A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
179 pág.
Condutas_prticas_em_UTI

Pré-visualização | Página 12 de 50

 Alteração do estado mental 
 Presença de extremidades frias 
 
TRATAMENTO IC AGUDA 
 Conforme a pressão arterial sistólica (PAS): 
 PAS > 140 mmHg: ventilação não-invasiva e nitratos; diuréticos raramente 
estão indicados, a não ser na vigência de hipervolemia. 
 PAS 90-140 mmHg: ventilação não-invasiva e nitratos; diuréticos se houver 
retenção hídrica sistêmica crônica. 
 PAS < 90 mmHg: desafio hídrico se não houver hipervolemia evidente; 
inotrópico; se a PAS não sobe acima de 100 mmHg e persistem sinais de 
hipoperfusão, considere vasopressores. 
 Conforme se a IC é aguda (geralmente euvolêmicos) ou crônica agudizada 
(geralmente com hipervolemia pulmonar e sistêmica). 
 Quente-congesto 
 IC aguda de início recente: não necessitam de tanto estimulo diurético e 
sim mais de vasodilatadores. 
 IC crônica agudizada: a prioridade, além dos vasodilatadores, é o uso 
em larga escala de diuréticos. 
 Pacientes com hipoperfusão (frios) 
 IC aguda de início recente: necessitam de suporte mecânico associado à 
inotrópico. 
 IC crônica descompensada: 
 Frio-congestos: inotrópicos e vasodilatadores. 
 Frio-secos: reposição volênica. 
 
Opióides 
 Morfina: 
 Diluir 1 ampola para 10 mL de água destilada (1mg/mL). 
 Fazer 1 a 3 mg (1 a 3 mL) cada 5 minutos, até alívio da ansiedade provocada 
pela dispneia. 
 Evitar em pacientes com broncoespasmo e hipotensos. 
 Fentanil: 
 0,35 a 1,5 g/kg ou em torno de 25 a 100 g para um adulto médio de 70 
kg. 
 0,5 a 2ml do fentanil diluído em água destilada para um total de 10 mL sob 
administração endovenosa lenta. 
 
Inotrópicos 
 Terapia de curta duração: 
 Pacientes em choque cardiogênico. 
 Pacientes com IC crônica e oligúria que não alcançaram diurese satisfatória 
apesar do uso de diuréticos de alça e vasodilatadores. 
 Suporte hemodinâmico temporário em pacientes à espera de transplante 
cardíaco ou revascularização. 
 
Betabloqueadores 
 Pacientes que não fazem uso de betabloqueadores: iniciar após fase 
aguda da descompensação, com estabilização clínica e resolução da congestão 
pulmonar e sistêmica (euvolemia) e já tendo sido reiniciado IECA/BRA e 
diurético por via oral. 
 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 41 
 Pacientes já em uso de betabloqueadores: cenário mais complexo e 
controverso. 
 Perfil quente e congesto: manutenção da dose habitual do betabloqueador. 
 Perfil quente-congestos, hipotensos, com perfusão normal: conduta 
individualizada, podendo ser considerada uma redução a 50% da dose 
ambulatorial. 
 Perfil frio-congesto, hipotensos, com baixo débito: suspender 
betabloqueadores nos casos mais graves, com utilização mandatória de 
inotrópicos. Reiniciar betabloqueador após estabilização. 
 
Doses de betabloqueadores na IC aguda 
Drogas Dose inicial (mg) Dose alvo (mg) Frequência 
Carvedilol 
3,125 
50 (peso > 85kg_ 
25 (peso < 85kg) 
2x 
Metoprolol 12,5 200 1x 
 
Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA)/Bloqueadores dos 
receptores da angiotensina II (BRA) 
 Paciente em uso crônico: manter na ausência de contraindicações. 
 Pacientes que não estão em uso prévio: só iniciar o tratamento quando 
hipovolemia ou hipotensão estiverem corrigidas, preferencialmente após um 
período de 48 horas de estabilização clínica inicial. 
 
Contraindicações para o emprego de IECA ou BRA 
em pacientes com IC aguda 
História de angioedema Hipotensão arterial (PAS < 85 mm 
Hg), com evidências de hipoperfusão 
periférica. 
Estenose bilateral de artérias renais 
Estenose aórtica grave Piora recente da função renal 
(aumento de creatinina superior a 0,5 
mg/dl) em comparação a exames 
prévios. 
Potássio acima de 5,0 mEq/l 
Creatinina > 2,5 mg/dl 
 
 Havendo piora da função renal (elevação de creatinina >0,5 mg/dL) ou 
hipotensão (PAS < 80 mm Hg) associada ao início de IECA/BRA, deve-se tentar 
reduzir a dose de diuréticos (se não houver congestão) e/ou de outros 
vasodilatadores. Em último caso, a dose de IECA/BRA deverá ser reduzida. 
 
