A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
4 aula Compreensão do conceito de Pessoa presente na obra

Pré-visualização | Página 1 de 1

Carl Rogers, o fundador dessa abordagem, nasceu em 8 de janeiro de 1902 em Oak Park, Illinois, nos Estados Unidos. Trabalha como psicólogo desde 1927 realizando psicodiagnóstico infantil, aconselhamento de pais, estudantes e adultos e psicoterapia no Centro de Prevenção de Violência contra a Criança (NY). Rogers falece em 4 de fevereiro de 1987. Visita o Brasil algumas vezes na década de 1970.
Compreensão do conceito de Pessoa presente na obra de Carl Rogers
 
Nessa época, a Psicologia norteamericana está dividida entre behaviorismo e psicanálise, ambas apoiadas nas ciências naturais. Para Rogers, a metade do século XX é uma época que valoriza a tecnologia como valor máximo, aplicando esse valor às relações humanas. Com isso, visando um tratamento eficiente, o psicólogo mantém uma postura distanciada de seu “objeto de estudo”, o paciente. Além disso, o ser humano é visto como “vítima passiva de forças”, sejam elas impulsos inconscientes, pressões sociais ou condicionamentos.
Através de seu trabalho como psicólogo no Centro de Prevenção, Rogers percebe os efeitos positivos de uma postura acolhedora e respeitosa com seus clientes. Essa postura se contrapõe à postura distanciada, científica, dos psicólogos da época. Colocando-se assim na relação com os clientes, Rogers descobre que todo indivíduo tem a capacidade de descobrir e buscar o que é melhor para si mesmo. Essa ideia está em sintonia com a compreensão humanista, que, como já discutido, enfatiza a liberdade e a responsabilidade essenciais do homem.
A hipótese sobre o ser humano formulada por Rogers é a seguinte: “Os indivíduos possuem dentro de si vastos recursos para a autocompreensão e para a modificação de seus autoconceitos, de suas atitudes e de seu comportamento autônomo. Esses recursos podem ser ativados se houver um clima, passível de definição, de atitudes psicológicas facilitadoras.” (p.38).
 Em outras palavras, as pessoas são capazes de perceber e compreender o que acontece em suas vidas e de se posicionarem em relação a esses acontecimentos. Para isso, precisam dispor de liberdade e criatividade diante das situações da vida.
O termo “responsabilidade” tem dois significados aqui. 
O primeiro é o significado mais corrente do termo: os acontecimentos de minha vida estão sob meu encargo. 
O segundo significado enfatiza a etimologia da palavra, indicando a capacidade de responder. Ser responsável significa ser capaz de responder ao que me solicita. Esse responder não é um mero reflexo, mas um posicionamento do indivíduo em relação ao que lhe advém. É, portanto, um ato de livre determinação do homem, mas que exige criatividade.
A psicologia da época de Rogers estuda o ser humano visando descobrir as causas determinantes de seu comportamento. A psicanálise hipotetiza as pulsões como princípio dos comportamentos. 
Ademais, explica que as pulsões, correlatos psíquicos dos instintos, objetivam a satisfação do prazer ou alívio do desprazer. Na vida em sociedade, esses impulsos, que facilmente nos levariam a destruir o próximo para satisfazer nossos desejos, precisariam ser reprimidos. 
A partir de sua experiência no contato com pessoas que atendia, Rogers vê-se obrigado a contestar essa hipótese. Segundo ele, “O ser humano é, em seu cerne, um organismo em que se pode confiar.” (p.41)
A Tendência Atualizante
O ser humano não é determinado por forças que o impelem a destruir o outro ou si mesmo. Pelo contrário, todo organismo busca a autorrealização e o crescimento cada vez mais plenos. Realizar-me como indivíduo significa também ajudar os outros na busca da autorrealização. 
Assim, Rogers formula que todo organismo possui uma tendência natural a um desenvolvimento mais completo e mais complexo. Isso pode ser observado em todos os organismos e não seria diferente com o ser humano. Nossos processos naturais também estão voltados para a manutenção, para o crescimento e para reprodução do organismo que somos. 
Essa tendência natural ao desenvolvimento mais completo e mais complexo recebe o nome de Tendência à Autorrealização (ou Tendência Atualizante).
Na Abordagem Centrada na Pessoa, todos os comportamentos humanos são manifestação dessa tendência à autorrealização, o que significa que buscam a manutenção e o crescimento do organismo. 
Todas as pessoas possuem essa tendência intrínseca para buscar estados novos de maior complexividade afetividade e cognitiva.
A compreensão da tendência atualizante intrínseca às pessoas é o fundamento da proposta rogeriana para a psicoterapia. 
O objetivo da Psicoterapia e o lugar do terapeuta na Terapia Centrada na Pessoa
 
 “Tornar-se quem se é” é o objetivo da relação terapêutica. Significa poder experimentar seus sentimentos e se relacionar consigo mesmo e com os outros de modo profundo, complexo e satisfatório. Porém, as relações vivenciadas podem conduzir à direção oposta. Circunstâncias ameaçadoras fazem com que o indivíduo priorize a defesa de sua integridade, ficando limitada na sua capacidade de experimentar a complexidade de sentimentos presentes nas relações humanas. 
Outras circunstâncias podem levar o indivíduo a falsear ou negar a sua realidade vivenciada, ou ainda a reprimir seus sentimentos e desejos. Por exemplo, uma criança pode sentir inveja diante do nascimento de um irmão, mas esse sentimento é mal visto e repreendido pelos pais. Isso pode levar essa criança a reprimir sentimentos percebidos como errados, ficando limitado na sua capacidade de se relacionar com os demais, pois a inveja é um sentimento humano.
 
A Abordagem Centrada na Pessoa compreende que a repetição e o acúmulo de ameaças à integridade ou repressão de sentimentos, que experimentamos na família, na escola e na cultura podem limitar nossa liberdade de nos reconhecermos como somos e nossas necessidades, de experimentarmos nossos sentimentos e de realizarmos escolhas pertinentes ao nosso desenvolvimento pessoal e relacional.