A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
PATOLOGIAS DO QUADRIL

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material PATOLOGIAS DO QUADRIL - página 1
Pre-visualização do material PATOLOGIAS DO QUADRIL - página 2
Pre-visualização do material PATOLOGIAS DO QUADRIL - página 3

PATOLOGIAS DO QUADRIL

PATOLOGIAS DO QUADRIL
 Testes funcionais:a flexão do tronco para frente (ativo ou passivo) com os joelhos estendidos, pode causar suficiente movimento do sacro sobre o íleo, a ponto de causar dor.
 Testes especiais: teste Patrick ou Fabere.
SÍNDROME DO PIRIFORME: Algia pela compressão do nervo ciático. É importante lembrar as variantes anatômicas, que esse músculo pode apresentar (o nervo ciático pode passar por baixo, por cima ou entre o músculo).
Avaliar a estrutura do assoalho pélvico, pois ele faz a parede posterior
dessa região. As dores podem ou não ser irradiadas, e tomar cuidado com o
diagnóstico diferencial, pois pode levar a confundir com disfunções
sacroilíacas ou Hérnia discal.
BURSITES DO QUADRIL:
Trocantérica, entre o m. glúteo e o trocanter maior, é a mais comum.
 Isquioglútea: entre o glúteo e o ísquio.
Iliopectínea: abaixo do m. iliopsoas.
BURSITE TROCANTÉRICA
Causas:
 
Corrida em terrenos irregulares;
Obesidade;
Diferença do comprimento dos membros inferiores;
Hiperpronação do pé;
Desequilíbrio entre os músculos abdutores e adutores do quadril (desnivelamento pélvico);
 Encurtamento da fáscia lata.
Sinais clínicos:
• Dor na palpação do trocanter maior
• Aumento da temperatura local
• Teste de Ober positivo
• Dor no movimento resistido de abdução e rotação
externa
• Dor na deambulação
Dor na região lateral do quadril e coxa, podendo confundir com neuralgia parestésica do nervo cutâneo lateral da coxa.
BURSITE ISQUIOGLÚTEA
Sinais e Sintomas:
Dor na palpação da tuberosidade isquiática
Dor no trajeto do nervo ciático, devido à sua compressão pelo edema
no local da bolsa inflamada
 Dor na flexão de tronco e na flexão do quadril
 Dor na deambulação
Causas: Manutenção da posição sentada por muito tempo.
TRATAMENTO: Alongamento dos m.m. glúteos.
BURSITE ILIOPECTÍNEA
 Causas:
 Retração do m. iliopsoas
 Osteoartrite de quadril
Sinais e Sintomas
 Dor na flexão e extensão do quadril.
Dor na região inguinal e Antero medial da coxa podendo irradiar caso ocorra compressão do nervo femoral.
Dor principalmente no movimento resistido de flexão.
LUXAÇÃO DE QUADRIL
Sinais clínicos:
Dor, Edema, Perda do formato anatômico, Movimentos limitados e Equimose
Alteração motora e sensitiva por compressão nervosa
Paciente não fica em pé e não realiza a marcha
Causa: mais comum é acidente automobilístico.
 OBS1: é necessária a rápida redução para evitar necrose da cabeça do fêmur.
OBS2: as luxações são caracterizadas principalmente pela deformidade apresentada, dependendo da posição do membro eu consigo diagnosticar qual foi o tipo de luxação (posterior, anterior ou central).
Principais Complicações:
Necrose da cabeça do fêmur
Miosite ossificante
Fratura da pelve e do fêmur
 
Compressão nervosa anterior e posterior.
Tipos de Luxação
• Posterior: incidência de 85%
• Anterior: incidência de 10%
• Central: incidência de 5%
Luxação Posterior de Quadril
A causa mais comum é o trauma, principalmente acidente de carro, porque na posição sentada cápsula está frouxa, facilitando a luxação.
Sinais Clínicos
• Desarticulação: o paciente não fica em pé.
• Dor e edema
• Perda dos movimentos
• Perda do contorno anatômico
• Coxa fica em adução, rotação interna, leve flexão e
encurtamento.
• Na radiografia a cabeça do fêmur estará posterior ao
acetábulo.
• Cabeça do fêmur é palpável na região glútea.
Contra Indicações
Movimentos forçados, para evitar miosite ossificante.
Os movimentos de adução, rotação interna e flexão
são contra indicados no início do tratamento.
OBS: é necessário trabalhar com o paciente em extensão de quadril e joelho. Nessa posição aarticulação está estável porque ela é travada pelo ligamento íleofemoral.
Complicações:
• Necrose da cabeça femoral
• Fraturas do colo ou corpo femoral
• Fratura do quadril
• Miosite ossificante ou ossificação pós traumática, que
podem acontecer com exercícios passivos e resistidos.
• Lesão do ligamento cruzado posterior
• Neuropraxia do nervo ciático
LUXAÇÃO ANTERIOR DE QUADRIL
Sinais clínicos:
• Paciente não fica em pé
• Dor e edema
• Perda do contorno anatômico
• Perda funcional
• A cabeça do fêmur é palpável anteriormente
formando uma protuberância.
Deformidade: o quadril estará em abdução, rotação
externa e leve flexão.
• O membro não ficará encurtado porque a origem do
músculo reto femoral vai impedir o deslocamento
superior da cabeça do fêmur.
Complicações:
• Necrose da cabeça femoral
• Compressão do nervo femoral
LUXAÇÃO CENTRAL
• A cabeça femoral vai para o centro da pelve.
Causa: Acidentes automobilísticos e Queda sobre a região lateral do quadril
Sinais clínicos 
Igual as demais luxações
Deformidade: membro estará em posição neutra e levemente encurtado.