A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
537 pág.
Enfermidades dos Cavalos - Armen Thomassian-ilovepdf-compressed.pdf

Pré-visualização | Página 50 de 50

de artrite infec-
ciosa, porem, um resultado nega-
tivo de cultura, nao pode ser inter-
pretado como sendo 0 de uma
artrite nao infecciosa. Em casos
avanc;:adosde artrite infecciosa, 0
numero de microorganismos po-
de ser pequeno ou entao, estes
terem sido fagocitados par neu-
tr6filos do Ifquido sinovial.
5.23. Tratamento geral
das artrites.
Varias medidas terapeuticas
tem sido descritas e utilizadas no
tratamento de diversas formas
de artropatias, gerando polemi-
cas devido a grande variabilidade
de resultados obtidos.
Levando-se em considera<;ao
os diversos tipos de artrites, e
considerando-se suas diferentes
etiopatogenias, as medidas tera-
peuticas utilizadas incluem: me-
dica<;ao antiinflamatoria a base
de corticosteroides e drogas nao
esteroides; contrairrita<;ao exter-
na,quimica e f1sica;cauteriza<;ao;
hidroterapia; lavagem da articu-
la<;aocom solu<;ao salina ou de
iodo-povidine 0,1%; drogas eu-
troficasao metabolismo da ma-
triz da cartilagem hialina e do li-
quido sinovial (hialuronato de so-
dio, glicosaminoglicanas polisul-
fatadas e 0 pentosam polisulfa-
tado); outras drogas com ativida-
de antiinflamatorias (dimetilsul-
foxido [DMSO] e orgoteina); so-
ro hiperimune anti-endotoxina;
campo eletromagnetico pulsan-
te; agentes fibrinoliticos (quimo-
tripsina); imobiliza<;aoarticular e
repouso em baia; fisioterapia
passiva; cirurgias articulares (ar-
trotomia e artroscopia); antibio-
ticoterapia (artrite infecciosa);
transplante de liquido sinovial e
infusao de plasma.
1.Artrite serosa: Na fase agu-
da da sinovite traumatica, aplica-
<;6esde corticosteroides intra-ar-
ticular 2 a 3 vezes com intervalos
de 5 a 7 dias,atuam decisivamen-
te,na recupera<;ao do processo,
como 0 acetato de betametazona
na dose de 15 mg/ml sendo 1,5
a 2,5 ml, dependendo do "tama-
nho" da articula<;aoe da severida-
de e dura<;aoda sinovite. Frente
a qualquer suspeita, ou possibili-
dade de artrite infecciosa,a utiliza-
<;aode corticosteroides por qual-
quer que seja a via de aplica<;ao,
e absolutamente contra-indicada.
Aplica<;6esde duchas sobre a ar-
ticula<;aoafetada, 3 vezes ao dia,
durante pelo menos 20 minutos
cada aplica<;ao,aliviam os sinais
inflamatorios e proporcionam
bem estar f1sico ao animal. Se
possivel, a articula<;aodevera ser
imobilizada com ataduras gessa-
das ou de material sintetico, e 0
animal mantido em baia em re-
pouso durante pelo menos 2 se-
manas. Ainda na fase aguda, po-
de-se associar as aplica<;6es de
corticosteroides intra-articular,
corticoides por via sistemica du-
rante 1 a 2 semanas. Ouando a
op<;aopor medica<;aoantiinflama-
toria recair sobre drogas nao es-
teroides, pode-se lan<;armao da
fenilbutazona na dose de 4 a 8
mg /kg, ao dia,preferencialmente
pelavia oral,ou enta~ 0 diclofena-
co sodico na dose de 1,0 mg/kg,
ao dia, pela via intramuscular du-
rante 5 a 7 dias. Em qualquer das
formas de tratamento antiinflama-
torio (sistemica ou intra-articular),
evite a associa<;aode drogas es-
teroides com nao esterOides.
Como adjuvante ao trata-
mento antiinflamatorio, indepen-
dente do processo ser agudo ou
cr6nico, a utiliza<;aode embroca-
<;aotopica de solu<;ao ou subs-
tancia heparinoide associado ao
DMSO a 20%, sobre a articula-
<;aoafetada, antes da aplica<;ao
do penso compressive ou imobi-
Iizante,tem produzido resultados
surpreendentemente beneficos
e rapidos quanto a recupera<;ao
do paciente.
A utiliza<;aode drogas eutro-
ficas articulares como hialurona-
to de sodio pela via intra-articu-
lar, na dose de 20 a 40 mg, po-
dendo se necessario ser repetida
em intervalo de 1 a 2 semanas;
glicosaminoglicanas polisulfata-
das na dose de 500 mg a cada 3
a 4 dias,requerendo de 4 a 7 apli-
ca<;6es;pentosam polisulfato na
dose de 10 mg/kg, pela via intra-
muscular, a cada 2 dias durante
4 semanas, proporcionam prote-
<;aoa matrizcartilaginea e ao liqui-
do sinovial, interferindo na a<;ao
das prostaglandinas, e, conse-
quentemente, no cicio do acido
aracd6nico, e estimulando 0 me-
tabolismo do acido hialur6nico e
das outras glicosaminoglicanas.
