Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Cirurgia neurológica(1)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Enfermagem na Saúde do Adulto Cirúrgico
Prof.ª Jeanice Baecker Lasta
Adelir Carmen Lemos de Góes
Kainara Manchado Santana
Raquel de Souza vargas
Cirurgias Neurológicas
Uma breve revisão do sistema nervoso
As unidade funcionais básicas do sistema nervoso são os neurônios, capazes de recebe e transmitir informações por meio de sinapses química e elétricas. O sistema nervoso é comporto por mais de 100 bilhões de neurônios agrupados em estruturas especializadas, que podem ser classificadas em sistema nervoso central (SNC) e sistema nervoso periférico(SNP).
O sistema nervoso central é responsável pela recepção e integração de informações, tomada de decisões, e do envio de ordens. Já o sistema nervoso periférico transmite as informações proveniente dos órgãos sensoriais para os sistema nervoso central, e deste para os músculos e as glândulas. O sistema nervoso é dividido em somático (aferente ou sensitivo e eferentes ou motores) e autônomo (simpático e parassimpático).
Relembrando demais estruturas neurológicas
Relembrando demais estruturas neurológicas
Imagens curiosas da neuroanatomia
Neurologia: noções básicas sobre a especialidade 
A Neurologia é a especialidade da Medicina que estuda as doenças estruturais do Sistema Nervoso Central (composto pelo encéfalo e pela medula espinal) e do Sistema Nervoso Periférico (composto pelos nervos e músculos), bem como de seus envoltórios (que são as meninges). Doença estrutural significa que há uma lesão identificável em nível genético-molecular (mutação do material genético DNA), bioquímico (alteração de uma proteína ou enzima responsável pelas reações químicas que mantêm as funções dos tecidos, órgãos ou sistemas) ou tecidual (alteração da natureza histológica ou morfológica própria de cada tecido, órgão ou sistema). Em outras palavras, existe uma alteração neuroanatômica ou neurofisiológica que produz manifestações clínicas, as quais devem ser interpretadas. Este exercício de associação dos sintomas e sinais neurológicos apresentados pelo paciente (diagnóstico sindrômico) com o tipo de função alterada e com a estrutura anatômica a ela associada (diagnóstico anatômico ou topográfico) é a base do raciocínio em Neurologia Clínica. 
Neurologia: noções básicas sobre a especialidade 
As cirurgias neurológicas, por serem complexas e delicadas, estão entre os 
procedimentos cirúrgicos que trazem consigo uma gama muito grande de sentimentos de incapacidade e temor. As intervenções cirúrgicas são realizadas em um sistema que controla todas as funções vitais de um organismo. Dessa forma, uma lesão no neurológica pode apresentar dificuldades para restabelecer suas funções adequadas e sua recuperação pode ser lenta e imprevisível. O paciente adentra o centro cirúrgico muitas vezes já em estado de afasia, paralisia e, com frequência até em coma. Essas condições de deficiência física muitas fezes continua, ou até mesmo se perpetua, no período pós-operatório em razões da sequela da própria patologia ou mesmo do procedimento cirúrgico. As sequelas e limitações físicas, inúmeras vezes, leva o paciente a torna dependente para a realização de atividades básicas da vida diária. Assim no pós-operatório tardio, o paciente passa a ficar sob a responsabilidade da família, pois, esta tem grande influência na recuperação e reabilitação do familiar além das orientações da equipe de saúde no pós-operatório. 
Principais grupos de doenças neurológicas
Doenças vasculares: acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico),.
Doenças desmielinizantes: esclerose múltipla, Neurite óptica, Leucoencefalopatia multifocal progressiva e outras. 
Doenças infecciosas: meningites, encefalites.
Craniotomia: retirar tumores cerebrais, reparar aneurismas, corrigir fraturas do crânio, aliviar a pressão intracraniana e remover coágulos do cérebro, em caso de acidente vascular cerebral, por exemplo. 
Traumatismos cranianos que repercute no cérebro ou raquianos que repercutem sobre a medula espinal ( laminectomia e hérnia de disco).
Doenças inflamatórias: polirradiculoneurite, polimiosite.
