A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Dentística- resumo

Pré-visualização | Página 5 de 6

aplicar o gel clareador (peroxido de hidrogênio 40%)
6° remover o gel e depois lavar com agua (da cervical para incisal)
Os alívios são confeccionados 1mm aquém da margem gengival; moldeira confeccionada em placa de acetato
Recomendação ao paciente que utilize noturno ou diário, 1x ao dia, pequenas porções de gel na face V, os dentes devem estar limpos antes e depois da utilização, evitar pigmentos ( líquidos, alimentos e batons) , se apresentar sensibilidade ou irritação deve interromper = fluorterapia; dentifrício fluoretado ou dessensibilizantes.
Incidentes: neutraliza com bicarbonato de sódio (caso queime a gengiva)
Dessensibilizantes: a base de nitrato de potássio após o clareamento (10 min)
OBS: as restaurações podem ser feitas a partir de 15 dias do clareamento
- Clareamento consultório + caseiro: 1 ° Sessão clareamento consultório → 3 aplicações, demais sessões → clareamento caseiro (3 bisnagas)
- Reação química: peroxido de carbamida se dissocia em peroxido de hidrogênio (O2 + água) + ureia (amônia e dióxido de carbono, facilita a penetração de O2): neutraliza pHO clareamento em consultório dura em média 2 anos; o caseiro (peroxido de carbamida) dura em média 7 anos se for utilizado em média de 4 semanas com dosagem baixa, diariamente. Ambos chegam a mesma tonalidade, o que muda é a LONGEVIDADE.
- Clareamento Interno: Dentes tratado endo.
Causas extrínsecas: placa, calculo, bebidas, cigarro e bactérias
Causas intrínsecas: hereditariedade, amelogênese imperfeita, irrigação e limpeza deficiente; trauma; idade; fluorose; desgaste.
Causas locais iatrogênicas: acesso endodôntico inadequado, irrigação e limpeza deficiente; manchas por materiais restauradores; medicamentos endodôntico.
Limitações: dentina hipersensível, trinca visível, classe V, hábitos do pc ( ex: fumo e alimentos)
Técnicas:
↪Perborato de sódio + água
↪Perborato de sódio + peroxido de carbamida 10 ou 16%
↪Perborato de sódio + peroxido de hidrogênio até 20%
1 Sessão:
1° radiografia
2° profilaxia
3° Registro de cor atual
4° determina comprimento de desobturação (3mm)
5° isolamento absoluto
6° acesso palatino
7° remoção do material restaurador com brocas gates
8° checar comprimento
9°radiografia
10°limpeza da câmara pulpar
11° realizar tampão cervical com cotosol 
12° condensar com BAE úmida
13° Deixar por 24 horas
OBS: o tampão cervical impede que o perborato chegue até os tecidos periapicais; faz a cobertura da junção cemento-esmalte.
2 SessãoRealizar 4 a 5 sessão com intervalos de 5 a 7 dias.
1° Condicionamento ácido por 10 seg
2° Curativo clareador (perborato de sódio + peroxido de carbamida 10%)
3° Inserção do curativo clareador por V
4° colocar uma rama de algodão
5° selar com cotosol
3 Sessão
1° Abertura
2° Limpeza
3° Nova pasta de curativo
4° rama de algodão 
5° material vedador
Aguardar de 15 a 20 dias e restaurar
Finalidade do curativo: estabilização da cor; neutraliza meio ácido; elimina O2; restabelece adesão ideal.
→Facetas estéticas diretas:
Indicações: dentes com alterações de cor; fraturas amplas; dentes com pequenas giroversão, dentes conoídes...
Vantagem: pouco ou nenhum desgaste dental, resultado estético satisfatório, menor tempo de execução, não necessita de provisório, menor custo.
1) Seleção de cor
Microhibridas e nanohibridas
- Translucidez: dentina possui baixa translucidez e alta saturação (matiz e croma); esmalte possui alta translucidez e é pouco saturado (valor)	
Matiz: nome da cor (A, B, C, D)
Croma: saturação ou intensidade da matriz (1,2,3,4)
Valor: luminosidade da cor
- Aspecto policromático
- Opalescência: capacidade do esmalte em refletir ondas curtas e simultâneas, ondas longas de aspectos visíveis.
- Fluorescência: características pela absorção de luz ultravioleta seguida da emissão de luz visível com curto comprimento de ondas.
