Av - Subst 1 - Fundamentos da Educação

Av - Subst 1 - Fundamentos da Educação


Disciplina<strong>fundamentos da Educaçã</strong>6 materiais8 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Av - Subst. 1 - Fundamentos da Educação
×Sua avaliação foi confirmada com sucesso
Período: 03/12/2019 00:00 à 07/12/2019 23:59
Situação: Cadastrado
Pontuação: 750
Protocolo: 467230313
Avaliar
1)
&quot;Faz alguns anos já, dei-me conta de que admitira desde a infância muitas coisas falsas por verdadeiras e de quão duvidoso era o que depois sobre elas construí. Era preciso, portanto, que, uma vez na vida, fossem postas abaixo todas as coisas, todas as opiniões em que até então confiara, recomeçando dos primeiros fundamentos, se desejasse estabelecer em algum momento algo firme e permanente nas ciências.&quot; (DESCARTES, René. Meditações sobre filosofia primeira. Campinas/SP: Unicamp, 2004. p. 21.)
 
Tomando por base o trecho de Descartes, refletindo sobre a problemática do conhecimento, pense sobre as asserções abaixo, buscando reconhecer a(s) que seja(m) verdadeira(s).
 
I. Tendo a dúvida como um instrumento para que o pensamento não seja enganado, o autor propõe que seja revisto o conhecimento adquirido durante os anos; conhecendo melhor suas ideias, podemos afirmar que, de modo específico, ele põe em xeque os dados fornecidos pelos sentidos.
II. A busca pela verdade é guia quando se problematiza o conhecimento. Descartes, ao indicar a necessidade de que os fundamentos do que conhece sejam revistos, acaba se lançando em uma falta total de fundamento \u2013 o que prejudicará o estabelecimento de sua filosofia, já que a dúvida não levará a nenhum ponto de apoio.
III. Duvidar daquilo em que se acredita, do modo como proposto pelo autor, pode ser entendido como um dos elementos que constituem a postura ativa e crítica diante do conhecimento \u2013 algo tão caro no âmbito educacional.
 
