A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
7 Controle Superior da Atividade Motora Córtex e Tronco Encefálico Pt 3

Pré-visualização | Página 2 de 2

eferência de 
informações para a área suplementar motora, e o cerebelo, atuando nas alças 
de controle sobre os núcleos da base. Outra função importante é a da área pré-
motora, estabilizando a musculatura postural e proximal dos membros e 
possibilitando a execução do movimento, sendo que essa área também recebe 
informações do cerebelo. O cerebelo, obviamente, recebe informações das 
regiões somatossensoriais do nosso corpo e dos receptores de nosso corpo. Além disso, tanto a área pré-motora quanto 
a área suplementar recebem informações da cognição (córtex pré-frontal). 
 
Controle Neural do Movimento 
 
O quadro ilustra bem o que foi falado anteriormente. 
Primeiramente temos a idealização do movimento, realizado 
pela cognição no córtex pré-frontal. A partir disso, os impulsos 
chegam até as áreas de associação motora (área suplementar 
e área pré-motora) e daí o planejamento do movimento é 
enviado aos núcleos da base que, juntamente com o cerebelo, 
irão modular as informações para garantir a execução de 
maneira correta pela área motora primária. A partir do 
momento que o movimento é executado, existem vários 
receptores que estão associados a esse movimento, como 
receptores sensitivos, fusos neuromusculares, órgãos tendinosos de golgi, receptores do tato e do calor. Esses receptores 
enviam alças de feedback ao córtex na área somatossensorial primária e também enviam informações ao cerebelo, 
responsável por enviar informação para o córtex motor e para as áreas associativas. 
 
 
Alças corticais com os núcleos da base e com o cerebelo 
 
Os núcleos da base e o cerebelo possuem importantes funções para que seja executado o movimento. As alças corticais 
com os núcleos da base possuem a importância para a programação do movimento, avaliar os parâmetros motores que 
precisam ser regulados, selecionar as ações que precisam e definir os hábitos e a motivação através da cognição. 
As alças corticais com o cerebelo possuem a função de propriocepção, recebendo informações de todo o corpo (por 
meio de receptores sensoriais); é responsável pelo padrão temporal do movimento e pela correção do erro quando o 
movimento é realizado de forma errônea. 
 
Lesão nas Vias Motoras Descendentes – Síndrome do Neurônio Motor Superior 
 
Na síndrome do neurônio motor superior ou em lesões nas vias motores descendentes existem duas fases, uma aguda 
e uma tardia. Na fase aguda há uma flacidez imediata contralateral (hipotonia), conhecida como choque espinhal e 
caracterizada pela queda das aferências superiores. Nessa fase ainda há a manutenção de certo controle do tronco devido 
ao fato de o controle de tronco ser mais relacionado a vias mais mediais, sendo que algumas são bilaterais. 
Já na fase tardia existe a recuperação de alguns circuitos motores da medula espinhal. Começa a aparecer o sinal de 
Babinski, a espasticidade (rigidez e tônus aumentado) e a perda da habilidade de realizar movimentos finos. 
Portanto, no efeito inicial há o estado de choque espinhal, caracterizado como uma perda temporária de atividade reflexa 
dos neurônios motores inferiores por terem sido privados das aferências corticais repentinamente. Além disso, há a flacidez 
imediata da musculatura afetada, hipotonia e abolição da atividade reflexa. Isso ocorre devido ao fato de que os centros 
motores superiores estão, a todo momento, enviando informações para os motoneurônios presentes na medula espinal, 
logo, no momento em que existe a lesão, essas informações são interrompidas, ocasionando o silenciamento das funções 
medulares até que a medula recupere seu estado de atividade normal. 
Quando o indivíduo sai dessa fase aguda há a fase crônica, em que há a recuperação de várias funções dos circuitos 
medulares. Começamos a observar uma hiperreflexia, sendo possível observar uma atividade grande por meio do Sinal 
de Babinski pois, em uma resposta normal ao passar um objeto pontiagudo na planta e na parte lateral do pé, haveria a 
flexão de todos os dedos. Já no Sinal de Babinski, ao fazer o mesmo movimento, há a abertura anormal dos dedos em 
leque e extensão do dedão. Existe também a perda da habilidade de realizar movimentos finos, relacionada com a via 
córtico-espinal lateral, e também a Espasticidade, com um aumento do tônus muscular (hipertonia) e aumento do reflexo 
miotático hiperativo (hiperreflexia miotática). 
 
 
 
 
 
Perda da habilidade de realizar movimentos finos 
 
A perda da habilidade da realização dos movimentos finos se dá, principalmente, por causa do sistema lateral, que comanda 
a musculatura distal, logo, perde-se o controle do neurônio motor superior sobre o neurônio motor inferior. 
 
Espasticidade 
 
A espasticidade aparece juntamente com o aumento do tônus muscular a e hiperreflexia. Apresenta-se também a situação 
de Clono, em que há uma resposta motora oscilatória aos estiramentos dos músculos. Acredita-se que a espasticidade 
ocorre devido à perda das influencias inibitórias corticais sobre os centros reticulares e vestibulares do tronco encefálico. 
Existe também uma ação direta do núcleo rubro promovendo ações flexoras nos membros e também das ações 
vestibulares, que poderiam gerar uma hiperativação gama. 
 
Decorticação e Decerebração 
 
Decorticação é quando perdemos as influencias corticais mais superiores e geralmente temos a flexão e adução do 
membro superior e no membro inferior há rotação interna e plantiflexão. 
 
Já o padrão de decerebração é um padrão mais grave, em que há perda da influencia das regiões do cérebro, portanto, 
nesse padrão de decerebração há apenas a influencia de estruturas do tronco encefálico abaixo do núcleo rubro. 
 
 Na decerebração, todos os tratos córtico-espinal e rubro-espinal é interrompido. Nesses sistemas há uma ação flexora e 
é por isso que no padrão decorticado há um padrão flexor de membros superiores, devido à perda do controle cortical 
sobre a via rubro-espinal. Sendo assim, na descerebração há a extensão dos quatro membros, uma vez que a via rubro-
espinal não está em funcionamento. A remoção dos controles corticais sobre o tronco facilita ações extensoras dos 
núcleos vestibulares e reticulares. Não há flexão dos membros superiores devido à remoção de influencias rubrais. 
Os núcleos reticulares e vestibulares não possuem mais nenhuma influencia das áreas corticais, portanto, os núcleos 
vestibulares e a formação reticular, principalmente a pontinha, ficam ativas. A formação reticular pontinha se autodespolariza 
e a todo momento ela envia impulsos para a musculatura extensora e postural, juntamente com o sistema vestibular. 
Quem tem influencia para inibir essa formação reticular pontinha é a formação reticular bulbar, porém, para ser ativa, essa 
formação reticular bulbar precisa de influencia da prospecção e influencia do córtex-motor e de núcleos da base. Como 
há um antagonismo entre essas duas vias, perdemos a influencia da formação reticular bulbar sobre a pontina, gerando 
uma ativação contínua da formação reticular pontinha e constante extensão.