Doses de IECA e BRA na IC aguda 
Drogas Dose inicial 
(mg) 
Dose alvo (mg) Frequência 
Captopril 6,25 50-100 3x 
Losartan 25 100 1x 
 
Nitrato com hidralazina e outros vasodilatadores 
 O uso por via endovenosa deve ser preferencial nas situações agudas e de 
necessidade iminente de efeito hemodinâmico. 
 Em associação aos nitratos orais o uso da hidralazina está sempre indicado 
como primeira escolha quando alguma contraindicação se faz aos IECA ou BRA 
ainda na fase de internação e de compensação da IC. Essa associação também 
pode ser adicionada aos IECA ou BRA, na tentativa de otimização terapêutica. 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 42 
 
 
IC=insfuciência cardíaca; CH=crise hipertensiva; IAM=infarto agudo do miocárdio; IM=insuficiência mitral; PAS=pressão arterial sistólica; 
VNI=ventilação não invasiva; NPS=nitroprussiato; NTG=nitroglicerina; BB=betabloqueador; IOT=intubação orotraqueal; BIA=balão intra-
aórtico. 
IC aguda nova 
(CH, IAM, miocardite, IM aguda) 
Congestão pumonar 
Hipovolemia periférica 
PAS > 140mmHg 
Quente-Congesto 
VNI 
Morfina 
NPS/NTG 
Furosemida 
BB 
PAS 90-140mmHg 
Sem baixo débito 
Quente-Congesto 
VNI 
NTG/NPS 
Fusosemida 
BB 
Com baixo débito 
Frio-Congesto 
Avaliar volemia 
VNI 
NTG/NPS 
Dobutamina 
Furosemida 
Suspender BB 
PAS < 90mmHg 
Sem baixo débito 
Quente-Congesto 
VNI 
Dobutamina 
Furosemida 
Reduzir BB 50% 
Com baixo 
débito 
Frio-Congesto 
VNI/IOT 
Avaliar volemia 
Dobutamina 
Nora (PAS <75mmHg) 
BIA 
BB suspenso 
 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 43 
 
 
IC=insfuciência cardíaca; CMPD=cardiomiopatia dilatada; IM=insuficiência mitral; EAo=estenose aórtica; PAS=pressão arterial sistólica; 
VNI=ventilação não invasiva; NPS=nitroprussiato; NTG=nitroglicerina; BB=betabloqueador; IOT=intubação orotraqueal; BIA=balão intra-
aórtico. 
IC crônica agudizada 
(CMPD/IM crônica/EAo) 
Congestão pumonar e periférica 
PAS > 140mmHg 
Quente-Congesto 
VNI 
Morfina 
NPS/NTG 
Furosemida 
BB 
PAS 90-140mmHg 
Sem baixo débito 
Quente-Congesto 
VNI 
NTG/NPS 
Fusosemida 
BB 
Com baixo débito 
Frio-Congesto 
VNI 
NTG/NPS 
Dobutamina 
Furosemida 
Suspender BB 
PAS < 90mmHg 
Sem baixo débito 
Quente-Congesto 
VNI 
Dobutamina 
Furosemida 
Reduzir BB 50% 
Com baixo 
débito 
Frio-Congesto 
VNI/IOT 
Furosemida 
Dobutamina 
Nora (PAS <75mmHg) 
BIA 
BB suspenso 
 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 44 
 
 
 
IC=insfuciência cardíaca; PAS=pressão arterial sistólica; NPS=nitroprussiato; NTG=nitroglicerina; DAC=doença arterial coronariana; 
BB=betabloqueador; IECA=inibidor da enzima conversora da angiotensina; BRA=bloqueador do receptor da angiotensina. 
IC aguda nova 
IC crônica agudizada 
Fadiga sem congestão 
PAS > 140mmHg 
Quente-Seco 
NPS 
NTG (DAC) 
BB 
PAS 90-140mmHg 
Sem baixo débito 
Quente-Seco 
Repor volume 
IECA/BRA 
BB 
Com baixo débito 
Frio-Seco 
Repor volume 
Suspender IECA/BRA 
Suspender BB 
PAS < 90mmHg 
Com ou sem baixo débito 
Quente-Seco ou Frio-Seco 
Repor volume 
Suspender IECA/BRA 
Reduzir BB 50% 
 
 
Kelson Nobre Veras Condutas Práticas para UTI 45 
TRATAMENTO