Na forma cr6nica, a artrite se-
rosa pode ser tratada com aplica-
<;6es de corticosteroides intra-
articular, substancias eutr6ficas
articulares e, principal mente, por
revulsao com produtos, como por
exemplo, pomadas iodetadas.
Fontes de calor como diatermia
e infravermelho podem ser utiliza-
das sob rigoroso controle medico
veterinario. A articula<;ao devera
ser mantida com ligas,entretanto,
o animal podera permanecer em
recinto mais espa<;osopara se 10-
comover voluntariamente. Nos
casos em que a resposta a tera-
peutica institufda nao for satisfa-
toria, ou ocorrer remitencia clinica
do quadro,e de suma importancia
descartar-se a possibilidade de
fissuras ou fraturas articulares mi-
nusculas ("chips"). Nestas situa-
<;6es,descartadas radiografica-
mente a possibilidade de fraturas,
e caso nao tenha side utilizado 0
hialuronato de sodio ou glicosa-
minoglicanas, institua um novo
esquema terapeutico, desta feita
com estas drogas.
As artrites serosas decor-
rentes de ma-conforma<;:ao dos
membros, ou por severas defi-
ciencias nutricionais, devem con-
comitantemente ter as etiologias
corrigidas, para que 0 tratamen-
to instituido possa resultar na
cura do animal.
2. Artrite infecciosa: Comu-
mente causada no cavalo adulto
devido a inoculac;:aodireta de mi-
croorganismos em ferimentos
perfurantes da articula<;:ao,lace-
ra<;:6ese artrocenteses realizadas
com agulhas contaminadas, pos-
sui com 0 tratamento basico e
ideal, a administra<;:aode antibi6-
ticos pela via sistemica, potencia-
lizada nas situa<;:6esmais graves,
com a administra<;:aode antibi6-
ticos pela via intra-articular. A ins-
titui<;:aode terapia antimicrobia-
na deve ser a mais precoce pos-
sivel, sendo recomendado 0 uso
de drogas de amplo espedro, ate
que se possa obter resultados de
cultivo e antibiograma, que, em
geral, pode levar ate uma sema-
na para serem obtidos.
Em virtude das dificuldades
de cultivo de Ifquido sinovial, e in-
teressante que 0 mesmo seja
realizado em frascos de cultura,
e subcultura em placas de agar
sangue. Tais procedimentos tec-
nicos, segundo trabalhos mais
recentes, ampliam as possibilida-
des de cultivo positivo, indicando
a sensibilidade do germe aos di-
versos antibi6ticos ou quimiote-
rapicos de boa a<;:aoem articula-
<;:6esinfedadas. Sulfadiazina-tri-
metropim na dose de 30 mg/ kg,
a cada 12 horas, apresenta con-
centra<;:ao minima inibidora em
nfveis adequados na sin6via in-
fedada. Outras op<;:6espara tra-
tamento por via sistemica saGas
penicilinas, estreptomicina, neo-
micina, c1oranfenicole cefalospo-
rinas em geral.A nivel intra-articu-
lar,muito embora alguns auto res
nao indiquem a infusao de anti-
bi6ticos, quando se opta como
complementa<;:aoao tratamento
sistemico, possuem ac;:aoantibac-
teriana efetiva 150 mg de genta-
micina ou 125 mg de amicacina
diariamente. A dura<;:aodo trata-
mento com antibi6ticos deve ser
de no minima 2 semanas, ou por
mais cinco dias ap6s a melhora
dos sinais de infec<;:aoarticular.
Concomitantemente ao infcio
da antibi6ticoterapia sistemica,
nos casos em que a via hemat6-
gena constituiu-se no veiculo da
infecc;:aosinovial, 0 foco da infec-
<;:aoprimaria devera ser debelado,
principalmente quando se tratar
de processos umbilicais. Afec-
<;:6espulmonares ou septicemias
inespecfficas, decorrentes de
imuno-incompetencia ou transfe-
rencia de imunidade passiva insu-
ficiente (potros neonatos de alto
risco) saGeficientemente comba-
tidas ao se instituir a terapia an-
timicrobiana, nao se exigindo ma-
nobras adicionais especfficas de
combate ao foco de infec<;:ao.
A drenagem da articula<;:ao
comprometida tem porfinalidade
aliviar a pressao intra-articular,
remover protefnas e barreira de
fibrina (debris), remover celulas
inflamat6rias