se fixam diretamente.
Essas estruturas determinam a capacidade respiratória, que possui grande influência na produção leiteira.
Figura 01. Esqueleto caprino. Fonte: Ribeiro (1997)
Apêndices torácicos
Compreendem a escápula, o úmero, o rádio, a ulna, os carpos, os metacarpos, as falanges e os sesamóides.
A escápula faz a ligação do apêndice ao tórax.
O úmero corresponde ao osso do braço. Articula-se em sua parte superior com a escápula e forma, a este nível, a ponta da “espádua”.
O rádio e a ulna, com sua protuberância, o olecrano, que corresponde ao cotovelo humano.
Os carpos, que correspondem ao pulso humano, são constituídos de pequenos ossos dispostos em duas fileiras: radial, intermédio, ulnas e acessório na primeira fileira, e terceiro e quarto fusionados, o segundo carpianio na fileira distal.
Os metacarpos se apresentam fusionados e constituem os ossos da “canela”. Abaixo encontramos as falanges proximal, média e distal junto aos sesamóides proximais e distais, denominados “boleto”, e cobrindo parcialmente a falange medial e a distal, encontramos os cascos.
Cada apêndice anterior está unido ao tronco pela escápula, músculos e tendões que lhe dão solidez, mas também flexibilidade e articulação.
Apêndices pélvicos
Compreendem o fêmur, a tíbia e a fíbula, o tarso e o metatarso
O fêmur é o osso da perna. Sua parte superior se articula com os ossos coxal. Na sua parte inferior, se articula com dois ossos (fusionados nos caprinos), a tíbia e a fíbula. A patela compreende essa articulação.
 O jarrete tem como base os ossos do tarso. Corresponde ao tornozelo humano. Essa articulação compreende cinco ossos dispostos em duas fileiras: um deles, o tarso fibular, forma a ponta do jarrete.
Os metatarsos são os ossos da canela posterior, região compatível ao metacarpo. 
Coxal
Os ossos coxal (íleo, ísquio e púbis) formam a cintura pélvica, sobre a qual se articulam os dois fêmures.
Os ossos do coxal determinam quatro pontos: os pontos das “cadeiras” ou íleo, e os pontos da nádega, os ísquios. 
Esses quatro pontos determinam a garupa, parte superior da pélvis.
O comprimento da garupa é a distância entre a ponta do íleo e a do ísquio e a largura, a distância as pontas do íleo.
Exterior
Divisão do corpo em quatro partes: Cabeça, Pescoço, Tronco e Membros.
Cabeça
Apresenta duas extremidades: Superior e Inferior
Extremidade superior: nuca, marrafa e garganta
Extremidade inferior: boca
Apresenta quatro faces: uma Anterior, duas Laterais e uma Posterior.
Face anterior: fronte, chanfro e focinho
Faces laterais: chifres, orelhas, fonte, bochechas e narinas
Face posterior: ganachas e entre-ganachas
Pescoço
Junção da cabeça ao tronco, de tamanho médio, mais musculoso no macho e mais delicado nas fêmeas.
Figura 02. Exterior macho caprino.
Tronco
Apresenta duas extremidades: Anterior e Posterior
Extremidade Anterior: peito, axilas e inter-axilas
Extremidade Posterior: cauda, ânus, vulva, períneo e nádegas.
Apresenta quatro faces: uma Superior, duas Laterais e uma Inferior.
Face superior: cernelha, dorso, lombo e garupa
Faces laterais: costado, flanco e anca
Face inferior: cilhadouro, ventre e região inguinal
Membros
Regiões próprias dos membros anteriores: espádua, braço, cotovelo, antebraço e joelho
Regiões próprias dos membros posteriores: cocha, perna, jarrete.
Regiões comuns aos quatro membros: canela, boleto, quartela, coroa e cascos (unha). 
Figura 03. Exterior fêmea leiteira caprina. Fonte: Ribeiro (1997)
Figura 04. Exterior ovino.
APARÊNCIA GEREAL VS ESTADO DE SAÚDE
Para uma avaliação sobre aparência geral de ovinos e caprinos, todas as partes do corpo devem ser consideradas.
 O animal deve apresentar vigor, proporcionalidade, tipo e porte característico 
Cabeça de comprimento médio, elegante, com fronte e focinho amplos e bem definidos;
Olhos brilhantes, vivos e limpos;
Orelhas de tamanho adequado e de acordo com o padrão da raça;
Ombro e a paleta devem compor um conjunto inclinado em direção à cernelha, formando uma perfeita junção do corpo.
Características de um animal saudável:
Alerta, vivo e gracioso
Movimentos: livres, sem claudicações, com andar firme.
Postura e comportamento: esperto, com olhar vivo, atento às ocorrências do meio.
Pelagem: fina, brilhante e macia.
Pele: flexível e solta, sem marcas de bernes ou cicatrizes.
Conjuntiva rosada, focinho úmido, narinas abertas e sem corrimento
Respiração: compassada e sem ruídos.
Órgão reprodutor feminino
Vulva limpa, sem corrimento;
Úbere: pele flexível,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.