Limpeza dos dentes
Teste direto: coloca incremento sobre o dente e polimeriza
3) Verificação dos contatos oclusais
4) Anestesia
5) Preparo do dente:
Canaleta de orientação no terço cervical da face V; canaleta vertical no centro da face V; recobrimento da borda incisal (canaleta de orientação 1,5 mm de profundidade com a 4138, união e redução incisal posicionando a margem incisal na palatina em forma de chanfrado); margem cervical = chanfrado aquém ou no limite gengiva. Brocas utilizadas 1014,3216 e 4138.
Desgaste 0,5 a 1mm quando o dente tem acentuada alteração de cor. 0,4 a 0,7 mm quando o dente apresenta moderada alteração de cor
OBS: não devemos romper a área de contato proximal
6) Isolamento
7) Limpeza do preparo
8) Sistema adesivo
9) Inserção RC
10) Ajuste oclusal
11) Acabamento e polimento: lâmina de bisturi n°12, pontas diamantada de granulação fina 1190 ou multilaminadas, disco sof-lex, tiras de lixa, pontas siliconadas e pasta para polimento com disco de feltro.
→Selamento de lesões de cárie x tratamento conservador convencional
- Técnica convencional: remoção completa do tecido cariado
1) remoção completa em sessão única: tratamento de lesão cariosa sem risco de exposição pulpar, lesão restrita a metade externa da espessura do dente
2) remoção completa em 2 sessões- tratamento expectante: lesão com risco de exposição pulpar, localizada na metade interna da espessura da dentina
1 ° remove dentina infectada e sela a cavidade temporariamente – aguardar de 45 a 60 dias
2° escavação final com remoção completa da dentina cariada remanescente
- Técnicas alternativas
1) selamento da lesão após remoção parcial da dentina cariada (idem ao tratamento expectante porem não preconiza a reabertura para a escavação final). Material forrador é colocado sobre a dentina cariada, remove toda dentina cariadas das paredes circundantes, na parede de fundo remove apenas dentina infectada. Há a formação de uma dentina esclerosada
2) selamento de lesão SEM remoção de dentina cariada: remoção de lesão restrita a metade externa da espessura de dentina; cavidade rasa ou media localizada na oclusal. Ocorre a paralisação do processo carioso
- Técnica sanduiche aberto (em contato com o meio): cavidade extensa para gengival, sem reforço de esmalte. Usa CIV mod R para restaurar G e a O restaura com RC
- Técnica sanduiche fechado; usa CIV para forrar a parede axial e por cima restaura com RC
→ Materiais Preventivos, remineralizados e bioativos.
- materiais remineralizadores autoaplicáveis são materiais que o próprio paciente pode aplicar
●Climpro 5000/3M Espe: indicado para paciente com alto índice a cárie, manchas brancas ativas, pc idoso com exposição radicular
O flúor atua diretamente na paralisação da cárie= remineralização
● Colgate 5000: indicado p/ pc com alto risco a cárie; manchas brancas ativas; indivíduos com histórico de lesões e cavidade cariosas; portadores de aparelho ortodôntico; pc c/ síndrome de sjogren.
●Dentifrícios com arginina (base de cálcio): a arginina atua na hipersensibilidade quando tem dentina exposta. O paciente massageia com cotonete na região durante 1 min. 
● Sensodyne: reparam e protegem as estruturas dentais
● Mousse → ainda precisa de mais estudos para eficaz
● Goma de mascar: eficaz como anticáries. Contraindicado para aparelho ortodôntico e pc com distúrbios musculares. 
Xilitol age na bactéria → inibe o metabolismo. + produção de saliva = + sistema tampão
●Probióticos (microorg. Vivo): bactérias que são seguras para consumo humano e em caso de ingestão de quantidade suficiente, eles trazem efeitos benéficos para saúde.
- materiais remineralizadores profissionalmente aplicáveis (dentista aplica)
● Vernizes: promove a formação de reservatórios de flúor intraorais devido a formação de CaF2.
Quando aplicado deve ficar sem beber/comer durante 30 min e sem escova o dente por 4 horas.
O verniz a base de clorexidina reduz as contagem de S.mutans, tanto na saliva, tanto no biofilme. Ex: Cervitec Plus.
- materiais Bioativos: regeneração/reparo
Os biomateriais em contato com os tecidos vivos podem desencadear 3 tipos de resposta biológica:
1) Podem ser nocivos, produzindo resposta toxicológica 
2) Podem ser inocivos ou inertes eles são integrados