A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Músculo Cardíaco e Valvas Cardíacas

Pré-visualização | Página 1 de 1

MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
Músculo Cardíaco e Valvas Cardíacas 
CARACTERÍSTICAS 
• Sincício – massa celular única de modo que o 
ocorre em uma célula se distribui para as 
demais. O potencial de ação que nasce no nó 
sinusal, se dissipa por todas as células uma a 
uma. 
• O músculo cardíaco possui de 2 a 3 núcleos 
por célula. Se juntaram 2 a 3 miócitos para 
formar uma única célula muscular cardíaca. 
OBS: Células embrionárias de miócitos se 
transformam mais fácil em miócitos adultos do que no 
caso das células do músculo estriado esquelético, o 
que gera melhor capacidade de regeneração. 
 
 
3 tipos musculares no coração 
 1 2 
 3 4 
1) Músculo ventricular – sarcômeros muito bem 
definidos, fibras organizadas, contração muito 
intensa, muitas mitocôndrias e bem 
organizadas 
2) Músculo atrial – fibras musculares 
desorganizadas (tem muito tecido conjuntivo 
interposto), pouco contrátil, menos 
mitocôndrias 
3) Feixe excito-condutor – formado pelo nó 
sinusal, feixes de Beckman (interatriais), feixe 
internodal, nó atrioventricular, feixes de His, 
fibras de Purkinje. Transição entre tecido 
muscular e tecido nervoso, pois tem a 
capacidade de gerar e transmitir impulsos. 
Como ele tem capacidade de contração, não 
pode ser chamado de apenas nervoso; 
4) Tecido muscular glandular do coração - é a 
porção endócrina, na parte do átrio direito, 
que produz ANP (peptídeo natriurético atrial); 
OBS DO ARTIGO: Quando o indivíduo consome 
excessivamente sódio, aumenta a volemia, aumenta a 
natriúria, aumenta a pressão → músculo cardíaco fica 
hipertrofiado 
MÚSCULO CARDÍACO 
 
• Presença de discos intercalares (liga um 
cardiomiócito ao outro) e junções 
intercomunicantes (aberturas entre as células) 
• A fibra muscular estriada cardíaca é pequena 
MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
 
• Possuem túbulos transversos – esses túbulos 
possuem o diâmetro maior (cerca de 5x os do 
músculo esquelético). No músculo cardíaco o 
potencial de ação alcança muito rapidamente o 
interior da célula. O cálcio que deflagra a 
contração do cardiomiócito advém 
principalmente do retículo sarcoplasmático 
OBS: Paciente com hipocalcemia plasmática – afeta a 
contração do músculo estriado esquelético, pois 
depende muito do cálcio plasmático. No músculo 
cardíaco o prejuízo é menor pois há dependência de 
cálcio que está dentro do retículo. 
Potencial de ação 
• O potencial de ação consiste na alteração do 
potencial da membrana, gerada em uma célula e 
se difundindo nas outras, sendo importante para 
a contração do músculo cardíaco 
• Cada célula tem um padrão de despolarização 
típico. A despolarização genérica no 
nervo/músculo ocorre pela entrada de sódio, 
fazendo com que o potencial interno vá de -
90mV a +35 mV (por exemplo), se ativando, o 
que ocorre graças a abertura dos canais de sódio 
voltagem dependentes. Algum tempo depois é 
inativado, e sódio não entra mais. 
Paralelamente, os canais de potássio se abrem, 
e o K+ em excesso dentro da célula sai, e o 
potencial volta a ser de -90 mV (repolarização) 
 
FASES DO POTENCIAL DE AÇÃO 
 
*Potencial de ação do músculo estriado esquelético 
• 0 – Despolarização rápida: São abertos 
rapidamente os canais de sódio e o sódio 
entra 
• 3 – Repolarização: ocorre graças à abertura 
dos canais de potássio (canal voltagem 
dependente rápido de potássio) 
PADRÃO DE DESPOLARIZAÇÃO DO MÚSCULO CARDÍACO 
• No caso do músculo cardíaco, o padrão de 
despolarização é diferente 
• A despolarização do músculo cardíaco tem que 
ser continuada, sustentada 
• O padrão é o músculo ventricular 
 
• 0 – Despolarização rápida: São abertos 
rapidamente os canais de sódio e o sódio 
entra 
• 1 – Repolarização breve: ocorre graças ao 
vazamento de potássio (está em excesso) 
• 2 – Platô do potencial de ação: ocorre graças 
à abertura dos canais lentos de cálcio ou 
cálcio sódio 
• 3 – Repolarização: ocorre graças à abertura 
dos canais de potássio (canal voltagem 
dependente rápido de potássio) 
• 4 – Potencial de repouso 
MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
 
• Potencial de ação do feixe excito-condutor 
• A despolarização do feixe excito-condutor 
difere do músculo ventricular em duas 
características: 
- Tem limiar de potencial de ação pequeno: 
mecanismo que ocorre para que aqueles 
canais se abram e que a célula se despolarize 
efetivamente 
- Tem potencial de repouso variável: há 
influxo de sódio por canais de vazamento (e 
diminuição do efluxo de potássio) 
 
Valvas cardíacas 
• Nós temos quatro grandes valvas 
 
VALVAS ATRIOVENTRICULARES 
• Formadas por cúspides e se abrem/fecham 
pelos músculos papilares e cordas que se 
conectam a elas. 
➔ Mitral (bicúspide): dois. 
➔ Tricúspide: três. 
VALVAS SEMILUNARES 
• Formadas por três membranas, também são 
unidirecionais. 
➔ Aórtica 
➔ Pulmonar 
 
• A valva bicúspide liga o AE e o VE 
• Seta esquerda - O sangue está passando do 
AE para o VE. Está em diástole 
• Seta direita - O sangue está sendo ejetado do 
VE, tenta ir para o AE, então ele está em 
sístole 
 
➔ Coração em diástole – as valvas 
atrioventriculares estão abertas (o VE está 
recebendo sangue do AE) 
• Grande circulação - o sangue venoso entra no 
átrio direito através da veia cava e passa pela 
valva tricúspide para o ventrículo direito 
• Pequena circulação - o sangue arterial entra 
no átrio esquerdo através da veia pulmonar e 
MARÍLIA ARAÚJO – P2 
 
passa pela valva mitral para o ventrículo 
esquerdo 
 
➔ Coração em sístole – abertura das valvas 
semilunares na contração ventricular 
• Grande circulação - a valva mitral fecha e a 
valva aorta se abre, deixando o sangue seguir 
para os tecidos através da artéria aorta e 
resgatar gás carbônico, voltando para o átrio 
direito pela veia cava 
• Pequena circulação - a valva tricúspide fecha 
e a valva pulmonar se abre, deixando o 
sangue seguir para os pulmões através da 
artéria tronco pulmonar e ser oxigenado, 
voltando para o átrio esquerdo pela veia 
pulmonar 
SOPROS CARDÍACOS 
• Sistólico: quando o ventrículo contrai para 
ejetar o sangue para as artérias e há um 
prolapso na valva atrioventricular, fazendo 
com que o sangue retorne ao átrio. 
• Diastólico: quando o sangue é ejetado para as 
artérias, a tendência é que ele volte para o 
ventrículo, mas é impedido pelo fechamento 
da semilunar. Também pode ser causado por 
uma estenose, quando o sangue passa para a 
artéria com dificuldade.