A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Complexo hiperplasia endometrial cística

Pré-visualização | Página 1 de 2

Complexo hiperplasia endometrial cística-piometra em uma cadela tratada com acetato de medroxiprogesterona como método contraceptivo
Hanniele R. Moreira1 , Stefânia A. Miranda1, 3, 4, Adriel B. de Brito1 , Washington L. A. Pereira2, 3, Sheyla F. S. Domingues1, 2*
Resumo: O objetivo deste estudo foi relatar o caso clínico, os achados ultrassonográficos e histopatológicos do complexo hiperplasia endometrial cística - piometra (HEC-P) em uma cadela sem raça definida, tratada pelo proprietário com medroxiprogesterona durante três anos sem a orientação médica veterinária, bem como mostrar a importância da utilização do exame ultrassonográfico na clínica veterinária para o diagnóstico precoce de HEC associada ou não à piometra, quando métodos contraceptivos com análogos da progesterona forem empregados.
Material e métodos
Uma cadela sem raça definida (SRD), com 10 anos de idade, pesando 9 kg e não castrada foi atendida no Laboratório de Biologia e Medicina de Animais Domésticos e Silvestres da Amazônia (BIOMEDAM), Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Pará (UFPA), por apresentar, segundo o proprietário, sinais de anorexia, apatia, gemidos, êmese, tenesmo, poliúria, polidpsia e edema vulvar com eliminação de secreção vaginal mucopurulenta de odor pútrido. O proprietário relatou que administrava medroxiprogesterona à fêmea como método contraceptivo por 3 anos consecutivos, a cada 4 meses, sem a prescrição de um Médico Veterinário.
A partir dos achados ultrassonográficos indicativos de HEC-P, a fêmea foi submetida à ovariohisterectomia. Fragmentos do útero foram fixados em formol tamponado a 10%, inclusos em parafina e seccionados a uma espessura de 5 µm, sendo posteriormente corados pelo método de Hematoxilina-Eosina (H-E) para exame histopatológico.
Resultados e discussão
No exame macroscópico foi observado o útero aumentado de tamanho com artérias uterinas (AU) e seus ramos congestos, hiperêmicos e dilatados (Figura 2A). O endométrio apresentava-se espessado com zonas de hipertrofia papilomatosas (Figura 2B) e presença de conteúdo mucopurulento intraluminal. O estudo histopatológico revelou hiperplasia do epitélio de revestimento uterino, configurando um aspecto papiliforme com projeções para o lume, incluindo as glândulas endometriais; no interstício houve predomínio de macrófagos e de células neutrofílicas (Figura 3). Ainda no tecido conjuntivo endometrial, os vasos mostraram-se túrgidos por sangue, e presença de áreas hemorrágicas e de fibroplasia. Além da hiperplasia do epitélio superficial e glandular endometrial, observou-se destruição de glândulas e muitas mostraram-se com distensão cística do lúmen por exsudato mucoso (Figura 4) e células piocitárias. O miométrio encontrava-se com vasos congestos e perimétrio sem alterações.
Link do artigo: http://www.fmv.ulisboa.pt/spcv/PDF/pdf12_2008/233-238.pdf
COMPLEXO HIPERPLASIA ENDOMETRIAL CÍSTICA/PIOMETRA EM CADELAS: FISIOPATOGENIA, CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS, LABORATORIAIS E ABORDAGEM TERAPÊUTICA
Pós-graduando: Danilo Gama Martins
Orientador: Prof. Dr. Wilter Ricardo Russiano Vicente
FISIOPATOGENIA 
A piometra pode ser diferenciada da metrite pelo período do ciclo no qual ocorre e também pela patogênese (JOHNSTON et al., 2001). A metrite é a inflamação do útero causada por infecção bacteriana primária logo após o parto quando a concentração de progesterona sérica é baixa. A piometra é uma doença mediada pela progesterona e se inicia durante o diestro sendo causada pela repetitiva exposição do endométrio à progesterona (JOHNSTON et al., 2001). No entanto, vários estudos têm sido feitos bem como teorias têm sido suscitadas para comprovar ou tentar explicar a exata patogenia da HEC. Uma delas, propõe que o desenvolvimento da piometra esteja associado a excessivas estimulações hormonais de estrógeno e progesterona (CHRISTIANSEN, 1988; ROBERTS, 1956). Este conceito originou-se de estudos desenvolvidos por Teunissen (1952) e Dow (1959), que induziram experimentalmente piometra com altas doses de progesterona em aplicações intermitentes. Análises histológicas de úteros em estádio inicial da doença, feitas por Dow (1959), revelaram hiperplasia glandular cística. 
