A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Puerpério Fisiológico - perguntas e respostas

Pré-visualização | Página 1 de 2

Obstetrícia Thomás R. Campos | Medicina - UFOB 
PUERPÉRIO FISIOLÓGICO 
 
DEFINIÇÃO (início, duração, fenômenos) 
Período que se inicia com a expulsão da placenta, com duração de 6-8 semanas, marcado por 
fenômenos hormonais, psíquicos e metabólicos que cursam com o retorno da função 
reprodutiva e readaptação do organismo feminino à situação pré-gravídica. 
 
FASES DO PUERPÉRIO 
Puerpério imediato: 1º ao 10º dia; 
Puerpério tardio: 10º ao 45º dia; 
Puerpério remoto: além do 45º dia. 
 
MODIFICAÇÕES UTERINAS 
Involução uterina: 
- Redução de volume de 1 cm/dia (contração) – órgão se torna intrapélvico em 15 dias e 
retorna às dimensões uterinas dentro de 01 mês. 
- Redução do peso (redução do citoplasma dos miócitos) – ao final do parto, o útero pesa 
cerca de 1.000 g, ao final da primeira semana, seu peso é reduzido para a metade (500 g), e, 30 
dias após o parto, pesa cerca de 100g. 
Essa involução é mais rápida em mulheres que amamentam, devido ao estímulo à liberação de 
ocitocina que a amamentação causa → reflexo útero-mamárico 
- Hemostasia → fenômenos de miotamponagem (ligaduras vivas de Pinard) e 
trombotamponagem (trombose dos orifícios vasculares abertos no sítio placentário). 
 
MODIFICAÇÕES DO COLO DO ÚTERO 
- Fechamento do colo – 02 dias de pós-parto ainda permite 1-2 dedos na exploração digital e, 
aproximadamente 01 semana após o parto o colo já estará totalmente fechado. 
- Reconstituição da espessura do colo - 12 horas após o parto a cérvice uterina perde o aspecto 
pregueado. À medida que a cérvice uterina se estreita, o colo uterino adquire maior espessura 
e reconstitui a endocérvice. 
- Orifício externo do colo em fenda transversa - O orifício externo do colo uterino na mulher 
que já pariu jamais recupera a sua conformação original (aspecto puntiforme) e assume um 
aspecto em fenda transversa 
 
 
Obstetrícia Thomás R. Campos | Medicina - UFOB 
MODIFICAÇÕES ENDOMETRIAIS 
-A camada externa da decídua basal que permanece após a dequitação é enfraquecida e 
irregular, sofre necrose e é eliminada sob a forma de lóquios. 
-A camada interna da decídua basal é responsável pela regeneração do endométrio → 
regeneração completa em 3 semanas, exceto o sítio de inserção placentária que se regenera por 
completo mais tardiamente, em 6 semanas. 
 
MODIFICAÇÕES VAGINAIS 
- Cicatrização lacerações → pequenas lacerações cicatrizam rapidamente e em 5-6 dias já não 
são visíveis. Lacerações maiores geralmente demoram um pouco mais. 
- Reaparecimento gradual do pregueamento das paredes vaginais 
- Crise vaginal pós-parto → o epitélio escamoso estratificado da vagina sofre um processo 
atrófico de origem hormonal, que acontece durante os primeiros 15 dias após o parto e, por 
vezes, causa desconforto local. 
- Redução gradativa do diâmetro do introito vaginal no puerpério imediato. Nos 
remanescentes do hímen roto aparecem pequenas saliências características de mulheres que já 
pariram, conhecidas por carúnculas mirtiformes. 
 
MODIFICAÇÕES NA FUNÇÃO OVULATÓRIA 
- Retorno da função ovulatória – dentro de 6-8 semanas caso a paciente não amamente. 
*mulheres que amamamentam geralmente têm ciclos anovulatórios, mas não há garantia de 
nada e a ovulação pode ocorrer mesmo na mulher que amamenta. 
O início da anticoncepção no puerpério deve ser após o reinício da menstruação? (V ou F) 
FALSO! 
A ovulação é o primeiro fenômeno de retorno à fertilidade, e não o retorno à menstruação. Por 
esse motivo, não se deve esperar o reinício da menstruação para iniciar a contracepção. 
 
