A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
RESUMO PROVA PRÁTICA EMERGÊNCIAS

Pré-visualização | Página 1 de 1

PROVA PRÁTICA DE EMERGÊNCIA 
ARRITMIAS 
1) RITMO JUNCIONAL 
- Ausência de onda P ou onda P negativa, com complexo QRS normal. (bradicárdico) 
 
 
2) JPC: Contração Juncional Prematura 
- Um batimento sem onda P ou com onda P negativa, com complexo QRS normal. (taquicárdico) 
 
 
 
 
3) APC: Contração Atrial Prematura 
- Grudadinho, onda P com formato diferente e pausa depois. (taquicárdico) 
 
 
 
 
 
4) VPC: Contração Ventricular Prematura 
 
- Um batimento sem onda P e com complexo QRS bizarro. (taquicárdico) 
 
 
 
5) RITMO IDIOVENTRICULAR 
- Inteiro com ausência de onda P e complexo QRS bizarro. (bradicárdico) 
 
 
6) TAQUICARDIA VENTRICULAR 
- Inteiro sem onda P e com complexo QRS bizarro. (taquicárdico) 
 
 
7) FLUTTER ATRIAL 
 
- Sequência de onda P grudada uma na outra, parecem estar flutuando. ((taquicárdico) 
 
8) FIBRILAÇÃO ATRIAL 
 
- Onda P virou um borrão. (taquicárdico) 
 
 
 
9) BAV DE 2º GRAU 
 
- As vezes onda P sem complexo QRS. (bradicárdico) 
 
 
 
 
 
10) BAV DE 3º GRAU 
 
- Aparece ondas P em vários locais e complexo QRS bizarro. (bradicárdico) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PROTOCOLOS DE EMERGÊNCIA 
BRADIARRITMIAS TAQUIARRITMIAS 
1º Atropina bolus (até 3 vezes com intervalo de 5 minutos) 
2º Dopamila bolus (1 única vez e aguardar 2 minutos) 
3º Infusão continua de Adrenalina 
4º Cirurgia= marcapasso 
1º Lidocaína bolus 
*cão: até 3 vezes com intervalo de 2 minutos 
*gato: até 2 vezes com intervalo de 2 minutos. Obs. Gato (90%) pode 
convulsionar, deixar *Diazepam preparado 
2º Lidocaína (infusão contínua) 
3º Amiodarona bolus (1 vez) 
4º Amiodarona (infusão contínua) 
5º Lidocaína + Amiodarona (infusão contínua) 
6º - Se tiver ICC: Continuar a infusão/Cirurgia=ablação celular 
 - Sem ICC: Usar Esmolol 
 
CÁLCULO MEDICAMENTO EM BOLUS 
Q = P (peso- kg) X D (dose mg/kg) 
 Concentração-mg/ml 
 
CÁLCULO INFUSÃO CONTÍNUA 
Q = P (peso-kg) X Dc (dose corrigida-mg/kg) X t (tempo- h) 
 Concentração- mg/ml 
 
CÁLCULO CORREÇÃO DA DOSE 
Dose: mcg/kg/min → Dose corrigida: mg/kg/hora 
Dose X 60 
 1000 
 
CÁLCULO SE NÃO TIVER BOMBA DE INFUSÃO 
EQUIPO MICRO: tamanho do soro (mL) = 
 tempo de infusão 
 
 
EQUIPO MACRO: Resultado da conta do micro = 
 3 
 
 
Exemplo: 
Dopamina Infusão Contínua 
 CORREÇÃO DA DOSE: 5 X 60 = 0,3 mg/kg/hora 
 1000 
 
 DOSE: Q = 7 X 0,3 X 20 = 8,4mL 
 5 
 
 EQUIPO MICRO: 1000 mL = 50 mL/hora → 50 microgotas/min 
 20 
 EQUIPO MACRO: 50 mL = 16,6 → 17 gotas/min 
 3 
 
ESCOLHA DO EQUIPO: 
 
 Nunca escolher o equipo com menos de 10 gotas por minuto, pois quanto maior o gotejamento, maior a segurança; 
 Gotejamento ideal deverá estar entre 10 e 150 gotas por minuto; 
 Sempre mais seguro infusão contínua na bomba de infusão; 
 Tirar do frasco do soro a quantidade (mL) do soro e substituir pela quantidade (mL) de medicamento. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dose: 5 mcg/kg/min 
Concentração: 5 mg/mL 
Peso: 7 kg 
Tempo: 20 horas 
Frasco: 1 litro 
 