Figura 2 – Imagem fotográfica do endométrio de uma cadela de 12 anos, da raça Pastor Belga, após OSH para tratamento de piometra. Notar cistos endometriais difusos (setas). Arquivo pessoal.
Link do artigo: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/89044/martins_dg_me_jabo.pdf 
Pólipo endometrial uterino com hemorragia severa e hiperplasia endometrial cística - complexo de piometra em um cão
Sanjeev Gumber , Nora Springer , Nobuko Wakamatsu
Resumo: O relatório atual descreve uma apresentação incomum de pólipo endometrial uterino com hemorragia severa e hiperplasia endometrial cística - complexo piometra em um Doberman Pinscher de 9,5 anos de idade. O cão apresentou história de 2 dias de secreção sanguinolenta da vulva e abdômen aumentado. O exame post-mortem revelou um corno uterino direito marcadamente distendido com uma grande massa pedunculada (17 cm x 9 cm x 4 cm) e sangue. Com base nos achados histológicos, foi feito o diagnóstico de pólipo endometrial uterino.
Uma fêmea do Doberman Pinscher intacta de 43 kg, 9,5 anos de idade, apresentada em emergência no Veterinary Teaching Hospital and Clinic, Louisiana State University (Baton Rouge, LA) por uma secreção com sangue da vulva e um abdômen severamente aumentado de 2 duração dos dias. Ela estava alojada em um cercado ao ar livre e nunca havia feito prevenção contra dirofilariose. No exame físico, o cão tinha membranas mucosas marcadamente pálidas, taquicardia, desidratação (5–8%) e secreção com sangue da vulva. 
No exame post-mortem, o útero estava severamente distendido com aproximadamente 2-3 litros de líquido vermelho opaco (sangue), com o corno direito mais gravemente afetado ( Fig. 1) Uma massa macia de 17 cm × 9 cm × 4 cm, não encapsulada, pedunculada, bronzeada pálida, presa ao endométrio por uma haste de 2 cm estava presente no lúmen uterino ( Fig. 2) A massa apresentava estruturas císticas cheias de líquido, hemorragia multifocal e necrose, que era visível tanto externamente quanto na superfície do corte. O endométrio estava moderadamente espessado por várias cavidades cheias de líquido de 3-6 mm (hiperplasia endometrial cística; Fig. 2, flecha). A artéria pulmonar apresentava rugosidade moderada da íntima (proliferação intimal) e continha mais de 50 vermes adultos. Outras principais anormalidades graves incluíram hemorragia pulmonar multifocal e congestão hepática. Os diagnósticos diferenciais, com base no exame de necropsia macroscópica, foram adenoma uterino, adenomiose uterina, pólipo endometrial uterino, carcinoma uterino e complexo hiperplasia endometrial cística - piometra.
Figura 1. O corno uterino direito contém uma grande quantidade de sangue e um grande pólipo endometrial pedunculado no lúmen uterino. O corno uterino direito era maior do que o corno uterino esquerdo.
Figura 2. O pólipo uterino não encapsulado, pedunculado, de 17 cm × 9 cm × 4 cm, está presente na luz uterina e é fixado ao endométrio por uma haste de 2 cm. A massa apresenta estruturas císticas cheias de líquido, hemorragia multifocal e necrose. O endométrio é moderadamente espessado por múltiplas cavidades cheias de líquido (seta).
Histologicamente, a massa uterina era bem demarcada, não encapsulada e moderadamente celular e continha muitas estruturas glandulares de tamanho variável separadas por abundante tecido conjuntivo fibroso ( Fig. 3) As superfícies da massa e das glândulas em proliferação foram revestidas por camadas únicas de células epiteliais colunares ( Figs. 4, 5) Essas células epiteliais tinham bordas celulares distintas e uma quantidade moderada de citoplasma eosinofílico. Os núcleos eram arredondados a ovais com cromatina pontilhada e nucléolos únicos. As mitoses eram raras. As glândulas eram multifocalmente ectáticas e continham quantidades moderadas de material eosinofílico a basofílico misturado com restos