MODIFICAÇÕES NAS MAMAS 
Início da gestação → proliferação de células epiteliais alveolares, formação de novos ductos e 
desenvolvimento da arquitetura lobular. 
Final da gestação → diferenciação para a atividade secretora, com aumento da glândula à custa 
de hipertrofia dos vasos sanguíneos, hipertrofia das células mioepiteliais e tecido conjuntivo, 
depósito de gordura e retenção de água e eletrólitos. 
No parto → o colostro já está presente. 
Apojadura → é a descida do leite, que ocorre entre é o 1º-3º dia após o parto. 
 
Obstetrícia Thomás R. Campos | Medicina - UFOB 
ETAPAS DA PRODUÇÃO LÁCTEA? (SÃO 3) 
1- Mamogênese: crescimento e desenvolvimento mamário – ocorre na gravidez. 
2- Lactogênese: início da secreção láctea – ocorre após a extração da placenta, com 
decréscimo importante de hormônios esteroides que reduzem o bloqueio das glândulas 
mamárias ao estímulo da prolactina, culminando com a apojadura. 
3- Lactopoese: manutenção da lactação já iniciada – a prolactina é o hormônio mais 
importante na lactopoese, mas o adequado e frequente esvaziamento das mamas também é 
indispensável para a manutenção da secreção láctea, por isso a ocitocina também é 
importante, pois estimula a contração das fibras mioepiteliais que rodeiam os alvéolos 
mamários, que facilita a ejeção láctea. 
 
MODIFICAÇÕES NO TRATO URINÁRIO 
- Capacidade vesical aumentada no pós-parto – distensibilidade aumentada em pelo fator 
hormonal + término do efeito compressivo do útero gravídico = superdistensão, esvaziamento 
incompleto, resíduo urinário significativo e até de refluxo ureteral 
*A hipotonia e o relaxamento das paredes da bexiga e dos ureteres costumam regridir entre 2-
8 semanas, mas podem persistir por 3 meses. 
- Retenção urinária – aumento da capacidade vesical, dilatação ureteral, traumatismos no 
aparelho genital durante o parto. Também pode ocorrer retenção urinária como consequência 
da anestesia, também pode ocorrer redução da diurese em resposta à perda sanguínea 
durante o parto. 
- O fluxo plasmático renal, a taxa de filtração glomerular e o clearance de creatinina 
retornam ao normal nos primeiros 5 dias após o parto. 
 
MODIFICAÇÕES HEMODINÂMICAS 
- Resistência vascular periférica aumenta – eliminação do shunt-AV placentário, ou seja, 
ocorre retorno às condições pré-gravídicas após a dequitação. 
- Débito cardíaco aumenta no puerpério imediato – saída da placenta (ganho de 300mL de 
sangue) + descompressão aortocava. Retorna ao nível pré-gravídico em até 02 semanas. 
- Volume plasmático aumenta – descompressão aortocava + redistribuição dos líquidos 
corporais. Retorna ao nível pré-gravídico em até 02 semanas. 
- Pressão venosa em MMII diminui – involução do útero = varizes, hemorroidas e edema 
desaparecem. 
 
 
 
 
Obstetrícia Thomás R. Campos | Medicina - UFOB 
MODIFICAÇÕES HEMATOLÓGICAS 
-Hemoglobina volta a níveis pré-gravídicos em 06 semanas do parto. 
-Leucocitose de até 25.000 é normal no trabalho de parto e pode persistir no puerpério, 
principalmente se não houver desvio à esquerda. 
-Consumo dos fatores de coagulação nas primeiras horas pós-parto – retornam ao normal 02 
dias após o parto. 
 
 
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS NORMAIS NO PUERPÉRIO 
Dor – resultado das contrações uterinas e do reflexo útero-mamárico, normalmente se resolve 
dentro de uma semana. Pode ser necessário analgesia. 
Lóquios – são secreções típicas do puerpérico, com eliminação variável de exsudatos e 
transudatos, restos celulares, sangue... resultado da involução uterina e regeneração da ferida 
do sítio de inserção placentário (e demais lesões sofridas pela genitália durante o parto). 
Redução de peso – esvaziamento uterino + perda de sangue + regressão do edema – o peso 
pré-gravídico retorna em torno de 06 meses após o parto. 
Hipertermia – nos primeiros dias de puerpério é normal ter febre, relacionada com a 
apojadura (febre do leite) e é considerado fisiológico quando dura menos que 48h. 
Blues puerperal – alterações de humor transitórias benignas e autolimitadas (duração menor 
que 2 semanas).