A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Tratamento de dentes com rizogênese incompleta

Pré-visualização | Página 2 de 2

que é o tampão apical, para que o cone de guta-percha não passe. Esse tampão 
apical não é removido. Obturar de maneira tradicional. 
 
 Além de barreira mecânica, estimula o fechamento apical 
 Indicada nos casos em que o segmento apical apresentar paredes paralelas ou ligeiramente 
convergentes 
Regeneração pulpar 
 Fornece uma abordagem de tratamento alternativa que se baseia nos princípios da medicina 
regenerativa e engenharia de tecidos 
 Reposição de polpa danificada, incluindo a formação de nova dentina e novas células do complexo 
dentinhopulpar 
 Continuidade de desenvolvimento radicular 
 Presença de células-tronco/proliferação e desenvolvimento celular 
 Controle de infecção do canal radicular 
 É necessário para que esse processo aconteça a presença de células-tronco, matriz extracelular e 
sinalização de fatores de crescimento. Sem a interação desses fatores não é possível que a regeneração 
celular aconteça 
Objetivos 
- Promover o completo desenvolvimento radicular com evidências radiográficas de aumento de espessura 
de parede do canal e fechamento do forame apical 
- Manutenção do dente 
- Tratar a lesão perirradicular 
Seleção dos casos 
- Dente permanente com necrose pulpar e ápice radicular aberto (contra indicada em dentes com ápice 
radicular fechado) 
- Dentes que não necessitam de retentor intrarradicular (contra indicado em dentes que precisem de retentor 
intrarradicular) 
- Pacientes alérgicos a medicação intracanal 
- Pacientes/responsáveis colaboradores devem ser mantidos informados 
 
Fatores em comum dos protocolos clínicos 
Descontaminação mecânica praticamente ausente > Manter medicação intracanal > Sangramento induzido 
deve servir como matriz para que as células tronco possam neoformar um tecido 
 
Controle da infecção 
Medicação intracanal 
 É necessário a máxima eliminação de microrganismos para o sucesso do tratamento 
 Uso da pasta triantibiótica: Ciprofloxacina, Metronidazol e Minoclicina (a minociclina pode ser 
removida, porque causa manchamento na coroa dentária) 
 Clorexidina + Hidróxido de cálcio = sucesso (resultado compatível com a pasta triantibiótica) 
 Protocolos utilizados mostram alto índice de eficácia o que demonstra que estão adequados 
 
Revascularização pulpar 
Técnica – 1ª consulta 
1. Isolamento absoluto _ abertura coronária 
2. Determinação da odontometria 
3. Irrigação com NaOCl a 1,5% + soro fisiológico 
4. Secagem do canal (cones de papel absorvente) 
5. Preenchimento com pasta à base de hidróxido de cálcio ou pasta bi ou tri-antibiótica (ciprofloxacino 
+ metronidazol + minociclina) – essa medicação é mantida 
6. Selamento coronário provisório (algodão estéril + cotosol + CIV) 
Técnica – 2ª consulta 
1. Exame clínico prévio – avaliar sinais e sintomas (aumento intra ou extra oral, presença de fístula, 
etc) 
2. Isolamento absoluto + abertura coronária e remoção da medicação intracanal (MIC) com EDTA 17% 
3. Secagem do canal (cones de papel absorvente) 
4. Indução do sangramento girando uma lima #25 pré curvada até 2mm além do forame apical 
5. Coloca-se MTA (3mm) sobre o coágulo (tampão cervical) 
6. Selamento coronário provisório e/ou definitivo 
 
Revascularização pulpar 
 Não necessariamente o elemento dental responde aos testes térmicos e elétricos, por mais que tenha 
uma neoformação tecidual 
 Eventualmente o comprimento radicular não é atingido, mas há ganho de espessura e fechamento 
apical. Além de não ganhar em comprimento, pode haver a calcificação do canal, fazendo um efeito rebote. 
Vantagens 
Fácil execução 
Sem risco de rejeição pelo sistema imune 
Baixo risco de complicações para o paciente 
 
Desvantagens 
Poucos casos reportados; maioria associados a dentes jovens 
Novo tecido pode não apresentar características de tecido pulpar 
Calcificação total do novo tecido (efeito rebote) 
 
Desafios da técnica de regeneração pulpar 
Colocação da barreira MTA (solúvel em sangue) 
Pigmentação por miociclina na coroa 
Dificuldade de indução de coágulo 
 
Fatores relacionados ao sucesso 
Êxito mais em pacientes jovens 
Principalmente em casos de necrose pulpar e ápice aberto 
Uso de medicação intracanal 
Criação de scaffold (matriz do coágulo) 
Pouca ou nenhuma instrumentação 
Adequada restauração coronária seja realizada