CHOQUE 
 
EDEMA PULMONAR 
1° OXIGÊNIO 
(PEGAR A SONDA, MEDIR A DISTÂNCIA ENTRE O CANTO DO OLHO ATÉ O FOCINHO E INSERIR A SONDA, SOMENTE ATÉ O 
COMPRIMENTO MEDIDO ANTERIORMENTE, NÃO ESQUECER DE ABRIR SUTILMENTE O OXIGÊNIO) 
2° GLICOSE 5% 
(COLOCÁ-LO NO SUPORTE, E FALAR “ABERTO LENTO”). 
3° FUROSEMIDA 
(FAZER EMBOLUS E EM INFUSÃO CONTÍNUA). 
4° DILUI A MORFINA NO SORO 
( FAZER EM BOLUS E FALAR “SERÁ FEITO LENTAMENTE”). 
5° OLHAR PRESSÃO ARTERIAL NO MONITOR, SE ESTIVER HIPOTENSO, FAZER O TESTE DE CARGA (PESO X 5 E E PESO X 10), 
QUALQUER NÚMERO ENTRE ESSE INTERVALO, ABRE TODO O SORO E DIGA AO PROFESSOR “PRONTO JÁ DESCEU, FECHAREI AGORA 
PARA DESCER LENTAMENTE”. OLHAREMOS NOVAMENTE A PRESSÃO; CHEGOU A 90MMHG, AÍ FAZEMOS O NITROPUSSIATO INFUSÃO 
CONTINUA. 
6° SE FICAR BAIXA, DOBUTAMINA INFUSÃO CONTÍNUA, CONTINUOU BAIXA? NORADRENALINA. 
7° SE DEPOIS DO 4° PASSO A PRESSÃO ARTERIAL FICAR EM 90MMGH, NÃO É PRECISO FAZER NADA, POIS O ANIMAL ESTARÁ 
ESTABILIZADO. 
 
CHOQUE HEMORRÁGICO 
1° OXIGÊNIO 
(PEGAR A SONDA, MEDIR A DISTÂNCIA ENTRE O CANTO DO OLHO ATÉ O FOCINHO E INSERIR A SONDA, SOMENTE ATÉ O 
COMPRIMENTO MEDIDO ANTERIORMENTE, NÃO ESQUECER DE ABRIR SUTILMENTE O OXIGÊNIO) 
2° RINGER LACTATO PESO X 20 = GOTAS POR MIN, DURANTE 15MIN 
3° AVALIAR PRESSÃO! 
SE O PACIENTE ESTIVER HIPOTENSO, FAZER TRANSFUSÃO. 
SE CONTINUAR BAIXA DEPOIS DE 15MIN FAZER NORADRENALINA POR INFUSÃO CONTÍNUA EM DOSE BAIXA E AGUARDAR 15MIN. 
CONTINUA BAIXA? AUMENTA DOSE DE NORADRENALINA POR INFUSÃO CONTÍNUA, SE NÃO MELHORAR HIDROCORTISONA. 
OBS.: SE FIZER NORA, E AUMENTAR A PRESSÃO > 100, DEIXAR SORO SUPER LENTO PARA REDUZIR A PRESSÃO. NORMALIZOU 
90MMHG PODE ENCAMINHAR PARA CIRURGIA! 
 
 
 
 
CHOQUE SÉPTICO 
1° OXIGÊNIO 
(PEGAR A SONDA, MEDIR A DISTÂNCIA ENTRE O CANTO DO OLHO ATÉ O FOCINHO E INSERIR A SONDA, SOMENTE ATÉ O 
COMPRIMENTO MEDIDO ANTERIORMENTE, NÃO ESQUECER DE ABRIR SUTILMENTE O OXIGÊNIO) 
2° SORO RINGER LACTATO, PESO X 20 = POR MIN POR 15MIN. 
3° CEFALOTINA EM BOLUS + METRONIDAZOL EM BOLUS E LENTO, AGUARDE POR 15MIN. 
4° OLHAR PRESSÃO, O IDEAL É QUE ESTEJA 120MMHG, 
SE ESTIVER MENOR QUE 120MMHG, FAZER NORADRENALINA DOSE BAIXA INFUSÃO CONTÍNUA E AGUARDAR 15MIN. 
CONTINUA ABAIXO DE 120MMHG, FAZ-SE DOSE ALTA DE NORADRENALINA INFUSÃO CONTÍNUA 
NÃO MELHOROU? HIDROCORTISONA EM BOLUS.