A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
AVALIANDO O APRENDIZADO - PROCESSO DO TRABALHO 2

Pré-visualização | Página 1 de 1

1a Questão (Ref.:201706368483) Pontos: 0,1 / 0,1 
É correto dizer que após a edição da Lei 13.467/2017 (Reforma Trabalhista), o preposto:
Não tem que ser empregado do reclamado apenas quando a reclamação é contra micro ou pequeno empresário;
Tem que ser empregado do reclamado, em qualquer circunstância;
 Não tem que ser empregado do reclamado;
Não tem que ser empregado do reclamado apenas quando este se tratar de empregador doméstico;
Não tem que ser empregado do reclamado, exceto quando este se tratar de ente público;
Respondido em 06/10/2019 18:44:24
Compare com a sua resposta:
2a Questão (Ref.:201706375238) Pontos: 0,1 / 0,1 
Aponte a alternativa correta:
Os prazos processuais são fatais e não podem ser prorrogados.
Os atos processuais serão realizados das 8 às 18 horas.
Os atos processuais sempre serão públicos, haja vista o notório interesse público e social do direito do trabalho.
 Os prazos do processo do trabalho serão contados em dias úteis, com exclusao do dia do começo e inclusão do dia do
vencimento.
A penhora, para ser realizada aos domingos, prescinde de autorização judicial
Respondido em 06/10/2019 18:47:19
Compare com a sua resposta:
3a Questão (Ref.:201706402017) Pontos: 0,1 / 0,1 
(FCC-TRT11ª-2017- Analista Judiciário-Cargo Judiciária). Gilmeri ajuizou reclamação trabalhista em face de sua ex-
empregadora, a empresa Lago Rosa Ltda. Na audiência em que deveria apresentar defesa, o preposto da empresa não
compareceu, uma vez que agendou o dia correto, mas o mês incorreto em sua agenda eletrônica. Porém, o advogado da
empresa compareceu munido de procuração com firma reconhecida em cartório. Neste caso,
 
 
será obrigatoriamente concedido prazo de quarenta e oito horas para que a empresa justifique a ausência, antes da
aplicação das penalidades inerentes à revelia.
 
 
 a reclamada será considerada revel.
 
 será obrigatoriamente concedido prazo de cinco dias para que a empresa justifique a ausência, antes da aplicação
das penalidades inerentes à revelia.
 
 o advogado, em razão da procuração com firma reconhecida em cartório, será constituído preposto pelo
magistrado e deverá prestar depoimento pessoal.
 
 a audiência deverá ser remarcada, não cabendo a aplicação das penalidades inerentes à revelia.
 
Respondido em 06/10/2019 18:49:40
Compare com a sua resposta:
4a Questão (Ref.:201706366426) Pontos: 0,1 / 0,1 
Caio sofreu acidente do trabalho em julho de 2003, razão pela qual ajuizou ação de indenização por danos morais e patrimoniais contra
sua empregadora, perante a Justiça comum, que possuía competência para processar e julgar a ação na época. Ocorre que, com a
Emenda Constitucional (EC) 45, de 8/12/2004, a referida ação foi enviada para a Justiça do Trabalho, ainda na fase de instrução
probatória, com laudo médico pericial que concluiu que Caio sofreu sequelas graves que o tornaram incapaz para a mesma função que
exercia. Nessa situação hipotética, é correto afirmar que
a ação deve ser devolvida para a Justiça comum, uma vez que a competência da Justiça do Trabalho ampliada pela EC 45/2004
prevê que receberá as ações iniciadas na Justiça comum, mas que já tenham, obrigatoriamente, sentença de mérito em
primeiro grau.
a ação deve ser devolvida para a Justiça comum, tendo em vista que já havia sido ajuizada antes da EC 45/2004,
independentemente de ter sido proferida sentença de mérito em primeiro grau.
a ação deve permanecer na Justiça do Trabalho, mas o laudo médico deve ser refeito por um perito nomeado pelo Juiz do
Trabalho, uma vez que o laudo elaborado por perito nomeado pelo Juiz de Direito não atende a todos os critérios exigidos para
a correta elaboração de laudo médico numa ação trabalhista.
a ação deve ser devolvida para a Justiça comum, uma vez que a competência da Justiça do Trabalho, ampliada pela EC
45/2004 apenas abrange o pedido de indenização por danos morais e materiais fundados em morte do empregado e não
acidente do trabalho que causou sequelas.
 a ação deve permanecer na Justiça do Trabalho, que passou a ser competente para processar e julgar as ações de indenização
por danos morais e patrimoniais decorrentes de acidente de trabalho, mesmo não havendo sido proferida sentença de mérito
em primeiro grau.
Respondido em 06/10/2019 18:50:26
Compare com a sua resposta:
5a Questão (Ref.:201706375228) Pontos: 0,1 / 0,1 
Em conformidade com o texto expresso na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), é correto afirmar que:
é ilícito às partes celebrar acordo que ponha termo ao processo, antes de encerrado o juízo conciliatório
 os Juízos e Tribunais do Trabalho terão ampla liberdade na direção do processo e velarão pelo andamento rápido das causas,
podendo determinar qualquer diligência necessária ao esclarecimento delas
a Justiça do Trabalho possui competência para julgar crimes que aconteçam dentro do ambiente de trabalho.
o direito processual comum não será fonte subsidiária do direito processual do trabalho.
os dissídios individuais ou coletivos submetidos à apreciação da Justiça do Trabalho serão excepcionalmente sujeitos a
conciliação.
Respondido em 06/10/2019 18:51:07
Compare com a sua resposta:

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.