Assinale uma alternativa que apresenta apenas a(s) asserção(ões) correta(s):
Alternativas:
a)
Apenas I está correta.
b)
Apenas I e II estão corretas.
c)
Apenas II está correta.
d)
Apenas I e III estão corretas.
e)
Apenas III está correta.
2)
Como essência, o homem é uma ideia completa, tornando-se objetivo a ser alcançado por meio do ato educativo; tal completude é que nos permite diferenciar este ente dos demais. Por outro lado, olhar para o homem a partir de uma visão naturalista permite perceber diferentes modos segundo os quais este ente é construído ao longo do tempo, sob influência de diversos fatores (como parte da natureza), nos diferentes contextos nos quais ele está inserido. Para cada uma das tais concepções, o ato educativo se torna diferente em seu projeto.
Assinale a alternativa que se apresenta como a mais adequada em relação às duas concepções de homem apresentadas no trecho.
Alternativas:
a)
Ambas traduzem aspectos diferentes do que seja o homem, traduzindo o fenômeno humano por meio de elementos que se complementam entre uma e outra.
b)
Uma delas parte da ideia de que o homem pode ser visto como completo e fixo em seu ser, enquanto a outra percebe o homem como elemento de uma realidade mutável mais ampla, porém que segue determinadas leis.
c)
Nenhuma delas contribui para o ato educativo; considerando-se que sempre são parciais diante do fenômeno humano, não podem ser auxílio à ação intencional do professor.
d)
Ambas são apenas teorias elaboradas para um entendimento pontual do homem; ou seja, a prática de um professor não pode assumi-las, devendo apenas considerá-las como complemento à prática.
e)
Toda consideração do homem se restringe à relação ideal/natural, não podendo ser pensada a partir de outros elementos. Deste modo, o ato educativo deve sempre refletir a opção por uma das tais concepções.
3)
Pense sobre a seguinte situação hipotética: numa escola de Ensino Fundamental, o professor segue realizando suas aulas a partir dos materiais enviados pela Secretaria da Educação. Buscando seguir tudo o que é proposto em tal material, com as temáticas e respectivas atividades, o professor percebe que o material é interessante, mas acaba enquadrando o conteúdo em um modo único de entendimento, exigindo dos alunos a adequação a um mesmo nível. O professor não concorda inteiramente com a ação, mas pensa: \u201cJá que foi elaborado assim, assim o farei, pois deve ser bom! É preciso tentar, antes de dizer que não funciona\u201d.
Tendo em consideração temáticas da antropologia filosófica, assinale a alternativa que problematiza adequadamente a situação apresentada.
Alternativas:
a)
As políticas educacionais não são fruto de acaso ou meras opiniões; neste sentido, a aplicação fiel dos conteúdos trazidos pelos materiais é algo de suma importância para que o ato educativo seja efetivo.
b)
Considerando-se que nunca será possível, ao professor, ensinar tudo o que seja necessário para que o aluno tenha uma boa profissão, os materiais enviados pela Secretaria servem como parâmetro necessário para o nivelamento do conhecimento dos alunos.
c)
Materiais sempre cerceiam o conteúdo. Já que o professor é quem tem contato direto com os alunos, ele é quem tem de decidir o que e como ensinar, pois o ato educativo deve objetivar o homem completo e não aquele homem necessário à sociedade.
d)
Os alunos devem sempre se esforçar mais e mais para alcançar e ultrapassar os limites desenhados pelo sistema educacional; este deve ser o caminho que o professor deve seguir, no auxílio aos alunos, para que respondam ao que é exigido.
e)
Uma das dificuldades da ação do professor é ser crítico diante do conteúdo a ensinar: ele não pode ser simples reprodutor de conteúdo, mas também não pode agir sem parâmetros. Considerar que o conteúdo pode não estar adequado a seus alunos indica a complexidade do fenômeno humano e a certeza de que o aprendizado não se dá de forma automática.
4)
\u201cComo escreve Hegel na Fenomenologia: \u2018O botão desaparece no florescimento, podendo-se dizer que aquele é rejeitado por este; de modo semelhante, com o aparecimento do fruto, a flor é declarada falsa existência da planta, com o fruto entrando no lugar da flor como a sua verdade. Tais formas não somente se distinguem, mas cada uma delas se dispersa também sob o impulso da outra, porque são reciprocamente incompatíveis. Mas ao mesmo tempo, a sua natureza fluida faz delas momentos da unidade orgânica, na qual não apenas elas não se rejeitam, mas, ao contrário, são necessárias uma para a outra, e essa necessidade igual constitui agora a vida do inteiro.\u2019\u201d (REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia. São Paulo: Paulus, 1990. p. 103. v.III.)
No trecho, Hegel apresenta a dialética da realidade de forma imagética. Assinale a alternativa que apresenta uma interpretação possível da educação, segundo tal ideia.
Alternativas:
a)
A educação se realiza plenamente quando toma o aluno naquilo que ele é, percebendo que sua condição material (sustentação da vida) é que dá origem à concepção que tem do mundo e de sua própria vida.
b)
O passado do aluno deve ser considerado na educação; porém, é preciso entender que há mínima interferência dele na ação do educando; o momento sempre novo não tem relação direta com o momento anterior.
c)
Os diferentes momentos da história de um indivíduo são todos trazidos em sua memória \u2013 eles são integralmente reproduzidos no fazer cotidiano; isto é que deve ser trabalhado no processo educativo.
d)
A ideia de superação mostra que nenhum projeto educacional tem condições de ser realizado plenamente, já que o objeto (homem) não pode ser tomado em seu todo.
e)
A educação não é algo estático, pois o homem não pode ser entendido de forma fixa e última. Este homem deve aprender a interpretar sua história dentro de seu contexto \u2013 mesmo com as mudanças, ele permanece sendo quem é.
5)
\u201cÉ evidente que não há valores estéticos a priori, mas que há valores que se revelarão em seguida, na coerência do quadro, na relação entre a vontade de criação e o resultado. Ninguém pode dizer como será a pintura amanhã; só se pode julgar um quadro depois que ele está feito. Que relação tem isso com a moral? Nós estamos na mesma situação criadora\u201d. (SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo.