A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Atenção a criança (Questões)

Pré-visualização | Página 1 de 1

Yasmin Ariana Soares da Gama
6° Período – Enfermagem - noturno 
1 – Qual é a ordem exata referente a cicatriz vacinal da BCG? 
Da primeira a segunda semana: Macula avermelhada com enduração de 5mm a 15mm de diâmetro.
Da terceira a quarta semana: Pústula que se forma com o amolecimento do centro da lesão, seguida pelo aparecimento de crosta.
Da quarta a quinta semana: Ulcera com 4mm a 10mm de diâmetro.
Da 6º a 12º semana: Cicatriz com 4mm a 7mm de diâmetro, encontrada em cerca de 95% dos vacinados.
2 – Com relação ao desenvolvimento normal da criança, descreva as principais mudanças até os 24 meses?
15 dias - Entre 1 e 2 meses: predomínio do tônus flexor, assimetria postural e preensão reflexa.
 Reflexos: 
• Apoio plantar, sucção e preensão palmar: desaparecem até o 6º mês. 
• Preensão dos artelhos: desaparece até o 11º mês. 
• Reflexo cutâneo plantar: obtido pelo estímulo da porção lateral do pé. No RN, desencadeia extensão do hálux. A partir do 13º mês, ocorre flexão do hálux. A partir desta idade, a extensão é patológica. 
• Reflexo de Moro: medido pelo procedimento de segurar a criança pelas mãos e liberar bruscamente seus braços. Deve ser sempre simétrico. É incompleto a partir do 3º mês e não deve existir a partir do 6º mês. 
• Reflexo tônico-cervical: rotação da cabeça para um lado, com consequente extensão do membro superior e inferior do lado facial e flexão dos membros contralaterais. A atividade é realizada bilateralmente e deve ser simétrica. Desaparece até o 3º mês. 
1 mês - Entre 1 e 2 meses: percepção melhor de um rosto, medida com base na distância entre o bebê e o seio materno.
2 meses Entre 2 e 4 meses: bebê fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros. Em torno de 2 meses: inicia-se a ampliação do seu campo de visão (o bebê visualiza e segue objetos com o olhar).
4 meses - Preensão voluntária das mãos. Entre 4 a 6 meses: o bebê vira a cabeça na direção de uma voz ou de um objeto sonoro. Aos 3 meses: o bebê adquire noção de profundidade.
6 meses - Inicia-se a noção de “permanência do objeto”. A partir do 7º mês: o bebê senta-se sem apoio. Entre 6 e 9 meses: o bebê arrasta-se, engatinha. Entre 6 e 8 meses: o bebê apresenta reações a pessoas estranhas.
9 meses – O bebê engatinha ou anda com apoio. Em torno do 10º mês: o bebê fica em pé sem apoio.
12 meses - Entre 1 ano e 1 ano e 6 meses: o bebê anda sozinho. Em torno de 1 ano: o bebê possui a acuidade visual de um adulto.
15 meses - Entre 1 ano e 6 meses a 2 anos: o bebê corre ou sobe degraus baixo.
2 anos Entre 2 e 3 anos: o bebê diz seu próprio nome e nomeia objetos como seus. Em torno dos 2 anos: o bebê reconhece-se no espelho e começa a brincar de faz de conta (atividade que deve ser estimulada, pois auxilia no desenvolvimento cognitivo e emocional, ajudando a criança a lidar com ansiedades e conflitos e a elaborar regras sociais). Entre 2 e 3 anos: os pais devem começar aos poucos a retirar as fraldas do bebê e a ensiná-lo a usar o penico.
3 – O que é sistema de gavagem?
É a introdução de líquidos por sonda, por via oral, nasal, estomago (gastrostomia), utilizando a gravidade.
Oferece suporte nutricional ao paciente com incapacidade de receber alimentação por via oral ou amamentação fisiológica normal, é indicada para nutrição, hidratação, administração de medicamentos.
4 – Quais são os reflexos que um enfermeiro deve avaliar em uma consulta de puericultura?
Durante a consulta de puericultura é imprescindível a avaliação neuropsicomotora da criança, ação está efetivada pela apreciação dos reflexos primitivos, também chamados de arcaicos.
Os reflexos primitivos, são reações automáticas desencadeadas por estímulos que impressionam diversos receptores e que compartilham com o resto do processo evolutivo os atributos dinâmicos do amadurecimento infantil.
Dentre os principais reflexos que devem ser avaliados podemos citar:
Reflexo de Moro: Realizado por meio do emprego da estimulação da queda de cabeça ou som, de modo não exacerbado, a partir do qual se espera que a criança abra e feche os braços, simetricamente. Detectado até o 3º mês de vida.
Reflexo de Preensão palmar: Obtido ao colocar o dedo do examinador na palma da mão da criança a nível das articulações metacarpofalangeanas, ao qual a criança responde com flexão de todos os dedos, flexão e adução do polegar, simultaneamente. Detectado até o 3º mês de vida.
Reflexo de sucção: E provocado tocando-se os lábios da criança com o dedo enluvado, o que desencadeia movimentos de sucção dos lábios e da língua, esse reflexo não deve ser pesquisado imediatamente após a mamada. Detectado até o 3º mês de vida.
Reflexo de Babinski: A estimulação se por meio de cocegas na região da planta dos pés, a partir da qual se obtém a abertura, em leque, os artelhos e a rotação do pé para dentro. O mesmo desaparece por volta do 6º ao 9º mês de vida
Reflexo de extensão plantar: Deve-se imobilizar o membro inferior com a mão apoiada na porção media da perna, realizando pequenas e sucessivas excitações na borda externa do pé, região infra-maleolar, a partir das quais a resposta será a extensão do halux, com ou sem abertura em leque dos dedos, sendo detectado somente no 1º mês de vida.
Reflexo de marcha: Realizado por meio da colocação do bebê em suspensão vertical, sobre uma superfície dura e plana, segurando-o pelas axilas, a partir do qual, espera-se que a criança estenda os joelhos, que se mantinham semifletidos, sendo detectado até o 2º mês de vida.
Reflexo tônico-cervical: Deve-se virar a cabeça criança para um dos lados do corpo, espera-se que ele assuma a posição de esgrimista, sendo detectado até o 3º mês de vida.