Alteraçoes do desenvolvimento: deficiência mental, paralisia cerebral, déficit de atenção/hiperatividade, dislexia e outros.
Doenças degenerativas, com ou sem hereditariedade definida, com ou sem distúrbio metabólico detectado: fenilcetonúria, distrofia muscular progressiva, Parkinson, Alzheimer, adrenoleucodistrofia (doença do óleo de Lorenzo1 ) e muitas outras. 
Principais sinais e sintomas de alterações neurológicas
Psiquicas: distúrbios da consciência, do comportamento, da atenção, da memória, da organização do pensamento, da linguagem, da percepção e da organização de atos complexos, retardo do desenvolvimento neuropsicomotor e involução neuropsicomotora;
Motoras: déficit de força muscular ou paralisias nos diferentes segmentos corporais, distúrbios da coordenação e do equilíbrio, movimentos involuntários, por ex. tremores e outras;
Sensibilidade: (anestesias, formigamentos, etc;
Função dos nervos do crânio e da face: olfação, visão, movimentos dos olhos, audição, mastigação, gustação, deglutição, fala, movimentação da língua, do ombro e do pescoço
Principais sinais e sintomas de alterações neurológicas
Manifestações endócrinas por comprometimento do hipotálamo ou hipófise, que são as áreas do Sistema Nervoso que controlam as glândulas endócrinas: atraso de crescimento, puberdade precoce, diabetes insípidos, e outras;
Função do sistema nervoso autônomo: cardiovasculares, respiratórias, digestivas, da sudorese, do controle de esfíncter anal e vesical e outras;
Manifestações devidas ao aumento da pressão intracraniana, em decorrência do aumento de volume de um dos três componentes que ocupam a caixa craniana: tecido cerebral, vasos sanguíneos cerebrais ou líquido cefalorraquidiano;
Tais como dor de cabeça e vômitos; crises epilépticas, com ou sem convulsões motoras, com ou sem alterações da consciência; manifestações de comprometimento das meninges, principalmente rigidez de nuca. 
Doenças vasculares - AVC
O acidente vascular cerebral é uma doença que se caracteriza pelo comprometimento súbito da função cerebral como resultado de um distúrbio na circulação cerebral. Podem ser dois tipos:
-Isquêmico: o mais frequente, causa isquemia e/ou infarto de uma área do cérebro por obstrução de uma ou mais artérias como acontece do infarto do miocárdio. O Tratamento prioritariamente clínico e em casos de aneurisma cerebral integro ém possível procedimento naão cirúrgico através de um cateter, que leva uma substância ou mola que repara as paredes da artéria.
-Hemorrágico: quando existe extravasamento de sangue para dentro do cérebro ou do espaço subaracnóide por rompimento de algum vazo sanguíneo. O tratamento é a craniotomia, abertira cirúrgico do crânio para conseguir acessar as estruturas intracraneanas e drenar o sangue que se encontra no cérebro
Procedimento da enfermagem
Na fase aguda deve-se afrouxar as roupas e manter a oxigenação adequada, caso o paciente esteja inconsciente, ele deve ser deitado, se necessário, aspirar secreções, auxiliar na introdução de uma via respiratória artificial. Preparar paciente para cirurgia quando há indicação, geralmente é na emergência. 
Pós cirúrgico: flebite, monitorar rigorosamente sinais vitais, avaliar FO a cada troca dos curativos, proteger as áreas com sensibilidade diminuída dos extremos do frio e calor, proporcionar mobilização progressiva, investigar comprometimento neurológico e informar ao médico.
Doenças vasculares - AVC
Quando o AVC ocorre no hemisfério esquerdo, sinais e sintomas aparecem no lado direito e quando ocorrem no lado direito, sinais e sintomas aparecem no lado esquerdo e se o AVC causar lesões nos nervos cranianos a disfunção ocorrerá no mesmo lado da lesão.
Aumento da pressão intracraniana
 Procedimento da enfermagem 
A cabeça deve ser mantida em posição neutra e elevada a trinta graus, para otimizar o retorno venoso.
Quando houver necessidade de mobilização do paciente, a cabeça
Página12